Dictum et factum

Paulo Silva

Paulo Silva

ACI Ciências

O que fazem e o que pensam alguns membros da comunidade de Ciências? O último Dictum et factum de 2016 é com Paulo Silva, técnico superior do Departamento de Física de Ciências.

Quando era criança já sabia que profissão gostaria de ter no futuro?

Paulo Silva (PS) - Tive, como todas as crianças, sonhos de vir a ter uma atividade profissional extraordinária (mergulhador, astronauta…) ou outras, mais normais, mas que me parecia serem valorizadas pelas pessoas à minha volta. Relativamente cedo apercebi-me que tinha mais pendor e maior interesse por áreas científicas e fui orientando os meus estudos essencialmente para as áreas da Química. Acabei por deixar a Química e vim para cá, para a FCUL, estudar Física. Acho que se pode concluir que a resposta à questão é não…

Como surgiu a hipótese de trabalhar em Ciências?

PS -Estava a trabalhar como professor no Instituto Politécnico de Beja mas com um contrato a termo certo que estava a terminar. Por essa altura a FCUL abriu um concurso para técnico superior, para prestar serviço no Departamento de Física. As funções designadas para esse posto de trabalho eram-me bastante familiares já que envolviam essencialmente a preparação e manutenção de laboratórios para aulas de física experimental. Tendo passado uma boa parte da minha vida profissional anterior precisamente dedicada ao ensino de física experimental (frequentemente sem qualquer apoio técnico), estava bastante consciente de como o técnico superior a contratar poderia dar uma boa contribuição. Era portanto um trabalho que achei que tinha condições para fazer. Isto, a juntar à vontade de pretender trabalhar na região de Lisboa e de ser uma instituição que conhecia bem, levou-me a concorrer. Acabei por ficar.

Qual foi o 1.º emprego?

PS - Fiz algumas coisas antes mas a primeira vez que tive um contrato de trabalho foi como professor da disciplina de Ciências Físico-Químicas do (então) curso unificado na (então) Escola Secundária da Falagueira.

Há quantos anos trabalha em Ciências?

PS - Há três anos.

O que começou por fazer quando aqui chegou?

PS - Vim trabalhar para os laboratórios de ensino do Departamento de Física e, apesar de já conhecer relativamente bem o ambiente, tive de fazer alguma adaptação às pessoas com quem ia trabalhar, bem como às rotinas já estabelecidas. Houve também um período inicial em que me dediquei a conhecer os equipamentos e as montagens experimentais mais usadas nas aulas.

E agora como é o seu dia-a-dia?

PS - Posso dizer que é bastante variado.

Manter os laboratórios a funcionar nos períodos letivos ocupa-me bastante tempo. Por um lado há uma razoável diversidade de unidades curriculares experimentais que usam equipamentos diferentes e ocupam os mesmos laboratórios, sendo necessária a sua permanente redistribuição pelos espaços, de modo a satisfazer as necessidades das várias unidades curriculares. Por outro lado, há sempre avarias e pequenos incidentes no decurso das atividades letivas a que é necessário dar resposta.

Ocupo-me ainda de fazer uma manutenção de primeira linha ao parque informático dos laboratórios.

Nos períodos não letivos há sempre equipamento que necessita de alguma manutenção ou de alguma reparação, há sempre consumíveis que é necessário repor e, com alguma frequência, é necessário adquirir novos equipamentos.

Há também tarefas de natureza um pouco complementar a que me dedico. Participo quase sempre nas atividades de divulgação em que o Departamento de Física intervém e, em virtude da atual organização da Faculdade, há um conjunto de tarefas que não são função de ninguém para as quais todos nós acabamos por dar alguma contribuição.

O que é que mais gosta de fazer na unidade onde está inserido?

PS - Gosto de colaborar no desenvolvimento de novas montagens experimentais ou na exploração de novos equipamentos quando estes são adquiridos. Ocasionalmente tenho oportunidade de interatuar com os estudantes, o que me dá também prazer. Gosto ainda de colaborar na organização das atividades de divulgação em que o Departamento de Física participa.

Há alguma coisa que não aprecia na sua rotina profissional?

PS - Há bastantes tarefas de natureza mais rotineira e que requerem menos criatividade… Claro que são fundamentais para manter as aulas a funcionar, pelo que não me custa fazê-las. Desagrada-me bastante mais testemunhar quotidianamente, nas minhas deambulações pelos laboratórios, a falta de zelo com que esses espaços são utilizados, por desconhecimento, por descuido ou por simples falta de civismo. Por outro lado, como em todas as instituições com a complexidade da FCUL, o trabalho de uma pessoa é muito interdependente do trabalho das restantes. Detesto quando me vejo impedido de fazer o meu trabalho convenientemente porque alguém não fez a sua parte.

Na sua opinião o melhor da Faculdade é…?

PS - A Faculdade é um espaço onde se produz e se transmite o conhecimento em áreas científicas de ponta. Evidentemente há outros aspetos na sua missão mas estes são os que mais valorizo e é bom trabalhar num local onde se vê o progresso científico a acontecer.

E o melhor da Administração Pública, o que é?

PS - O princípio de ter um estado que presta serviços aos cidadãos que o compõem. A realidade fica, por vezes, aquém deste princípio. Os serviços prestados poderiam ser mais diversificados e de melhor qualidade. Mas existem. E isso já é bom.

Se tivesse que escolher um adjetivo para o descrever, qual seria a palavra escolhida?

PS - Empenhado.

Porquê?

PS - Porque quando acredito no que estou a fazer, em particular ao nível profissional, ponho a minha energia e o melhor das minhas capacidades ao serviço dos objetivos a concretizar.

Ana Subtil Simões, Área de Comunicação e Imagem de Ciências
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt

Information dissemination in unknown radio networks with large labels

Professor Shailesh Vaya,
Xerox Research Centre, India,

July 20 at 10h00 on room 6.3.38

Estudantes sentados, junto a uma mesa

O pedido de apoio à formação pós-graduada na área da Geologia do Petróleo deve ser apresentado até 15 dias úteis, após o último dia do prazo de inscrição no respetivo curso.

Já é possível solicitar a criação de Unidades Curriculares na plataforma Moodle para o ano letivo 2012/2013.

Os pedidos podem ser realizados no Portal da FCUL, após inicio de sessão.

O Centro de Informática terminou, no passado dia 12 de Julho, a migração de um equipamento central na rede da FCUL.

A excelência de sempre na construção do futuro. Escolhe um dos nossos cursos de Física, Astronomia e Astrofísica, Engenharia Física, ou Engenharia Biomédica e Biofísica. [ + ]

Alunos da FCUL no pátio do C6

O “6th SPJ-OCS” realiza-se pela primeira vez em Portugal. Os organizadores do evento acreditam que “este congresso contribui para dar uma imagem do potencial científico de Portugal” nesta área.

Chieko Asakawa and Hironobu Takagi

17 Julho 2012 - 10h30
Anfiteatro da Fundação da FCUL

Chieko Asakawa and Hironobu Takagi

17 Julho 2012 - 10h30
Anfiteatro da Fundação da FCUL

Pormenor de obra artística

Os promotores do FP7 acreditam que “centenas de instituições científicas de toda a União Europeia irão apresentar propostas” e esperam captar novos participantes, nomeadamente pequenas e médias empresas, incrementando dessa forma a competitividade europeia.

Carlos Miguel Farinha, bioquímico docente do DQB e investigador do BioFIG , foi premiado em Junho com o Romain Pauwels Research Award, atribuído pela European Respiratory Society.

 

2ª fase de candidaturas:  15 a 22 de Julho.

O mestrado em Matemática para Professores é uma excelente oportunidade para consolidar,  recordar e aprender muitos temas relacionados com a matemática escolar.

No dia 12 de Julho foram feitas as apresentações de quatro trabalhos feitos no âmbito da disciplina de Projecto em Matemática para o Ensino do Mestrado em Matemática para Professores.

A Universidade de Lisboa e a Fundação Amadeu Dias estão a atribuir bolsas aos alunos de 1º Ciclo de qualquer área do saber, leccionado na Universidade de Lisboa e que já tenham concluído o 1.º ano curricular, ou alunos que frequentem&n

Em 18 anos, o Programa de Estímulo à Investigação premiou 34 jovens investigadores e 19 instituições da Universidade de Lisboa. Na última edição, dos oito premiados, três são jovens cientistas da FCUL. As candidaturas à próxima edição decorrem até 21 de setembro.

Cartaz do Seminário

No dia dia 16 de Julho, pelas 11H00, na sala 6.4.30, realizar-se-á um Seminário organizado pelo Centro de Investigação Operacional com o título 'Lagrangian-Based Branch-and-Bound for Two-Echelon Uncapacitated Facility Location with Single Assignment Cons

Os resultados das experiências ATLAS e CMS divulgados recentemente pelo CERN, também foram apresentados publicamente na FCUL, numa sessão organizada pela professora do Departamento de Física Amélia Maio, a responsável pela participação portuguesa na experiência ATLAS.

Apresentações dos Projectos de Física dia 19 de Julho, às 10h, na sala 8.2.17:

O que faz o profissional que passa os seus dias no laboratório? E quem se dedica a resolver equações ou a estudar animais e plantas? Cinquenta alunos da associação EPIS descobriram as respostas a estas e a outras questões.

Servidor da FCUL

O projeto de reestruturação do Centro de Dados da FCUL, iniciado em junho, deverá estar concluído no próximo mês de setembro.

Duas pessoas fazem uma experiência no laboratório

A Faculdade de Ciências abre as portas dos seus laboratórios a 50 jovens, vindos de diferentes pontos do País, para mais uma edição da “Rota das Vocações de Futuro” da EPIS.

Apesar de ser uma das áreas mais recentes da FCUL, atualmente é uma vertente da ciência portuguesa em franca expansão.

“Um trabalho que reflita sobre o passado de uma instituição, ou o passado da ciência em Lisboa ou em Portugal, é sempre algo de muito importante para repensarmos o nosso trajeto”. A afirmação feita pela historiadora das ciências, Ana Simões, a propósito de um dos muitos projetos em curso é reveladora da importância, que a preservação do património científico tem na sua vida.

Kostas Gavroglu e Ana Simões assinam o primeiro livro “Neither Physics nor Chemistry: A History of Quantum Chemistry” sobre a emergência da disciplina Química Quântica, o pretexto ideal para conversar com a autora portuguesa.

Páginas