Opinião

E se o medo da morte nos acordasse para a vida!

Pessoa

Não se foque tanto naquilo que gostaria de deixar cá, mas sim, como é que quer viver a sua vida?

Unsplash - Mohamed Nohassi
Andreia Santos
Andreia Santos
Fonte ACI Ciências ULisboa

A ansiedade gerada pelo medo da morte, não havendo nenhuma evidência para isso (exemplo, inexistência de qualquer doença) é uma realidade para várias pessoas.

Quando se pergunta às pessoas, o que elas sentem, a resposta é difusa e quase sempre relacionada com sintomas de ansiedade, gerando às vezes ataques de pânico.

Existem várias teorias que dão contexto a este medo, mas sobretudo há uma ideia subjacente: o medo de não viver, sentir ou fazer qualquer coisa em vida, uma sensação de vida não vivida. Claro que, há sempre coisas que não conseguimos realizar, ou pelo menos da forma como se gostaria. Contudo, quanto mais uma pessoa se sente satisfeita com a sua vida, menos probabilidade tem de sentir este medo.

Quando este medo aparece e se instala, começando a causar mal-estar, uma das coisas úteis que podemos fazer com ele, é questionar a sua função naquele momento da nossa vida, e perguntar de um modo muito concreto: “o quê precisamente, é que eu temo acerca da morte?”. É a partir das respostas que surgem a esta questão que podemos encontrar o alívio para esta ansiedade, porquê? Porque nos obriga a olhar para aquilo que tem de ser mudado, para as tomadas de decisão que precisam de ser feitas. Muitas vezes estas tomadas de decisão não são apenas coisas que têm de ser alteradas, mas também uma forma de estarmos connosco próprios e ou com os outros.

Citando um dos psicoterapeutas que tem desenvolvido vários trabalhos nesta área, e mantendo as suas palavras originais: “Death awareness may serve as an awakening experience, a profoundly useful catalyst for major life changes” (Irvin D. Yalom). Partindo desta consciência, não se foque tanto naquilo que gostaria de deixar cá, mas sim, como é que quer viver a sua vida?

Andreia Santos, Gabinete de Apoio Psicopedagógico da Área de Mobilidade e Apoio ao Aluno de Ciências ULisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt
Jovem usa microscópio

A FCUL estimula a abertura permanente à sociedade civil, promovendo acontecimentos que visam a disseminação de conhecimentos e a interligação com diferentes agentes sociais.

Os vários objectivos do DEGGE: Tudo o que nos define, e tudo o que apoiamos

O ENEI'12 vai realizar-se na FCUL.

ESTRUTURA E GESTÃO DO DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA ANIMAL (DBA)

Apresentação do Departamento

Paleontólogos do MNHN da UL e do GeoFCUL em foco na revista TVmais.

A FCUL participa em "Programa de Estudos Avançados" com mais quatro instituições universitárias portuguesas e brasileiras.

O DQB e a FCUL acolheram, mais uma vez, a realização de provas semifinais das Olimpíadas de Química Júnior 2012 no sábado, 14 de abril de 2012.

Pessoas estudam numa mesa na biblioteca

“Acho que qualquer aluno consegue ser bom, se tiver uma boa disciplina de trabalho e objetivos concretos”. Quem o diz é Gonçalo Faria da Silva, estudante do 3.º ano de Biologia.

No penúltimo dia de março realiza-se a quinta e última sessão do workshop destinado a preparar os estudantes para a obtenção do 1.º emprego.

 

Alunos da FCUL

A Schlumberger realiza uma sessão de recrutamento em Ciências. As grandes empresas procuram os melhores profissionais. A FCUL apoia a inserção profissional dos seus diplomados.
 

O evento é uma organização conjunta da Norton/Symantec e do mestrado em Segurança Informática do DI-FCUL.

O DM está na Futurália

Para Duarte Flor, presidente da associação académica e aluno do 12.º ano em Ciências, é importante que os candidatos ao ensino superior visitem as instalações de uma faculdade.

Desenho de uma figura masculina

“Existe um espaço onde o sentimento de pertença a uma escola pode ser reavivado", afirma Miguel Ramos.

Aluna junto a uma das colunas do átrio do C6

A mostra pictórica da atividade científica da FCUL é inaugurada a 13 de março. Conheça as razões pelas quais deve visitar a exposição.

O que são líquidos iónicos? Num dos primeiros programas do ano, o Com Ciência entrevistou o professor e investigador da FCUL, Carlos Nieto de Castro sobre esta classe de solventes.

Desenho de uma figura masculina

A data de lançamento do livro ainda não é pública, mas o evento deverá ocorrer brevemente, na Faculdade de Belas-Artes da UL.

Ontem evocou-se o Dia das Doenças Raras. A fibrose quística é um desses males incomuns. A investigação científica é importante em todos os setores, mas ganha especial sentido em áreas como esta.

Cerca de 20 professores de Ciências da Natureza e Ciências Naturais de nove concelhos portugueses participam na atividade promovida pelo MNHNC-UL a decorrer até abril.

Imagem de um folheto promocional

A FCUL volta a marcar presença no evento, juntamente com outras unidades orgânicas da UL.

Fotografia com pontos de interrogação

Alunos finalistas aconselham Engenharia da Energia e do Ambiente. Testemunhos de Guilherme Gaspar e Ricardo Leandro.

Fotografia de mesa com cinco pessoas sentadas, na Reitoria da UL

A rede pretende formalizar colégios doutorais em áreas transversais. Opinião de Maria Amélia Martins-Loução.

Fotografia de pessoas sentadas num dos anfiteatros da FCUL

A iniciativa acontece a 17 de março e é organizada pelos Departamentos de Física e de Informática.

Fotografia de Dois voluntários, sentados junto a uma banca no átrio do C5

Em fevereiro estão abertas inscrições para a admissão de novos voluntários.

Páginas