Entrevista com os coordenadores do novo mestrado em Geologia

Novos desafios sociais, económicos e ambientais, com reflexos no mercado de trabalho

saída de campo da Geologia

O novo mestrado harmoniza a duração do ciclo de estudos com outros ciclos de estudos congéneres, permitindo assim uma maior permeabilidade entre os diversos cursos na mesma área oferecidos por outras instituições

DG Ciências ULisboa
Três professores
Raul Jorge, Rui Taborda, Maria do Rosário Carvalho
Fonte DQ Ciências ULisboa

"Este novo mestrado foi concebido de modo a garantir que os alunos consolidem a formação base que habilita ao exercício da profissão em contextos diversos, de modo a resolverem problemas associados às Ciências da Terra, aos recursos geológicos e hídricos e ao ambiente e satisfazerem as necessidades profissionais do mercado de trabalho para geólogos."

A Faculdade tem um novo ciclo de estudos acreditado pela  Agência e Avaliação e Acreditação do Ensino Superior (A3ES), para substituição dos mestrados na área da Geologia com 90 ECTS. O novo mestrado em Geologia tem a duração de dois anos, com 120 ECTS. Em entrevista, os coordenadores do novo mestrado em Geologia - Rui Taborda, Raul Jorge e Maria do Rosário Carvalho – identificam as principais mudanças do programa de estudos, o que o diferencia e as expetativas que o Departamento de Geologia tem para o futuro, na sequência da implementação destas alterações. Um dos objetivos do Departamento é que os estudantes que escolham esta área científica possam ajudar a resolver os problemas associados às Ciências da Terra, aos recursos geológicos e hídricos e ao ambiente, satisfazendo as necessidades profissionais do mercado de trabalho para geólogos.

Sedimento e régua
Não existem dados oficiais específicos sobre a empregabilidade dos mestrados anteriores na área da Geologia da Faculdade, no entanto, de acordo com dados agregados da ULisboa a taxa de emprego na área das Ciências Físicas e da Terra era de 87%, mais de metade na sua área da formação
Fonte DG Ciências ULisboa

Quais são as razões que motivaram esta alteração?

Coordenadores do mestrado de Geologia (CMG) - As principais razões que motivaram a mudança estão relacionadas com a evolução do conhecimento científico e tecnológico e a existência de novos desafios sociais, económicos e ambientais, com reflexos no mercado de trabalho na área da Geologia. Estas mudanças conduziram à reorganização da estrutura global (1º e 2º ciclos) da oferta formativa, das unidades curriculares e dos seus conteúdos programáticos. Nesse sentido, o novo mestrado foi estruturado de forma a alinhar de forma mais consistente a componente letiva com a relevância social e económica das Ciências da Terra, nomeadamente na resolução de problemas relacionados com a gestão ambiental, adaptação às consequências das alterações globais e exploração sustentada de recursos geológicos, energéticos e hídricos.

Em que consistem estas principais mudanças?

CMG - O novo mestrado em Geologia consolida a oferta formativa de 2º ciclo na área da Geologia, que era constituída por quatro mestrados (Geologia, Geologia Económica, Geologia Aplicada, Geologia do Ambiente, Riscos Geológicos e Ordenamento do Território). A nova configuração curricular assenta num tronco comum sólido onde se desenvolvem competências transversais e que está orientado para aquisição dos conhecimentos essenciais para o exercício da profissão de geólogo. Esta formação é complementada por conteúdos que permitem a especialização em três domínios fundamentais da Geologia: Geodinâmica e Recursos Geológicos, Paleoambientes e Mudanças Globais, e Geologia Aplicada e Ambiental. A especialização é ainda aprofundada através da escolha de um grupo alargado de disciplinas opcionais e das unidades curriculares de Estudo Orientado, de Projeto de Campo e Experimental e da Dissertação/Estágio. O novo mestrado harmoniza a duração do ciclo de estudos com outros ciclos de estudos congéneres, permitindo assim uma maior permeabilidade entre os diversos cursos na mesma área oferecidos por outras instituições.

"A nova configuração curricular assenta num tronco comum sólido onde se desenvolvem competências transversais e que está orientado para aquisição dos conhecimentos essenciais para o exercício da profissão de geólogo."

saída de campo geologia
Os futuros  alunos que optem por este curso têm uma maior capacidade de adaptação às alterações cíclicas do mercado de trabalho nacional e internacional
Fonte DG Ciências ULisboa

O que distingue este mestrado de outros na mesma área?

CMG - Como já se referiu, a estrutura do novo mestrado assenta em três eixos fundamentais: 1) a pertinência e atualidade dos conteúdos programáticos ministrados, 2) a aposta clara na componente prática do curso de mestrado e 3) o vasto leque de disciplinas de opção que permite uma correta e fácil adaptação aos interesses específicos de cada aluno. A conjugação destes três eixos permite ainda aos futuros alunos, que optem por este curso de mestrado, uma maior capacidade de adaptação às alterações cíclicas do mercado de trabalho nacional e internacional. O plano curricular simultaneamente coerente e flexível conjuga de modo equilibrado componentes nucleares transversais e opções especializadas. Estas características fazem seguramente deste mestrado uma singularidade no plano nacional e permitem antever uma boa aceitação junto das entidades empregadoras públicas e privadas.

Leia o artigo de opinião do Departamento de Geologia sobre o novo mestrado que tem como objetivo formar profissionais com uma formação sólida em áreas chave das Ciências da Terra e que possam responder aos desafios da sociedade do século XXI.

Quais são as expetativas que têm para o futuro?

CMG - Este novo mestrado foi concebido de modo a garantir que os alunos consolidem a formação base que habilita ao exercício da profissão em contextos diversos, de modo a resolverem problemas associados às Ciências da Terra, aos recursos geológicos e hídricos e ao ambiente e satisfazerem as necessidades profissionais do mercado de trabalho para geólogos.

"As alterações propostas no novo ciclo de estudos, que acrescentam componentes de formação nas áreas da Sustentabilidade e Competências Digitais, sem colocar em causa uma sólida formação nas áreas fundamentais da Geologia que caracterizavam os ciclos de estudos precedentes, permitem prever uma melhoria considerável na inserção dos mestres em Geologia no mercado de trabalho."

Quantos alunos concluíram com sucesso os mestrados na área da Geologia desde 2018 até agora?

CMG - No mestrado em Geologia 23 alunos, no de Geologia Económica - 27 alunos, no de Geologia Aplicada oito alunos e no de Geologia do Ambiente, Riscos Geológicos e Ordenamento do Território 17 alunos.

Pedreira
As principais razões que motivaram a mudança do curso estão relacionadas com a evolução do conhecimento científico e tecnológico e a existência de novos desafios sociais, económicos e ambientais
Fonte DG Ciências ULisboa

Quais são os indicadores de empregabilidade do curso?

CMG - Não existem dados oficiais específicos sobre a empregabilidade dos mestrados anteriores na área da Geologia da Faculdade, no entanto, de acordo com dados agregados da ULisboa a taxa de emprego na área das Ciências Físicas e da Terra era de 87%, mais de metade na sua área da formação.

As alterações propostas no novo ciclo de estudos, que acrescentam componentes de formação nas áreas da Sustentabilidade e Competências Digitais, sem colocar em causa uma sólida formação nas áreas fundamentais da Geologia que caracterizavam os ciclos de estudos precedentes, permitem prever uma melhoria considerável na inserção dos mestres em Geologia no mercado de trabalho.

Ana Subtil Simões, Gabinete de Jornalismo Ciências ULisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt
O novo mestrado em Geologia

ESTRUTURA E GESTÃO DO DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA ANIMAL (DBA)

Apresentação do Departamento

Paleontólogos do MNHN da UL e do GeoFCUL em foco na revista TVmais.

A FCUL participa em "Programa de Estudos Avançados" com mais quatro instituições universitárias portuguesas e brasileiras.

O DQB e a FCUL acolheram, mais uma vez, a realização de provas semifinais das Olimpíadas de Química Júnior 2012 no sábado, 14 de abril de 2012.

Pessoas estudam numa mesa na biblioteca

“Acho que qualquer aluno consegue ser bom, se tiver uma boa disciplina de trabalho e objetivos concretos”. Quem o diz é Gonçalo Faria da Silva, estudante do 3.º ano de Biologia.

No penúltimo dia de março realiza-se a quinta e última sessão do workshop destinado a preparar os estudantes para a obtenção do 1.º emprego.

 

Alunos da FCUL

A Schlumberger realiza uma sessão de recrutamento em Ciências. As grandes empresas procuram os melhores profissionais. A FCUL apoia a inserção profissional dos seus diplomados.
 

O evento é uma organização conjunta da Norton/Symantec e do mestrado em Segurança Informática do DI-FCUL.

O DM está na Futurália

Para Duarte Flor, presidente da associação académica e aluno do 12.º ano em Ciências, é importante que os candidatos ao ensino superior visitem as instalações de uma faculdade.

Desenho de uma figura masculina

“Existe um espaço onde o sentimento de pertença a uma escola pode ser reavivado", afirma Miguel Ramos.

Aluna junto a uma das colunas do átrio do C6

A mostra pictórica da atividade científica da FCUL é inaugurada a 13 de março. Conheça as razões pelas quais deve visitar a exposição.

O que são líquidos iónicos? Num dos primeiros programas do ano, o Com Ciência entrevistou o professor e investigador da FCUL, Carlos Nieto de Castro sobre esta classe de solventes.

Desenho de uma figura masculina

A data de lançamento do livro ainda não é pública, mas o evento deverá ocorrer brevemente, na Faculdade de Belas-Artes da UL.

Ontem evocou-se o Dia das Doenças Raras. A fibrose quística é um desses males incomuns. A investigação científica é importante em todos os setores, mas ganha especial sentido em áreas como esta.

Cerca de 20 professores de Ciências da Natureza e Ciências Naturais de nove concelhos portugueses participam na atividade promovida pelo MNHNC-UL a decorrer até abril.

Imagem de um folheto promocional

A FCUL volta a marcar presença no evento, juntamente com outras unidades orgânicas da UL.

Fotografia com pontos de interrogação

Alunos finalistas aconselham Engenharia da Energia e do Ambiente. Testemunhos de Guilherme Gaspar e Ricardo Leandro.

Fotografia de mesa com cinco pessoas sentadas, na Reitoria da UL

A rede pretende formalizar colégios doutorais em áreas transversais. Opinião de Maria Amélia Martins-Loução.

Fotografia de pessoas sentadas num dos anfiteatros da FCUL

A iniciativa acontece a 17 de março e é organizada pelos Departamentos de Física e de Informática.

Fotografia de Dois voluntários, sentados junto a uma banca no átrio do C5

Em fevereiro estão abertas inscrições para a admissão de novos voluntários.

A FCUL participa em "Programa de Estudos Avançados" com mais quatro instituições universitárias portuguesas e brasileiras.

Vale a pena recordar a iniciativa do Gabinete de Mobilidade, Estágios e Inserção Profissional da FCUL.

Fotografia de alunos a andarem, junto ao C8

A primeira edição do curso realiza-se já em 2012.

Páginas