Entrevista com Elisabete Malafaia

“Sejam persistentes”

Descoberto em Portugal um dos dinossáurios carcarodontossáurios mais antigo

Sequência de vértebras caudais do exemplar de dinossáurio terópode

Sequência de vértebras caudais do exemplar de dinossáurio terópode durante os trabalhos de escavação em 2003 na jazida de Cambelas

Reconstituição da disposição dos ossos fossilizados do pé direito do exemplar de dinossáurio terópode da jazida paleontológica de Cambelas
Reconstituição da disposição dos ossos fossilizados do pé direito do exemplar de dinossáurio terópode da jazida paleontológica de Cambelas
Fonte Journal of Paleontology

A paleontóloga Elisabete Malafaia, investigadora do Instituto Dom Luiz (IDL) de Ciências ULisboa e da Faculdade de Ciências da Universidade Nacional de Educação à Distância de Madrid (UNED), em Espanha, é a primeira autora do artigo publicado recentemente na edição online da prestigiada revista internacional Journal of Paleontology e que apresenta os resultados do estudo referente ao conjunto de fósseis do dinossáurio terópode, descoberto em rochas datadas do final do Jurássico, na região de Torres Vedras.

De acordo com o comunicado de imprensa emitido esta quinta-feira, o conjunto de fósseis do dinossáurio carnívoro indica a presença de carcarodontossáurios no Jurássico Superior de Portugal há 145 milhões de anos. Os membros deste grupo são no final do Cretácico, mais de 50 milhões de anos depois, os superpredadores dos continentes do sul.

A investigação decorreu, na sua maior parte, durante o doutoramento de Elisabete Malafaia, que após o mestrado em Geologia, ingressou em 2013 no doutoramento em Geologia, especializando-se em Paleontologia e Estratigrafia, em Ciências ULisboa, em novembro do ano passado. A Fundação para a Ciência e a Tecnologia financiou a investigação, que contou com a colaboração de uma equipa internacional de paleontólogos do IDL Ciências ULisboa e do Grupo de Biologia Evolutiva da UNED.

O exemplar descoberto nas arribas da Praia de Cambelas, da freguesia de São Pedro da Cadeira, em Torres Vedras, em 2002 e escavado nesse ano e no ano seguinte, está depositado na coleção paleontológica da Sociedade de História Natural e representa um dos registos mais recentes destes dinossáurios no Jurássico Superior de Portugal.

Os resultados desta investigação permitem conhecer melhor a evolução inicial deste grupo de dinossáurios terópodes e são uma importante evidência para entender a sua dispersão durante o Jurássico Superior na Laurásia.

Na entrevista a seguir apresentada, Elisabete Malafaia deixa alguns conselhos a quem quer seguir uma carreira nesta área, que sempre a fascinou.

Elisabete Malafaia
Elisabete Malafaia
Fonte IDL Ciências ULisboa

Como foi trabalhar com este grupo?

Elisabete Malafaia (EM) - Colaboro com este grupo de investigadores há vários anos em diferentes estudos sobre o registo fóssil de Portugal. Tem sido uma colaboração muito benéfica e gratificante.

Quais são os próximos passos da equipa?

EM - Continuamos com o estudo de diferentes registos fósseis de vertebrados, sobretudo em Portugal e Espanha.

O exemplar vai estar exposto ao público?

EM - O exemplar integrou uma exposição que esteve patente no Museu Municipal Leonel Trindade, em Torres Vedras em 2013/2014 e no Museu Nacional de História Natural e da Ciência da Universidade de Lisboa em 2016/2017. Atualmente os fósseis deste exemplar estão depositados na coleção da Sociedade de História Natural, mas poderão vir a integrar uma futura exposição.

Porque é que escolheu esta área de investigação?

EM - Escolhi esta área porque desde sempre tenho um fascínio por dinossáurios. Queria compreender como eram estes animais e os ambientes em que viviam, como é que interagiam com outros organismos e como foi a sua evolução. 

Que conselhos deixa aos jovens que queiram enveredar por este ramo da Geologia?

EM - Atualmente a perspetiva de trabalho em Paleontologia não é muito animadora. É uma área com uma grande precariedade profissional (como acontece, infelizmente, a outros ramos de ciências) mas apesar disso é muito compensador. O conselho que deixaria aos jovens que pensam enveredar por trabalhar em Paleontologia é que sejam persistentes e que comecem a pensar na carreira profissional que querem seguir logo desde os primeiros anos de faculdade porque como é uma área muito competitiva o curriculum vai ser determinante.


Aspeto dos trabalhos durante uma das fases de escavação, em 2003, na jazida paleontológica de Cambelas

Scripta manent.
O que se escreve, fica, permanece.

Ana Subtil Simões, Área de Comunicação e Imagem de Ciências ULisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt

Os vários objectivos do DEGGE: Tudo o que nos define, e tudo o que apoiamos

O ENEI'12 vai realizar-se na FCUL.

ESTRUTURA E GESTÃO DO DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA ANIMAL (DBA)

Apresentação do Departamento

Paleontólogos do MNHN da UL e do GeoFCUL em foco na revista TVmais.

A FCUL participa em "Programa de Estudos Avançados" com mais quatro instituições universitárias portuguesas e brasileiras.

O DQB e a FCUL acolheram, mais uma vez, a realização de provas semifinais das Olimpíadas de Química Júnior 2012 no sábado, 14 de abril de 2012.

Pessoas estudam numa mesa na biblioteca

“Acho que qualquer aluno consegue ser bom, se tiver uma boa disciplina de trabalho e objetivos concretos”. Quem o diz é Gonçalo Faria da Silva, estudante do 3.º ano de Biologia.

No penúltimo dia de março realiza-se a quinta e última sessão do workshop destinado a preparar os estudantes para a obtenção do 1.º emprego.

 

Alunos da FCUL

A Schlumberger realiza uma sessão de recrutamento em Ciências. As grandes empresas procuram os melhores profissionais. A FCUL apoia a inserção profissional dos seus diplomados.
 

O evento é uma organização conjunta da Norton/Symantec e do mestrado em Segurança Informática do DI-FCUL.

O DM está na Futurália

Para Duarte Flor, presidente da associação académica e aluno do 12.º ano em Ciências, é importante que os candidatos ao ensino superior visitem as instalações de uma faculdade.

Desenho de uma figura masculina

“Existe um espaço onde o sentimento de pertença a uma escola pode ser reavivado", afirma Miguel Ramos.

Aluna junto a uma das colunas do átrio do C6

A mostra pictórica da atividade científica da FCUL é inaugurada a 13 de março. Conheça as razões pelas quais deve visitar a exposição.

O que são líquidos iónicos? Num dos primeiros programas do ano, o Com Ciência entrevistou o professor e investigador da FCUL, Carlos Nieto de Castro sobre esta classe de solventes.

Desenho de uma figura masculina

A data de lançamento do livro ainda não é pública, mas o evento deverá ocorrer brevemente, na Faculdade de Belas-Artes da UL.

Ontem evocou-se o Dia das Doenças Raras. A fibrose quística é um desses males incomuns. A investigação científica é importante em todos os setores, mas ganha especial sentido em áreas como esta.

Cerca de 20 professores de Ciências da Natureza e Ciências Naturais de nove concelhos portugueses participam na atividade promovida pelo MNHNC-UL a decorrer até abril.

Imagem de um folheto promocional

A FCUL volta a marcar presença no evento, juntamente com outras unidades orgânicas da UL.

Fotografia com pontos de interrogação

Alunos finalistas aconselham Engenharia da Energia e do Ambiente. Testemunhos de Guilherme Gaspar e Ricardo Leandro.

Fotografia de mesa com cinco pessoas sentadas, na Reitoria da UL

A rede pretende formalizar colégios doutorais em áreas transversais. Opinião de Maria Amélia Martins-Loução.

Fotografia de pessoas sentadas num dos anfiteatros da FCUL

A iniciativa acontece a 17 de março e é organizada pelos Departamentos de Física e de Informática.

Fotografia de Dois voluntários, sentados junto a uma banca no átrio do C5

Em fevereiro estão abertas inscrições para a admissão de novos voluntários.

A FCUL participa em "Programa de Estudos Avançados" com mais quatro instituições universitárias portuguesas e brasileiras.

Páginas