Crónicas em Ciências

AMONET

Referência na comunidade de mulheres de ciência no panorama nacional e internacional para a promoção da igualdade de género

Constituição da AMONET no notário em 2004

Constituição da AMONETno notário em 2004

Imagem cedida por MJC
MJC
Maria José Costa
Imagem cedida por MJC

A Associação Portuguesa das Mulheres Cientistas (AMONET) surge para responder a uma necessidade sentida por várias cientistas. Existia a consciência da falta de um fórum onde as mulheres cientistas pudessem, de forma organizada, otimizar a sua capacidade de intervenção na sociedade.

Para colmatar essa lacuna, um grupo com representantes de todo o país fundou em novembro de 2004, a AMONET. Mas tudo começou antes, por uma indignação.

Em 2003, após um processo de avaliação de licenciaturas da área do Ambiente e da Química, levado a cabo por comissões nomeadas pelo Conselho Nacional de Avaliação do Ensino Superior (CNAVES), verificou-se que o comité de avaliação era quase exclusivamente composto por homens.

Isso, apesar de nesses domínios mais de 50% dos investigadores serem mulheres. Foram então colectadas mais de duas centenas de assinaturas para que a situação fosse revista.

As assinantes dirigiram um pedido ao presidente do CNAVES solicitando uma recomposição das respetivas comissões, que tivesse em conta uma maior paridade entre sexos.

Foi ainda solicitada a intervenção do Provedor de Justiça, que endereçou um parecer ao CNAVES e ao Ministro da Ciência e do Ensino Superior. Nele, o provedor referia a necessidade de se promover um justo equilíbrio na composição das comissões, muito particularmente na participação de homens e mulheres nos núcleos de decisão.

A AMONET inspira-se nos princípios consagrados na Declaração Universal dos Direitos Humanos e na Constituição Europeia, nomeadamente no que se refere à eliminação de todas as formas de discriminação e à promoção da igualdade de direitos e oportunidades entre mulheres e homens.

No Tempo das Dálias, da autoria de Paula Castelar, é transmitido pela Antena 2. Em janeiro homenageia 23 cientistas. Esta segunda-feira foi a vez de Ana Isabel Simões, professora do Departamento de História e Filosofia das Ciências e investigadora do Centro Interuniversitário de História das Ciências e da Tecnologia do polo da Ciências ULisboa.

O nome Amonet baseia-se na deusa primordial do Baixo Egipto, versão feminina do Deus Amon. O seu nome significa “A Oculta” e materializa um primitivo e inextinguível poder.

Personifica os aspetos inatingíveis e secretos do caos original, o desconhecido, o espaço infinito, o aspeto invisível do ar. Geradora do vento norte, sopra nova vida e sabedoria na mente das elites e dos governantes.

A AMONET tem sido uma referência na comunidade de mulheres de Ciência no panorama nacional e internacional para a promoção da igualdade de género.

É sua missão combater todas as formas de discriminação e promover a igualdade de direitos e oportunidades entre homens e mulheres na Ciência.

Objetivos da AMONET

- Proceder a estudos relativamente a matérias relevantes para a concretização da igualdade de direitos e oportunidades;
- Propor às instâncias competentes a elaboração, alteração ou revogação de diplomas a fim de obter a plena igualdade de direitos;
- Promover o esclarecimento e o debate sobre a situação das mulheres cientistas, divulgar os seus direitos e denunciar, por todos os meios, as formas de discriminação.

Quinze anos passados desde a sua constituição, embora existam mudanças positivas, persiste uma grande diferença entre homens e mulheres cientistas em cargos de topo.

Continua a ser muito menor o número de reitoras, diretoras de laboratórios de investigação ou professoras catedráticas.

A atual direção da AMONET conta com algumas jovens que, além de fazerem investigação, se preocupam com esta temática e dedicam uma parte do seu tempo, que já de si é curto a tentar que estes princípios de igualdade sejam cumpridos.

A AMONET ambiciona que um dia todos os cientistas se revejam na frase de May Britt, Prémio Nobel da Medicina de 2014: “Eu penso em termos de excelência em ciência, não no género”.

Maria José Costa, presidente da AMONET e professora aposentada com acordo de cooperação do DBA Ciências ULisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt
Pessoas estudam numa mesa na biblioteca

“Acho que qualquer aluno consegue ser bom, se tiver uma boa disciplina de trabalho e objetivos concretos”. Quem o diz é Gonçalo Faria da Silva, estudante do 3.º ano de Biologia.

No penúltimo dia de março realiza-se a quinta e última sessão do workshop destinado a preparar os estudantes para a obtenção do 1.º emprego.

 

Alunos da FCUL

A Schlumberger realiza uma sessão de recrutamento em Ciências. As grandes empresas procuram os melhores profissionais. A FCUL apoia a inserção profissional dos seus diplomados.
 

O evento é uma organização conjunta da Norton/Symantec e do mestrado em Segurança Informática do DI-FCUL.

O DM está na Futurália

Para Duarte Flor, presidente da associação académica e aluno do 12.º ano em Ciências, é importante que os candidatos ao ensino superior visitem as instalações de uma faculdade.

Desenho de uma figura masculina

“Existe um espaço onde o sentimento de pertença a uma escola pode ser reavivado", afirma Miguel Ramos.

Aluna junto a uma das colunas do átrio do C6

A mostra pictórica da atividade científica da FCUL é inaugurada a 13 de março. Conheça as razões pelas quais deve visitar a exposição.

O que são líquidos iónicos? Num dos primeiros programas do ano, o Com Ciência entrevistou o professor e investigador da FCUL, Carlos Nieto de Castro sobre esta classe de solventes.

Desenho de uma figura masculina

A data de lançamento do livro ainda não é pública, mas o evento deverá ocorrer brevemente, na Faculdade de Belas-Artes da UL.

Ontem evocou-se o Dia das Doenças Raras. A fibrose quística é um desses males incomuns. A investigação científica é importante em todos os setores, mas ganha especial sentido em áreas como esta.

Cerca de 20 professores de Ciências da Natureza e Ciências Naturais de nove concelhos portugueses participam na atividade promovida pelo MNHNC-UL a decorrer até abril.

Imagem de um folheto promocional

A FCUL volta a marcar presença no evento, juntamente com outras unidades orgânicas da UL.

Fotografia com pontos de interrogação

Alunos finalistas aconselham Engenharia da Energia e do Ambiente. Testemunhos de Guilherme Gaspar e Ricardo Leandro.

Fotografia de mesa com cinco pessoas sentadas, na Reitoria da UL

A rede pretende formalizar colégios doutorais em áreas transversais. Opinião de Maria Amélia Martins-Loução.

Fotografia de pessoas sentadas num dos anfiteatros da FCUL

A iniciativa acontece a 17 de março e é organizada pelos Departamentos de Física e de Informática.

Fotografia de Dois voluntários, sentados junto a uma banca no átrio do C5

Em fevereiro estão abertas inscrições para a admissão de novos voluntários.

A FCUL participa em "Programa de Estudos Avançados" com mais quatro instituições universitárias portuguesas e brasileiras.

Vale a pena recordar a iniciativa do Gabinete de Mobilidade, Estágios e Inserção Profissional da FCUL.

Fotografia de alunos a andarem, junto ao C8

A primeira edição do curso realiza-se já em 2012.

Outra forma de fazer turismo.

Artigo de investigadores do CeGUL e docentes do GeoFCUL no Top 25.Artigo de investigadores do CeGUL e docentes do GeoFCUL no Top 25

O Encontro decorreu em Junho no GeoFCUL.

Páginas