Artigo na Science Immunology

Importante contributo para a compreensão da resposta imunitária humana

Sumário gráfico do trabalho

Um grupo de investigadores utilizou gânglios linfáticos, amígdalas e sangue para mostrar como as células que controlam a produção de anticorpos são formadas e atuam

Imagem cedida pelos autores
Saumya Kumar
Saumya Kumar é a primeira autora do estudo
Imagem cedida pelos autores

Um grupo de investigadores utilizou gânglios linfáticos, amígdalas e sangue para mostrar como as células que controlam a produção de anticorpos são formadas e atuam. Estes dados permitirão desenhar estratégias que controlem a regulação do sistema, podendo contribuir para a resolução de doenças autoimunes ou alergias, segundo comunicado de imprensa emitido pelo iMM.

Este estudo “Developmental bifurcation of human T follicular regulatory cells” publicado recentemente na Science Immunology, uma das cinco publicações científicas mais prestigiadas da área da Imunologia, é coordenado por Luís Graça, investigador do Instituto de Medicina Molecular João Lobo Antunes (iMM) e professor da Faculdade de Medicina (FM) da ULisboa, tem como primeira autora Saumya Kumar e contou com a participação de Válter R. Fonseca, Filipa Ribeiro, Afonso P. Basto, Ana Água-Doce, Marta Monteiro, Dikélélé Elessa, Ricardo J. Miragaia, Tomás Gomes, Eliane Piaggio, Elodie Segura, Margarida Gama-Carvalho e Sarah A. Teichmann.

Saumya Kumar desenvolve o seu trabalho no âmbito da rede europeia ENLIGHT-TEN, da qual o iMM faz parte, e é aluna do programa doutoral do Centro Académico Médico de Lisboa, sob orientação de Luís Graça, e coorientação de Margarida Gama-Carvalho, professora do Departamento de Química e Bioquímica da Ciências ULisboa e investigadora do Instituto de Biossistemas e Ciências Integrativas (BioISI).

Para estudar as células humanas envolvidas na produção de anticorpos após vacinação, os cientistas utilizaram uma tecnologia que surgiu muito recentemente – identificando por sequenciação todos os genes que estão ativados em cada célula individualmente. A informação assim obtida permite conhecer, com um detalhe extremamente elevado, os genes e moléculas envolvidos na regulação da produção de anticorpos. Deste modo, abre-se um vasto leque de oportunidades para tentar estimular ou inibir algumas destas moléculas com o objetivo de potenciar a produção de anticorpos em vacinas, ou diminuir a produção de anticorpos em doenças por eles causadas (como a autoimunidade ou alergia).

Para Luís Graça, quando os sistemas biológicos do organismo não são adequadamente regulados surge a doença. “É o conhecimento da regulação do organismo que permite corrigir essas situações patológicas”, diz, acrescentando que “para compreender o poder desta tecnologia devemos notar que todas as nossas células têm os mesmos genes. O que torna um neurónio diferente de um linfócito é que cada célula só está a utilizar a informação de um conjunto diferente de genes. Assim, quando após a vacinação um linfócito inicia o processo de controlar a produção de anticorpos, vai ligar alguns genes e desligar outros. Foi isto que estudámos para centenas de células simultaneamente”.

De acordo com Saumya Kumar, quando o estudo começou, há quatro anos, não havia alguma da tecnologia que os investigadores acabaram por utilizar, concluindo que o avanço tecnológico tem sido extraordinário.

O artigo publicado é um exemplo da importância da investigação interdisciplinar entre as áreas da imunologia experimental, das tecnologias de sequenciação de larga escala (conhecidas por transcritómica), e da bioinformática e biologia computacional na compreensão de processos fundamentais da biologia humana, desenvolvidas no grupo de Biologia de Sistemas do RNA do BioISI Ciências ULisboa.

Margarida Gama-Carvalho
Para Margarida Gama-Carvalho as ciências biológicas requerem a integração de equipas multidisciplinares e um forte know-how nas áreas da Bioinformática e Biologia Computacional
Imagem cedida pelos autores

Para Margarida Gama-Carvalho, “este trabalho é um exemplo extraordinário de quão poderosas são as novas tecnologias de sequenciação e os métodos de análise ao nível de célula única, permitindo fazer a reconstrução temporal e espacial dos processos de diferenciação celular essenciais às respostas de defesa imunitária, que decorrem dentro do ambiente complexo do nosso organismo, fora do nosso alcance”. A cientista acrescenta ainda que este trabalho é também uma boa demonstração de como nos dias de hoje as ciências biológicas requerem a integração de equipas multidisciplinares e um forte know-how nas áreas da Bioinformática e Biologia Computacional.

ACI Ciências ULisboa com iMM
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt
Rita Cascão

O sucesso do Biobanco-IMM é promovido pelo contínuo aumento de parcerias e colaborações não só com empresas de biotecnologia e unidades de saúde, mas também com institutos de investigação científica e investigadores académicos de ciências básicas, como os investigadores da FCUL.

SIMPLES AZULEJOS

Azulejos quadrados e Matemática

 

Bandeira de Marrocos

Atualmente a equipa prossegue com os trabalhos de correção de falhas e de afinação do CuCo de modo a dar apoio às sete faculdades marroquinas e a prepará-lo também para entrar em operação no DI-FCUL já no próximo ano letivo.

José Afonso

Chama-se galáxia IRAS 08572+3915 e é a mais luminosa do universo local. José Afonso é um dos membros da equipa de astrónomos internacionais, que anunciou recentemente a descoberta. O investigador da FCUL e dirigente do CAAUL é muito otimista quanto ao presente e futuro desta área científica.

Consulte informação adicional aqui.

Bill Fyfe foi um grande amigo de Portugal. Orientou ou coorientou vários doutoramentos de portugueses, acerca de temas relevantes para Portugal e fomentou as ligações científicas entre Portugal-Brasil-Canadá. Em 1990 a Universidade de Lisboa outorgou-lhe o grau de doutor honoris causa.

Uma das consequências do aumento da disponibilidade de fontes laser de maior potência, compactas e a baixo preço é o aumento da sua má utilização.

Circo Matemático

“O objetivo do Circo é mostrar que é possível utilizar resultados matemáticos para produzir resultados espetaculares e para divertir e motivar as pessoas”, explicou o professor da FCUL, Pedro Freitas.

Temos sido pioneiros de muito boas práticas no ensino superior. Uma excelente escola e nós, que cá estamos, sabemos isso. E os alunos também. Os que cá estão e os que já cá estiveram. Mas hoje não chega. Temos que saber responder aos desafios e temos que exportar as nossas mais-valias.

Inscrições 2013/2014

Atualmente estudam na FCUL mais de cinco mil alunos, a maioria conhece bem os cantos da casa centenária, outros nem tanto, por isso é especialmente importante o acolhimento dado durante o arranque do ano letivo, que o digam a Catarina, a Leonor e o Ricardo!

Joaquim Dias

Num planeta com mais de 7000 milhões de pessoas, vão ser necessárias quantidades enormes de alguns recursos naturais que começam a escassear. Chegará em breve a era da mineração submarina? Existe tecnologia adequada? Será possível a mineração em condições de preservar a diversidade natural dos ecossistemas marinhos?

Ana Bastos

Através de diversas atividades práticas vamos aprender qual o papel do sol na dinâmica da atmosfera e do oceano, qual a importância dos oceanos, das calotes polares e da vegetação, como se formam as nuvens e os sistemas meteorológicos, e como funciona o ciclo da água.

Foi a 26 de Outubro que se realizou a Maratona Inter-Universitária de Programação, 2013, (MIUP2013).

Uma das surpresas do Dia Internacional passa pela exposição do concurso de fotografia lançado recentemente e alusivo ao tema “Mobilidade Internacional”.

Maria Inês Cruz

Atualmente, para além do “básico” lápis de grafite com que todos ainda escrevemos, até o desenvolvimento dos carros híbridos está dependente da evolução e extração dos recursos da nossa “casa”.

Susana Custódio

Como é que são gerados os tremores de Terra? E os tsunamis? Como é que nós reconhecemos no terreno a existência de tsunamis antigos? Porque é que na Nazaré vemos ondas tão grandes? Todos estes fenómenos são o reflexo de um enorme dinamismo do nosso planeta.

SCOPUS é também uma ferramenta para estudos bibliométricos e avaliações de produção científica.

Na cobertura dos edifícios da Universidade de Lisboa foi recentemente instalada a maior central fotovoltaica da cidade de Lisboa. Para além da bela vista sobre o Jardim do Campo Grande, vamos poder apreciar os desafios e o potencial dos telhados urbanos para produção de eletricidade solar.

A empresa SISCOG – Sistemas Cognitivos, SA, procura candidato para integrar a sua equipa.

J. A. Quartau

Na verdade, considerando apenas as abelhas, se estas fossem recompensadas pelo seu trabalho na polinização dos pomares e de outras plantas cultivadas, teríamos que lhes pagar como fatura anual global pelo menos setenta mil milhões de euros, a que seria ainda necessário adicionar várias centenas de milhões pelos lucros adicionais com a produção de mel e de cera.

Livre acesso a trabalhos dos cientistas laureados com o Prémio Nobel 2013

Palmira Carvalho, Raquel Barata e David Felismino

O Jardim Botânico deve, mais do que nunca e no futuro, ser encarado como um espaço de coesão urbana, fundamental e complementar ao espaço edificado e à sua articulação com a envolvente, em termos ecológicos, estéticos, culturais, históricos, sociais e económicos.

As aulas de Projeto Empresarial começam em fevereiro de 2014. Enquanto o 2.º semestre não chega, a FCUL desafia os alunos a testarem ideias no passatempo do Tec Labs Centro de Inovação da FCUL e quem sabe participar na 2.ª edição do YA Bootcamp.

Páginas