Física

Entrevista com…Tomás Aquino

Cara do aluno entrevistado
Cedida por TA

Foi com o projeto “Filodinâmica da Gripe A: um Modelo Simples para um Sistema Complexo” que Tomás Aquino, de 23 anos, assistente do Departamento de Física da FCUL, venceu o Programa de Estímulo à Investigação da Fundação Calouste Gulbenkian (FCG).
O aluno "brilhante", com média final de 19 valores, tanto na licenciatura, como no mestrado, destaca a importância dos colegas e professores para o seu desenvolvimento pessoal e profissional.
No futuro pretende continuar ligado à investigação e, se possível, ensinar, um gosto adquirido com a oportunidade de ser assistente na cadeira de Métodos Numéricos.

FCUL -  Como caracteriza o seu percurso académico e científico?

Tomás Aquino (TA) - Fui para o curso de Física fascinado pela magia da profissão que imaginava desde miúdo ao ver filmes relacionados com a área. Quando crescemos percebemos o que realmente nos interessa e, por isso, segui a área dos Sistemas Complexos e não a das Cosmologias que fazem parte do imaginário das pessoas quando se fala em Física. Fiz tanto a licenciatura como o mestrado em Física na FCUL.

FCUL - Como surgiu a ideia de desenvolver o projeto “Filodinâmica da Gripe A: um Modelo Simples para um Sistema Complexo” e, posteriormente, a decisão de se candidatar ao Programa de Estímulo à Investigação da FCG?

TA - Quando terminei a tese de mestrado, relacionada com células estaminais, surgiu a oportunidade de desenvolver este projeto da Gripe, com colegas que já tinha trabalhado anteriormente no Centro de Física da Matéria Condensada da UL. A professora Ana Nunes lembrou-se então que seria uma ótima oportunidade participar no Progama da FCG. Incentivou-me a concorrer e assim foi.

FCUL - De que forma encarou a distinção feita ao seu trabalho pela FCG?

TA - Foi uma situação engraçada… Não estava em Portugal, estava a visitar família em Dublin. Telefonaram-me e, por acaso, atendi a chamada dos responsáveis da FCG informando-me que tinha sido distinguido pelo meu projeto. Não estava mesmo à espera porque o concurso abriu este ano para toda a área da Física e, portanto, pensei, a concorrência é tanta que não vamos conseguir. Por isso, fiquei muito surpreendido e contente, tal como a minha família que estava comigo quando recebi a notícia.

FCUL - Gostaria de pedir que apresentasse abreviadamente o projeto pelo qual foi distinguido e que irá desenvolver.

TA - A Gripe é um vírus cuja estrutura genética se altera muito e, desta forma, é bastante difícil de ser combatido pelo sistema imunitário. Pretendemos compreender como é que este processo funciona, como é que o vírus da Gripe evolui geneticamente e como evolui a sua propagação. O objetivo é, portanto, descrever e compreender o processo para depois prever o que se passa.

FCUL - Que contributo considera que o seu projeto irá prestar à área científica em que se insere?

TA - Acredito que vá ter efeitos na área da Saúde Pública. Ainda que não seja já nesta fase, espero poder contribuir para evoluções, por exemplo, ao nível da vacinação.

FCUL - O que ambiciona fazer futuramente? Que etapas profissionais pretende alcançar?

TA - Pretendo continuar a fazer investigação e, por ter tido a experiência de dar aulas este ano e o ano passado, gostaria muito de poder ensinar também. É ótimo poder dar aulas porque lidamos com imensa gente diferente e ensina-nos a comunicar com o público, é muito importante e dá-me imenso gozo.

FCUL - E quer ficar em Portugal ou ir para o estrangeiro?

TA - Em agosto vou seguir para doutoramento nos EUA, mais precisamente na Universidade de Notre Dame no Indiana. Em princípio vou trabalhar num projeto relacionado com a malária. Neste momento, digo que quero voltar, mas não sei o que poderá acontecer já que vou lá estar quatro ou cinco anos e muita coisa pode acontecer, muitas oportunidades podem surgir. Mas gosto imenso de Portugal! Ao contrário do que as pessoas dizem, fazemos bom trabalho, temos sol e comidas maravilhosas e ainda nos dão liberdade para fazer o que queremos. Vive-se bem e existe um bom ambiente para trabalhar, se pudesse continuava em Portugal.

FCUL - Tendo em conta o seu percurso académico, pergunto-lhe de que forma a FCUL contribuiu para o seu desenvolvimento profissional e pessoal?

TA - A FCUL contribuiu para o meu desenvolvimento de várias formas, isto porque fiz aqui tanto a licenciatura como o mestrado. Tive colegas fantásticos. Lembro-me do meu colega Jesus, que agora está a fazer doutoramento em Edimburgo na área da Astrofísica, que era uma pessoa com uma intuição fantástica e me ensinou imenso. Foram anos espetaculares, ao lado de pessoas extraordinárias.

Do lado dos professores também tive contacto com pessoas fantásticas como o professor Augusto Barroso, por exemplo, que considero ser uma daquelas pessoas que nasceu a ensinar. A professora Cecília Ferreira, do Departamento de Matemática, também me marcou bastante assim como a professora Ana Nunes, que me tem dado apoio em todos os meus projetos e proporcionado imensas possibilidades para evoluir profissionalmente.

Todos estes marcos na minha passagem pela FCUL contribuíram para o meu desenvolvimento profissional e pessoal.

FCUL - Foi convidado a ser assistente aqui na Faculdade, como é que se sente neste papel?

TA - Esta experiência deu-me imenso gozo. Ao início é muito cansativo porque não estamos habituados ao ritmo, estamos sempre em movimento e a falar. Estar em palco exige que tenhamos muita energia e boa disposição para transmitir a mensagem aos alunos. Esta oportunidade ensinou-me a comunicar uma mensagem de forma clara e direta e, ao mesmo tempo, aprendi com os alunos. O mais importante é o facto de contactarmos com muita gente diferente que tem algo a dizer. Este ano tive 60 alunos e tive que me adaptar a todos eles, faz-nos crescer imenso!

FCUL - Que conselhos deixa aos colegas que tenham um percurso académico idêntico ao seu e pretendam seguir a área da investigação e candidatar-se, por exemplo, a iniciativas como a do Programa de Estímulo à Investigação?

TA - Para alcançar o sucesso é preciso trabalhar, trabalhar muito! Aqui não há segredo. Foi o que sempre fiz desde que cheguei à FCUL. No entanto, gosto de dizer às pessoas que não podem dedicar todo o tempo ao trabalho, é necessário viajar, sair e conhecer pessoas. Eu, por exemplo, fui viajar seis meses quando terminei o mestrado e foi bastante importante para recuperar energias e regressar em força ao trabalho.

Raquel Póvoas, Gabinete de Comunicação, Imagem e Cultura da FCUL
info.ciencias@fc.ul.pt

O DM está na Futurália

Para Duarte Flor, presidente da associação académica e aluno do 12.º ano em Ciências, é importante que os candidatos ao ensino superior visitem as instalações de uma faculdade.

Desenho de uma figura masculina

“Existe um espaço onde o sentimento de pertença a uma escola pode ser reavivado", afirma Miguel Ramos.

Aluna junto a uma das colunas do átrio do C6

A mostra pictórica da atividade científica da FCUL é inaugurada a 13 de março. Conheça as razões pelas quais deve visitar a exposição.

O que são líquidos iónicos? Num dos primeiros programas do ano, o Com Ciência entrevistou o professor e investigador da FCUL, Carlos Nieto de Castro sobre esta classe de solventes.

Desenho de uma figura masculina

A data de lançamento do livro ainda não é pública, mas o evento deverá ocorrer brevemente, na Faculdade de Belas-Artes da UL.

Ontem evocou-se o Dia das Doenças Raras. A fibrose quística é um desses males incomuns. A investigação científica é importante em todos os setores, mas ganha especial sentido em áreas como esta.

Cerca de 20 professores de Ciências da Natureza e Ciências Naturais de nove concelhos portugueses participam na atividade promovida pelo MNHNC-UL a decorrer até abril.

Imagem de um folheto promocional

A FCUL volta a marcar presença no evento, juntamente com outras unidades orgânicas da UL.

Fotografia com pontos de interrogação

Alunos finalistas aconselham Engenharia da Energia e do Ambiente. Testemunhos de Guilherme Gaspar e Ricardo Leandro.

Fotografia de mesa com cinco pessoas sentadas, na Reitoria da UL

A rede pretende formalizar colégios doutorais em áreas transversais. Opinião de Maria Amélia Martins-Loução.

Fotografia de pessoas sentadas num dos anfiteatros da FCUL

A iniciativa acontece a 17 de março e é organizada pelos Departamentos de Física e de Informática.

Fotografia de Dois voluntários, sentados junto a uma banca no átrio do C5

Em fevereiro estão abertas inscrições para a admissão de novos voluntários.

A FCUL participa em "Programa de Estudos Avançados" com mais quatro instituições universitárias portuguesas e brasileiras.

Vale a pena recordar a iniciativa do Gabinete de Mobilidade, Estágios e Inserção Profissional da FCUL.

Fotografia de alunos a andarem, junto ao C8

A primeira edição do curso realiza-se já em 2012.

Outra forma de fazer turismo.

Artigo de investigadores do CeGUL e docentes do GeoFCUL no Top 25.Artigo de investigadores do CeGUL e docentes do GeoFCUL no Top 25

O Encontro decorreu em Junho no GeoFCUL.

Páginas