Ciência Viva no Verão 2012

Pequenos e Graúdos partem à descoberta

Adultos e criança em atividade da Ciência Viva no Verão
Daniel Espírito-Santo

Como se instalou a serra de Sintra? Para que servem os nocturlábios? Quanto come, por noite, um morcego? Estas são apenas algumas das questões, que aguçam a curiosidade de jovens e graúdos, a que os especialistas da Ciência Viva no Verão vão responder.
 

Da Astronomia à Geologia e Biologia passando pelos Castelos, Faróis e Engenharias são 1755 as atividades gratuitas desenvolvidas pela Ciência Viva, Agência Nacional para a Cultura Científica e Tecnológica, em parceria com 124 instituições de todo o país. Entre as atividades, registam-se visitas a praias, florestas, barragens, pontes, adegas, faróis e castelos, sempre com o acompanhamento de especialistas que conhecem e estudam cada área (astrónomos, geólogos, biólogos, engenheiros, arqueólogos ou historiadores).


Fonte: Daniel Espírito-Santo
Legenda: Todas as atividades têm o acompanhamento de especialistas que conhecem e estudam cada área

Catarina Figueira, coordenadora da equipa de Comunicação e Relações Públicas do Centro, reforça a importância da iniciativa já que “numa era em que o produto mais visível da ciência, a tecnologia, é omnipresente entre os cidadãos, é particularmente importante divulgar o conhecimento científico e os próprios fenómenos que são objeto deste conhecimento”.
 

A FCUL é uma das entidades que contribui para esta descoberta das Ciências sendo que são oito as instituições diretamente relacionadas com a Faculdade que oferecem atividades aos participantes, nomeadamente o Centro Ciência Viva do Lousal Mina de Ciência, o Museu Nacional de História Natural e da Ciência, o Observatório Astronómico de Lisboa, o Centro de Biologia Ambiental, o Grupo Lopo, o Instituto de Oceanografia, o Jardim Botânico e o Centro de Geologia.
 

Entre as diversas ações e desafios propostos, os participantes vão poder: descobrir os segredos da Astronomia com a atividade “Há Estrelas no Céu do Lousal” no Centro Ciência Viva do Lousal (17 ações), fazer percursos pedestres na serra do Montejunto para observar as borboletas através do acompanhamento do Museu Nacional de História Natural e da Ciência (vinte ações), conhecer o último grande predador do país, o lobo ibérico, partindo à aventura com o Grupo Lobo (16 ações), conhecer a “Astronomia Portuguesa e Mundial no séc. XIX” no Observatório Astronómico de Lisboa (27 ações) ou aceitar o convite feito pelo Centro de Biologia Ambiental (quinze ações) e conhecer o meio marinho.
 

Sob a organização e orientação do Centro de Geologia da Universidade de Lisboa (CeGUL) estão ainda 36 atividades, entre elas, “Fósseis no Fórum Montijo”, “Lagoa de Albufeira: uma Jovem com 5000 anos”, “Paleomemorial do Convento”, “Geologia Augusta”, “A Geologia na Caça ao Tesouro”.

Para Mário Cachão, professor do Departamento de Geologia da FCUL e um dos membros da organização destas atividades no CeGUL, esta iniciativa “é uma das melhores formas que a Universidade, em geral, e que o grupo de investigadores do CeGUL, em particular, têm de mostrar a importância dos estudos geológicos para o melhor conhecimento da realidade física que nos rodeia, realidade esta que está omnipresente no dia-a-dia, nos envolve e nos caracteriza enquanto porção singular da superfície do planeta, mas que em grande parte ainda passa despercebida. Estas atividades de geologia no verão são, em resumo, a melhor forma de mostrar aos nossos concidadãos o que fazemos, porque e para que o fazemos, ou seja, mostrar a razão do País investir na investigação e ensino da Geologia a nível universitário”.


Fonte: Daniel Espírito-Santo
Legenda: Objetivo da Iniciativa é “aproximar os cidadãos da ciência sob a forma de uma experiência direta e vivida”

Este ano, o programa arrancou com um passeio científico pelo estuário do rio Tejo dinamizado pela FCUL, em particular, pelos centros de Geologia e de Oceanografia da Faculdade e Agência Portuguesa do Ambiente, contando com a participação do ministro da Educação e Ciência, Nuno Crato. Nesta viagem a bordo de uma embarcação tradicional do Tejo, os especialistas ensinaram aos participantes a história geológica, a qualidade da água e a biodiversidade do estuário.
 

O interesse da população pelas atividades tem sido crescente tal como demonstra Catarina Figueira: “este ano recebemos 2500 inscrições só nos primeiros cinco minutos, o que atesta o crescente interesse que este programa tem suscitado, ano após ano, junto do público”. Principiada em 1996, esta iniciativa cujo objetivo é “aproximar os cidadãos da ciência sob a forma de uma experiência direta e vivida”, já organizou mais de 20 mil ações destinadas a uma média anual de 50 mil participantes.
 

Até ao último dia de atividades, 15 de setembro, as inscrições estão abertas sendo limitadas ao número de vagas existentes. Para não perder a oportunidade de embarcar nesta aventura e ter um Verão enriquecido pelo fantástico mundo científico, o melhor é consultar o programa de atividades e garantir o seu lugar. Boas descobertas!

Raquel Póvoas, Gabinete de Comunicação, Imagem e Cultura da FCUL
info.ciencias@fc.ul.pt
Um grupo de membros de Instituições do Ensino Superior, onde se inclui CIÊNCIAS, está reunido em frente a um jardim, em visita à Siemens

 A iniciativa teve como objetivo aproximar a academia do tecido empresarial.

Nuno Gonçalves alcança o segundo lugar na competição 3MT ULisboa.

Nuno Gonçalves foi distinguido com o segundo lugar, na final da competição ‘Três Minutos de Tese – 3MT ULisboa’, que se realizou esta quint

Inês Ventura

Inês Ventura, a desenvolver o seu doutoramento no Centro de Ciências do Mar e do Ambiente (MARE) e no Instituto de Biossistemas e Ciências Integrativas (

Universidade de Lisboa

A Universidade de Lisboa alcança a 260ª posição no QS World University Rankings (SUR) 2025, tornando-se na universidade portuguesa mais bem classificada neste ranking.

Signatários do acordo

Dia 5 de junho foi assinado o acordo para a construção do espectrógrafo ANDES (ArmazoNes high Dispersion Echelle Spectrograph – Espectrógrafo Echelle de alta dispersão do Armazones), entre o Observatório Europeu do Sul (

 Luís Carriço, Diretor de CIÊNCIAS, e David Gonçalves, Dean do Instituto da Ciência e do Ambiente da Universidade de São José (USJ) assinam acordo sentados a uma mesa

CIÊNCIAS assinou no dia 5 de junho um acordo de cooperação com o Instituto da Ciência e do Ambiente da Universidade de São José (USJ), com vista à cooperação científica em várias áreas de interesse comum.

Equipa do projeto 'Ciências em Harmonia'

Esta terça-feira, 28 de maio, o projeto ‘Ciências em Harmonia’ assinalou o seu primeiro ano de atividades: um marco comemorado com um convívio informal com a comunidade, que

António Branco

António Branco, docente do Departamento de Informática de CIÊNCIAS, foi um dos oradores convidados da conferência que

Sabemos que no futuro um sismo de magnitude significativa voltará a atingir Lisboa. Não sabemos é quando. E se o pudéssemos prever? E se existisse uma probabilidade forte de ser já em 2027?

Ana Santos, finalista 3MT ULisboa

Ao longo dos próximos dias, daremos a conhecer os quatro finalistas de CIÊNCIAS que irão participar na final da competição

Painel e sessão de Perguntas & Respostas | Estreia de documentário

Perto de 120 pessoas assistiram este sábado, 25 de maio, à estreia do documentário ‘O que se esconde na luz? A ciência da missão espacial Euclid’, produzido pelo Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (IA).

Investigadores do Instituto Dom Luiz, de CIÊNCIAS, instalaram um sismómetro na Escola Básica Professor Delfim Santos, que se encontra a menos de um quilómetro do Estádio da Luz, em Lisboa, onde vão ter lugar os concertos.

Banner Bênção de Finalistas & Queima das Fitas 2024

Este fim de semana a Alameda da Universidade de Lisboa vai voltar a encher-se de finalistas de CIÊNCIAS e de tantas outras faculdades e universidades. A cerimónia de Bênção de Finalistas decorre amanhã dia 25 de maio, a partir das 11h30.

 

3MT ULisboa 2024

Quatro dos doze finalistas da competição ‘Três Minutos de Tese – Universidade de Lisboa’ são de CIÊNCIAS.

Pinguins-de-adélia

Num artigo agora publicado na Science, investigadores de instituições de renome a nível mundial propõem uma estratégia para envolver todas as partes interessadas na governança do Oceano Antártico através de um processo de ordenamento do espaço marinho (OEM) inteligente do ponto de vista climático.

Impressão artística da missão Euclides no espaço.

A 25 de maio (sábado), às 21h00, vamos ver e compreender as novas imagens de entre as maiores alguma vez feitas do Universo, no Grande Auditório de CIÊNCIAS (Edifício C3). A entrada é livre.

Redes Doutorais Marie Curie Projeto PROMOTE

CIÊNCIAS vai participar numa das propostas vencedoras do concurso 2023 das Redes Doutorais de Ações Marie Skłodowska-Curie (MSCA DN).

Foto de entrega de prémio aos vencedores

No âmbito do projeto Invasives e como atividade inserida na

Dia Nacional dos Cientistas - 16 de maio

O Dia Nacional dos Cientistas foi instituído em 2016 por Resolução da Assembleia da República com o objetivo de reconhecer e celebrar a contribuição vital dos cientistas para o progresso da sociedade.

CIÊNCIAS e OKEANOS em parceria para monitorizar biodiversidade e alterações dos ecossistemas marinhos

Projeto internacional SEAGHOSTS visa a monitorização e conservação das populações de painhos, as aves marinhas mais pequenas do planeta.

Reitoria da ULisboa

O CWUR 2024 avaliou de entre 20.966 instituições de ensino superior e atribuiu à ULisboa o 211.º lugar (top 1.1%) e a 80.ª posição no panorama europeu.

Páginas