Entrevista com Elisabete Malafaia

“Sejam persistentes”

Descoberto em Portugal um dos dinossáurios carcarodontossáurios mais antigo

Sequência de vértebras caudais do exemplar de dinossáurio terópode durante os trabalhos de escavação em 2003 na jazida de Cambelas

Reconstituição da disposição dos ossos fossilizados do pé direito do exemplar de dinossáurio terópode da jazida paleontológica de Cambelas
Reconstituição da disposição dos ossos fossilizados do pé direito do exemplar de dinossáurio terópode da jazida paleontológica de Cambelas
Fonte Journal of Paleontology

A paleontóloga Elisabete Malafaia, investigadora do Instituto Dom Luiz (IDL) de Ciências ULisboa e da Faculdade de Ciências da Universidade Nacional de Educação à Distância de Madrid (UNED), em Espanha, é a primeira autora do artigo publicado recentemente na edição online da prestigiada revista internacional Journal of Paleontology e que apresenta os resultados do estudo referente ao conjunto de fósseis do dinossáurio terópode, descoberto em rochas datadas do final do Jurássico, na região de Torres Vedras.

De acordo com o comunicado de imprensa emitido esta quinta-feira, o conjunto de fósseis do dinossáurio carnívoro indica a presença de carcarodontossáurios no Jurássico Superior de Portugal há 145 milhões de anos. Os membros deste grupo são no final do Cretácico, mais de 50 milhões de anos depois, os superpredadores dos continentes do sul.

A investigação decorreu, na sua maior parte, durante o doutoramento de Elisabete Malafaia, que após o mestrado em Geologia, ingressou em 2013 no doutoramento em Geologia, especializando-se em Paleontologia e Estratigrafia, em Ciências ULisboa, em novembro do ano passado. A Fundação para a Ciência e a Tecnologia financiou a investigação, que contou com a colaboração de uma equipa internacional de paleontólogos do IDL Ciências ULisboa e do Grupo de Biologia Evolutiva da UNED.

O exemplar descoberto nas arribas da Praia de Cambelas, da freguesia de São Pedro da Cadeira, em Torres Vedras, em 2002 e escavado nesse ano e no ano seguinte, está depositado na coleção paleontológica da Sociedade de História Natural e representa um dos registos mais recentes destes dinossáurios no Jurássico Superior de Portugal.

Os resultados desta investigação permitem conhecer melhor a evolução inicial deste grupo de dinossáurios terópodes e são uma importante evidência para entender a sua dispersão durante o Jurássico Superior na Laurásia.

Na entrevista a seguir apresentada, Elisabete Malafaia deixa alguns conselhos a quem quer seguir uma carreira nesta área, que sempre a fascinou.

Elisabete Malafaia
Elisabete Malafaia
Fonte IDL Ciências ULisboa

Como foi trabalhar com este grupo?

Elisabete Malafaia (EM) - Colaboro com este grupo de investigadores há vários anos em diferentes estudos sobre o registo fóssil de Portugal. Tem sido uma colaboração muito benéfica e gratificante.

Quais são os próximos passos da equipa?

EM - Continuamos com o estudo de diferentes registos fósseis de vertebrados, sobretudo em Portugal e Espanha.

O exemplar vai estar exposto ao público?

EM - O exemplar integrou uma exposição que esteve patente no Museu Municipal Leonel Trindade, em Torres Vedras em 2013/2014 e no Museu Nacional de História Natural e da Ciência da Universidade de Lisboa em 2016/2017. Atualmente os fósseis deste exemplar estão depositados na coleção da Sociedade de História Natural, mas poderão vir a integrar uma futura exposição.

Porque é que escolheu esta área de investigação?

EM - Escolhi esta área porque desde sempre tenho um fascínio por dinossáurios. Queria compreender como eram estes animais e os ambientes em que viviam, como é que interagiam com outros organismos e como foi a sua evolução. 

Que conselhos deixa aos jovens que queiram enveredar por este ramo da Geologia?

EM - Atualmente a perspetiva de trabalho em Paleontologia não é muito animadora. É uma área com uma grande precariedade profissional (como acontece, infelizmente, a outros ramos de ciências) mas apesar disso é muito compensador. O conselho que deixaria aos jovens que pensam enveredar por trabalhar em Paleontologia é que sejam persistentes e que comecem a pensar na carreira profissional que querem seguir logo desde os primeiros anos de faculdade porque como é uma área muito competitiva o curriculum vai ser determinante.


Aspeto dos trabalhos durante uma das fases de escavação, em 2003, na jazida paleontológica de Cambelas

Scripta manent.
O que se escreve, fica, permanece.

Ana Subtil Simões, Área de Comunicação e Imagem de Ciências ULisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt