“Sustainable Beauty for Algarvean Gardens: Old Knowledge to a Better Future”

SUSBEAUTY

Talhões SUSBEAUTY

Talhões com espécies autóctones e diferentes tipos de irrigação para comparar os gastos de água e o desempenho das plantas por comparação a um relvado

ACI

Quando se pensa no Algarve e na sua paisagem é normal que ocorram imagens mentais de palmeiras e campos de golfe. A paisagem algarvia tem vindo a ser invadida por um modelo de paisagem, os ditos “tropical paradises”, que proliferaram por via da indústria do turismo. Foi a partir daqui que o estudo “Sustainable Beauty for Algarvean Gardens: Old Knowledge to a Better Future” se desencadeou, definindo como problema a falta de sustentabilidade da paisagem algarvia dominada por relvados com palmeiras que esgotam os recursos hídricos da região.

Ana Duarte Rodrigues é doutorada em História da Arte da Idade Moderna. Os interesses de investigação centram-se nos estudos de jardins e paisagem sob a perspetiva da História das Ciências, no estudo da tratadística dos séculos XVI e XVIII, e na sustentabilidade da paisagem. A par do SUSBEAUTY, também coordena o projeto “AQUA. Horto Aquam Salutarem: Water Wise Management in Gardens in the Early Modern Period”, iniciado este ano. Ana Duarte Rodrigues é a editora da revista Gardens & Landscapes, publicada pela Sciendo.

Ana Duarte Rodrigues, investigadora do Departamento de História e Filosofia das Ciências e do Centro Interuniversitário de História das Ciências e da Tecnologia, é a coordenadora deste projeto, iniciado em 2015 e financiado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia, no âmbito do Programa Investigador FCT, no valor de 50 mil euros.

O projeto encontra-se explicado no artigo “Sustainable beauty for algarvean gardens: cross-boundary solutions between the humanities and the sciences", publicado online pela Interdisciplinary Science Reviews em outubro de 2017.

Através de livros e documentação dos séculos XVI ao XIX, esta investigação pretende demonstrar que se podem encontrar soluções mais sustentáveis recorrendo a espécies autóctones da região do Algarve, capazes de se adaptarem às caraterísticas do clima e dos solos daquela zona. A investigação histórica permitiu descobrir quais as espécies que dominavam a paisagem algarvia entre os séculos XVI e XIX, muitas delas perfeitamente adaptadas ao clima da região mediterrânica e que , portanto, dispensavam a rega. Para além disso, este estudo permitiu descobrir técnicas hortícolas antigas que protegiam a evaporação de água da terra e sistemas de rega tradicionais.

“Na idade moderna as quintas eram autossustentáveis e desconhecia-se a tecnologia que hoje existe, como os sistemas de irrigação automáticos. (…) A poupança de água passa por uma escolha inteligente das espécies, que deve naturalmente recair sobre aquelas que há séculos se adaptaram à região.”
Ana Duarte Rodrigues

Para melhor compreender o problema, a equipa que suporta o estudo no terreno – composta ainda por um arquiteto paisagista e dois agrónomos -, está a desenvolver experiências piloto, em talhões com espécies autóctones e diferentes tipos de irrigação para comparar os gastos de água e o desempenho das plantas por comparação a um relvado.

Os resultados preliminares já são visíveis, as plantas autóctones têm tido um desempenho visivelmente melhor do que o relvado e não precisam de qualquer sistema de irrigação, pois encontram-se adaptadas ao clima.

“Se tudo correr bem haverá indicações muito concretas a partir deste projeto sobre relações entre certo tipo de plantas e certos tipos de solos e os modos mais adequados para fazer a rega”, conclui Henrique Leitão, presidente do Departamento de História e Filosofia das Ciências.

Raquel Salgueira Póvoas, Área de Comunicação e Imagem de Ciências ULisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt

Devido ao numero excessivo de mensagens falsas que nos últimos tempos têm chegado às caixas de correio dos utilizadores da FCUL, algumas delas dando a entender que são enviadas de endereços internos, fomos obrigados a tomar medidas mais restritivas em relaç

Boletim da Sociedade Portuguesa de Matemática (SPM) integra Portal RCAAP

Alunos brasileiros

A Faculdade de Ciências recebeu cerca de 70 alunos de mobilidade, vindos do Brasil.

Aula aberta - Mestrado em Biologia Molecular e Genética

7 de Novembro, 11:00, sala 2.4.16

 

INFORMAÇÃO

Recent years have witnessed the emergence of new sequencing technologies that are revolutionizing the approach to public health problems.

Na FCUL existe uma unidade curricular designada Projeto Empresarial. Esta “cadeira”, comum ao ISCTE-IUL, prepara os alunos para a realidade empresarial e tecnológica. No total, cerca de 300 alunos já a frequentaram.

Carlos Rafael Mendes

A tese do antigo aluno da FCUL, Carlos Rafael Borges Mendes e recentemente premiada, contou com a orientação conjunta das professoras Vanda Brotas e Virginia M. Tavano.

Web of Science Book Citation Index - Trial para todos os membros b-on

Estão abertas as inscrições para a disciplina que promove o empreendedorismo - Projeto Empresarial. Todos os alunos de mestrado ou nos dois últimos anos de mestrado integrado podem candidatar-se até dia 16 de novembro.

A FCUL, bem como toda a Universidade de Lisboa está sem acesso à Internet desde cerca das 11:45 da manhã.

Professora Olga Pombo, autora do livro "O Círculo dos Saberes"

“Estou convencida que a imagem do círculo constitui um arquétipo, uma determinação conceptual prévia a toda a investigação”, defende Olga Pombo, docente na FCUL e autora do livro “O Círculo dos Saberes”.

Imagem ilustrativa do livro "O Círculo dos Saberes"

“A apresentação do livro seguirá um formato sério e discreto. O professor Shahid Rahman fará uma apresentação e apreciação do livro e eu agradecerei todas as suas palavras, sejam elas elogiosas, sejam críticas", afirma a autora Olga Pombo.

Trial para todos os Membros da b-on.

Pessoas a correr junto ao Marquês de Pombal

A primeira Corrida da Ciência aconteceu o ano passado por ocasião das celebrações dos 100 anos da FCUL. A edição deste ano integra-se na 2.ª Edição do AmbientALL – Universidade em Movimento.

O concurso de programação destina-se a alunos universitários e este ano junta 16 equipas, oriundas de oito instituições universitárias portuguesas. A equipa da FCUL chama-se BigO(1).

Imagem da professora Maria José Boavida

“Colega amiga”, “orientadora empenhada e humanista” e “investigadora solidária”, assim se recorda Maria José Boavida (1948 – 2012).

Desenho do campus da FCUL

As tabelas e notas científicas, assim como as regras elementares de segurança em laboratórios são algumas das mais-valias deste “livro”.

A fim de cumprir com o estabelecido no Regulamento Eleitoral, o Caderno Eleitoral para a eleição do Presidente do Departamento de Estatística e Investigação Operacional está disponível para consulta.

 O projecto CAMPUS UL realizado pelos alunos de mestrado em Engenharia Geográfica no âmbito das disciplinas de Fotogrametria Analítica e de Produção Cartográfica ganhou o segundo prémio no concurso internacional de projectos com fins educativos

lâmpada

"Criar, transferir e valorizar economicamente o conhecimento científico" é a causa primária do renovado centro de inovação, situado no campus da FCUL.

Hoje, quarta-feira, dia 10 de Outubro de 2012, registou-se uma quebra no acesso à Internet pelas 17h00 por cerca de 5 minutos.

A causa foi externa à Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa e ainda não fomos informados das suas causas.

Estão abertas três vagas para bolseiros para a Unidade de Informática

Imagem do professor J. Sebastião e Silva

O Departamento de Matemática da FCUL apresenta obras selecionadas de personalidades da nossa história, nomeadamente os Compêndios de Matemática e os respetivos Guias para professores de José Sebastião de Silva, cujos direitos patrimoniais foram cedidos à Faculdade por um período de 30 anos.

Páginas