Proceedings of the Royal Society B

Aquecimento global está a separar casais de albatrozes

Subida da temperatura do mar é fator preponderante na taxa de “divórcios” da espécie de albatroz-de-sobrancelha de New Island

 albatrozes-de-sobrancelha

O albatroz-de-sobrancelha habita as águas costeiras do sul do Brasil, as ilhas Malvinas e a Geórgia do Sul

JPG

Um estudo liderado por um estudante do doutoramento em Biologia e Ecologia das Alterações Globais sobre a influência da temperatura da água do mar nos “divórcios” de uma população de albatrozes demostrou, pela primeira vez, uma influência direta do meio ambiente nas taxas de separação desta espécie monogâmica.

A investigação, realizada nas ilhas Malvinas, destaca a forma como as condições ambientais, nomeadamente as alterações ligadas ao aquecimento global, podem ter consequências nas populações de animais selvagens.

Environmental variability directly affects the prevalence of divorce in monogamous albatrosses” é o título do artigo publicado na edição de novembro da revista científica Proceedings of the Royal Society B.

Os professores José Pedro Granadeiro e Paulo Catry são os orientadores de Francesco Ventura.

São cinco os investigadores que integram a equipa deste estudo. Francesco Ventura, estudante de doutoramento em Biologia e Ecologia das Alterações Globais e investigador no Centro de Estudos do Ambiente e do Mar (CESAM), polo Ciências ULisboa, é o primeiro autor.

José Pedro Granadeiro, professor do Departamento de Biologia Animal e investigador no CESAM Ciências ULisboa; Paul M. Lukacs, investigador da W. A. Franke College of Forestry and Conservation da Universidade de Montana, nos EUA; Amanda Kuepfer, investigadora do South Atlantic Environmental Research Institute, nas ilhas Malvinas; Paulo Catry, investigador do Centro de Ciências do Mar e do Ambiente (MARE), polo do ISPA – Instituto Universitário, também assinam o artigo.

A monogamia social é uma prática muito comum em aves, sendo que os albatrozes são conhecidos por formarem os casais mais fiéis e longevos do reino animal. Contudo, embora a uma taxa reduzida, os “divórcios” são uma realidade e, no caso do albatroz-de-sobrancelha de New Island, nas ilhas Malvinas, são mais frequentes em anos com temperaturas da superfície do mar mais elevadas. O albatroz-de-sobrancelha habita as águas costeiras do sul do Brasil, as ilhas Malvinas e a Geórgia do Sul.

Usando uma base de dados onde foram registando o destino de cerca de 500 casais de albatrozes ao longo de quase duas décadas, os cientistas monitorizaram a ocorrência de eventos de “divórcio”, ou seja, casos em que ambos os membros de um par previamente estabelecido estavam vivos na colónia, mas pelo menos um deles se encontrava a nidificar com um novo parceiro. Os investigadores descobriram que a taxa anual de separação variou substancialmente no tempo, flutuando entre 1% e 8% de ano para ano. Os resultados da análise sugeriram, desde o início, que estas variações se deviam às mudanças das condições ambientais enfrentadas pelos albatrozes reprodutores.

O artigo já recebeu atenção por parte dos media, tendo o assunto sido alvo de várias notícias em mais de 50 canais de comunicação, com destaque também para o artigo publicado na Wilder.

O estudo da monogamia social e do “divórcio” em aves tem uma longa história e têm sido propostas muitas hipóteses para explicar a razão que leva esses animais a separarem-se. Em geral, é considerada uma estratégia para corrigir as parcerias subótimas, sendo desencadeado por falhas em tentativas de reproduções anteriores. Em geral o “divórcio” é iniciado pelas fêmeas, que deixam o ex-parceiro para se reproduzirem com um parceiro "melhor".

Paulo Catry, coordenador do estudo sobre albatrozes nas ilhas Malvinas, explica que o sucesso reprodutor não é suficiente para explicar todas as separações: “É verdade que casais que falham uma tentativa de reprodução são cinco vezes mais propensos a divorciarem-se. No entanto, muitos casais que não tiveram sucesso permaneceram juntos e alguns que tiveram sucesso divorciaram-se de qualquer forma".

Os modelos estatísticos usados nesta investigação mostram que independentemente do sucesso anterior, os casais de albatrozes são consistentemente mais propensos a divorciarem-se em anos caracterizados por temperaturas da superfície do mar mais elevadas. As temperaturas da superfície do oceano são consideradas indicadores úteis da disponibilidade de alimento para as aves marinhas, com temperaturas mais baixas propiciando águas ricas em nutrientes e mais produtivas, e temperaturas mais altas indicando condições de poucos recursos.

Francesco Ventura e a equipa já sabiam que os albatrozes-de sobrancelha de New Island têm mais dificuldade em reproduzir-se com sucesso em temporadas com águas mais quentes, mas agora têm provas. “O nosso estudo representa a primeira evidência quantitativa de um impacto direto do meio ambiente no divórcio”, diz.

albatroz
Colónia de albatrozes-de-sobrancelha
Fonte JPG

“Isto fez-nos pensar sobre as várias formas, não imediatamente óbvias, pelas quais as mudanças ambientais e climáticas podem afetar as populações selvagens.”
Francesco Ventura

José Pedro Granadeiro aponta duas explicações possíveis para a ocorrência destas situações. “Em anos maus, os custos de reprodução são maiores e isso pode fazer com que os albatrozes precisem de mais tempo para se prepararem para a estação reprodutora seguinte, chegando mais tarde e de forma assíncrona à colónia de nidificação o que, em última instância, leva a que se divorciem com maior frequência”, conta, acrescentando que, "em anos mais difíceis, as aves têm mais dificuldades em encontrar alimento, e podem ter níveis mais elevados de hormonas de stress. Se um membro do casal, provavelmente a fêmea, atribuir erroneamente o seu próprio stress a um mau desempenho do parceiro nos cuidados parentais, isso pode também levar à rutura de uma relação de casal".

CESAM com ACI Ciências ULisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt
Alunos da FCUL

A Schlumberger realiza uma sessão de recrutamento em Ciências. As grandes empresas procuram os melhores profissionais. A FCUL apoia a inserção profissional dos seus diplomados.
 

O evento é uma organização conjunta da Norton/Symantec e do mestrado em Segurança Informática do DI-FCUL.

O DM está na Futurália

Para Duarte Flor, presidente da associação académica e aluno do 12.º ano em Ciências, é importante que os candidatos ao ensino superior visitem as instalações de uma faculdade.

Desenho de uma figura masculina

“Existe um espaço onde o sentimento de pertença a uma escola pode ser reavivado", afirma Miguel Ramos.

Aluna junto a uma das colunas do átrio do C6

A mostra pictórica da atividade científica da FCUL é inaugurada a 13 de março. Conheça as razões pelas quais deve visitar a exposição.

O que são líquidos iónicos? Num dos primeiros programas do ano, o Com Ciência entrevistou o professor e investigador da FCUL, Carlos Nieto de Castro sobre esta classe de solventes.

Desenho de uma figura masculina

A data de lançamento do livro ainda não é pública, mas o evento deverá ocorrer brevemente, na Faculdade de Belas-Artes da UL.

Ontem evocou-se o Dia das Doenças Raras. A fibrose quística é um desses males incomuns. A investigação científica é importante em todos os setores, mas ganha especial sentido em áreas como esta.

Cerca de 20 professores de Ciências da Natureza e Ciências Naturais de nove concelhos portugueses participam na atividade promovida pelo MNHNC-UL a decorrer até abril.

Imagem de um folheto promocional

A FCUL volta a marcar presença no evento, juntamente com outras unidades orgânicas da UL.

Fotografia com pontos de interrogação

Alunos finalistas aconselham Engenharia da Energia e do Ambiente. Testemunhos de Guilherme Gaspar e Ricardo Leandro.

Fotografia de mesa com cinco pessoas sentadas, na Reitoria da UL

A rede pretende formalizar colégios doutorais em áreas transversais. Opinião de Maria Amélia Martins-Loução.

Fotografia de pessoas sentadas num dos anfiteatros da FCUL

A iniciativa acontece a 17 de março e é organizada pelos Departamentos de Física e de Informática.

Fotografia de Dois voluntários, sentados junto a uma banca no átrio do C5

Em fevereiro estão abertas inscrições para a admissão de novos voluntários.

A FCUL participa em "Programa de Estudos Avançados" com mais quatro instituições universitárias portuguesas e brasileiras.

Vale a pena recordar a iniciativa do Gabinete de Mobilidade, Estágios e Inserção Profissional da FCUL.

Fotografia de alunos a andarem, junto ao C8

A primeira edição do curso realiza-se já em 2012.

Outra forma de fazer turismo.

Artigo de investigadores do CeGUL e docentes do GeoFCUL no Top 25.Artigo de investigadores do CeGUL e docentes do GeoFCUL no Top 25

O Encontro decorreu em Junho no GeoFCUL.

Páginas