Trabalho do BioISI Ciências ULisboa e do HSM premiado por SPP

Novos horizontes para a doença crónica obstrutiva pulmonar

Fibrose quística pode ajudar nas estratégias terapêuticas de doença comum

Carlos Lopes e Margarida Amaral

Carlos Lopes e Margarida Amaral. O Prémio Thomé Villar/Boehringer Ingelheim visa premiar trabalhos originais de investigação científica no âmbito da Pneumologia

Imagem cedida por MA

O manuscrito submetido ao prémio da SPP é da autoria de Margarida Amaral que assumiu a coordenação científica deste projeto, após a saída de Portugal da investigadora Ana S. Ramalho, que esteve envolvida na génese e conceção deste projeto. O grupo pretende enviar os resultados desta investigação para respetiva publicação.

Carlos Lopes coordenou a componente clínica do projeto, nomeadamente as medições da função pulmonar em todos os indivíduos envolvidos no estudo. Verónica Felício fez a parte principal da componente laboratorial, ou seja, a análise DNA para identificar mutações no gene CFTR. Verónica Felício concluiu o doutoramento na Faculdade em Bioquímica, especialidade Genética Molecular. Margarida Amaral foi a sua orientadora.

Outros membros desta equipa estão ou estiveram ligados ao BioISI: Luka Clarke fez a análise do RNA do caso principal estudado no trabalho; Iris Silva a análise das biópsias e organoides do caso principal estudado no trabalho; Arsénia Masinga, aluna da Universidade de Lourenço Marques e que fez um mestrado no grupo de Margarida Amaral, ajudou nas análises de DNA; Susana Igreja contribuiu na orientação dos trabalhos laboratoriais.

Um estudo coordenado por Margarida Amaral, professora do Departamento de Química e Bioquímica da Ciências ULisboa e coordenadora do Instituto de Biosistemas e Ciências Integrativas (BioISI), abre novos horizontes para a doença crónica obstrutiva pulmonar (DPOC), uma doença respiratória muito frequente, relacionada com o tabaco (e poluição) e que é a 5.ª principal causa de morte, afetando cerca de 6% da população (~800 mil pessoas em Portugal e ~65 milhões de indivíduos em todo o mundo, de acordo com o relatório da OMS) e para a qual não existem terapias curativas, só sintomáticas.

O trabalho realizado em parceria com Carlos Lopes, pneumologista do Hospital de Santa Maria, mostrou também como é que uma doença rara como a fibrose quística (FQ) pode ajudar não só a compreender a fisiopatologia duma doença comum como a DPOC, mas também a encontrar estratégias terapêuticas para a mesma.

De acordo com os resultados desta investigação, os pacientes com patologias respiratórias têm uma frequência aumentada de mutações no gene CFTR (que quando mutado é responsável pela doença monogénica FQ), sendo este aumento significativo para pacientes com DPOC. O estudo revelou ainda uma paciente que estava a ser tratada como tendo DPOC, tinha na realidade FQ, embora numa forma atípica, ou seja, de diagnóstico tardio.

Prémio Thomé Villar/Boehringer Ingelheim 2019

No passado dia 7 de novembro de 2019, durante a sessão de abertura do congresso anual da Sociedade Portuguesa de Pneumologia (SPP), este trabalho intitulado “Increased Frequency of CFTR Mutations in COPD Patients: CFTR as a Drug Target for COPD?" recebeu ex-aequo o 1.º Prémio Thomé Villar/Boehringer Ingelheim, um galardão atribuído anualmente com a finalidade de premiar trabalhos originais de investigação científica no âmbito da Pneumologia. O prémio no valor de 10 mil euros visa estimular a investigação dos grupos envolvidos.

Para Margarida Amaral este reconhecimento é muito importante, pois chama a atenção dos pneumologistas para o facto de que alguns pacientes tratados como tendo DPOC podem ter na realidade FQ.  “Espera-se que com este trabalho, os pneumologistas que vêem pacientes com DPOC possam ter em mente um possível diagnóstico de FQ, já que este nas formas atípicas pode ocorrer tardiamente, e não apenas nos primeiros anos de vida como acontece com as formas clássicas da FQ”, refere Margarida Amaral.

O estudo premiado em novembro de 2019 com 10 mil euros resulta dum projeto iniciado em 2013, financiado pelo programa Gilead Genèse Portugal, no valor de 20 mil euros e por verbas próprias do BioISI, a unidade de investigação principal onde o trabalho foi desenvolvido.

A parceria entre o BioISI e o HSM é para manter. No âmbito do projeto europeu HIT-CF, indivíduos com FQ irão ser testados no que diz respeito à resposta a novos fármacos para a FQ (em organoides intestinais) e os que tiverem resposta positiva irão participar em ensaios clínicos.

Ana Subtil Simões, Área de Comunicação e Imagem Ciências ULisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt

ESTRUTURA E GESTÃO DO DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA ANIMAL (DBA)

Apresentação do Departamento

Paleontólogos do MNHN da UL e do GeoFCUL em foco na revista TVmais.

A FCUL participa em "Programa de Estudos Avançados" com mais quatro instituições universitárias portuguesas e brasileiras.

O DQB e a FCUL acolheram, mais uma vez, a realização de provas semifinais das Olimpíadas de Química Júnior 2012 no sábado, 14 de abril de 2012.

Pessoas estudam numa mesa na biblioteca

“Acho que qualquer aluno consegue ser bom, se tiver uma boa disciplina de trabalho e objetivos concretos”. Quem o diz é Gonçalo Faria da Silva, estudante do 3.º ano de Biologia.

No penúltimo dia de março realiza-se a quinta e última sessão do workshop destinado a preparar os estudantes para a obtenção do 1.º emprego.

 

Alunos da FCUL

A Schlumberger realiza uma sessão de recrutamento em Ciências. As grandes empresas procuram os melhores profissionais. A FCUL apoia a inserção profissional dos seus diplomados.
 

O evento é uma organização conjunta da Norton/Symantec e do mestrado em Segurança Informática do DI-FCUL.

O DM está na Futurália

Para Duarte Flor, presidente da associação académica e aluno do 12.º ano em Ciências, é importante que os candidatos ao ensino superior visitem as instalações de uma faculdade.

Desenho de uma figura masculina

“Existe um espaço onde o sentimento de pertença a uma escola pode ser reavivado", afirma Miguel Ramos.

Aluna junto a uma das colunas do átrio do C6

A mostra pictórica da atividade científica da FCUL é inaugurada a 13 de março. Conheça as razões pelas quais deve visitar a exposição.

O que são líquidos iónicos? Num dos primeiros programas do ano, o Com Ciência entrevistou o professor e investigador da FCUL, Carlos Nieto de Castro sobre esta classe de solventes.

Desenho de uma figura masculina

A data de lançamento do livro ainda não é pública, mas o evento deverá ocorrer brevemente, na Faculdade de Belas-Artes da UL.

Ontem evocou-se o Dia das Doenças Raras. A fibrose quística é um desses males incomuns. A investigação científica é importante em todos os setores, mas ganha especial sentido em áreas como esta.

Cerca de 20 professores de Ciências da Natureza e Ciências Naturais de nove concelhos portugueses participam na atividade promovida pelo MNHNC-UL a decorrer até abril.

Imagem de um folheto promocional

A FCUL volta a marcar presença no evento, juntamente com outras unidades orgânicas da UL.

Fotografia com pontos de interrogação

Alunos finalistas aconselham Engenharia da Energia e do Ambiente. Testemunhos de Guilherme Gaspar e Ricardo Leandro.

Fotografia de mesa com cinco pessoas sentadas, na Reitoria da UL

A rede pretende formalizar colégios doutorais em áreas transversais. Opinião de Maria Amélia Martins-Loução.

Fotografia de pessoas sentadas num dos anfiteatros da FCUL

A iniciativa acontece a 17 de março e é organizada pelos Departamentos de Física e de Informática.

Fotografia de Dois voluntários, sentados junto a uma banca no átrio do C5

Em fevereiro estão abertas inscrições para a admissão de novos voluntários.

A FCUL participa em "Programa de Estudos Avançados" com mais quatro instituições universitárias portuguesas e brasileiras.

Vale a pena recordar a iniciativa do Gabinete de Mobilidade, Estágios e Inserção Profissional da FCUL.

Fotografia de alunos a andarem, junto ao C8

A primeira edição do curso realiza-se já em 2012.

Páginas