Missão científica pós-tsunami na Indonésia

Wani na Indonésia

Destroços do tsunami de 28 de setembro de 2018, na aldeia de Wani, na Indonésia

MW
Benteng, na costa oeste da bacia de Palu
Martin Wronna a medir a altura das escarpas, resultantes do deslizamento de terra aquando do tsunami em Benteng, na costa oeste da bacia de Palu
Fonte RO

No dia 6 de novembro de 2018, pouco mais de um mês depois do sismo e tsunami que atingiram a Baía de Palu na Indonésia, Martin Wronna e Rachid Omira, investigadores do Instituto Dom Luiz de Ciências ULisboa e IPMA, fizeram as malas e partiram para o local do desastre, que tirou a vida a mais de 2000 pessoas e causou a deslocação a outras 80 000. Foram em missão científica, integrados numa equipa internacional de peritos, constituída logo após o tsunami. Durante cinco dias e antes que o tempo apagasse as marcas da água e a memória dos testemunhos, a equipa percorreu as zonas mais afetadas, fez medições e falou com as populações locais.

O objetivo da missão era claro: melhorar a caracterização do tsunami de dia 28 de setembro de 2018, de modo a desenvolver técnicas e programas de mitigação destes fenómenos naturais. Mas como se organiza uma expedição científica que reúne investigadores de vários pontos do mundo num local ainda tão fragilizado? Depois de muitas reuniões, visualizações de vídeos de testemunhos e modelações computacionais, definem-se os locais a estudar, os parâmetros a medir e as tecnologias a utilizar no terreno. As autoridades e cientistas locais desempenham um papel fundamental na operacionalização dos trabalhos. Foram eles que, de 6 a 11 de novembro de 2018, acompanharam Martin Wronna, Rachid Omira e o resto da equipa nos locais mais afetados pelo tsunami na Baía de Palu. Martin Wronna descreve-nos um dia típico nesta missão: “Começávamos por tomar o pequeno-almoço e reunir toda a equipa, traçando os objetivos do dia. Partíamos depois, de carro com os cientistas locais, para o terreno, procurávamos testemunhos e fazíamos medições das marcas de passagem do tsunami na costa, por exemplo, inundações em casas, deslocações de terra, detritos. De seguida, partíamos para um outro local e repetíamos o mesmo processo.” No total, a equipa de peritos fez medições em 80 locais diferentes, medindo em média cinco a dez pontos por dia, consoante a dificuldade nos acessos às localidades.

Kabonga Besar
Rachid Omira a medir as marcas de água, numa casa atingida pelo tsunami em Kabonga Besar, na costa oeste da baía de Palu
Fonte MW

Martin Wronna e Rachid Omira regressaram a casa no dia 11 de novembro de 2018 e os dados recolhidos na baía de Palu começaram a ser introduzidos nos modelos computacionais em que trabalham. Estes modelos serão cruciais para ajudar a compreender o que se passou no dia 28 de setembro e responder a questões que ainda não foram clarificadas pela comunidade científica, como por exemplo quais os mecanismos geradores deste tsunami. Rachid Omira conta-nos quais são os passos que se seguem nesta missão: “Iremos publicar os dados recolhidos na Indonésia para que todos possam usufruir dos mesmos e de seguida reproduzir a inundação do tsunami com modelos computacionais. Esperamos que estes sirvam no futuro para melhorar, por exemplo, os sistemas de alarme de tsunami na costa.”

Marta Aido, IDL com ACI Ciências ULisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt

Em 2017 o Centro Interuniversitário de História das Ciências e da Tecnologia celebra dez anos. Para comemorar a efeméride, a unidade de I&D realiza no próximo dia 8 de novembro, a partir das 18h00, no anfiteatro da FCiências.ID, sito no edifício C1, piso 3, a primeira distinguished lecture com Jürgen Renn, prestigiado historiador das ciências e diretor do Max Planck Institute for the History of Science.

A representação do campus da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa em 3D utilizando tecnologias inovadoras fornece dados de apoio à gestão e utilização de recursos.

“Nos meus projetos lido diariamente com a Biologia, a que aprendi na faculdade e ao longo da minha vida, e com o desenho que me acompanha como forma de olhar, entender e comunicar”, declara o ilustrador científico Pedro Salgado, antigo aluno de Ciências.

.

Cerca de 39 alunos do BioSys participaram no segundo encontro de estudantes deste programa doutoral. O evento ocorreu em Beja este mês. Também em outubro terminam as candidaturas a 11 bolsas de doutoramento da próxima edição do BioSys.

Uma vez mais Ciências participou na Maratona Interuniversitária de Programação (MIUP), este ano organizada pela Universidade do Minho. A equipa de Ciências - Caracóis Hipocondríacos -, composta pelos alunos Nuno Burnay, Robin Vassantlal e Guilherme Espada, ficou em 3.º lugar, ao resolver quatro dos nove problemas da competição.

Imagina que tens um jarro vazio e um conjunto de pedras grandes, seixos, gravilha e areia. Agora, imagina que para encher o jarro, vais colocando primeiro a areia e a gravilha e só no fim, as pedras maiores... O que achas que acontece? Será que vai caber tudo e de que forma?... E se colocássemos as pedras grandes primeiro?

As alterações climáticas podem mudar a natureza do impacto do lagostim-vermelho-da-Louisiana (Procambarus clarkii) nos ecossistemas.

Recentemente, dois estudos sobre como pensamos, um do Instituto Max Planck (para a História da Ciência, Alemanha) e outro da Escola de Medicina de Harvard (EUA), de maio de 2017 (revista NeuroImage, de Elinor Amit e Evelina Fedorenko), clarificaram as diferenças que nós temos quando refletimos sobre alguma matéria, fazemos coisas, ou emulamos a realidade.

Ciências participa na KIC EIT Health que visa promover o empreendedorismo para o desenvolvimento de uma vida saudável e de um envelhecimento ativo. Os alunos podem inscrever-se na unidade curricular que lhes permite participar no projeto, sendo que uma parte é feita na Dinamarca.

A experiência ATLAS acontece há 25 anos e a data será celebrada com palestras, bem como com uma homenagem à responsável pela participação portuguesa na experiência, a cientista Amélia Maio.

O que fazem e o que pensam alguns membros da comunidade de Ciências? O Dictum et factum de outubro é com Francisco Oliveira, assistente técnico do Núcleo de Manutenção do Gabinete de Obras, Manutenção e Espaços da Área de Serviços Técnicos de Ciências.

O Prémio Nobel da Física de 2017 foi atribuído a Rainer Weiss, Barry Barish e Kip Thorne. Francisco Lobo, investigador do Departamento de Física de Ciências e do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço, comenta o tema.

Há cinco anos o biólogo marinho Pedro M. Lourenço encontrou microfibras em dejetos de aves. Foi nessa ocasião que surgiu a ideia de avaliar a abundância de microplásticos nos estuários, iniciando assim um estudo sobre a poluição por plásticos.

“Para além da importância no contexto científico, este trabalho também tem uma forte importância no contexto industrial, pois permite otimizar os gastos de energia domésticos e industriais”, explica o investigador do Centro de Química Estrutural de Ciências, Francisco Bioucas.

Mais de 100 cientistas reúnem-se em Lisboa, na Faculdade de Ciências, para abordar a temática dos nanofluidos.

A origem dos raios cósmicos de elevada energia foi desvendada. O LIP, do qual Ciências faz parte, colaborou na obtenção dos resultados.

O minhocário será usado para investigar o processo de vermicompostagem, numa experiência piloto em parceria com o Gabinete de Segurança, Saúde e Sustentabilidade da Área de Serviços Técnicos de Ciências e com o Centro de Ecologia, Evolução e Alterações Ambientais (cE3c).

Há um mineral peculiar que pode ajudar a desvendar o contributo do vulcanismo de Decão sobre a extinção em massa e a morte dos dinossauros: a akaganéite. Os resultados do estudo foram publicados na Nature Scientific Reports.

Ciências participa com mais de 30 de atividades de divulgação de ciência, espalhadas por Lisboa, Lousal e até na ilha Terceira.

O primeiro Dia Internacional do Microrganismo foi celebrado a 17 de setembro, no Pavilhão do Conhecimento, em Lisboa, numa iniciativa conjunta da Sociedade Portuguesa de Microbiologia, Ordem dos Biólogos, Ciência Viva e Comissão Nacional da UNESCO.

Desde 1971 que a guerra está aberta, mas o combate tem sido difícil. Por um lado, não temos só uma doença, e o que já conhecemos não tem chegado para estarmos contentes.

Um novo estudo liderado por Ciências encontrou grandes quantidades de fibras artificiais no estuário do Tejo e em zonas costeiras da África Ocidental, segundo comunicado de imprensa emitido pela Faculdade esta segunda-feira.

Falta pouco para a Faculdade voltar a ser homenageada com a atribuição de mais duas insígnias de professores eméritos a dois dos seus docentes aposentados.

Zbigniew Kotowicz, investigador e membro integrado do Centro de Filosofia das Ciências da Universidade de Lisboa, faleceu aos 67 anos, no dia 21 de setembro de 2017.

Ciências integra um consórcio europeu que vai receber do programa Horizon 2020 cinco milhões de euros para desenvolver, entre 2018 e 2021, a mais avançada tecnologia de espectrometria de massa.

Páginas