"A Ciência chegou aos Pátios"

Astronomia, Botânica, Geologia, Matemática, Zoologia. Estas são as áreas cujos ensinamentos viajam da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa diretamente para o pátio da escola EB1/JI de Santo António, pertencente ao agrupamento de escolas Rainha D. Leonor, em Lisboa.

Sendo um dos vencedores do concurso Ciência Viva – “Pais com a Ciência”, o projeto “A Ciência chegou aos Pátios” pretende “aumentar o entusiasmo das crianças pela ciência e colmatar as dificuldades financeiras e logísticas que, cada vez mais, limitam a saída das crianças do seu espaço escolar”. A coordenação está a cargo da associação de pais e encarregados de educação dos alunos da escola em questão – Apej.

“A nível profissional, esta experiência certamente trará uma nova forma de encarar os aspetos mais básicos do processo científico, muitas vezes obscurecidos pela velocidade louca da investigação mais especializada. Por outro lado, despertará também a importância de desenvolver investigação em cooperação com e para público escolar mais novo. A nível pessoal, este projeto representa a concretização de um papel que, acredito, cabe aos docentes e investigadores do ensino superior. O número de alunos que opta por cursos nas áreas científicas tem estado a diminuir, e isso representa um forte prejuízo para o país e para a sua capacidade de desenvolvimento, cabendo aos agentes do ensino superior um papel de responsabilidade social no combate a essa iliteracia científica.” 
João Telhada, investigador do Centro de Investigação Operacional da FCUL

A “pôr em prática” os objetivos definidos, estão professores, alunos e investigadores do Centro de Astronomia e Astrofísica da Universidade de Lisboa (CAAUL), do Centro de Investigação Operacional (CIO), do Centro de Biologia Ambiental (CBA) e do Centro de Estruturas Lineares e Combinatórias (CELC), da FCUL. Por parte da Faculdade, estão envolvidos quatro investigadores e um aluno de mestrado.
 

crianças
Os ensinamentos da FCUL viajam diretamente para o pátio da escola EB1/JI de Santo António, pertencente ao agrupamento de escolas Rainha D. Leonor, em Lisboa
Fonte Imagem cedida por José Afonso

Para os cientistas da FCUL envolvidos no projeto - José Afonso, João Telhada, César Garcia e Maria Manuel Torres -, levar as ciências desde cedo aos jovens é uma forma de despertar a curiosidade e o interesse pela área, o que pode ter influência na tomada de decisões futuras: “Todas as oportunidades devem estar acessíveis a todas as crianças. Enquanto investigadores, apenas podemos mostrar-lhes o fascínio da ciência e provar-lhes que esta não é uma atividade ‘para outros’, que eles próprios podem sonhar com uma carreira na investigação ou noutras carreiras indispensáveis ao desenvolvimento do país”.

“O prazer de assistir ao iluminar das mentes infantis quando são colocadas perante um problema e se apercebem que eles próprios lhe podem dar uma solução. Profissionalmente, este é uma das responsabilidades do investigador, a de levar a ciência a todos e divulgar o estado do conhecimento humano.”
José Afonso, investigador do Centro de Astronomia e Astrofísica da FCUL

Entre as atividades desenvolvidas e as temáticas abordadas identificam-se, “o período de rotação do Sol, as fases da Lua, observar a matemática que rodeia o quotidiano e estudar, com base no que os alunos encontram no pátio da escola, algumas espécies vegetais que nascem espontaneamente em Portugal e algumas que foram introduzidas”.

O tema é proposto pelo investigador/docente mas são as crianças que partem à descoberta de informação, formulam as questões e “desbravam caminho”, através da investigação, para chegar às respostas.

“Apesar da experiência com outro projeto: “Um Bosque Perto de Si” onde participaram mais de 4000 alunos e foram visitadas diversas escolas do primeiro ao terceiro ciclo, acompanhar uma escola com uma maior proximidade, visitá-la muitas vezes vai ser muito enriquecedor. Todos estes projetos são fundamentais para motivar, despertar a curiosidade e o interesse pela ciência que pode ser explicada de uma forma divertida e é isso que se pretende.” 
César Garcia, do Centro de Biologia Ambiental da FCUL

crianças
Ao longo do processo, professores e investigadores participam em ações de formação relativas à “aprendizagem ativa no ensino das ciências”, por forma a melhorar os mecanismos de envolvimento dos alunos no projeto
Fonte Imagem cedida por José Afonso

Conceição Henriques, diretora da escola, considera que o projeto “completa o dever da escola porque promove o conhecimento rigoroso [e] científico dos factos naturais, da envolvência e da experiência quotidiana” e, desta forma, “está destinado ao sucesso, engrandece a escola e potencia a sabedoria entre os principais sujeitos de educação: alunos e professores. Uns e outros manifestam o seu contentamento e entusiasmo. É um projeto inovador, enriquecedor e motivador. (…) Não sendo um conhecimento teórico, dificilmente será esquecido”.

Ao longo do processo, professores e investigadores participam em ações de formação relativas à “aprendizagem ativa no ensino das ciências”, por forma a melhorar os mecanismos de envolvimento dos alunos no projeto.

“A ação de formação que já ocorreu focou aspetos funcionais do método de aprendizagem ativa do inglês IBSE – inquiry-based science education - , incluindo métodos de avaliação de atividades associadas a esse método. Relativamente ao projeto, para além do trabalho de preparação dos investigadores e docentes da FCUL em sintonia com o corpo docente da escola, prevê-se a realização de uma palestra por cada um dos investigadores/docentes, de modo a estimular o interesse das crianças pela ciência, e a visita dos alunos ao local de trabalho dos investigadores”, acrescentam os cientistas.

A ação culminará com o desenvolvimento de um artigo online, escrito pelos alunos, com as suas descobertas. A apresentação será feita a colegas, professores, família e ao público num congresso aberto a toda a comunidade escolar , no final do ano letivo.

crianças
A ação culminará com o desenvolvimento de um artigo online, escrito pelos alunos, com as suas descobertas
Fonte Imagem cedida por José Afonso, editada por GCIC-FCUL

 “A nível pessoal, é sempre com enorme satisfação que contacto com crianças do 1.º ciclo, devido à grande curiosidade e motivação para aprender que caracteriza estas faixas etárias. A nível profissional, este tipo de projetos tem uma componente prática e de contacto humano muito importante, que nos permite tomar consciência do modo de pensar e raciocinar das crianças mais novas. Por outro lado, mostrar aos alunos do primeiro ciclo como é que trabalham os cientistas, levá-los a ter consciência do que é o processo criativo em ciência, em particular na matemática, parece-me fundamental para desenvolver uma mentalidade que aproxima os cidadãos dos cientistas (pensando também nas repercussões positivas que estes projetos têm a nível das famílias das crianças).”
Maria Manuel Torres, do Centro de Estruturas Lineares e Combinatórias da FCUL

Raquel Salgueira Póvoas, Gabinete de Comunicação, Imagem e Cultura da FCUL
info.ciencias@fc.ul.pt
Margarida Fortes, docente do Departamento de Biologia Vegetal de CIÊNCIAS dá uma aula em frente a um quadro com uma projeção imagética

Margarida Fortes, professora do Departamento de Biologia Vegetal (DBV) de CIÊNCIAS e líder do grupo Fruit Functional Genomics & Biotechnology (FFGB), visitou a Escola Secundária de Carcavelos no dia 23 de maio, quinta-feira, para assistir à apresentação de um trabalho de alun

Um grupo de membros de Instituições do Ensino Superior, onde se inclui CIÊNCIAS, está reunido em frente a um jardim, em visita à Siemens

 A iniciativa teve como objetivo aproximar a academia do tecido empresarial.

Nuno Gonçalves alcança o segundo lugar na competição 3MT ULisboa.

Nuno Gonçalves foi distinguido com o segundo lugar, na final da competição ‘Três Minutos de Tese – 3MT ULisboa’, que se realizou esta quint

Inês Ventura

Inês Ventura, a desenvolver o seu doutoramento no Centro de Ciências do Mar e do Ambiente (MARE) e no Instituto de Biossistemas e Ciências Integrativas (

Universidade de Lisboa

A Universidade de Lisboa alcança a 260ª posição no QS World University Rankings (SUR) 2025, tornando-se na universidade portuguesa mais bem classificada neste ranking.

Signatários do acordo

Dia 5 de junho foi assinado o acordo para a construção do espectrógrafo ANDES (ArmazoNes high Dispersion Echelle Spectrograph – Espectrógrafo Echelle de alta dispersão do Armazones), entre o Observatório Europeu do Sul (

 Luís Carriço, Diretor de CIÊNCIAS, e David Gonçalves, Dean do Instituto da Ciência e do Ambiente da Universidade de São José (USJ) assinam acordo sentados a uma mesa

CIÊNCIAS assinou no dia 5 de junho um acordo de cooperação com o Instituto da Ciência e do Ambiente da Universidade de São José (USJ), com vista à cooperação científica em várias áreas de interesse comum.

Equipa do projeto 'Ciências em Harmonia'

Esta terça-feira, 28 de maio, o projeto ‘Ciências em Harmonia’ assinalou o seu primeiro ano de atividades: um marco comemorado com um convívio informal com a comunidade, que

António Branco

António Branco, docente do Departamento de Informática de CIÊNCIAS, foi um dos oradores convidados da conferência que

Sabemos que no futuro um sismo de magnitude significativa voltará a atingir Lisboa. Não sabemos é quando. E se o pudéssemos prever? E se existisse uma probabilidade forte de ser já em 2027?

Ana Santos, finalista 3MT ULisboa

Ao longo dos próximos dias, daremos a conhecer os quatro finalistas de CIÊNCIAS que irão participar na final da competição

Painel e sessão de Perguntas & Respostas | Estreia de documentário

Perto de 120 pessoas assistiram este sábado, 25 de maio, à estreia do documentário ‘O que se esconde na luz? A ciência da missão espacial Euclid’, produzido pelo Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (IA).

Investigadores do Instituto Dom Luiz, de CIÊNCIAS, instalaram um sismómetro na Escola Básica Professor Delfim Santos, que se encontra a menos de um quilómetro do Estádio da Luz, em Lisboa, onde vão ter lugar os concertos.

Banner Bênção de Finalistas & Queima das Fitas 2024

Este fim de semana a Alameda da Universidade de Lisboa vai voltar a encher-se de finalistas de CIÊNCIAS e de tantas outras faculdades e universidades. A cerimónia de Bênção de Finalistas decorre amanhã dia 25 de maio, a partir das 11h30.

 

3MT ULisboa 2024

Quatro dos doze finalistas da competição ‘Três Minutos de Tese – Universidade de Lisboa’ são de CIÊNCIAS.

Pinguins-de-adélia

Num artigo agora publicado na Science, investigadores de instituições de renome a nível mundial propõem uma estratégia para envolver todas as partes interessadas na governança do Oceano Antártico através de um processo de ordenamento do espaço marinho (OEM) inteligente do ponto de vista climático.

Impressão artística da missão Euclides no espaço.

A 25 de maio (sábado), às 21h00, vamos ver e compreender as novas imagens de entre as maiores alguma vez feitas do Universo, no Grande Auditório de CIÊNCIAS (Edifício C3). A entrada é livre.

Redes Doutorais Marie Curie Projeto PROMOTE

CIÊNCIAS vai participar numa das propostas vencedoras do concurso 2023 das Redes Doutorais de Ações Marie Skłodowska-Curie (MSCA DN).

Foto de entrega de prémio aos vencedores

No âmbito do projeto Invasives e como atividade inserida na

Dia Nacional dos Cientistas - 16 de maio

O Dia Nacional dos Cientistas foi instituído em 2016 por Resolução da Assembleia da República com o objetivo de reconhecer e celebrar a contribuição vital dos cientistas para o progresso da sociedade.

CIÊNCIAS e OKEANOS em parceria para monitorizar biodiversidade e alterações dos ecossistemas marinhos

Projeto internacional SEAGHOSTS visa a monitorização e conservação das populações de painhos, as aves marinhas mais pequenas do planeta.

Pages