Anfíbios da Serra da Estrela em risco

Lagoa dos Cântaros, na Serra da Estrela, um dos locais onde se realizou o estudo

Madalena Madeira

Gonçalo M. Rosa concluiu em Ciências a licenciatura em Biologia Ambiental variante Terrestre e o mestrado em Biologia da Conservação. Rui Rebelo, coautor do presente estudo, professor do Departamento de Biologia Animal e investigador do cE3c foi seu orientador de mestrado e coorientador do doutoramento obtido no Instituto Durrell de Conservação e Ecologia da Universidade de Kent, no Reino Unido.

As populações de várias espécies de anfíbios na Serra da Estrela estão a diminuir drasticamente, devido a uma infeção por uma nova estirpe de vírus, também já detetado noutras partes de Espanha e da Europa, segundo comunicado de imprensa emitido recentemente pelo cE3c – Centro de Ecologia, Evolução e Alterações Ambientais.

"Os vírus do género Ranavirus encontram-se um pouco por todo o mundo, sendo capazes de infetar vários grupos de animais, desde peixes a répteis e anfíbios. Mas diferentes estirpes têm diferentes graus de virulência, e aquele que circula na Serra da Estrela pertence a um grupo hiper virulento chamado CMTV-Ranavirus. Esta nova estirpe tem sido responsável pela morte anual em massa de várias espécies de anfíbios, semelhante ao que foi registado no norte de Espanha", explica Gonçalo M. Rosa, investigador do cE3c, do Instituto Durrell de Conservação e Ecologia da Universidade de Kent e da Sociedade Zoológica de Londres, ambos no Reino Unido.

Impact of asynchronous emergence of two lethal pathogens on amphibian assemblages” é da autoria de Gonçalo M. Rosa, Joana Sabino-Pinto, Telma G. Laurentino, An Martel, Frank Pasmans, Rui Rebelo, Richard A. Griffiths, Anke C. Stöhr, Rachel E. Marschang, Stephen J. Price, Trenton W. J. Garner & Jaime Bosch e foi publicado online na “Scientific Reports”, a 27 de fevereiro.

Gonçalo M. Rosa lidera o estudo de monitorização que se seguiu ao primeiro alerta de 2009 e que se mantém até hoje. Há cerca de oito anos foram encontrados centenas de sapos-parteiro (Alytes obstetricans) mortos numa das lagoas do Parque Natural da Serra da Estrela devido a uma infeção por quitrídio (Batrachochytrium dendrobatidis), um fungo microscópico que afeta as populações desta espécie de anfíbio, mas cujos efeitos continuam a estar limitados a altitudes elevadas e ao sapo-parteiro (Alytes obstetricans). No outono de 2011 surgiu um novo episódio de mortalidade que contrastou com todos os padrões observados até então: um evento que afetou não só os sapos-parteiro como todas as outras espécies de anfíbios que habitavam um charco perto da vila de Folgosinho. Os testes aos animais mortos revelaram que não se tratava de infeção por quitrídio mas sim por uma nova estirpe de ranavírus, detetada em todas as espécies analisadas.

Estes resultados vêm alterar o paradigma atual, segundo o qual o quitrídio é apontado como o principal patógeno associado à crise dos anfíbios: enquanto que os efeitos do quitrídio continuam a estar limitados a altitudes elevadas e ao sapo-parteiro (Alytes obstetricans), o ranavírus é altamente virulento em múltiplas espécies e estágios de vida, e a diferentes altitudes. Os investigadores não encontraram evidências significativas de que a pré-existência de quitrídios estivesse associada à emergência de ranavírus.

Hoje em dia é possível tratar em laboratório casos de infeção com quitrídio, essa não é ainda uma realidade para a ranavirose. Este é assim de um desafio urgente para a conservação dos anfíbios.

"Não sabemos como tratar indivíduos com ranavirose nem como mitigar ainda o problema no campo.”
Gonçalo M. Rosa


Gonçalo M. Rosa em trabalho de campo
Fonte Madalena Madeira

 

Marta Daniela Santos, cE3c, com ACI Ciências
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt

As alterações climáticas podem mudar a natureza do impacto do lagostim-vermelho-da-Louisiana (Procambarus clarkii) nos ecossistemas. Bruno M. Carreira, Pedro Segurado, Anssi Laurilla e Rui Rebelo são os autores de “Can heat waves change the trophic role of the world’s most invasive crayfish? Diet shifts in Procambarus clarkii”,publicadoem setembro na PLOS ONE.

Recentemente, dois estudos sobre como pensamos, um do Instituto Max Planck (para a História da Ciência, Alemanha) e outro da Escola de Medicina de Harvard (EUA), de maio de 2017 (revista NeuroImage, de Elinor Amit e Evelina Fedorenko), clarificaram as diferenças que nós temos quando refletimos sobre alguma matéria, fazemos coisas, ou emulamos a realidade. Basicamente, existem dois modos, um que recorre às imagens (visual) e outro que adota as palavras (verbal). O primeiro é muito mais antigo, está instalado no cérebro desde o nosso nascimento e evoluiu ao longo do tempo, e o segundo, mais moderno, intromete-se amiúde com o primeiro.

Ciências participa na KIC EIT Health que visa promover o empreendedorismo para o desenvolvimento de uma vida saudável e de um envelhecimento ativo. Os alunos podem inscrever-se na unidade curricular que lhes permite participar no projeto, sendo que uma parte é feita na Dinamarca.

A experiência ATLAS acontece há 25 anos e a data será celebrada com palestras, bem como com uma homenagem à responsável pela participação portuguesa na experiência, a cientista Amélia Maio.

O que fazem e o que pensam alguns membros da comunidade de Ciências? O Dictum et factum de outubro é com Francisco Oliveira, assistente técnico do Núcleo de Manutenção do Gabinete de Obras, Manutenção e Espaços da Área de Serviços Técnicos de Ciências.

O Prémio Nobel da Física de 2017 foi atribuído a Rainer Weiss, Barry Barish e Kip Thorne. Francisco Lobo, investigador do Departamento de Física de Ciências e do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço, comenta o tema.

Há cinco anos o biólogo marinho Pedro M. Lourenço encontrou microfibras em dejetos de aves. Foi nessa ocasião que surgiu a ideia de avaliar a abundância de microplásticos nos estuários, iniciando assim um estudo sobre a poluição por plásticos.

“Para além da importância no contexto científico, este trabalho também tem uma forte importância no contexto industrial, pois permite otimizar os gastos de energia domésticos e industriais”, explica o investigador do Centro de Química Estrutural de Ciências, Francisco Bioucas.

Mais de 100 cientistas reúnem-se em Lisboa, na Faculdade de Ciências, para abordar a temática dos nanofluidos.

A origem dos raios cósmicos de elevada energia foi desvendada. O LIP, do qual Ciências faz parte, colaborou na obtenção dos resultados.

O minhocário será usado para investigar o processo de vermicompostagem, numa experiência piloto em parceria com o Gabinete de Segurança, Saúde e Sustentabilidade da Área de Serviços Técnicos de Ciências e com o Centro de Ecologia, Evolução e Alterações Ambientais (cE3c).

Há um mineral peculiar que pode ajudar a desvendar o contributo do vulcanismo de Decão sobre a extinção em massa e a morte dos dinossauros: a akaganéite. Os resultados do estudo foram publicados na Nature Scientific Reports.

Ciências participa com mais de 30 de atividades de divulgação de ciência, espalhadas por Lisboa, Lousal e até na ilha Terceira.

O primeiro Dia Internacional do Microrganismo foi celebrado a 17 de setembro, no Pavilhão do Conhecimento, em Lisboa, numa iniciativa conjunta da Sociedade Portuguesa de Microbiologia, Ordem dos Biólogos, Ciência Viva e Comissão Nacional da UNESCO.

Desde 1971 que a guerra está aberta, mas o combate tem sido difícil. Por um lado, não temos só uma doença, e o que já conhecemos não tem chegado para estarmos contentes.

Um novo estudo liderado por Ciências encontrou grandes quantidades de fibras artificiais no estuário do Tejo e em zonas costeiras da África Ocidental, segundo comunicado de imprensa emitido pela Faculdade esta segunda-feira.

Falta pouco para a Faculdade voltar a ser homenageada com a atribuição de mais duas insígnias de professores eméritos a dois dos seus docentes aposentados.

Zbigniew Kotowicz, investigador e membro integrado do Centro de Filosofia das Ciências da Universidade de Lisboa, faleceu aos 67 anos, no dia 21 de setembro de 2017.

Ciências integra um consórcio europeu que vai receber do programa Horizon 2020 cinco milhões de euros para desenvolver, entre 2018 e 2021, a mais avançada tecnologia de espectrometria de massa.

Agora que terminaste o ensino secundário e estás prestes a iniciar esta nova etapa, vários vão ser os desafios pessoais e académicos que vais enfrentar.

O "MOONS Science Consortium Meeting" termina esta quarta-feira, dia 13 de setembro, após dois dias de reuniões. O encontro "à porta fechada" decorre no campus de Ciências e visa consolidar os casos científicos e discutir as estratégias de observação do espectrógrafo, cuja fase de construção arranca agora.

O que fazem e o que pensam alguns membros da comunidade de Ciências? O Dictum et factum de setembro é com Sandra Crespo, assistente técnico do Departamento de Informática de Ciências.

Ciências preencheu 99,9% das suas vagas na 1.ª fase do Concurso Nacional de Acesso (CNA) ao ensino superior, a taxa mais elevada desde que há registo.

No dia 14 de setembro, pelas 17h30, a arqueóloga Lídia Fernandes vai falar sobre o chão, no MUHNAC-ULisboa, em mais uma sessão de 60 Minutos de Ciência.

Maria de Deus Carvalho, professora do Departamento de Química e Bioquímica (DQB) e investigadora do Centro de Química e Bioquímica de Ciências, faleceu aos 53 anos, no dia 5 de setembro de 2017.

Páginas