Crónicas em Ciências

Espírito crítico e participação cívica dos jovens

Young Leaders Access Program

Pessoas no topo de uma colina

Em abril de 2020, os líderes do YLA MCW Global anunciaram a lista final dos 50 jovens selecionados. Felizmente, o meu nome figurava na lista dos 50 jovens escolhidos, estando Portugal representado neste programa pela primeira vez

Unsplash - Natalie Pedigo
Vasco Medeiros
Vasco Medeiros
Imagem cedida por VM

Vasco Medeiros quando concorreu ao ensino superior escolheu como 1.ª opção Física nesta Faculdade. Entrou no curso de Meteorologia, Oceanografia e Geofísica da Ciências ULisboa, como melhor classificado, e no primeiro ano alcançou muito bons resultados. Apesar de tudo, neste ano letivo, optou por mudar de curso – atualmente é aluno do 1.º ano de Economia do Instituto Superior de Economia e Gestão. Descobriu um interesse acrescido pela Diplomacia, Relações Internacionais, Política, Economia e pela fronteira “ciência-economia-política-sociedade” e, na sua opinião, toda a área da Economia continua a estar intrinsecamente ligada à área da Ciência, Inovação e Matemática, fundamentais para a compreensão do mundo e da história do desenvolvimento das ideias do mundo, economicamente e cientificamente.

Foi há precisamente um ano que decidi apresentar uma candidatura para o Young Leaders Access Program (YLA) 2020. Mas o que é o YLA? O YLA é um programa norte-americano, totalmente financiado pela MCW Global, uma organização não-governamental norte-americana, que procura ajudar jovens líderes de todo o mundo, de todos os contextos socias, económicos e culturais, entre os 18 e os 26 anos, a impactar as suas comunidades, com a visão de melhorar o mundo a atingir melhores níveis de desenvolvimento económico, social e de segurança e melhorar os níveis de educação e saúde.

Para tal, através dos seus vários programas, nomeadamente o YLA, a organização procura capacitar os jovens promissores nas capacidades estratégicas de leadership, entrepenuership e project management, ajudando e desafiando os jovens selecionados a criar um projeto próprio com o intuito de, não só, ajudar as suas comunidades, mas também, de perceber como essas faculdades podem promover “Local Change through Global Exchange”, sempre numa visão integrada, inclusiva e global.

Foi assim, com o espírito de desenvolver um projeto que procura aumentar a participação cívica e intelectual dos jovens em oportunidades nacionais e internacionais (como esta), combatendo a abstenção da participação dos jovens portugueses neste tipo de iniciativas, que apresentei uma candidatura a este programa internacional. O processo de candidatura é longo, com várias etapas e é, na sua generalidade, bastante competitivo.

Em 2020 registou-se um recorde no número de candidaturas completas, mais de 4000. Este número é geograficamente heterogéneo visto que são as regiões do mundo com menores índices de desenvolvimento económico, social e educacional, que registam o maior número de candidaturas e de participantes, dados os maiores desafios encontrados nessas comunidades. Não obstante, num processo de candidatura, a ideia ou esboço do projeto que pretendemos criar tem uma importância fulcral para todos os candidatos, independentemente do país de origem. Assim sendo, quando me candidatei, o processo de candidatura era constituído por três etapas distribuídos por três meses.

A primeira fase de seleção é baseada no currículo, cover letters e cartas de recomendação. A segunda focou-se no problema que cada candidato procura combater, devendo apresentar a forma de como pretende fazê-lo, sempre no contexto da sua comunidade ou país. Por fim, a última fase de decisão, é feita baseada numa entrevista, que engloba todos os temas preenchidos nas etapas anteriores. À medida que as etapas se iam sucedendo, os candidatos iam sendo eliminados. Em abril, os líderes do YLA MCW Global anunciaram a lista final dos 50 jovens selecionados. Felizmente, o meu nome figurava na lista dos 50 jovens escolhidos, estando Portugal representado neste programa pela primeira vez desde a sua “estreia” já há alguns anos. O programa em si ocorre em Nova Iorque, durante 10 dias, onde os selecionados têm formação intensa e específica nos temas acima mencionados. Após os 10 dias presencias, os jovens voltam aos seus países de origem. Através do online, são acompanhados pelo seu mentor e co-mentees durante um ano, com vista à criação e implementação dos seus projetos, pelo que ninguém estará sozinho neste caminho. Infelizmente, por motivos óbvios, dada a crise em que nos encontramos, o programa realizou-se online, dividindo-se em duas partes. A primeira parte ocorreu durante o verão, de 2020, e foi uma introdução aos temas que o programa foca. Nesta segunda parte, a começar já em fevereiro, focar-nos-emos no ajustamento e implementação dos nossos planos de projetos, já criados. Por enquanto, qualquer cerimónia nos EUA está cancelada, dadas as agravantes da pandemia.

As candidaturas ao YLA 2021 terminam a 1 de março!

Focando-se o meu projeto na promoção destas oportunidades e na ajuda aos jovens interessados em candidatar-se a estas oportunidades (por exemplo na revisão da cover letters, CV, etc.), importa trazer um pouco da minha experiência “nestas andanças”. Numa primeira vista, pode parecer muito difícil entrar neste programa. Não vou mentir. É difícil, conheci muita gente que ficou pelo caminho, mas não é de todo impossível. O meu conselho é focarem-se na ideia e propósito da candidatura. As ideias de implementação do projeto não precisam de ser definitivas ou demasiado ambiciosas. Todos acabam por alterar a forma como vêm o problema (como eu), e muitos mudam radicalmente o problema em que se focam, durante o decorrer do programa. Estou disponível, caso precisem de ajuda no processo de candidatura para qualquer iniciativa (como esta ou outra), ou caso pretendam ter acesso a este tipo de oportunidades internacionais (de vários tipos, desde estágios a programas de verão) que promovo/divulgo (na sequência do meu projeto- “Engage Now!”), a ajudar qualquer um de vocês.

Vasco Medeiros e colegas
Vasco Medeiros e colegas durante um encontro em Lisboa, no âmbito do YLP 2020
Imagem cedida por VM

Com este meu relato gostaria, por fim, de enfatizar o meu desejo que mais jovens portugueses comecem a fomentar interesse em participar neste tipo de iniciativas únicas, desafiantes e life-changing. Esta minha “faceta” mais interventiva começou no meu secundário e desde então não tenho parado, tendo tido a oportunidade de, não só participar em múltiplas iniciativas nacionais e internacionais, mas também de conhecer e trabalhar com pessoas fantásticas, desde diplomatas passando por um Laureado Nobel, ou simples colegas disruptivos e dinâmicos, como eu. E, numa outra nota pessoal, é curioso acompanhar a forma como tenho crescido, em todos níveis, cada vez que me candidato a um novo projeto ou iniciativa. Este tipo de projetos internacionais são essências para a própria valorização internacional e internacionalização de cada um nós, enquanto pessoas, alunos, futuros profissionais e membros de uma comunidade cada vez mais global, desafiante e em constante mudança. Sinto-o já com este programa do YLA, que começou em 2020, mas senti de forma enormemente impactante depois da minha primeira experiência internacional, representando Portugal nos EUA, em 2019, num programa do US Department of State, a convite da Embaixada dos EUA em Portugal. Se nunca tiveste a oportunidade de participar em programas como estes, arrisca. Vais perceber ao que me estou a referir. Se já tiveste a mesma sorte que eu, sabes bem o sentimento de que estou a falar.

Concluo numa nota mais focado para os alunos desta “casa”. A ciência tem de estar ao serviço das pessoas. Tenho a certeza de que os alunos da Ciências ULisboa têm a capacidade de identificar e procurar soluções pertinentes para as suas comunidades.

Se todos os dias trabalham para encontrar soluções científicas, porque não procurar soluções para a sociedade, refugiando-se no método de persistência e resiliência do pensamento científico? Este tipo de iniciativas não é só para alunos de Humanidades ou de Economia. É também para alunos de Ciências. Todos os programas internacionais em que participei, fi-lo enquanto aluno de Ciências e, curiosamente, os temas não estavam necessariamente ligados à Biologia ou à Física ou à Matemática. Participem! Mexam-se! Explorem! Não se sintam presos ou amarrados ao preconceito e ao estigma. Inovem!

Vasco Medeiros, ex-aluno Ciências ULisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt
Rui Gonçalvez Deus fardado

Rui Gonçalves Deus, oficial da Marinha e especialista em Investigação Operacional, dá-nos a conhecer o seu percurso académico e profissional, e conta-nos de que forma a passagem pela Faculdade o ajudou a alcançar o sucesso profissional.

 Estrutura molecular

Os compostos alílicos de Mo(II) têm sido estudados na Ciências ULisboa há vários anos, tendo sido demonstrada a sua atividade como precursores de catálise na oxidação de olefinas.

Seringa

Num estudo recentemente publicado na revista Nature Communications uma equipa de investigadores liderada por Ganna Rozhnova, professora na University Medical Center Utrecht e colaboradora do Instituto de Biossistemas e Ciências Integrativas (BioISI) na Ciências ULisboa, analisou diferentes cenários de relaxamento das medidas de contenção da pandemia enquanto progredia o processo de vacinação para o SARS-CoV-2 em Portugal.

José Cordeiro

A 1.ª edição do concurso à Bolsa Fulbright para Investigação com o apoio da FLAD – Fundação Luso-Americana para o Desenvolvimento para o ano académico de 2021/2022 selecionou quatro candidatos. Entrevista com José Cordeiro, mestrando em Estatística e Investigação Operacional na Ciências ULisboa.

Atividade realizada no âmbito da Higrografia

"A Hidrografia sofreu drásticas mudanças de desenvolvimento e progresso desde o advento do posicionamento por satélite (GPS) e dos sistemas acústicos de varrimento (multifeixe)", escreve Carlos Antunes, professor do DEGGE Ciências ULisboa, por ocasião das comemorações do centenário do curso de Engenharia Geográfica/Geoespacial.

relógios

As professoras Ana Nunes e Ana Simões apresentam em entrevista os objetivos do repositório digital de cursos e apontamentos de antigos professores da Ciências ULisboa, nomeadamente João Andrade e Silva, Noémio Macias Marques, José Vassalo Pereira, António Almeida Costa e José Sebastião e Silva.

Simulação de larga escala do Universo

Andrew Liddle, investigador do Departamento de Física da Ciências ULisboa e do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço, integra a colaboração internacional Dark Energy Survey (DES), que catalogou quase um oitavo de todo o céu, ao longo de seis anos, com o intuito de revelar a natureza da energia escura, responsável pela expansão acelerada do Universo.

Sumário gráfico do trabalho

Um grupo de investigadores utilizou gânglios linfáticos, amígdalas e sangue para mostrar como as células que controlam a produção de anticorpos são formadas e atuam. Estes dados permitirão desenhar estratégias que controlem a regulação do sistema, podendo contribuir para a resolução de doenças autoimunes ou alergias.

Logotipo Radar

Décima sexta rubrica Radar Tec Labs, dedicada às atividades do Centro de Inovação da Faculdade.

Pessoa lendo um jornal

A agenda temática avalia a importância que os meios de comunicação de massas têm quando distribuem determinados temas, dando atenção a certos assuntos e esquecendo outros.

lagoas de filtração

As águas residuais podem ser usadas para identificar precocemente novos surtos da COVID-19 e investigar a diversidade dos genomas do vírus SARS-CoV-2 que circulam numa comunidade, segundo comunicado de imprensa emitido pela Águas de Portugal. Os resultados do projeto de investigação COVIDETECT foram apresentados a 26 de maio.

Combinação de imagens de técnicas e aplicações da Geodesia

"Um dos marcos interessantes da contribuição da Geodesia para a sociedade foi a definição do metro formulada em 1791 , que teve como base a medição do arco de meridiano entre Dunkerque e Barcelona, efetuada ao longo de sete penosos anos (em plena revolução francesa)", escreve Virgilio de Brito Mendes, professor do DEGGE Ciências ULisboa, por ocasião do centenário do curso.

Fluviário de Mora

A exposição permanente do Fluviário de Mora inclui “Sons dos Peixes” produzida no âmbito do projeto de investigação “Deteção de Peixes Invasores em Ecossistemas Dulciaquícolas através de Acústica Passiva - Sonicinvaders”, liderado pelo polo da Faculdade do MARE – Centro de Ciências do Mar e do Ambiente.

Modelo do espectrógrafo MOONS no VLT

Portugal colidera o projeto do Espectrógrafo Multiobjetos no Ótico e Infravermelho próximo, ou MOONS, assim como alguns dos seus grupos de trabalho. Um dos componentes principais do MOONS é o corretor de campo e foi desenhado por uma equipa do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço.

Planta

A fenotipagem (medição sistemática de caracteres fenotípicos, i.e., do corpo das plantas) foi eleita, depois dos grandes avanços verificados na fenotipagem nas últimas décadas, como um grande desígnio atual da comunidade da ciência das plantas. Leia a crónica da autoria de Jorge Marques da Silva, professor do DBV Ciências ULisboa e presidente da SPBP.

Vista aérea de florestas de mangal no arquipélago dos Bijagós

O estudo da autoria de Mohamed Henriques, José Pedro Granadeiro, Theunis Piersma, Seco Leão, Samuel Pontes e Teresa Catry realizado no ecossistema influenciado por mangal será publicado em julho deste ano no Marine Environmental Research, volume 169.

Cartas com Ciência

O conhecimento e a empatia não têm fronteiras, prova disso é o projeto Cartas com Ciência, que parte das palavras dos cientistas para criar laços e encurtar distâncias no que à educação diz respeito.

Satélite

"Com a Engenharia Geográfica/Geoespacial sabemos de onde vimos, para onde vamos, qual o melhor caminho e ainda o que vamos encontrar", escreve Paula Redweik, professora do DEGGE por acasião do centenário do curso.

Exposição “Empty space of the Unknown/ Nothing Is Right Now”

Catarina Pombo Nabais coordena o SAP Lab - Laboratório Ciência-Arte-Filosofia do Centro de Filosofia das Ciências da ULisboa e em entrevista dá conta da importância da relação interdisciplinar entre ciência e arte e dos projetos futuros.

Pepino do mar

Os pepinos do mar - espécies de equinodermes ainda muito desconhecidas - cumprem uma importante função ecológica: reciclam a matéria orgânica dos sedimentos e redistribuem nutrientes. O grupo de Pedro Félix, investigador do Centro de Ciências do Mar e do Ambiente (MARE) e da Ciências ULisboa, é o único atualmente a trabalhar na ecologia e aquacultura de pepinos do mar em Portugal.

Anfiteatro com várias cadeiras e uma pessoa sentada a ler

O Grupo de Fala e Linguagem Natural dedica-se à Inteligência Artificial com enfoque especial no Processamento de Linguagem Natural e é o coordenador da PORTULAN CLARIN Infraestrutura de Investigação para a Ciência e Tecnologia da Linguagem.

cientista ao microscópio

Maria Helena Garcia, professora do DQB Ciências ULisboa e Andreia Valente, investigadora do DQB Ciências ULisboa, lideram A Something in Hands – Investigação Científica, Lda, uma spin-off desta Faculdade, que recebeu 100 mil euros da Portugal Ventures e que visa desenvolver novos medicamentos para o tratamento dos cancros metastáticos.

Centro de Testes Ciências ULisboa

O Centro de Testes Ciências ULisboa recebeu o primeiro lote de 110 zaragatoas a 1 de maio de 2020, provenientes de um conjunto de cinco lares de terceira idade do concelho de Mafra, no que viriam a ser os primeiros de várias dezenas de milhar de testes de diagnóstico molecular da COVID-19.

Logotipo Radar

Décima quinta rubrica Radar Tec Labs, dedicada às atividades do Centro de Inovação da Faculdade. A empresa em destaque volta a ser a Nevaro.

Há um conjunto de normas e princípios legais que regulam as relações dos indivíduos em sociedade. O direito de autor é um deles. Todo o conteúdo produzido e publicado em órgãos de comunicação social é considerado conteúdo editorial. Estas obras coletivas estão protegidas pelos direitos de autor.

Páginas