Projeto INTERPHENO pretende construir protótipo de fenotipagem

Entrevista a Jorge Marques da Silva

Fotografia do setup experimental

Montagem experimental para medição da refletância espectral em folhas de milho (Zea mays)

Margarida Calejo Pires

Sabe o que é fenotipar e por que razão é importante? De acordo com o comunicado de imprensa emitido recentemente pela Faculdade, fenotipar significa obter dados, sistemáticos e estruturados, preferencialmente quantitativos, sobre a estrutura e o modo de funcionamento das plantas, algo que deverá ligar o genótipo à performance agrícola, potenciando o melhoramento de culturas agrícolas e florestais.

Na entrevista que se segue, Jorge Marques da Silva, professor do Departamento de Biologia Vegetal, membro da COST Action FA1306, que chegou agora ao fim, faz um balanço da rede transeuropeia e dá-nos a conhecer o projeto INTERPHENO e que poderá ser o primeiro passo para a constituição de uma rede nacional de fenotipagem.

Jorge Marques da Silva
Jorge Marques da Silva
Fonte Vanda Silva

A Food and Agriculture (FA) COST Action FA1306, iniciada em 2014, terminou em maio de 2018. Que balanço faz da participação da Faculdade nesta rede transeuropeia?

Jorge Marques da Silva (JMS) - Esta, como todas as ações COST, teve uma estrutura aberta: houve uma comissão responsável pela gestão da ação, que incluiu representantes de todos os países aderentes (por Portugal, para além de mim, integrou o professor Miguel Costa, do Instituto Superior de Agronomia e a professora Carla Pinheiro, da NOVA), mas os participantes da rede foram todos aqueles que frequentam os cursos, integraram as missões científicas de curta duração ou estiveram presentes nas reuniões científicas que organizámos. Portugal destacou-se pela dinâmica da sua participação, e houve vários membros da FCUL – em particular, estudantes de doutoramento do BioSys – que participaram em várias iniciativas da ação. Além disso, a ação serviu também para que se continuasse a consolidar, em Portugal, uma comunidade de cientistas interessados na fenotipagem de plantas, e a nossa participação consolida o papel da FCUL nessa comunidade.

Portugal é um dos países mais ativos da Phenomen-ALL, no entanto, ainda não tem uma rede nacional de fenotipagem. Porquê?

JMS - Por várias razões, mas sobretudo por não existirem em Portugal plataformas de fenotipagem de alto débito. As redes nacionais e transnacionais têm-se organizado em torno desses equipamentos de alta tecnologia. Um conjunto alargado de instituições, liderado pelo ITQB/NOVA, submeteu, há alguns anos, uma candidatura para contemplar uma plataforma de fenotipagem no Roteiro Nacional de Infraestruturas de Investigação, que não obteve financiamento. Em Portugal, como disse, há uma comunidade científica interessada em fenotipagem de plantas, com assinalável know-how, como o atestam as publicações de âmbito internacional que temos produzido, mas que recorre sobretudo a instrumentação ligeira, operada manualmente, que possibilita apenas uma fenotipagem de baixo débito, isto é, incapaz de processar um grande número de exemplares. Mas creio que, concluída esta ação – e tirando partido também da recente aprovação, pela Fundação para a Ciência e Tecnologia, do projeto INTERPHENO, uma iniciativa do BioISI, que pretende construir um protótipo de fenotipagem – estarão reunidas as condições para avançarmos para a constituição de uma rede nacional.

 Na sua opinião, Portugal deve desenvolver recursos próprios nesta área e que permitirão participar em colaborações internacionais como parceiro plenamente capacitado. O que falta fazer para que isso aconteça?

JMS - A European Plant Phenotyping Network 2020 e o projeto EMPHASIS, em constituição, pretendem vir a oferecer serviços de fenotipagem de alto débito a investigadores de toda a Europa. Isso é, naturalmente, muito positivo, permitindo-nos aceder a tecnologias que não possuímos. Mas, estrategicamente, penso que não interessa a Portugal remeter-se a um papel de mero consumidor de tecnologia: temos recursos suficientes – inclusivamente na ULisboa – para participarmos ativamente no desenvolvimento desta tecnologia emergente. Não se trata de duplicar infraestruturas, mas antes de agir numa perspetiva de complementaridade. Em particular, estou convicto de que nos podemos individualizar através da incorporação da inteligência artificial no processo de fenotipagem, que é relativamente incipiente nas plataformas europeias já em uso. Para que isto seja possível, falta, sobretudo, vontade política e, concomitantemente, financiamento. O projeto INTERPHENO, que referi acima, poderá ser um primeiro passo na direção certa.

Ana Subtil Simões, Área de Comunicação e Imagem de Ciências
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt
Anfiteatro

"As Jornadas tiveram um balanço bastante positivo (...) elucidaram e esclareceram algumas dúvidas importantes para os estudantes (...) ", conclui a Comissão de Curso de Engenharia Geográfica.

Museu do Quartzo é inaugurado e recebe o nome de Galopim de Carvalho, professor jubilado do Departamento de Geologia.

Céu com nuvens escuras

As candidaturas à oficina de formação terminam a 21 de maio. As sessões realizam-se às terças e quintas-feiras, entre as 17h30 e as 20h30.

A exposição “O Cálculo de ontem e de hoje”, elaborada pelo Departamento de Matemática em colabora&

Lâmpada

Estudantes de Engenharia Biomédica e Biofísica da FCUL promovem reunião especializada. O Ne2b2 existe desde outubro de 2008.

Luzes

Pela primeira vez a Reitoria da UL abre as suas portas aos estudantes da cidade, organizando um evento noturno para alunos dos ensinos universitário e secundário.

A exposição está a partir de 26 de Abril no Museu Nacional de História Natural e da Ciência.

As provas de doutoramento em Biologia, especialidade de Microbiologia, da Mestre Egídia Maria Valente de Azevedo realizam-se no próximo dia 26 de Abril, pelas 10h:30 na Sala de Actos da

O grande momento do dia é a sessão solene, que inclui este ano o lançamento do segundo volume dos Professores Cientistas e a inauguração do Quadro de Honra.

Sobre Namoros e Casamentos

Jorge Buescu

Quinta-feira, dia 12 de Abril de 2012, às 18h30, na sala 6.1.36

Vela

Ricardo Leandro é o vencedor da Competição Europeia. O estudante da FCUL apresentou a melhor ideia: um coletor solar térmico de baixo custo, acoplável a um módulo fotovoltaico.

A palestra "O Princípio do Tempo" proferida por Pedro Gil Ferreira é uma das iniciativas do “VII Encontro Ibérico de Cosmologia”, que decorre em abril nas instalações da FCUL.

Jovem usa microscópio

A FCUL estimula a abertura permanente à sociedade civil, promovendo acontecimentos que visam a disseminação de conhecimentos e a interligação com diferentes agentes sociais.

Os vários objectivos do DEGGE: Tudo o que nos define, e tudo o que apoiamos

O ENEI'12 vai realizar-se na FCUL.

ESTRUTURA E GESTÃO DO DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA ANIMAL (DBA)

Apresentação do Departamento

Paleontólogos do MNHN da UL e do GeoFCUL em foco na revista TVmais.

A FCUL participa em "Programa de Estudos Avançados" com mais quatro instituições universitárias portuguesas e brasileiras.

O DQB e a FCUL acolheram, mais uma vez, a realização de provas semifinais das Olimpíadas de Química Júnior 2012 no sábado, 14 de abril de 2012.

Pessoas estudam numa mesa na biblioteca

“Acho que qualquer aluno consegue ser bom, se tiver uma boa disciplina de trabalho e objetivos concretos”. Quem o diz é Gonçalo Faria da Silva, estudante do 3.º ano de Biologia.

No penúltimo dia de março realiza-se a quinta e última sessão do workshop destinado a preparar os estudantes para a obtenção do 1.º emprego.

 

Alunos da FCUL

A Schlumberger realiza uma sessão de recrutamento em Ciências. As grandes empresas procuram os melhores profissionais. A FCUL apoia a inserção profissional dos seus diplomados.
 

O evento é uma organização conjunta da Norton/Symantec e do mestrado em Segurança Informática do DI-FCUL.

O DM está na Futurália

Páginas