Prémio Científico ULisboa/CGD 2019 – Menção Honrosa: Ícaro Dias da Silva

“Os depósitos de massa paleozoicos são uma janela de informação para compreender estes fenómenos na atualidade”

ferramenta de saída de campo

O trabalho de Ícaro Dias da Silva é coletar e integrar dados de campo e de laboratório, usando técnicas clássicas e modernas

Imagem cedida por IDS
Ícaro Dias da Silva
Ìcaro Dias da Silva

Ícaro Dias da Silva, investigador do grupo RG3 - Solid Earth dynamics, hazards and resources do Instituto Dom Luiz, recebeu uma menção honrosa na última edição (2019) dos Prémios Científicos ULisboa / Caixa Geral de Depósitos.

Na sua opinião esta distinção representa a valorização do árduo trabalho de investigação de investigadores nacionais e estrangeiros com quem tem tido o prazer de se cruzar, considerando a iniciativa importante, já que incentiva o avanço da ciência e distingue personalidades nas diferentes áreas do conhecimento científico.

“O prémio é individual, mas o trabalho representa um esforço conjunto, em que muitos dos que colaboram comigo levam muitos anos de caminho traçado”, diz, acrescentando que sente uma responsabilidade acrescida: “Esta menção honrosa dá-me força para prosseguir com resiliência e vontade de continuar a investigar no campo das geociências. Dá me motivação para seguir no campo da investigação da evolução de cadeias de montanhas, perceber o seu papel no passado e desvelar os seus segredos que são a chave para entender os eventos geológicos atuais. Dá me motivação para continuar a melhorar cientificamente aumentando assim o conhecimento dentro e fora da comunidade das geociências”.

Ícaro Dias da Silva estuda a geodinâmica das margens continentais relacionadas com a abertura e fecho de oceanos no Paleozoico, em concreto sobre a evolução continental do planeta Terra que culminou na formação do Supercontinente Pangeia no Carbónico Superior, há aproximadamente 300 milhões de anos (Ma). Um dos segmentos mais interessantes para estudar estes fenómenos encontra-se na Península Ibérica, em concreto no seu extremo W, desde a região da Galiza até ao Algarve. Nesta região estão registadas evidencias de uma evolução geológica complexa que envolve a formação de duas cadeias de montanhas e um oceano num período compreendido entre o Ediacariano (560 Ma) e o Carbónico superior (300 Ma). No seguimento da formação da cadeia de montanhas Cadomiana há 560 Ma, o supercontinente então formado fragmentou-se em diferentes massas continentais entre as quais se destaca Gondwana, que inclui a Europa do Sul, África e América do Sul. Na Península Ibérica estão representados diferentes sectores da margem Norte de Gondwana que mostram a evolução do oceano Rheic desde o Câmbrico inferior ao Devónico Inferior (540-400 Ma). O fim da expansão oceânica levou a uma nova convergência dos continentes Gondwana e Laurussia no Devónico Inferior a Médio, produzindo a eliminação quase completa deste oceano e levou à colisão continental que gerou o Supercontinente Pangeia e a cadeia de montanhas Varisca no Devónico Superior-Carbónico superior.

Ícaro Dias da Silva licenciou-se em 2004 em Geologia pela Ciências ULisboa. Em 2013 conclui o doutoramento em Geologia pela Universidad de Salamanca. É autor de diversos artigos internacionais, capítulos de livros e tem participado em diferentes congressos nacionais e internacionais, participando também como editor espacial para a revista Solid Earth e como revisor em diferentes revistas internacionais.

Ícaro Dias da Silva continua a colaborar com investigadores de diferentes instituições europeias desde a sua formação doutoral na Universidad de Salamanca e no Instituto Geológico y Minero de España. O seu principal trabalho de investigação consiste na realização de cartografia geológica para identificar a estrutura geológica Varisca e as unidades geológicas que a define. O seu trabalho é coletar e integrar dados de campo e de laboratório, usando técnicas clássicas e modernas, para compreender a evolução da margem do continente Gondwana no período Paleozoico, ajudando assim a compreender melhor a evolução das margens continentais atuais, desde os processos iniciais de rifting até aos fenómenos de colisão que originam cadeias de montanhas de escala continental.

Ícaro Dias da Silva pretende modelar a paleogeografia da cadeia de montanhas Varisca, desde o Devónico ao Carbónico superior. “Teremos especial atenção para a evolução das bacias sedimentares que se formaram durante o processo de colisão continental Varisco, as quais já deram ótimos resultados do ponto de vista da identificação de possíveis zonas emersas e submersas assim como da variação topográfica através do tempo e ao longo da cadeia de montanhas”, conta.

Recorde as Conversas à volta do crú e do cozido com Ícaro Dias da Silva.

Ícaro Dias da Silva considera fulcral a recente identificação de grandes depósitos de massa em quase todas as bacias marinhas variscas conhecidas até ao momento, os quais estão associados a grandes desprendimentos de rocha e sedimento pouco consolidado despoletados por fenómenos sísmicos na margem de Gondwana no Paleozoico Superior. À semelhança do que ocorre nas margens atuais, podem ter gerado fenómenos catastróficos como maremotos. “Os depósitos de massa paleozoicos são uma janela de informação que deverá ser estudada para compreender estes fenómenos na atualidade, que por se encontrarem nos fundos dos oceanos, são de difícil alcance e de dispendiosa observação, apenas analisados direta e indiretamente com técnicas modernas de oceanografia e geofísica marinha”, conclui.

Ana Subtil Simões, Área Comunicação e Imagem Ciências ULisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt

Estão a ser enviadas, desde o passado fim de semana (3/11), mensagens de correio eletrónico para alguns utilizadores de contas fc.ul.pt com solicitação de preenchimento de formulários web ou respostas via mail com dados pessoais dos utilizadores.

Devido ao numero excessivo de mensagens falsas que nos últimos tempos têm chegado às caixas de correio dos utilizadores da FCUL, algumas delas dando a entender que são enviadas de endereços internos, fomos obrigados a tomar medidas mais restritivas em relaç

Boletim da Sociedade Portuguesa de Matemática (SPM) integra Portal RCAAP

Alunos brasileiros

A Faculdade de Ciências recebeu cerca de 70 alunos de mobilidade, vindos do Brasil.

Aula aberta - Mestrado em Biologia Molecular e Genética

7 de Novembro, 11:00, sala 2.4.16

 

INFORMAÇÃO

Recent years have witnessed the emergence of new sequencing technologies that are revolutionizing the approach to public health problems.

Na FCUL existe uma unidade curricular designada Projeto Empresarial. Esta “cadeira”, comum ao ISCTE-IUL, prepara os alunos para a realidade empresarial e tecnológica. No total, cerca de 300 alunos já a frequentaram.

Carlos Rafael Mendes

A tese do antigo aluno da FCUL, Carlos Rafael Borges Mendes e recentemente premiada, contou com a orientação conjunta das professoras Vanda Brotas e Virginia M. Tavano.

Web of Science Book Citation Index - Trial para todos os membros b-on

Estão abertas as inscrições para a disciplina que promove o empreendedorismo - Projeto Empresarial. Todos os alunos de mestrado ou nos dois últimos anos de mestrado integrado podem candidatar-se até dia 16 de novembro.

A FCUL, bem como toda a Universidade de Lisboa está sem acesso à Internet desde cerca das 11:45 da manhã.

Professora Olga Pombo, autora do livro "O Círculo dos Saberes"

“Estou convencida que a imagem do círculo constitui um arquétipo, uma determinação conceptual prévia a toda a investigação”, defende Olga Pombo, docente na FCUL e autora do livro “O Círculo dos Saberes”.

Imagem ilustrativa do livro "O Círculo dos Saberes"

“A apresentação do livro seguirá um formato sério e discreto. O professor Shahid Rahman fará uma apresentação e apreciação do livro e eu agradecerei todas as suas palavras, sejam elas elogiosas, sejam críticas", afirma a autora Olga Pombo.

Trial para todos os Membros da b-on.

Pessoas a correr junto ao Marquês de Pombal

A primeira Corrida da Ciência aconteceu o ano passado por ocasião das celebrações dos 100 anos da FCUL. A edição deste ano integra-se na 2.ª Edição do AmbientALL – Universidade em Movimento.

O concurso de programação destina-se a alunos universitários e este ano junta 16 equipas, oriundas de oito instituições universitárias portuguesas. A equipa da FCUL chama-se BigO(1).

Imagem da professora Maria José Boavida

“Colega amiga”, “orientadora empenhada e humanista” e “investigadora solidária”, assim se recorda Maria José Boavida (1948 – 2012).

Desenho do campus da FCUL

As tabelas e notas científicas, assim como as regras elementares de segurança em laboratórios são algumas das mais-valias deste “livro”.

A fim de cumprir com o estabelecido no Regulamento Eleitoral, o Caderno Eleitoral para a eleição do Presidente do Departamento de Estatística e Investigação Operacional está disponível para consulta.

 O projecto CAMPUS UL realizado pelos alunos de mestrado em Engenharia Geográfica no âmbito das disciplinas de Fotogrametria Analítica e de Produção Cartográfica ganhou o segundo prémio no concurso internacional de projectos com fins educativos

lâmpada

"Criar, transferir e valorizar economicamente o conhecimento científico" é a causa primária do renovado centro de inovação, situado no campus da FCUL.

Hoje, quarta-feira, dia 10 de Outubro de 2012, registou-se uma quebra no acesso à Internet pelas 17h00 por cerca de 5 minutos.

A causa foi externa à Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa e ainda não fomos informados das suas causas.

Estão abertas três vagas para bolseiros para a Unidade de Informática

Páginas