Sara Silva vence EvoStar Award 2018

Última Revisão —

Sara Silva é a mais jovem investigadora a ser distinguida com este prémio, atribuído pelo EvoStar desde 2006

Marco Nobile

Sara Silva, investigadora do Departamento de Informática, do Agent and Systems Modelling Group do BioISI – Instituto de Biosistemas e Ciências Integrativas e investigadora convidada do grupo ECOS-CISUC da Universidade de Coimbra, ganhou o EvoStar Award 2018, um galardão que reconhece a qualidade e o impacto mundial do trabalho desenvolvido ao longo da sua carreira, na área da computação evolucionária.

Sara Silva é a mais jovem investigadora a ser distinguida com este prémio, atribuído pelo EvoStar, um acontecimento anual, iniciado em 1998 e que engloba diversas conferências internacionais na área da computação evolucionária. Os primeiros portugueses a serem distinguidos com este prémio foram Ernesto Costa, em 2009, e Penousal Machado, em 2016. O prémio existe desde 2006.

“A computação evolucionária é um conjunto de métodos de Inteligência Artificial que se inspiram nos princípios Darwinistas de seleção natural para encontrar soluções para problemas complexos que outros métodos não conseguem resolver.”
Sara Silva

Ficou surpreendida com o prémio?

Sara Silva (SS) - Bom, eu sabia que era possível recebê-lo um dia, mas não o esperava já este ano.

Porquê?

SS - Este prémio distingue o trabalho feito ao longo de todo o percurso científico, e os galardoados até recebem a designação informal de "EvoCrocs". Sinto-me demasiado nova para ser considerada um crocodilo!

O que significa para si esta distinção?

SS - Na verdade eu já sentia o reconhecimento dentro da comunidade, há muito tempo, mas devo confessar que o prémio sabe muito bem, pois é uma distinção mais "oficial" e mais visível para o exterior. Espero que este prémio me ajude a conseguir algum financiamento para continuar a fazer investigação.

Quais foram as reações dos pares?

SS - Foram boas, "muitos parabéns", "foi bem merecido", etc.. É normal de vez em quando alguém receber um prémio. Trabalho rodeada de pessoas muito competentes.

Que balanço faz do Evostar 2018?

SS - O EvoStar é sempre um evento muito agradável, todos os anos. O ambiente científico e social é excelente, e por isso esforço-me por ir todos os anos.

Quem é a Sara Silva?

SS - É daquelas pessoas que teve a sorte de saber desde muito cedo o que queria fazer na vida: Inteligência Artificial. Tenho conseguido ser investigadora, teimosamente, desde que me licenciei em 1995, sempre a saltar de bolsa em bolsa e de contrato em contrato. Tenho também a minha outra vida, a de mãe de três crianças, com 12, 6 e 2 anos. Não me posso queixar de monotonia!

Que planos tem para o futuro (curto prazo)?

SS - Continuar a submeter candidaturas, de projetos, e para contratos de investigação. O meu contrato de trabalho atual termina já no final de 2018, e isso preocupa-me muitíssimo. Este ano vou atirar-me também às bolsas ERC (European Research Council), tenho de tentar tudo. Adoraria ter recursos e estabilidade para formar uma equipa - ideias de trabalho não me faltam!

Ana Subtil Simões, Área de Comunicação e Imagem de Ciências
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt

Abertura de Concurso para uma posição de substituição de Doutor Ciência na CFNUL na área Física Nuclear – Reações Nucleares, ver anúncio em http://www.eracareers.pt/opportunities/index.aspx?task=global&job

A FCUL dá as boas-vindas aos novos alunos, após o arranque do novo ano letivo, a 17 de setembro.

Filipe Duarte Santos - Professor Catedrático e Jubilado do Departamento de Física e Director do SIM

Maria Filomena Camões, professora do Departamento de Química e Bioquímica da FCUL, assina um artigo sobre a criação do Instituto Nacional de Metrologia da Colômbia e a inauguração de um laboratório do qual é madrinha.

Guiomar Evans - Prof. Auxiliar do Departamento de Física e Investigadora do Centro de Física da Matéria Condensada

A missa do 30.º dia em memória de José Manuel Pires dos Santos, professor aposentado do Departamento de Informática da FCUL, realiza-se a 11 de setembro, pelas 19h00, na Igreja da Luz, em Carnide.

Toda a morte, mesmo a anunciada, é uma surpresa. Um misto de espanto e de descrença como se não fosse possível acontecer.

As actividades da Semana Zero do DEGGE têm lugar nos dias 12, 13 e 14 de Setembro.

Em cinco anos, a UL e a FAD apoiaram 134 projetos. A Faculdade de Ciências distingue-se com o maior número de alunos e respetivos trabalhos distinguidos, setenta.

Apresentações públicas do Programa de Doutoramento em Biologia

Apesar do próximo ano letivo começar já dia 17 de setembro, a FCUL ainda está a receber candidaturas de alunos interessados nos seus cursos pós-graduados.

Tal como anunciado em julho, a modernização do Centro de Dados da FCUL foi realizada durante os meses de verão e está prestes a terminar.

Aos familiares, amigos e colegas a FCUL apresenta as sinceras condolências.

“O princípio de que aumentar o capital dos bancos favorece a estabilidade bancária, para além de estar errado, penaliza países como o nosso de forma ainda mais gravosa”, refere em entrevista Pedro Gonçalves Lind, um dos autores do regular article “The Dynamics of Financial Stability in Complex Networks”.

Os cidadãos estrangeiros abrangidos pelos programas “Erasmus Mundus” e “Ciência sem Fronteiras” podem ter autorização de residência em menos de 15 dias e direito à mobilidade no espaço da União Europeia.

Através do sistema Concursos pode aceder a mais informações sobre o convite publicado no Jornal Oficial da União Europeia.

Aos familiares, amigos e colegas a FCUL apresenta as sinceras condolências.

Até 15 de setembro, a iniciativa Ciência Viva no Verão percorre o País organizando mais de 1700 atividades científicas gratuitas para toda a população. As inscrições permanecem abertas até 15 de setembro, de acordo com o calendário de atividades. Nesta altura, já são mais de 20 mil os inscritos.

Nos dias 9 e 10 de Agosto a plataforma Moodle da FCUL vai estar inacessivel devido a uma manutenção de rotina.

As nossas desculpas pelos possiveis incómodos causados.

A investigação sempre foi um objetivo, que ganhou força após o prémio para melhor poster ser-lhe atribuído numa importante conferência internacional. Até ao final do ano, Liliana Caldeira, aluna de doutoramento em Engenharia Biomédica e Biofísica da FCUL, deverá defender a tese.

"Aquando da candidatura, o projeto estava numa fase embrionária e foi o Programa de Estímulo à Investigação da FCG que deu força e motivação para avançar”, diz Jocelyn Lochon, um dos vencedores da edição 2011 do Programa de Estímulo à Investigação.

“O mais importante é saber gerir o tempo, ter alguma disciplina, definir os objetivos a alcançar e não dispersar”. A declaração pertence a Ana Bastos, jovem investigadora da FCUL e uma das vencedoras em 2011 do Programa de Estímulo à Investigação da Fundação Calouste Gulbenkian (FCG).

“Acredito que o meu projeto vá ter efeitos na área da Saúde Pública. Ainda que não seja já nesta fase, espero poder contribuir para evoluções, por exemplo, ao nível da vacinação”, refere Tomás Aquino, um dos vencedores da edição de 2011 do Programa de Estímulo à Investigação.

Páginas