Colégio São João de Brito em Ciências

Como é o dia-a-dia do cientista?

Durante dois dias, Ciências recebeu nos laboratórios dos Departamentos de Química e Bioquímica e de Biologia Vegetal, e no Instituto de Biofísica e Engenharia Biomédica (IBEB) de Ciências, 12 cientistas diferentes dos que diariamente os frequentam. À primeira vista, vestidos a rigor, com a bata branca e a curiosidade e entusiasmo na descoberta, já se faziam notar cientistas. No entanto, os estudantes frequentam o 12.º ano do Colégio São João de Brito.

A visita à Faculdade enquadra-se no Programa de Orientação Escolar e Vocacional, daquele colégio. A iniciativa estende-se aos alunos do 8.º ao 12.º ano e pretende que os alunos “contactem com uma profissão que desejam seguir. O objetivo é também o de aproximar a escola do mundo do trabalho e, quando possível, que os alunos sejam “sombra” de alguém. Que possam observar, fazer perguntas, tirar dúvidas”, explicou a psicóloga Fátima Perloiro.

 

alunos no laboratório
À primeira vista, vestidos a rigor, com a bata branca e a curiosidade e entusiasmo na descoberta, os alunos do Colégio São João de Brito já se faziam notar cientistas
Fonte Fotografia de GCIC

As atividades desenvolvidas em Ciências foram selecionadas de acordo com os interesses manifestados pelos alunos. Desta forma, “tomaram contacto com atividades experimentais em curso em diferentes laboratórios de investigação, nomeadamente técnicas de Biologia Molecular (mini-preparações de DNA plasmídico, géis de análise de DNA e de proteínas, técnicas de transformação de células bacterianas e de mamífero) e de Biologia Celular (cultura de células humanas, microscopia de fluorescência e automatizada), nos laboratórios do BioFIG, e algumas técnicas de neurociências nos laboratórios do IBEB (análise de imagens para diferentes tipos de diagnóstico) ”, informaram os professores do departamento a acompanhar os alunos, Margarida Amaral e Carlos Farinha. Para os professores, esta iniciativa revela-se interessante porque “é uma maneira de mostrar aos potenciais novos alunos o que fazemos e também porque é importante para a Universidade reforçar os seus laços com a sociedade”.

Alunos no laboratório
 Para os professores Margarida Amaral e Carlos Farinha, esta iniciativa revela-se interessante porque “é uma maneira de mostrar aos potenciais novos alunos o que fazemos e também porque é importante para a Universidade reforçar os seus laços com a sociedade”
Fonte Fotografia de GCIC

Para a aluna Ana Margarida Antunes, ser cientista é bastante diferente da ideia que tinha antes de visitar a Faculdade: “em certos aspetos, não tinha ideia da realidade. Aqui fiquei a conhecer melhor toda esta envolvente. Investigação científica é a área que me interessa, vir aqui abriu muito mais o meu campo de possibilidades. Adorei fazer as atividades práticas, mexer nos aparelhos, pipetas, compostos, foi muito bom!”.

Afonso Cardal ficou surpreendido. Afinal, trabalhar num laboratório pode ser mais divertido do que imaginou: “não tinha muita noção de como era a vida num laboratório. Agora já sei o que se faz na prática. Nos laboratórios, esclareceram-me que há sítios em que até é possível ouvir música e, de vez em quando, cantar”.

Para Diogo Salgueiro a verdadeira surpresa foi descobrir que “existe trabalho em grupo, em conjunto. Julguei que o trabalho do cientista era mais solitário mas afinal há trabalho de equipa!”.

alunos em laboratório
"Adorei fazer as atividades práticas, mexer nos aparelhos, pipetas, compostos, foi muito bom!”, partilhou a aluna Ana Margarida Antunes
Fonte Fotografia de GCIC

Os alunos da Faculdade foram essenciais na partilha de ensinamentos. Durante o período de aulas, explicaram e exemplificaram as atividades em desenvolvimento. Depois das experiências, houve tempo ainda para uma conversa entre “colegas”.

“Todos eles querem perceber em que se baseia o curso, como é que daqui para a frente avançam, quais são as opções, as saídas profissionais, o que vão aprender. Acho que é uma ótima iniciativa! Eu própria tinha muitas das dúvidas que eles têm agora. Acho muito importante que esclareçam as suas dúvidas connosco, “abre-lhes os olhos”, veem com o que vão lidar daqui para a frente”, explicou a aluna do 3.º ano do curso de Bioquímica, Beatriz Santos.

Depois das experiências e da conversa com os alunos, o estudante do 12.º ano, Afonso Botelho, partilhou: “Estou muito mais esclarecido. Foi extremamente interessante e, sem dúvida, vai ter uma grande influência nas decisões a tomar para o meu futuro. Se houvesse a oportunidade de voltar a experimentar esta realidade aqui em Ciências, continuaria interessado”. A colega Helena Cunha, acrescentou: “é sempre importante esclarecer as nossas dúvidas com pessoas que já passaram pelo mesmo que nós. Estou no 12.º ano e não sei para onde quero ir, portanto acho que qualquer dúvida que possam esclarecer, nem que seja em relação ao ambiente da faculdade, às dificuldades que eles sentiram, é tudo importante para esclarecer o que quero fazer na minha vida”.

alunos e professor no laboratório
Depois das experiências, houve tempo ainda para uma conversa entre “colegas”
Fonte Fotogafia de GCIC

A iniciativa do Colégio São João de Brito teve início no ano de 2007. Em média, por ano, cerca de 100 alunos das áreas das Artes Visuais, Humanidades, Ciências e Tecnologias e Ciências Económicas são integrados em empresas e instituições para desenvolver um período de estágio. No total, 800 estudantes já experimentaram profissões que, por opção, quiseram conhecer de perto, entre elas as desenvolvidas em hospitais, faculdades, agências de publicidade, ateliers de arquitetura, ateliers de fotografia e de pintura, estações de televisão, editoras de livros, farmácias, empresas de construção civil, aeroporto, jardim zoológico, explorações agrícolas, clínicas veterinárias, empresas na área da aviação, tecnologia, combustíveis, telecomunicações, informática, exército, marinha, serviços de psicologia.

Luísa Lencanstre despediu-se de Ciências dizendo: “Eu gosto muito de Química, é uma hipótese voltar a Ciências como aluna!”

Para a Luísa e todos os que o quiserem voltar a Ciências, fica o até já, cientistas!

Alunos e professores no exterior do C8
A visita à FCUL enquadrou-se no Programa de Orientação Escolar e Vocacional, do Colégio São João de Brito
Fonte Fotografia cedida por Margarida Amaral

“Já conhecia o Programa de Orientação Escolar e Vocacional do Colégio S. João de Brito – a minha filha mais nova é aluna do 9.º ano do Colégio e tem beneficiado dessa orientação. Desconhecia, no entanto, que envolvia iniciativas como esta, em que os alunos são imersos num ambiente profissional. É uma excelente ideia e, como pai e como diretor de Ciências, só posso apoiá-la entusiasticamente, esperando que seja alargada a outras áreas científicas. É ainda interessante notar que a orientação vocacional tem grande tradição no Colégio São João de Brito. Quando eu por lá passei, há algumas décadas, fui aconselhado a “ir para ciências ou para Medicina”. Falharam estrondosamente na minha veia médica mas gosto de acreditar que acertaram na minha vocação de químico”.
Comentário do professor José Artur Martinho Simões, diretor de Ciências e antigo aluno do Colégio São João de Brito

Raquel Salgueira Póvoas, Gabinete de Comunicação, Imagem e Cultura
info.ciencias@fc.ul.pt

O DM está na Futurália

Para Duarte Flor, presidente da associação académica e aluno do 12.º ano em Ciências, é importante que os candidatos ao ensino superior visitem as instalações de uma faculdade.

Desenho de uma figura masculina

“Existe um espaço onde o sentimento de pertença a uma escola pode ser reavivado", afirma Miguel Ramos.

Aluna junto a uma das colunas do átrio do C6

A mostra pictórica da atividade científica da FCUL é inaugurada a 13 de março. Conheça as razões pelas quais deve visitar a exposição.

O que são líquidos iónicos? Num dos primeiros programas do ano, o Com Ciência entrevistou o professor e investigador da FCUL, Carlos Nieto de Castro sobre esta classe de solventes.

Desenho de uma figura masculina

A data de lançamento do livro ainda não é pública, mas o evento deverá ocorrer brevemente, na Faculdade de Belas-Artes da UL.

Ontem evocou-se o Dia das Doenças Raras. A fibrose quística é um desses males incomuns. A investigação científica é importante em todos os setores, mas ganha especial sentido em áreas como esta.

Cerca de 20 professores de Ciências da Natureza e Ciências Naturais de nove concelhos portugueses participam na atividade promovida pelo MNHNC-UL a decorrer até abril.

Imagem de um folheto promocional

A FCUL volta a marcar presença no evento, juntamente com outras unidades orgânicas da UL.

Fotografia com pontos de interrogação

Alunos finalistas aconselham Engenharia da Energia e do Ambiente. Testemunhos de Guilherme Gaspar e Ricardo Leandro.

Fotografia de mesa com cinco pessoas sentadas, na Reitoria da UL

A rede pretende formalizar colégios doutorais em áreas transversais. Opinião de Maria Amélia Martins-Loução.

Fotografia de pessoas sentadas num dos anfiteatros da FCUL

A iniciativa acontece a 17 de março e é organizada pelos Departamentos de Física e de Informática.

Fotografia de Dois voluntários, sentados junto a uma banca no átrio do C5

Em fevereiro estão abertas inscrições para a admissão de novos voluntários.

A FCUL participa em "Programa de Estudos Avançados" com mais quatro instituições universitárias portuguesas e brasileiras.

Vale a pena recordar a iniciativa do Gabinete de Mobilidade, Estágios e Inserção Profissional da FCUL.

Fotografia de alunos a andarem, junto ao C8

A primeira edição do curso realiza-se já em 2012.

Outra forma de fazer turismo.

Artigo de investigadores do CeGUL e docentes do GeoFCUL no Top 25.Artigo de investigadores do CeGUL e docentes do GeoFCUL no Top 25

O Encontro decorreu em Junho no GeoFCUL.

Páginas