Aidnature

Entrevista com… António Castelo

António Castelo, Aidnature
António Castelo

Planear projetos em toda a Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP), preparar propostas em reuniões com potenciais financiadores, escrever guiões, editar filmes e captar imagens dos locais, fauna e flora, são as atividades desenvolvidas pelo biólogo de Ciências, António Castelo, na organização Aidnature. Neste desafio, classifica como muito importantes os ensinamentos adquiridos em Ciências: “para escrever os guiões e interpretar o que está a acontecer no campo, os conhecimentos de Biologia são fundamentais. Uma grande parte aprendi com a experiência, na verdade, mas as duas coisas andam de mãos dadas. É um processo de feedback constante entre o que está armazenado algures na cabeça e os estímulos que vamos tendo de trabalho de campo. A experiência e o conhecimento teórico alimentam-se mutuamente e esse processo é muito enriquecedor e satisfatório”.

Fique a saber mais sobre a experiência do antigo aluno de Ciências na entrevista a seguir apresentada.

Ciências - Porque escolheu a FCUL e o referido curso?

AC - Na altura estava nos Açores a fazer Biologia Marinha, e foi nessa altura que me comecei a interessar-me mais pela Biologia Evolutiva em concreto, e como essa especificidade não havia lá, voltei para Lisboa. A FCUL era a escolha mais óbvia.

Ciências - O que recorda da Faculdade?

AC - Recordo-me sobretudo dos professores e da matéria que dava nas aulas. A minha "pancada" com evolução é forte e já nessa altura era. Ainda hoje nada me dá mais prazer do que aprender e compreender como funciona a vida na terra. Tive muito bons professores durante o curso e isso foi fundamental até quando, mais tarde, saí para fazer o mestrado em Inglaterra.

Ciências - Recorda-se de algum professor que o tenha marcado?

AC - Um professor que me marcou foi o professor Octávio Paulo. Tinha uma postura totalmente acessível nas aulas e estava mesmo preocupado com a transmissão da informação. Além disso, foi com ele que tive a oportunidade de fazer uma bolsa de iniciação à investigação e trabalhar sob a sua orientação. Foi uma ótima experiência!

Ciências – Quer partilhar connosco um ou outro momento inesquecível desses tempos?

AC - Lembro-me de ter percebido, às tantas, que não queria fazer trabalho de laboratório. Estava a trabalhar na bolsa de iniciação à investigação, e a minha função naquele momento era procurar um parasitismo celular em emacias de Lacerta montícola, e era preciso estofo para aquilo. É preciso um perfil muito específico, quase estoico, para fazer trabalho de investigação e eu percebi que, naquela fase, não era o que eu queria fazer.

Ciências - Algum dia pensou em voltar a estudar em Ciências?

AC - Sim, absolutamente. Quanto mais aprendo sobre trabalho de campo mais sei o quanto não sei, e seria extremamente útil para mim vir a aprender mais e desenvolver um projeto de monitorização ou conservação de uma ou outra espécie em território português através de uma universidade, e Ciências seria uma ótima escolha.

Ciências - De que forma os conhecimentos adquiridos em Ciências são importantes para o projeto que agora integra?

AC - São muito importantes. Para escrever os guiões e interpretar o que está a acontecer no campo os conhecimentos de Biologia são fundamentais. Uma grande parte aprendi com a experiência, na verdade, mas as duas coisas andam de mãos dadas. É um processo de feedback constante entre o que está armazenado algures na cabeça e os estímulos que vamos tendo de trabalho de campo. A experiência e o conhecimento teórico alimentam-se mutuamente e esse processo é muito enriquecedor e satisfatório.

Ciências - É uma atividade bastante apelativa pelo contacto constante com a natureza. Haverá, por certo, vários colegas seus a desejar assumir as mesmas tarefas. O que faz em concreto na organização, como é o dia-a-dia de um biólogo que trabalha na Aidnature?

AC - Neste momento faço tudo. Todos fazemos tudo, aliás. Agora começamos a tentar especializarmo-nos mais e focarmo-nos naquilo em que cada um é melhor, mas ainda não está totalmente instalado esse sistema. Planeio projetos em toda a CPLP, o que me obriga a investigar e tentar saber mais do que existe nesses territórios. Preparo e apresento as propostas em reuniões com potenciais financiadores. Escrevo os guiões e edito os filmes. Mas o que gosto mais de fazer, e o que faço quando estamos no nosso mundo, é captar imagens dos locais, fauna e flora para os nossos documentários. Passamos muito tempo em filmagens e é isso que mais gosto de fazer.

Ciências Que razão o leva a afirmar que filmar é o que lhe “dá mais gozo” neste projeto?

AC - Cada animal, cada comportamento é um desafio. O momento em que conseguimos a imagem de que estamos à espera e que imaginámos na nossa cabeça é de uma adrenalina enorme, que contrasta com a paz que é estar horas no campo à espera. É um trabalho muito emotivo na verdade.

Ciências - Que dificuldades são sentidas durante a concretização dos vídeos e documentários?

AC - A vida selvagem é sempre imprevisível, tal como é o clima. É muito difícil concretizar um plano à risca e essa é talvez a maior dificuldade para quem produz um trabalho deste tipo.

Ciências - Para além dos vídeos e documentários, desenvolvem ainda design gráfico, sites, livros e fotografia, correto?

AC - Sim, é importante tentar comunicar através de vários media. A informação relacionada com o consumo é veiculada através de design super-apelativo, vídeos super-emotivos, sites super-direcionados – a informação relacionada com a conservação e sensibilização ambiental tem que ser nos mesmos formatos, senão nem sequer capta a atenção das pessoas, que já estão insensíveis a tudo o que não seja um super-estímulo.

Ciências - Os trabalhos que são encontrados no vosso portal, partem todos de um pedido específico de determinada instituição ou são por vós idealizados?

AC- Há de tudo. Há documentários que são idealizados por nós e para os quais procuramos parceiros logísticos ou financeiros e há também trabalhos que são comissionados por ONG, empresas ou outras instituições que queriam produzir conteúdos que estejam em linha com o que nós fazemos.

Ciências - Houve algum dos trabalhos que o tenha marcado particularmente?

AC - O vale do Tua foi um lugar que me marcou muito. Por várias razões, uma das quais por ter a sensação que estava a visitar um lugar que vai desaparecer em breve.

Ciências - Há alguma situação caricata que tenha ocorrido durante o seu trabalho e que queira partilhar connosco?

AC - Justamente no vale do Tua aconteceu-me uma boa. Estava num abrigo móvel, que consiste numa cadeira com uma coberta camuflada, à espera de conseguir filmar um guarda-rios que nós sabíamos que visitava um certo charco. Estava sozinho. Era muito cedo, umas 6h00 da manhã, e estava muito frio, embora estivéssemos em agosto. De repente senti uma comichão na perna, pensei que não era nada e ignorei, mas depois voltei a sentir qualquer coisa. Quando abanei a perna, senti uma pressão e foi aí que olhei para baixo e vi que estava uma cobra a subir-me pelas calças a dentro. Assustei-me mas não reagi, e ela saiu devagarinho e foi-se embora. A partir daí, comecei a pôr as calças para dentro das meias sempre que estou nos abrigos.

Ciências - Que conselhos deixa aos seus colegas de Ciências que agora começam a procurar por trabalho na área da Biologia?

AC - O meu conselho é que tentem perceber mesmo o que gostam de fazer, isso é o mais difícil.

Raquel Salgueira Póvoas, Gabinete de Comunicação, Imagem e Cultura
info.ciencias@fc.ul.pt

Investigadores do Instituto Dom Luiz, de CIÊNCIAS, instalaram um sismómetro na Escola Básica Professor Delfim Santos, que se encontra a menos de um quilómetro do Estádio da Luz, em Lisboa, onde vão ter lugar os concertos.

Banner Bênção de Finalistas & Queima das Fitas 2024

Este fim de semana a Alameda da Universidade de Lisboa vai voltar a encher-se de finalistas de CIÊNCIAS e de tantas outras faculdades e universidades. A cerimónia de Bênção de Finalistas decorre amanhã dia 25 de maio, a partir das 11h30.

 

3MT ULisboa 2024

Quatro dos doze finalistas da competição ‘Três Minutos de Tese – Universidade de Lisboa’ são de CIÊNCIAS.

Pinguins-de-adélia

Num artigo agora publicado na Science, investigadores de instituições de renome a nível mundial propõem uma estratégia para envolver todas as partes interessadas na governança do Oceano Antártico através de um processo de ordenamento do espaço marinho (OEM) inteligente do ponto de vista climático.

Impressão artística da missão Euclides no espaço.

A 25 de maio (sábado), às 21h00, vamos ver e compreender as novas imagens de entre as maiores alguma vez feitas do Universo, no Grande Auditório de CIÊNCIAS (Edifício C3). A entrada é livre.

Redes Doutorais Marie Curie Projeto PROMOTE

CIÊNCIAS vai participar numa das propostas vencedoras do concurso 2023 das Redes Doutorais de Ações Marie Skłodowska-Curie (MSCA DN).

Foto de entrega de prémio aos vencedores

No âmbito do projeto Invasives e como atividade inserida na

Dia Nacional dos Cientistas - 16 de maio

O Dia Nacional dos Cientistas foi instituído em 2016 por Resolução da Assembleia da República com o objetivo de reconhecer e celebrar a contribuição vital dos cientistas para o progresso da sociedade.

CIÊNCIAS e OKEANOS em parceria para monitorizar biodiversidade e alterações dos ecossistemas marinhos

Projeto internacional SEAGHOSTS visa a monitorização e conservação das populações de painhos, as aves marinhas mais pequenas do planeta.

Reitoria da ULisboa

O CWUR 2024 avaliou de entre 20.966 instituições de ensino superior e atribuiu à ULisboa o 211.º lugar (top 1.1%) e a 80.ª posição no panorama europeu.

Fotografia de participantes na Training School

CLEANFOREST na vanguarda da compreensão dos efeitos dos extremos climáticos e poluição nas florestas Europeias

Participantes no Dia Aberto

O campus ganhou vida, cor e energia proveniente do entusiasmo dos cerca de 2000 alunos de 170 escolas de norte a sul do País.

CIÊNCIAS esteve presente nesta edição, com a participação dos docentes do Departamento de Física: Alexandre Cabral, no painel de abertura “À conversa sobre carreiras espaciais” e

Semana Internacional da Compostagem

Uma das transformações necessárias às entidades que querem progredir pelo caminho da sustentabilidade é fecharem os seus ciclos de materiais, nomeadamente o orgânico.

A VicenTuna - Tuna da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa - completou 30 anos em janeiro de 2024. Para comemorar, realizou no dia 30 de abril de 2024, a Festa da Primavera, um espetáculo de música e divertimento dedicado à comunidade de CIÊNCIAS e ao público em geral.

Celebrações dos 50 anos do 25 de abril de 1974 da Academia das Ciências de Lisboa

A 9 de maio realiza-se a segunda de duas jornadas de debate académico e científico organizadas pela Academia das Ciências de Lisboa, que tem por objetivo ‘analisar e discutir a evolução do panorama científico português de forma prospetiv

Lançamento do projeto Barrocal-Cave marca um novo capítulo na Conservação da Biodiversidade em Portugal

O prestigiado Palácio Gama Lobo foi o cenário escolhido para o lançamento do projeto Barrocal-Cave, financiado pelo Prémio Fundação Belmiro de Azevedo 2023.

No passado dia 10 de abril, tivemos a honra de receber um grupo de estudantes e dois professores da Universidade de Leiden, na Holanda. Com um total de 40 estudantes, todos da área das bio farmacêuticas, a visita prometia ser entusiástica.

Miguel Pinto

No dia 29 de abril, Miguel Pinto visitou a Escola Básica Professora Aida Vieira, no Bairro Padre Cruz em Lisboa, para realizar oficinas de divulgação científica e atividades didáticas.

Fotografia de alguns dos oradores

O que é a sustentabilidade? Como podemos agir a nível local, procurando um impacto global? Estas e muitas outras questões marcaram a segunda edição da Semana da Sustentabilidade CIÊNCIAS, entre 15 e 19 de abril de 2024.

Grande Auditório durante a celebração do 113.º aniversário de CIÊNCIAS

Mais de 500 pessoas assistiram no Grande Auditório à celebração do 113.º aniversário de CIÊNCIAS, na passada terça-feira, 23 de abril, numa cerimónia marcada por distinções, homenagens e um balanço dos últimos meses, com os olhos postos no futuro. 

Buracos negros Gaia

Um grupo de cientistas descobriu um grande buraco negro, com uma massa quase 33 vezes superior à massa do Sol, escondido na constelação de Aquila, a menos de 2000 anos-luz da Terra, ao analisar a grande quantidade de dados da missão Gaia da ESA.

Alunos com mãoes no ar num sala de aula

É possível brincar com a Matemática e prova disso foram as várias atividades que se realizaram na Faculdade nos dias 13 e 14 de março de 2024. Março foi um mês dedicado a esta ciência, motor da sociedade. Leia a opinião de quem participou nestas atividades e ainda nas Jornadas de Matemática.

Pages