Opinião

A floresta mediterrânica

Um sistema humanizado e dinâmico

Otília Correia
Cedida por OC

As florestas ou bosques mediterrânicos sofreram profundas alterações ao longo da história como resultado de intensa actividade humana desde há milhares de anos.

Esta transformação foi especialmente importante nas terras planas, devido ao corte selectivo, à queima, ao pastoreio e à reflorestação, bem como a outras transformações associadas à urbanização e vias de transporte. Estas actividades reflectem-se nas florestas actuais, com consequências sobre a sua extensão, estrutura, composição em espécies, e no seu grau de fragmentação. Como resultado pode afirmar-se que não existem bosques virgens e são escassos os fragmentos de bosques naturais com algum grau de complexidade e estabilidade.

Em Portugal, nalgumas áreas restritas mais abrigadas, com condições mais mésicas, de maior humidade e solos profundos, e na ausência de factores antropogénicos, prevalece uma floresta esclerófila mista dominada por árvores decíduas e esclerófilas, como as que se encontram nas Serras de Aire e Candeeiros e na Serra da Arrábida. Estas florestas constituem, formações tidas como clímax (a etapa madura e potencialmente estável da sucessão vegetal), sendo um dos melhores testemunhos da vegetação do Terciário no território português, traduzindo o ambiente mediterrânico que as glaciações não afectaram. Admite-se que tais vestígios correspondam a formações potenciais da floresta primitiva que aqui se mantêm mercê das condições bioclimáticas especiais existentes nestas serras.
Árvore
Fonte: OC

Esta floresta tem uma estrutura muito complexa, com árvores, arbustos, lianas e herbáceas, sendo altamente diversificada em formas de vida, morfologia, fisiologia e fenologia, representando estádios mais avançados das formações mediterrânicas. Estas matas são caracterizadas por formarem um mosaico arbóreo de espécies esclerófilas mediterrânicas juntamente com espécies de características mais mésicas, caducifólias como o carvalho cerquinho e o ácer de Montepellier.

As sociedades actuais atribuem aos bosques uma série de funções para além da sua função produtora, incluindo as clássicas como o controlo hidrológico e protecção contra a erosão, valorizam-se actualmente e cada vez mais pelo seu uso recreativo, e de conservação da biodiversidade e da paisagem, e armazenamento de carbono.

Nota da redação: Por vontade da autora o texto não segue o acordo ortográfico em vigor.

Otília Correia, professora e investigadora do Departamento Biologia Vegetal e Centro de Biologia Ambiental da FCUL

O evento é uma organização conjunta da Norton/Symantec e do mestrado em Segurança Informática do DI-FCUL.

O DM está na Futurália

Para Duarte Flor, presidente da associação académica e aluno do 12.º ano em Ciências, é importante que os candidatos ao ensino superior visitem as instalações de uma faculdade.

Desenho de uma figura masculina

“Existe um espaço onde o sentimento de pertença a uma escola pode ser reavivado", afirma Miguel Ramos.

Aluna junto a uma das colunas do átrio do C6

A mostra pictórica da atividade científica da FCUL é inaugurada a 13 de março. Conheça as razões pelas quais deve visitar a exposição.

O que são líquidos iónicos? Num dos primeiros programas do ano, o Com Ciência entrevistou o professor e investigador da FCUL, Carlos Nieto de Castro sobre esta classe de solventes.

Desenho de uma figura masculina

A data de lançamento do livro ainda não é pública, mas o evento deverá ocorrer brevemente, na Faculdade de Belas-Artes da UL.

Ontem evocou-se o Dia das Doenças Raras. A fibrose quística é um desses males incomuns. A investigação científica é importante em todos os setores, mas ganha especial sentido em áreas como esta.

Cerca de 20 professores de Ciências da Natureza e Ciências Naturais de nove concelhos portugueses participam na atividade promovida pelo MNHNC-UL a decorrer até abril.

Imagem de um folheto promocional

A FCUL volta a marcar presença no evento, juntamente com outras unidades orgânicas da UL.

Fotografia com pontos de interrogação

Alunos finalistas aconselham Engenharia da Energia e do Ambiente. Testemunhos de Guilherme Gaspar e Ricardo Leandro.

Fotografia de mesa com cinco pessoas sentadas, na Reitoria da UL

A rede pretende formalizar colégios doutorais em áreas transversais. Opinião de Maria Amélia Martins-Loução.

Fotografia de pessoas sentadas num dos anfiteatros da FCUL

A iniciativa acontece a 17 de março e é organizada pelos Departamentos de Física e de Informática.

Fotografia de Dois voluntários, sentados junto a uma banca no átrio do C5

Em fevereiro estão abertas inscrições para a admissão de novos voluntários.

A FCUL participa em "Programa de Estudos Avançados" com mais quatro instituições universitárias portuguesas e brasileiras.

Vale a pena recordar a iniciativa do Gabinete de Mobilidade, Estágios e Inserção Profissional da FCUL.

Fotografia de alunos a andarem, junto ao C8

A primeira edição do curso realiza-se já em 2012.

Outra forma de fazer turismo.

Artigo de investigadores do CeGUL e docentes do GeoFCUL no Top 25.Artigo de investigadores do CeGUL e docentes do GeoFCUL no Top 25

O Encontro decorreu em Junho no GeoFCUL.

Páginas