Colégio Pedro Arrupe em Ciências

À descoberta das energias renováveis


Depois de ouvidas as explicações, foi altura de ver de perto os painéis solares iguais ao que o Samuel construiu na aula
Fonte GCIC

Tudo começou com uma construção de Lego. Samuel, de seis anos, aluno do Colégio Pedro Arrupe, construiu um painel solar numa das aulas. Os colegas, curiosos, fizeram soar as suas perguntas: “Mas o que é isso?”, “É um carrinho solar?”, “Para que serve?”.

Duas alunas da Escola Superior de Educação de Lisboa (ESELx), atentas à curiosidade dos alunos, organizaram a visita no âmbito do seu projeto de estágio enquanto educadores de infância.

As respostas foram dadas na Faculdade de Ciências, durante uma visita efetuada pelos Serviços Centrais da ULisboa aos painéis solares - os reais não os de lego -, instalados no telhado do edifício C4, e num workshop de “Rabiscos Solares”, realizado no âmbito do Energia nas Escolas, um projeto de um grupo formado por alunos do Mestrado Integrado em Engenharia da Energia e do Ambiente de Ciências.


"Nada melhor do que plantar esta semente cheia de desafios desde cedo, nos cidadãos de amanhã, as crianças”, reforçou Sara Freitas
Fonte GCIC

Durante a visita, 26 crianças contactaram com a estrutura base de uma instalação fotovoltaica, perceberam como se produz eletricidade a partir do Sol e a importância deste procedimento.
Ao longo das explicações, os dedos no ar impuseram-se para fazer perguntas sobre as cores dos painéis, o porquê de estarem tão quentes, que diferenças existem entre os painéis fotovoltaicos e os coletores térmicos, entre outras.

Rita e Mariana, outras alunas daquele colégio, deram conta de alguns pormenores do que aprenderam nos telhados do edifício C4: “vimos muitos painéis solares. Nunca tínhamos visto! O senhor disse que o Sol batia neles, depois aqueciam e produziam eletricidade”.


A atenção dedeicada ao assunto manteve-se durante o workshop "Rabiscos Solares"
Fonte GCIC

No workshop “Rabiscos Solares” aprenderam que materiais são necessários para se montar uma máquina para fazer desenhos através da luz do sol, aplicando depois estes conhecimentos numa atividade prática.


Workshop “Rabiscos Solares”
Fonte GCIC

“As energias renováveis são uma realidade cada vez mais próxima do quotidiano de todos os cidadãos. Por isso, antes de encorajar à sua instalação futura, deve-se promover o conhecimento de como é que elas funcionam e do papel que desempenham num futuro mais sustentável ambientalmente e energeticamente. Nada melhor do que plantar esta semente cheia de desafios desde cedo, nos cidadãos de amanhã, as crianças”, reforçou Sara Freitas, aluna do 1.º ano do doutoramento em Sistemas Sustentáveis de Energia, a coordenar a atividade enquanto membro do Centro de Sistemas de Energia Sustentáveis da ULisboa (SESUL).


Alunos constroem uma máquina para fazer desenhos através da luz do sol
Fonte GCIC

A acompanhar a visita, as mães, Margarida Alves e Paula Calado, comentaram o interesse das crianças: “gostam sempre de descobrir e de aprender algo novo, algo que não tenham conhecimento suficiente”. Embora bastante novos, esta atividade permite, entre outros aspetos, que as crianças “fiquem com a consciência de que existem outros meios alternativos e não só meios poluentes. Permite também que percebam que, utilizando outras energias, é possível gastar menos dinheiro. São pequeninos, mas fica sempre alguma coisa!”, concluiram.

Para a professora do Colégio Pedro Arrupe, o objetivo desta visita passa por fazer com que os alunos “percebam que o conhecimento pode ser adquirido de várias formas, não só através da Internet, a que agora estão mais habituados, ou dos livros, mas também através das pessoas. A experiência de ir a faculdades, como a de Ciências, ajuda-os a perceber que é possível adquirir conhecimento de outras formas e que através de outras pessoas podemos aprender ainda mais”.


No pátio do C6, os ensinamentos foram postos em prática
Fonte GCIC

As visitas à Central de Minigeração fotovoltaica – aos telhados da Faculdade, ao Campus Solar, ao Laboratório de Aplicações Fotovoltaicas e Semicondutores e às Oficinas de carrinhos solares, podem ser solicitadas para o email solar@fc.ul.pt.

Por sua vez, o projeto “Energia nas Escolas”, que consiste na difusão de conhecimento sobre este assunto nas escolas procurando "aproximar universos escolares distintos, com o objetivo de cativar o interesse de crianças, jovens e professores dos ensinos básico e secundário para as questões relacionadas com as energias renováveis”, pode ser solicitado através do mesmo email - energiaescolas@fc.ul.pt.

 


Fonte GCIC

Raquel Salgueira Póvoas, Gabinete de Comunicação, Imagem e Cultura
info.ciencias@fc.ul.pt
Sala de aula com alunos sentados e tomando notas

"Os estudantes da FCUL, incluindo os estudantes de licenciatura, dispõem do background e conhecimentos certos para participar nestes módulos", esclarece Nathalie Gontier, coordenadora do laboratório AppEEL e das respetivas Escolas de Inverno e de Verão.

Rosto de Vera Carvalho

As inscrições para o programa Erasmus terminam a 10 de fevereiro. Se tens interesse neste programa de mobilidade conhece a história de Vera Carvalho, aluna Erasmus na Dinamarca.

Pormenor de obra de arte

Para os fundadores do AppEEL, este laboratório pode ser considerado o primeiro centro no mundo a reunir investigadores que estudam a evolução sociocultural a partir das teorias que formam parte da Síntese Expandida.

 

O Departamento de Matemática recebeu ontem, dia  4 de Fevereiro, cerca de 70 alunos (9º ano) do  Agrupamento de Escolas D. Miguel de Almeida - Abrantes.

Entre os empregos mais bem pagos contam-se os que estão ligados às engenharias.

Capa

Esta coleção de Livros Brancos foi organizada pela META-NET, uma rede de excelência parcialmente financiada pela Comissão Europeia, que levou a cabo uma análise dos recursos e tecnologias da linguagem atualmente disponíveis. A análise abordou as 23 línguas oficiais europeias assim como outras línguas importantes na Europa a nível nacional e regional. 

O Prémio João Branco é uma iniciativa conjunta da Universidade de Aveiro e da família do designer Jo

Dia 4 Fevereiro 2013 – 14:00h às 19:30h (Sala 2.2.15)

Primeiro plenário do IPBES

Grupo liderado por Henrique Miguel Pereira, investigador do Centro de Biologia Ambiental da FCUL, submete à apreciação da comunidade científica o desenvolvimento de um sistema de monitorização da biodiversidade baseado num conjunto de variáveis essenciais.

Rosto de Maria Antónia Amaral Turkman

“Ao longo dos últimos dois séculos a Estatística foi indispensável em confirmar muitas das maiores descobertas científicas e inovações da humanidade, tais como a partícula bosão de Higgs e a Revolução Verde na agricultura”, declaram Daniel Paulino, presidente da Sociedade Portuguesa de Estatística e Maria Antónia Amaral Turkman, coordenadora do CEAUL.

Dois artigos -- contando com docentes e investigadores do GeoFCUL no seu elenco de autores -- assinalados no “TOP 25 Hottest Papers” de Abril-Junho de 2011 da revista Journal of South American Earth Studies (Sciencedirect / Elsevier).

Henrique Leitão foi eleito membro efetivo da Académie International d'Histoire des Sciences, pela relevância da sua carreira e produção intelectual. Para o historiador das ciências foi uma “honra enorme” receber a distinção, “a maior ambição de qualquer estudioso ou cientista”.

Proposal for a REGULATION OF THE EUROPEAN PARLIAMENT AND OF THE COUNCIL.

Laying down the rules for the participation and dissemination in 'Horizon 2020 – the Framework Programme for Research and Innovation (2014-2020).

EUA represents over 850 universities and university associations across 47 European countries. Its highly diverse membership covers the full spectrum of universities participating in European research programmes.

Vai realizar-se de 18 a 20 de Março de 2013, em honra do Professor Ross Leadbetter, o "Symposium on Recent Advances in Extreme Value Theory ".

Face de Maria Amélia Martins-Loução

O Flora-On sistematiza informação fotográfica, geográfica, morfológica e ecológica de todas as espécies de plantas vasculares autóctones ou naturalizadas listadas para a flora de Portugal. Atualmente, através deste portal acede a 164 famílias, 836 géneros e 2991 espécies.

Cortejo académico na Aula Magna

A cerimónia de abertura do ano letivo de 2012/2013 marca uma nova etapa do ensino superior público.
Exegi monumentum aere perennius - Ergui um monumento mais duradouro que o bronze.
Da nova Universidade de Lisboa vê-se o mundo...

Crianças dos 5 aos 9 anos descobrem as Ciências na FCUL

A FCUL abriu as portas do conhecimento aos alunos do Colégio Infantes de Portugal, de Palmela. Durante uma manhã, os laboratórios de Biologia e de Química e Bioquímica foram explorados por cerca de 20 crianças com idades compreendidas entre os 5 e os 9 anos.

Pages