Investigação clínica de translação

Entrevista com… Marília Antunes

Marília Antunes
Cedida por MA

Quando entrou para a FCUL aos 16 anos soube que era nesta Faculdade que queria crescer como pessoa, professora, cientista. Nesta entrevista, Marília Antunes, docente do Departamento de Estatística e Investigação Operacional da FCUL e membro do Centro de Estatística e Aplicações da UL, conta como foi participar num estudo que procura concretizar uma mudança de paradigma no tratamento dos doentes com Artrite Reumatoide, demonstrando o papel fundamental que a Estatística pode desempenhar junto das ciências médicas.

FCUL - Como surgiu a hipótese de colaborar neste projeto?

Marília Antunes (MA) - Surgiu de uma feliz coincidência, um conhecimento comum, da Sandra Garcês (a investigadora principal do projeto) e meu, que nos pôs em contacto. Na altura ela tinha o problema em mãos, a ideia de uma nova abordagem clínica no tratamento de doentes sob terapêuticas biológicas, uma série de dados que sabia que tinham de ser tratados e analisados devidamente e, sobretudo, uma pergunta: como demonstrar que a abordagem que propunha apresentava vantagens relativamente à abordagem convencional? Felizmente percebeu que era necessária a colaboração de alguém da área da Estatística.

FCUL - Em que data começou a trabalhar com a equipa?

MA - Há dois anos. Mais precisamente no dia 21 de dezembro de 2011. Foram dois anos com alguns períodos de trabalho muito intenso, que culminaram de forma muito positiva. Primeiro com o impacto na sociedade médica do artigo publicado e, por fim, com este prémio.

FCUL - Que tipo de funções desempenhou?

MA - Depois de termos conversado sobre o problema, os dados de que dispunha e o que pretendia averiguar, iniciámos o trabalho. Foi sempre feito em equipa, desde o tratamento inicial dos dados à construção dos modelos que permitiram demonstrar que a abordagem clínica proposta produz resultados significativamente melhores que a abordagem atualmente preconizada para o tratamento de doentes com Artrite Reumatoide.

FCUL - Quais são as próximas etapas deste projeto?

MA - No que respeita à Artrite Reumatoide, o desejo é ver concretizar-se uma mudança no paradigma de tratamento destes doentes. É algo que pode ser posto em prática. Não se trata de tratar estes doentes com medicamentos novos mas apenas de monitorizá-los e adaptar a terapêutica segundo a abordagem proposta. Esta adaptação pode passar pela mudança de fármaco ou pelo ajustamento da dose, que se percebeu ser excessiva em muitos casos. Com isto conseguir-se-ão melhores resultados não só ao nível da qualidade de vida do doente, mas também ganhos económicos diretos e indiretos consideráveis.

Relativamente à abordagem desenvolvida, não é exclusiva para a Artrite Reumatoide e pode ser adaptada para uma diversidade de doenças inflamatórias que sejam tratadas com recurso a terapêuticas biológicas. Neste tipo de terapêuticas há o risco dos doentes produzirem anticorpos antifármaco que promovem a rápida eliminação do fármaco em circulação levando à falência da terapêutica. O que o algoritmo proposto preconiza é precisamente a avaliação periódica da imunogenicidade. Creio que se seguirá o estudo para as doenças inflamatórias do intestino.

FCUL - Para si o que simboliza este prémio?

MA - Simboliza sem dúvida o reconhecimento de muito trabalho. Mas tem um significado muito especial, o da demonstração de que a Estatística desempenha um papel fundamental junto das outras áreas da ciência, em particular das ciências médicas. As metodologias estatísticas utilizadas neste trabalho foram fundamentais para a demonstração da evidência. Sem um bom trabalho estatístico não creio que o artigo tivesse sido aceite naquela que é a revista de maior impacto na área da Reumatologia ou mesmo que este prémio tivesse sido atribuído.

FCUL - Quem é a Marília Antunes?

MA - Sou membro desta família, a FCUL, desde os 16 anos, quando cá entrei pela primeira vez como aluna. Percebi logo na altura que era aqui que queria ficar. O que me apaixona nesta profissão (que costumo chamar “por missão”) é precisamente o sentido de serviço, a dedicação posta na investigação e levada ao benefício da sociedade. E, por fim mas não por último, o ensino. Aí, não posso senão dar o melhor de mim – é o futuro que está à minha frente.

Cerimónia de atribuição dos Prémios Pfizer 2013
Fonte: Cedida por MA
Legenda: Marília Antunes, Sandra Garcês e Jocelyne Demengeot

Comentário de Sandra Garcês*

O Prémio Pfizer de Investigação Clínica 2013 foi para mim, e julgo poder falar em nome de toda a equipa, extremamente gratificante não só porque constitui um reconhecimento ao valor do trabalho que temos vindo a desenvolver como, por outro lado, vem demonstrar que é possível realizar investigação clínica de translação, com aproveitamento imediato para a Medicina e para os doentes do conhecimento científico básico assente nos princípios da Biologia fundamental.

Para tal, foi absolutamente crítico a criação de uma equipa multidisciplinar que conseguiu reunir médicos, cientistas, epidemiologistas e bio estatistas que trabalharam juntos, em verdadeira colaboração.

Estas equipas resultam não apenas da junção dos diferentes elementos que a constituem, mas sobretudo de uma interligação estreita entre eles, o que requer por parte de todos uma formação específica de modo a usarem uma linguagem comum que permita o bom entendimento entre todos, a fim de se rentabilizar e potenciar a contribuição específica de cada um.

A professora Marília Antunes demonstrou para além de uma grande excelência e rigor científico na área da Estatística, a extraordinária capacidade de apreender de forma rápida e eficiente essa linguagem comum. [Tê-la na nossa equipa] é absolutamente enriquecedor e imprescindível para a boa continuação do nosso trabalho.

* Investigadora principal do projeto "An Evidence-Based Approach to Optimize Therapeutic Decisions Involving Biological Drugs”, distinguido com o Prémio Pfizer de Investigação Clínica 2013

Ana Subtil Simões, Gabinete de Comunicação, Imagem e Cultura da FCUL
info.ciencias@fc.ul.pt
Um grupo de membros de Instituições do Ensino Superior, onde se inclui CIÊNCIAS, está reunido em frente a um jardim, em visita à Siemens

 A iniciativa teve como objetivo aproximar a academia do tecido empresarial.

Nuno Gonçalves alcança o segundo lugar na competição 3MT ULisboa.

Nuno Gonçalves foi distinguido com o segundo lugar, na final da competição ‘Três Minutos de Tese – 3MT ULisboa’, que se realizou esta quint

Inês Ventura

Inês Ventura, a desenvolver o seu doutoramento no Centro de Ciências do Mar e do Ambiente (MARE) e no Instituto de Biossistemas e Ciências Integrativas (

Universidade de Lisboa

A Universidade de Lisboa alcança a 260ª posição no QS World University Rankings (SUR) 2025, tornando-se na universidade portuguesa mais bem classificada neste ranking.

Signatários do acordo

Dia 5 de junho foi assinado o acordo para a construção do espectrógrafo ANDES (ArmazoNes high Dispersion Echelle Spectrograph – Espectrógrafo Echelle de alta dispersão do Armazones), entre o Observatório Europeu do Sul (

 Luís Carriço, Diretor de CIÊNCIAS, e David Gonçalves, Dean do Instituto da Ciência e do Ambiente da Universidade de São José (USJ) assinam acordo sentados a uma mesa

CIÊNCIAS assinou no dia 5 de junho um acordo de cooperação com o Instituto da Ciência e do Ambiente da Universidade de São José (USJ), com vista à cooperação científica em várias áreas de interesse comum.

Equipa do projeto 'Ciências em Harmonia'

Esta terça-feira, 28 de maio, o projeto ‘Ciências em Harmonia’ assinalou o seu primeiro ano de atividades: um marco comemorado com um convívio informal com a comunidade, que

António Branco

António Branco, docente do Departamento de Informática de CIÊNCIAS, foi um dos oradores convidados da conferência que

Sabemos que no futuro um sismo de magnitude significativa voltará a atingir Lisboa. Não sabemos é quando. E se o pudéssemos prever? E se existisse uma probabilidade forte de ser já em 2027?

Ana Santos, finalista 3MT ULisboa

Ao longo dos próximos dias, daremos a conhecer os quatro finalistas de CIÊNCIAS que irão participar na final da competição

Painel e sessão de Perguntas & Respostas | Estreia de documentário

Perto de 120 pessoas assistiram este sábado, 25 de maio, à estreia do documentário ‘O que se esconde na luz? A ciência da missão espacial Euclid’, produzido pelo Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (IA).

Investigadores do Instituto Dom Luiz, de CIÊNCIAS, instalaram um sismómetro na Escola Básica Professor Delfim Santos, que se encontra a menos de um quilómetro do Estádio da Luz, em Lisboa, onde vão ter lugar os concertos.

Banner Bênção de Finalistas & Queima das Fitas 2024

Este fim de semana a Alameda da Universidade de Lisboa vai voltar a encher-se de finalistas de CIÊNCIAS e de tantas outras faculdades e universidades. A cerimónia de Bênção de Finalistas decorre amanhã dia 25 de maio, a partir das 11h30.

 

3MT ULisboa 2024

Quatro dos doze finalistas da competição ‘Três Minutos de Tese – Universidade de Lisboa’ são de CIÊNCIAS.

Pinguins-de-adélia

Num artigo agora publicado na Science, investigadores de instituições de renome a nível mundial propõem uma estratégia para envolver todas as partes interessadas na governança do Oceano Antártico através de um processo de ordenamento do espaço marinho (OEM) inteligente do ponto de vista climático.

Impressão artística da missão Euclides no espaço.

A 25 de maio (sábado), às 21h00, vamos ver e compreender as novas imagens de entre as maiores alguma vez feitas do Universo, no Grande Auditório de CIÊNCIAS (Edifício C3). A entrada é livre.

Redes Doutorais Marie Curie Projeto PROMOTE

CIÊNCIAS vai participar numa das propostas vencedoras do concurso 2023 das Redes Doutorais de Ações Marie Skłodowska-Curie (MSCA DN).

Foto de entrega de prémio aos vencedores

No âmbito do projeto Invasives e como atividade inserida na

Dia Nacional dos Cientistas - 16 de maio

O Dia Nacional dos Cientistas foi instituído em 2016 por Resolução da Assembleia da República com o objetivo de reconhecer e celebrar a contribuição vital dos cientistas para o progresso da sociedade.

CIÊNCIAS e OKEANOS em parceria para monitorizar biodiversidade e alterações dos ecossistemas marinhos

Projeto internacional SEAGHOSTS visa a monitorização e conservação das populações de painhos, as aves marinhas mais pequenas do planeta.

Reitoria da ULisboa

O CWUR 2024 avaliou de entre 20.966 instituições de ensino superior e atribuiu à ULisboa o 211.º lugar (top 1.1%) e a 80.ª posição no panorama europeu.

Pages