Entrevista a Andreia Maia

“Para que a boa ciência tenha impacto é necessário saber comunicá-la”

FameLab Portugal

“Porque vemos estrelas quando batemos com a cabeça?”, foi o tema apresentando por Andreia Maia.

Andreia Maia

“O Malcolm Love é uma pessoa incrível e ensinou-nos muitas coisas, desde como agir numa entrevista, como contar uma história de forma fascinante, como controlar o nervosismo e principalmente como cativar o público quando falamos”, conta Andreia Maia, aluna do mestrado em Biologia Molecular e Genética, finalista do concurso FameLab Portugal 2017.

O que a levou a participar?

Andreia Mata (AM) - Decidi participar no FameLab porque adoro ciência, mas por vezes é difícil conseguir comunicá-la de forma correta e isto seria um desafio. Foi-nos pedido um vídeo de apenas três minutos a explicar um conceito/curiosidade científica e eu apenas enviei o meu vídeo um dia antes de terminarem as candidaturas, porque realmente é muito difícil fazer algo interessante em três minutos.

De que trata o tema que apresentou?

AM  - Optei por uma curiosidade que me acontece algumas vezes, mas que não sabia o porquê: “Porque vemos estrelas quando batemos com a cabeça?”. Achei ser um tema que se identifica com a maioria das pessoas e realmente poucas pensam porque isto acontece. Explicação: o nosso cérebro está rodeado pelo líquido cefalorradiano (LC), este líquido protege o nosso cérebro dos nossos movimentos, impedindo este choque contra o nosso crânio. Quando batemos violentamente com a cabeça, o nosso cérebro move-se e o LC não consegue impedir este choque contra o crânio. Quando o lobo occipital (parte de trás do cérebro) choca com o crânio, vemos estrelas, pois é no lobo occipital que está situado o córtex visual. Esta zona sofre um estímulo semelhante ao que recebemos quando vemos alguma coisa. Então a pancada engana o cérebro de modo que ele pensa que está a ver umas luzes brilhantes, que é o que nós chamamos estrelas.

Como se preparou para este desafio?

AM  - Depois da difícil decisão da escolha do tema, foi necessário muita pesquisa para me certificar que o que estava a dizer era cientificamente correto. Queria levar comigo algo que me ajudasse a cativar o público e, devido ao tema que tinha, queria ter estrelas à volta da minha cabeça enquanto estava no palco. Foi isso mesmo que fiz: uma bandolete com um motor e uma fonte de alimentação a pilhas com umas aplicações para colar às estrelas. E muito treino!

A Comunicação de Ciência é uma área do seu interesse e em que pretende continuar a adquirir competências? Que importância lhe atribui?

AM  - A ciência e a comunicação estão sempre juntas. Para que a boa ciência tenha impacto é necessário saber comunicá-la bem. O principal objetivo de fazer ciência é descobrir, resolver problemas e depois partilhar esse conhecimento com o mundo. A comunicação tem um papel fundamental nesta partilha. Por vezes, os cientistas acham que ao complicar a sua ciência isso a torna de alguma forma mais interessante, mas é exatamente o oposto. As pessoas gostam de ciência, e é ao simplificar a complexidade da ciência que as conseguimos fascinar.

O que foi mais gratificante, nesta participação?

AM  -  Ser um dos finalistas, foi muito gratificante. O FameLab deu-me a oportunidade de conhecer pessoas fantásticas e tão fanáticas como eu pela ciência.

E o que foi mais difícil?

AM  - O mais difícil é conseguir apresentar em apenas 3 minutos, sem suporte informático, algo suficientemente interessante e cientificamente correto de forma a que qualquer pessoa consiga entender. Esse é o maior desafio. Isto para não falar do nível do nervosismo, como conseguir andar até ao palco com os músculos completamente contraídos, cheios de medo da quantidade de olhares que estão focados em nós e mesmo assim ser capaz de transmitir segurança.

Que balanço faz da masterclass?

AM  -  Foi uma experiência inesquecível! O Malcolm Love é uma pessoa incrível e ensinou-nos muitas coisas, desde como agir numa entrevista, como contar uma história de forma fascinante, como controlar o nervosismo e principalmente como cativar o público quando falamos.

Raquel Salgueira Póvoas, Área de Comunicação e Imagem
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt

O DM está na Futurália

Para Duarte Flor, presidente da associação académica e aluno do 12.º ano em Ciências, é importante que os candidatos ao ensino superior visitem as instalações de uma faculdade.

Desenho de uma figura masculina

“Existe um espaço onde o sentimento de pertença a uma escola pode ser reavivado", afirma Miguel Ramos.

Aluna junto a uma das colunas do átrio do C6

A mostra pictórica da atividade científica da FCUL é inaugurada a 13 de março. Conheça as razões pelas quais deve visitar a exposição.

O que são líquidos iónicos? Num dos primeiros programas do ano, o Com Ciência entrevistou o professor e investigador da FCUL, Carlos Nieto de Castro sobre esta classe de solventes.

Desenho de uma figura masculina

A data de lançamento do livro ainda não é pública, mas o evento deverá ocorrer brevemente, na Faculdade de Belas-Artes da UL.

Ontem evocou-se o Dia das Doenças Raras. A fibrose quística é um desses males incomuns. A investigação científica é importante em todos os setores, mas ganha especial sentido em áreas como esta.

Cerca de 20 professores de Ciências da Natureza e Ciências Naturais de nove concelhos portugueses participam na atividade promovida pelo MNHNC-UL a decorrer até abril.

Imagem de um folheto promocional

A FCUL volta a marcar presença no evento, juntamente com outras unidades orgânicas da UL.

Fotografia com pontos de interrogação

Alunos finalistas aconselham Engenharia da Energia e do Ambiente. Testemunhos de Guilherme Gaspar e Ricardo Leandro.

Fotografia de mesa com cinco pessoas sentadas, na Reitoria da UL

A rede pretende formalizar colégios doutorais em áreas transversais. Opinião de Maria Amélia Martins-Loução.

Fotografia de pessoas sentadas num dos anfiteatros da FCUL

A iniciativa acontece a 17 de março e é organizada pelos Departamentos de Física e de Informática.

Fotografia de Dois voluntários, sentados junto a uma banca no átrio do C5

Em fevereiro estão abertas inscrições para a admissão de novos voluntários.

A FCUL participa em "Programa de Estudos Avançados" com mais quatro instituições universitárias portuguesas e brasileiras.

Vale a pena recordar a iniciativa do Gabinete de Mobilidade, Estágios e Inserção Profissional da FCUL.

Fotografia de alunos a andarem, junto ao C8

A primeira edição do curso realiza-se já em 2012.

Outra forma de fazer turismo.

Artigo de investigadores do CeGUL e docentes do GeoFCUL no Top 25.Artigo de investigadores do CeGUL e docentes do GeoFCUL no Top 25

O Encontro decorreu em Junho no GeoFCUL.

Páginas