Prémio Cultura 2012

À descoberta de Pedro Nunes

Foi com a tese "A Influência da obra de Pedro Nunes na náutica dos séculos XVI e XVII: um estudo de transmissão de conhecimento" que Bruno Almeida, doutorado em História das Ciências pela Secção Autónoma de História e Filosofia das Ciências da FCUL e membro do Centro Interuniversitário de História das Ciências e da Tecnologia, chegou a bom porto junto da Sociedade de Geografia de Lisboa que lhe atribuiu o Prémio Cultura 2012, cujo objetivo é “distinguir investigação científica ao nível do exigido para doutoramento nacional ou estrangeiro que contribua de forma relevante para o conhecimento, a valorização e a divulgação da cultura portuguesa”.
O aluno que carateriza o seu projeto como sendo exigente, relevante e compensador, destaca nesta navegação pelo conhecimento, o apoio concedido pelo seu orientador e professor da FCUL, Henrique Leitão.
O prémio foi atribuído ex-aequo com dois outros trabalhos. A cerimónia pública de entrega do prémio está marcada para dia 12 de Março.
Fique a conhecer os pormenores deste trabalho de doutoramento que contribui para a valorização da cultura portuguesa.

Como surge a ideia de desenvolver esta temática, "A Influência da obra de Pedro Nunes na náutica dos séculos XVI e XVII: um estudo de transmissão de conhecimento" na sua tese de doutoramento?

Bruno Almeida (BA) - O tema da tese foi sugerido pelo professor Henrique Leitão que é certamente o maior especialista vivo de estudos nonianos. Foi ele que me alertou para o facto de a questão do real impacto de Pedro Nunes na náutica do seu tempo estar por resolver. Na verdade, havia alguns pareceres sobre o assunto mas nenhum fez um levantamento e estudo sistemático de fontes históricas relevantes.

Em traços gerais, o que aborda na tese?

BA - De forma geral, trata de transmissão de conhecimento científico. O tema é bastante atual em diversas áreas do conhecimento. Para a História também e especialmente para a História das Ciências são temáticas que interessam a muitos investigadores. Pode dizer-se que ainda está na moda.

Sendo um pouco mais concreto, no meu caso procurei perceber se conteúdos cosmográficos de alto nível, produzidos e trabalhados por Pedro Nunes, foram transmitidos a grupos e/ou indivíduos de níveis culturais mais baixos, neste caso principalmente a pilotos e outras profissões ligadas à navegação real. Essa transmissão de conhecimento, que alguns investigadores duvidaram ter existido, podia ter-se dado de diversas formas. Eu foquei-me no papel de Nunes enquanto cosmógrafo e na ação doutros cosmógrafos peninsulares, ingleses e franceses dos séculos XVI e XVII neste processo. Também estudei contextos de ensino, nomeadamente a “Aula da Esfera” do Colégio Jesuíta de Santo Antão, em Lisboa, para avaliar se aí houve algum tipo de divulgação e transmissão.
 

Pedro Nunes
 Durante sete anos, Bruno Almeida debruçou-se sobre a questão do real impacto de Pedro Nunes na náutica do seu tempo
Fonte Imagem cedida por Bruno Almeida

Há alguma parte que queira destacar para conhecimento dos leitores?

BA - Penso que consegui apresentar algumas contribuições interessantes para os estudos nonianos. Claro que, numa tese deste tipo, muito do que está escrito não é novidade. Muitos historiadores já escreveram antes, e de forma muito competente, sobre Pedro Nunes e sobre a história da náutica. Ainda assim, e ainda bem, havia alguns tópicos que ainda não tinham sido aprofundados.
A tese está dividida em duas partes. Na primeira parte procurei reunir e interpretar o que Pedro Nunes escreveu sobre náutica nos seus textos. Apesar de muito do que ali escrevi não ser novo, penso que há muito poucos trabalhos que façam esta integração num mesmo espaço.
Na segunda parte, há mais novidades. Procurei integrá-las com o que já se sabia de outras investigações passadas. Acho que esta reunião de conhecimentos num mesmo espaço é o que poderá interessar mais a um leitor. Procurei partilhar o máximo de informação nesta tese e deixar várias pistas para trabalhos de outros investigadores.
Por isso, espero que o que escrevi possa motivar quem esteja a estudar essas questões. Tenho perfeita noção de que este é um trabalho que interessa mais a nível académico. Gostaria muito também que a tese pudesse ser considerada noutras áreas como a História da Educação.

Como correu o desenvolvimento do trabalho? Que desafios considerou mais aliciantes e por que dificuldades teve de passar ao longo do caminho?

BA - Penso que não terá sido muito diferente de outros projetos de doutoramento. Com altos e baixos, avanços e recuos, longas pausas desinspiradas e outros momentos de produção energética... Acaba por ser um processo bastante solitário. E é preciso manter um foco constante, o que nem sempre acontece. Felizmente tive bastantes apoios a todos os níveis, desde o familiar ao académico. Gosto de pensar que, de certa forma, este foi o resultado de um trabalho de equipa.

Em termos práticos, a maior dificuldade foi dominar as fontes históricas. Estou a falar de cerca de 100 livros impressos e 50 manuscritos dos séculos XVI e XVII, maioritariamente escritos em português, castelhano, francês, inglês e italiano.
Aliciantes eram as visitas a arquivos, o processo assemelha-se ao de um detetive. Havia sempre uma esperança de encontrar algo inédito, algo por explicar...felizmente tive a sorte de viver alguns momentos de surpresa e descoberta.

O que mais o cativou neste trabalho? Quais foram as descobertas que o deixaram impressionado?

BA - O trabalho de historiador é em si muito aliciante. No caso da história das ciências, é uma prática que reúne o melhor de dois mundos: o domínio das ciências e das letras. É um caminho árduo mas muito atrativo e de preenchimento intelectual garantido.

Posso confessar que, no princípio, a adaptação foi difícil e a questão que deu origem à tese não me cativava. Na verdade, não tinha maturidade para perceber a sua dimensão e importância. Passou ainda algum tempo antes que as coisas fizessem sentido e eu começasse a perceber quão relevante e divertido podia ser o meu trabalho. Sem dúvida que algumas das coisas que fui “descobrindo” contribuíram para essa mudança.
Fiquei algo impressionado com a quantidade de material que foi possível reunir. Em geral, cada fonte que estudava apresentava coisas “novas”. Houve muitos episódios cativantes mas foram pequenas coisas as que mais me emocionaram. Por exemplo, fiquei muito feliz com a descoberta, por acaso, de um livro em Cambridge que veio ajudar a perceber melhor a relação científica entre Nunes e uma importante figura do século XVI em Inglaterra: John Dee.

Muito marcantes, a nível pessoal, foram os estudos sobre o único manuscrito atribuído a Pedro Nunes, este manuscrito era uma resposta de Nunes a um “bacharel” desconhecido que tinha criticado um trabalho seu sobre linhas de rumo, hoje perdido. Ainda hoje não se sabe quem era esse autor da crítica. Já em relação ao trabalho de Nunes que foi criticado, eu sugeri uma interpretação diferente da que circulava. Na verdade, também este processo de “descoberta” foi por “acaso”. Passei uns bons três anos a olhar para esse texto de acordo com as teorias de outros investigadores e, um belo dia, ao reler algumas passagens do texto surgiram-me de repente interpretações diferentes que acabaram por ser bastante consistentes e foram defendidas na tese.

Outro exemplo, foi o descodificar de uma disputa entre dois professores jesuítas da «Aula da Esfera», em Lisboa.
 

capa do livro
Capa do livro "De arte atque ratione nauigandi" (1573)
Fonte Imagem cedida por Bruno Almeida

Quem o apoiou nesta tese?

BA - Tive apoios a muitos níveis, desde familiares a académicos. O meu orientador foi o professor Henrique Leitão. Nada teria sido possível sem a sua ajuda. Curiosamente, temos os dois a mesma formação universitária em Física (Henrique Leitão é doutorado em Física). Hoje em dia é um historiador de nível internacional. Aprendi com ele a maior parte do que hoje sei sobre história. Penso que é um orientador muito completo: tem elevados níveis de exigência, domina a literatura, tem um trabalho científico de relevância internacional, uma exemplar capacidade de trabalho, estava quase sempre contactável e disponível para discussões e dúvidas, é alguém consciente das necessidades dos seus estudantes, duro quando tinha que o ser, mas sempre motivador.
Por outro lado, foi ótimo trabalhar integrado na Secção Autónoma de História e Filosofia das Ciências (SAHFC) e mais precisamente no Centro Interuniversitário de História das Ciências e Tecnologia (CIUHCT) na FCUL. É um centro pequeno mas cujas orientações e trabalho de investigação são muito bons. A professora Ana Simões tem sido a coordenadora desta equipa de ótimos colegas, muitos deles são especialistas de relevância internacional. O nível de trabalho é elevado, as condições que nos são dadas são muito boas e há grande entreajuda e sã camaradagem.

Mas nada disto teria sido possível sem uma bolsa de doutoramento da Fundação para a Ciência e a Tecnologia. A nível institucional devo ainda acrescentar o apoio da Academia das Ciências de Lisboa e da Fundação Calouste Gulbenkian que me concedeu uma bolsa de estudo durante algum tempo.

Quanto tempo levou todo este trabalho?

Tudo somado, demorei cerca de sete anos a concluir o doutoramento. Foi um processo longo. Não existe formação ao nível de licenciatura em História das Ciências em Portugal. Logo, as pessoas chegam vindas ou das ciências ou das letras. Eu vim de Física. Por isso, tive que aprender muitas técnicas das Humanidades que não dominava. Fiz a parte curricular do mestrado em História e Filosofia das Ciências, fiz cursos livres, cadeiras noutras faculdades, etc.. O próprio trabalho era moroso e, a princípio, foi difícil encontrar o ritmo certo. Além de tudo isto, eu sabia que tinha que produzir uma tese profissional, honesta e decente, por isso não houve lugar nem a grandes pressas nem a desleixos.

Se em três palavras pudesse resumir este projeto, quais seriam?

BA -  Posso dizer que foi um projeto: exigente, (espero que) relevante e compensador.

Qual o seu carater inovador?

BA - Não sei se consigo responder a essa questão. Mas esta não é uma tese de ruturas. Em termos formais, insere-se numa tradição de estudos históricos que se desenvolveram no século XX e XXI. Quero acreditar que veio dar respostas a algumas questões que ainda subsistiam e contribuir para aprofundar os estudos nonianos.

FCUL – Que contributo julga ter dado à sociedade, bem como à área em que se insere?

BA - O contributo foi a informação reunida na tese. Neste momento é de conhecimento público, de todos os que a quiserem ler e usar. É responsabilidade da sociedade usá-la ou não das maneiras que achar. Se, de alguma forma chamar ainda mais a atenção das pessoas para o grande homem da ciência europeia que foi Pedro Nunes e da sua relevância nacional e internacional, ficarei mais feliz.

Como se sentiu ao receber o Prémio Cultura 2012 pela Sociedade de Geografia de Lisboa?

BA - Foi o professor Henrique Leitão que me sugeriu que concorresse a este prémio. Na verdade, outros alunos seus já tinham sido agraciados com prémios bastante importantes a nível nacional e internacional e o professor motiva-nos a levar os nossos trabalhos à avaliação de pares. No meu caso também deu bom resultado e o meu trabalho foi distinguido ex aequo com outros dois investigadores de outras áreas. Quando soube os resultados senti-me muito honrado e surpreendido. O prémio foi atribuído por uma instituição com grande tradição e houve bastantes concorrentes de variadíssimas áreas. Estou também muito grato à SGL por isso.

Considera que há necessidade de existir mais iniciativas, programas, prémios como este, que valorizem e deem a conhecer a cultura portuguesa? Por que razão e de que forma julga que a cultura portuguesa pode ganhar destaque?

BA - Claro. É crucial. Por um lado, os apoios financeiros são cada vez mais difíceis de obter. Mas, felizmente, há outros prémios semelhantes pelo país. Todos eles contribuem para valorizar e motivar trabalhos de investigação competentes. São ajudas importantes, a nível financeiro e académico mas não são ainda suficientes. O que espanta é que não haja mais gente a interessar-se pelo estudo da nossa história científica e que não haja mais apoios oficiais para programas sérios de investigação.
O nosso país tem uma herança cultural vasta e rica e muito por onde nos entretermos a investigar nos próximos anos. Além disso, há conexões com a ciência internacional que são muito relevantes e atraem cada vez mais as atenções de investigadores estrangeiros. Um exemplo é a ciência associada às navegações marítimas ibéricas: quem quiser perceber um pouco melhor os seus contornos pode visitar a exposição 360º - Ciência Descoberta, na Fundação Gulbenkian.

Esta distinção “tem um sabor especial” por ter como foco a herança cultural portuguesa?

BA - Sim, claro. Apesar de um historiador dever afastar-se de tiques “nacionalistas” e procurar ter uma visão abrangente das questões, é quase impossível não ter um orgulho especial quando a cultura do país de origem é trazida a um plano de destaque. Principalmente quando, no passado, foi até mal tratada dentro e fora de portas
No caso de Pedro Nunes, é muito gratificante perceber e continuar a mostrar o alcance da sua obra e ver que foi importante além-fronteiras.

O que significa para si esta distinção?

BA - Como disse, uma grande honra que partilho com o meu orientador, CIUHCT, família, e outras pessoas que me ajudaram no processo.

Em que se traduz o prémio?

BA - É um prémio que além do prestígio académico tem associado um valor pecuniário.

Que destino pretende dar-lhe?

BA - Ao dinheiro ainda não sei bem mas, o que quer que seja, inclui um jantar de agradecimento a colegas e principalmente ao orientador. Ao prestígio conferido pelo prémio... Creio que me traz responsabilidades acrescidas de continuar a trabalhar de forma honesta e profissional, tanto quanto me seja possível.

Já há planos futuros para aplicação/seguimento desta tese ou desenvolvimento de um outro projeto?

BA - Para já, o grande objetivo é publicar a tese. Infelizmente, os apoios para publicação foram reduzidos nos últimos anos quer da parte da Gulbenkian quer da FCT. Isto torna as coisas difíceis. Mas, em conjunto com o professor Henrique Leitão, estão a ser equacionadas outras soluções. E é possível que haja investimento de parte do valor do prémio.
Também gostaria de a publicar em inglês porque é um trabalho que interessa a investigadores estrangeiros. Mas este é um processo ainda mais dispendioso pelo que por agora só existe essa vontade.
De resto, já há mais artigos pensados e a ser desenvolvidos com base na tese.
Quanto a projetos futuros, não tenho certezas. Eu gosto muito de trabalhar no CIUHCT mas seria interessante desenvolver algum trabalho fora de Portugal.
Em boa verdade, se no futuro quero desenvolver trabalho de qualidade terei que continuar a estudar, a melhorar as minhas ferramentas técnicas e a investigar. Assim sendo, a tese e o prémio foram passos saborosos de um caminho longo mas que tem todo o potencial de ser gratificante e divertido.

Raquel Salgueira Póvoas, Gabinete de Comunicação, Imagem e Cultura da FCUL
info.ciencias@fc.ul.pt
Pedro Machado

Pedro Machado, investigador do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (IA) e professor da Ciências ULisboa, foi homenageado pelo Grupo de Trabalho para a Nomenclatura de Pequenos Corpos (WGSBN) da União Astronómica Internacional (IAU), com a atribuição do seu nome a um asteroide, que tem quase três quilómetros de diâmetro e demora quatro anos e meio a dar uma volta ao Sol.

ave a voar em cima do mar

Um novo estudo internacional sobre a análise do risco de exposição ao plástico por aves marinhas identifica o Mediterrâneo como a região de maior risco a nível global. O artigo foi publicado na revista científica Nature Communications e conta com 18 cientistas portugueses, entre eles quatro investigadores da Ciências ULisboa.

foto dos tres finalistas

Filipa Rocha, estudante de doutoramento na Ciências ULisboa, alcançou o 2.º lugar do Prémio Jovens Inventores 2023, atribuído pelo Instituto Europeu de Patentes. O prémio corresponde a um valor pecuniário de dez mil euros. A cerimónia de entrega de prémios decorreu esta manhã, em Valência, Espanha.

fotografia de grupo

Foi assinado um protocolo de cooperação entre Ciências ULisboa, a FCiências.ID, o cE3c e a empresa dinamarquesa Copenhagen Infrastructure Partners, que visa a investigação e mitigação dos impactos da exploração eólica offshore ao largo da Figueira da Foz.

Logotipo da ACL

Cristina Branquinho e Isabel Trigo foram eleitas em 2023 respetivamente sócias correspondentes nacionais da Classe de Ciências -  Ciências Biológicas e Ciências da Terra e do Espaço – da Academia das Ciências de Lisboa (ACL).

O projeto EDUCOAST, promovido pelo Instituto Português do Mar e da Atmosfera, desenvolve programas educacionais para diversos níveis de ensino e para profissionais, na área das geociências costeiras e marinhas, tendo como base o trabalho de campo e as práticas experimentais.

Conceção artística do telescópio espacial Euclid no espaço

A missão espacial Euclid da Agência Espacial Europeia (ESA) irá penetrar nos últimos 10 mil milhões de anos de história do Universo para tentar compreender pela primeira vez o que está a acelerar a expansão do Universo. O lançamento do telescópio espacial Euclid está previsto para 1 de julho. O telescópio vai observar durante seis anos mais de um terço do céu. A participação portuguesa na missão Euclid é coordenada pelo Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço.

João Pedro e Vera no laboratório

Ciências ULisboa integrou recentemente o projeto “Autonomia 21”, um projeto da Associação Pais 21 cujo objetivo é integrar jovens com Trissomia 21 no mercado de trabalho. O dinamizador desta ideia na Faculdade foi Federico Herrera, professor do DQB e investigador do BioISI. No âmbito deste projeto, Ciências ULisboa recebeu dois jovens que estão neste momento a estagiar num dos laboratórios da Faculdade.

José Pedro Granadeiro e Rui Rebelo

A expedição Selvagens 50 organizada pelo Instituto das Florestas e Conservação da Natureza da Madeira reuniu cerca de 40 especialistas de diversas instituições, entre os quais se incluem os professores do Departamento de Biologia Animal da Ciências ULisboa, José Pedro Granadeiro (aves marinhas) e Rui Rebelo (répteis terrestres).

Conceção artística de um exoplaneta semelhante a Vénus, em órbita da sua estrela

Uma equipa de investigadores escolheu um planeta a 106 anos-luz, com 1,37 vezes o diâmetro da Terra, descoberto em 2022, para apresentar a primeira simulação a três dimensões do clima de um planeta de tipo rochoso com as características que atualmente conhecemos em Vénus.

Grupo de alunos e professores

A 9.ª edição da final nacional das Olimpíadas Portuguesas da Geologia decorreu nos dias 3 e 4 de junho, no Centro Ciência Viva de Estremoz / Pólo de Estremoz da Universidade de Évora, com a participação de 25 estudantes vindos de diversas regiões do País, incluindo uma delegação dos Açores (São Roque do Pico).

Rádão

O professor do DQB Ciências ULisboa e investigador do BioISI Ciências ULisboa é o primeiro autor de um novo artigo publicado no jornal Physical Chemistry – Chemical Physics da Royal Society of Chemistry, onde foram estudados diferentes compostos de rádon e xénon - dois gases nobres – e onde as suas propriedades energéticas e de ligação química foram analisadas.

Fundo do oceano

Ricardo Melo, professor do Departamento de Biologia Vegetal da Ciências ULisboa e investigador do MARE, integra o júri do Prémio Mário Ruivo – Gerações Oceânicas. As candidaturas da 3.ª edição deste prémio decorrem até 31 de julho.

Carlos Nieto de Castro

Carlos Nieto de Castro chegou à Faculdade em 1982 com a missão de criar uma escola de Termodinâmica e Processos de Transporte. Em abril de 2019 jubilou-se. Ainda assim, o seu trabalho enquanto investigador continua: todos os dias úteis chega à Faculdade pelas 8h30/9h00. Conheça o percurso do cientista.

3 alunos numa mesa, na semana da sustentabilidade

Neste Dia Mundial do Ambiente recordamos a Semana da Sustentabilidade, organizada por núcleos de estudantes da Faculdade, com o apoio da Associação de Estudantes e do Laboratório Vivo para a Sustentabilidade.

José Guerreiro, docente do Departamento de Biologia Animal e investigador do MARE, iniciou funções esta quinta-feira, dia 1 de junho, como presidente do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

Miguel Miranda e a plateia

O professor e geofísico Jorge Miguel Miranda deu a sua última aula na passada sexta-feira, e despediu-se do Instituto Português do Mar e da Atmosfera, laboratório do Estado que presidiu nos últimos dez anos.

pessoas numa sala com computadores

Esta segunda-feira, dia 29 de maio, Ciências ULisboa recebeu a visita de Oksana Zholnovych, ministra da Política Social da Ucrânia, e Miguel Fontes, secretário de Estado do Trabalho. Os governantes visitaram uma turma durante uma ação de formação do programa UPskill, com o intuito de ficar a conhecer melhor este projeto.

12 finalistas do 3 MT

Patrícia Chaves foi distinguida com o segundo lugar, na primeira edição da competição 3MT – Três Minutos de Tese dinamizada pela Universidade de Lisboa. O pódio ficou completo com Catarina Botelho, em primeiro lugar, e Matteo Pisano, em terceiro lugar, ambos do Instituto Superior Técnico. Os nossos parabéns aos vencedores e a todos os finalistas!

Auditório com pessoas

Ciências ULisboa está de parabéns! 100% dos seus ciclos de estudos avaliados no segundo ciclo de avaliação (2017-2022) foram acreditados sem condições, pelo período máximo (seis anos), pela Agência de Avaliação e Acreditação do Ensino Superior (A3ES).

Grupo de pessoas

Entre os dias 13 e 17 de março deste ano realizou-se a excursão geológica de campo na Bacia Lusitânica (bacia sedimentar mesozóica na região centro-oeste de Portugal), a pedido da SHELL e organizada pela empresa GeoLogica (Portugal), do geólogo Pedro Barreto, antigo aluno de Geologia da Faculdade.

Jorge Miguel Miranda

No próximo dia 26 de maio, pelas 11h00, terá lugar no Grande Auditório da Faculdade a cerimónia de jubilação de Jorge Miguel Miranda, professor do Departamento de Engenharia Geográfica, Geofísica e Energia na Ciências ULisboa, investigador do Instituto Dom Luís (IDL) e presidente do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

oceano

José Guerreiro, professor do Departamento de Biologia Animal da Ciências ULisboa e investigador do Centro de Ciências do Mar e do Ambiente (MARE), foi nomeado perito da World Ocean Assessment III junto da Division for Ocean Affairs and the Law of the Sea (DOALOS) – ONU.

Médicos avaliam funções respiratórias de bébe

Carlos Farinha, professor do Departamento de Química e Bioquímica da Ciências ULisboa e investigador principal do grupo de investigação em Fibrose Quística do Instituto de Biossistemas & Ciências Integrativas, foi distinguido com um financiamento de 220 mil USD (€ 204.100,57), pela associação Emily’s Entourage.

Filipa Rocha

A estudante de doutoramento na Ciências ULisboa e professora assistente no IST desenvolveu um sistema que utiliza blocos tangíveis para promover a aprendizagem digital inclusiva para crianças com deficiência visual, ensinando assim literacia digital e eliminando barreiras educativas.

Páginas