Opinião

A economia verde e a Faculdade de Ciências da ULisboa

Cristina Branquinho
Cedida por CB

Nos últimos anos o conceito de economia verde saiu dos circuitos dos especialistas para o discurso político e para os media. Em parte, esta recente adesão ao conceito tem sido facilitada pela generalizada desilusão com o paradigma económico vigente e pelas crónicas crises económicas, acrescida dos problemas associados às alterações climáticas, perda de biodiversidade, escassez de combustível e água e diminuição da segurança alimentar.

A maioria das estratégias de desenvolvimento económico e de crescimento incentivou a rápida acumulação de capital físico, financeiro e humano, mas à custa do esgotamento e degradação do capital natural (recursos naturais e ecossistemas).

Ao esgotar o stock mundial de riqueza natural - muitas vezes de forma irreversível - este padrão de desenvolvimento e crescimento provoca impactos negativos sobre o bem-estar das gerações atuais e apresenta enormes riscos e desafios para as gerações futuras.

Fonte: cE3c
Legenda: Telhado verde em Ciências da ULisboa 

Embora este conceito de economia verde seja de difícil aplicação e operacionalização, os seus princípios parecem ser inspiradores na medida em pressupõem que a riqueza material não seja conseguida à custa do aumento dos riscos ambientais, da escassez de recursos ecológicos ou das disparidades sociais levando a uma melhoria do bem-estar humano e da equidade social.

De facto, este conceito parece ser apelativo pois cerca de 97% dos inquiridos num questionário online em Portugal consideraram que é “muito importante” ou “importante” promover a economia verde. Estes resultados foram obtidos recentemente através de uma amostra de 2875 cidadãos (com uma elevada representatividade do meio académico e escolar) no âmbito de um projeto coordenado pela Faculdade de Ciências da ULisboa.

Os problemas globais resolvem-se com ações locais e a sua operacionalização no terreno pode tomar várias formas e caminhos. Muitos exemplos associados à economia verde reconhecem o valor do capital natural, assim como, a necessidade do seu restauro; promovem tanto a substituição dos combustíveis fósseis por energias renováveis ou baixas em carbono, como a eficiência energética e a sustentabilidade da vida nas zonas urbanas. Esta ideia advoga ainda que a economia verde poderá promover o emprego e a equidade social e consequentemente diminuir a pobreza.

No contexto de Ciências da ULisboa as preocupações com sustentabilidade devem ser uma prioridade de todos. Os painéis fotovoltaicos e a cobertura ecológica são dois exemplos de ações que visam a sustentabilidade do nosso campus e que podem ser replicadas noutros locais do país contribuindo para o bem-estar humano, melhorando a eficiência na utilização de recursos naturais, aumentando os serviços prestados pelos ecossistemas e promovendo a criação de novos nichos de emprego.

Cristina Branquinho, investigadora do cE3c (Centro de Ecologia, Evolução e Alterações Ambientais), Faculdade de Ciências da ULisboa

Pedro Veiga, Luís Correia e Teresa Chambel, professores do Departamento de Informática (DI) de Ciências, participaram no primeiro E-Tech Portugal, ocorrido no início de junho de 2016, em Setúbal.

A racionalidade (homem racional) é inalcançável, porque a escolha ótima (identificada a maior parte das vezes com a utilidade máxima individual) é demasiado perfeita.

De acordo com ocomunicado de imprensaemitido pelafaculdadeesta segunda-feira, para os investigadores a identificação de novos alvos moleculares é essencial para definir estratégias terapêuticas cada vez mais robustas nos doentes com fibrose quística.Entrevista com Carlos Farinha.

“A Química e os segredos de um chocolate perfeito”, “Olhando os átomos”, “A diversidade escondida dos oceanos: do microscópio ao DNA” e “As bactérias e a resistência a antibióticos” são só alguns exemplos dos projetos disponíveis no âmbito do

A Galeria Ciências é um espaço recente, dinâmico, polivalente, com grandes potencialidades.

O que fazem e o que pensam alguns membros da comunidade de Ciências? O sétimo Dictum et factum é com José Pica, assistente técnico do Departamento de Biologia Vegetal de Ciências.

Crónica de Fernando Barriga e Sofia Martins, investigadores do IDL Ciências, em missão oceanográfica no Atlântico - TAGhydrothermal field.

A 2.ª corrida de carros solares tripulados em Portugal ocorre este sábado, 9 de julho de 2016, entre as 10h00 e as 14h00, nocampusda Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa.

Gerson Miguel da Silva Lobo, estudante do 2.º ano do mestrado de Bioquímica, faleceu a 26 de junho de 2016. A Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa lamenta o triste acontecimento, apresentando as condolências aos familiares, amigos e colegas do Gerson Lobo.

A gestão das preferências tornou-se numa facilidade ao dispor do projetista e do programador, e o planeamento (relacionado com as ações ao longo do tempo) é capaz de transformar um problema como se de otimização se tratasse, sujeito a restrições, a objetivos múltiplos e a efeitos probabilísticos das ações.

Crónica de Fernando Barriga e Sofia Martins, investigadores do IDL Ciências, em missão oceanográfica no Atlântico - TAGhydrothermal field.

Galopim de Carvalho, um dos geólogos mais famosos de Portugal, natural de Évora, com quase 85 anos, regressa à Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa no próximo dia 27 de junho.

2016 está a ser um ano em cheio para alguns estudantes empreendedores e é essa a essência de que é feita a Júnior Empresa Ciências, que está agora a dar os primeiros passos.

Crónica de Fernando Barriga e Sofia Martins, investigadores do IDL Ciências, em missão oceanográfica no Atlântico - TAGhydrothermal field.

Em Londres, junto a St. Pancras´s International, está próximo de nascer um polo que agrupa a Google (e a DeepMind), o Francis Crick Institute, o Alan Turing Institute e a British Library (…) O arquiteto visa promover interações com serendipidade entre investigadores de terrenos divergentes.

Crónica de Fernando Barriga e Sofia Martins, investigadores do IDLCiências, em missão oceanográfica no Atlântico - TAGhydrothermal field.

O que fazem e o que pensam alguns membros da comunidade de Ciências? O sexto Dictum et factum é com Inês Andrade, assistente técnico do Departamento de Biologia Animal de Ciências.

Umestudopublicado na revista internacional de conservaçãoOryxindica que a legislação e a proteção nas praias são insuficientes para travar a captura e o consumo ilegal de tartarugas marinhas em Cabo Verde.

Crónica de Fernando Barriga e Sofia Martins, investigadores do IDL- Ciências, em missão oceanográfica no Atlântico - TAGhydrothermal field.

A missão oceanográfica M127 iniciada a 25 de maio, em Bridgetown, Barbados, acontece a bordo do navio oceanográfico alemão RV METEORe deverá terminar a 28 de junho de 2016, em Ponta Delgada.

José Guerreiro, professor da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa e coordenador daMARE STARTUPe Sónia Ribeiro, professora da Universidade Católica Portuguesa, apresentam o programa de apoio ao empreendedorismo na área do mar durante aOceans Business Week.

InovCarbon, Janus e o BreatheBio são os vencedores da segunda edição daCall for Projectsdo ScienceIN2Business.

Nos últimos anos a saída de quadros superiores seniores e de cientistas de Portugal acompanhou uma grande vaga de emigração, sobretudo para a Europa.

O tema deste ano é “A ciência não é só dos cientistas”.

Se a última Noite de Ciências foi dedicada ao Trânsito de Mercúrio e ao sistema solar, em maio é a vez do bosão de Higgs ganhar destaque.

Páginas