Ser Cientista

aluna no laboratório
Acompanhados por professores, investigadores ou alunos, os cientistas conheceram de perto a realidade da investigação científica desenvolvida na Faculdade
Fonte GCIC

Durante quatro dias a Faculdade de Ciências da ULisboa abriu as portas dos seus Departamentos e Laboratórios a 55 estudantes do 11.º ano de escolaridade. Investigar, aprender, partilhar conhecimentos, experiências e viver o ambiente académico, foram os objetivos traçados para os jovens.
O programa foi composto por 17 projetos, distribuídos pelas áreas das Ciências da Vida e da Saúde, Ciências do Ambiente, Ciências Matemáticas e da Informação, Tecnologias da Informação e Comunicação, Ciências Químicas e Ciências Físicas.
 

Trabalhar com bactérias produtoras de antibióticos, analisar dados medidos na estação meteorológica do campus solar de Ciências, resolver problemas matemáticos, desenvolver a análise funcional de sequências genómicas de plantas, preparar e caraterizar óxidos de metais de transição e estudar um supercondutor, foram alguns dos projetos executados pelos jovens cientistas, em Ciências.

Acompanhados por professores, investigadores ou alunos, os cientistas conheceram de perto a realidade da investigação científica desenvolvida na Faculdade.

Alunos e professora no laboratório
O projeto "Ser Cientista" é apoiado pela Agência Nacional para a Cultura Científica e Tecnológica, através do projeto "Escolher Ciência - da Escola à Universidade"
Fonte GCIC

“Ser Cientista” é da responsabilidade de Ciências, sendo apoiado pela Agência Nacional para a Cultura Científica e Tecnológica, através do projeto "Escolher Ciência - da Escola à Universidade".

“O programa ‘Ser cientista’ diferencia-se de outros programas de ocupação científica de jovens, entre outros aspetos, pelo facto de promover a integração temporária dos alunos do ensino secundário em trabalhos de investigação em desenvolvimento nos laboratórios de Ciências”, explicou a professora do Departamento de Geologia e coordenadora do projeto "Escolher Ciência- da Escola à Universidade" na Faculdade, Carla Kullberg.

“Com as mãos na massa”

grupo de participantes
Durante quatro dias a Faculdade de Ciências da ULisboa abriu as portas dos Departamentos e laboratório a 55 estudantes do 11.º ano de escolaridade
Fonte GCIC

Enquanto preparava cápsulas para serem utilizadas como padrões para a análise de isótopos, no laboratório de Espectrometria de Massa, Margarida Rodrigues, aluna do 11.º ano da Escola Secundária Fernão Mendes Pinto, descreveu a importância que atribui à iniciativa Ser Cientista: “no secundário não temos grande contacto com esta realidade e esta experiência permite-nos ter uma ideia daquilo que poderá ser o nosso futuro e tirar algumas conclusões. O que mais estou a gostar é, sem dúvida, o trabalho de laboratório. É a área que estou a pensar seguir”.

No Departamento de Biologia, Sofia Teixeira explicou um dos procedimentos da experiência que realizava, inserida no projeto “As bactérias e a resistência a antibióticos”: “colocamos nestes tubos pequenos uma concentração de antibiótico que vamos diluindo ao longo dos restantes”. A estudar Biotecnologia no Colégio Internato dos Carvalhos, no Porto, Sofia veio até Lisboa completar os seus conhecimentos na área das Ciências da Vida e da Saúde: “na minha escola temos disciplinas práticas de laboratório. Quis vir até à Faculdade de Ciências da ULisboa para continuar a descobrir outras experiências científicas. Já decidi que quero ser professora, estou a desenvolver estas componentes mais práticas para saber qual a área  pela qual quero realmente optar. Depois desta experiência, vou estar mais à vontade com os instrumentos e com as técnicas laboratoriais no meu Colégio”.

investigador e participante
O programa foi composto por 17 projetos
Fonte GCIC

Ricardo Santos, a trabalhar num dos laboratórios do Departamento de Química, com as colegas Beatriz Morais e Madalena Alexandre, deu conta das vantagens de participar nesta iniciativa: “ter a oportunidade de vestir estas batas é com certeza mais giro do que estar em casa sentado em frente à televisão. Estamos a fazer coisas que não fazemos no dia a dia. Por isso, esta é uma oportunidade única. Estamos a aproveitar o nosso tempo da melhor maneira”.

Para o professor do Departamento de Matemática, Pedro Freitas, a acompanhar nove jovens cientistas naquela semana, esta foi “uma maneira interessante de mostrar a alunos do secundário a atividade científica e a vida em Ciências”. O professor destacou como aspeto positivo da atividade “o interesse dos alunos, que se manifestou em empenho nos problemas e perguntas quase constantes”.

Sobre as atividades desenvolvidas no departamento de Informática, a professora Cátia Pesquita, explicou: “cada aluno fez um projeto independente que acrescenta valor real ao trabalho efetuado no Departamento de Informática e no LASIGE (Large Scale Informatics Systems Laboratory). No projeto de análise funcional de sequências genéticas, a aluna utilizou ferramentas e bases de dados da Bioinformática. No projeto de avaliação de usabilidade, o aluno aprendeu conceitos de usabilidade que depois aplicou na avaliação de várias ferramentas de Bioinformática desenvolvidas em Ciências”.
 

Investigadora e participante
"Cada aluno fez um projeto independente que acrescenta valor real ao trabalho efetuado no Departamento de Informática", explicou a professora Cátia Pesquita
Fonte GCIC

Comunicação de ciência

Para além do contacto com os materiais e técnicas científicas, foi proposto aos alunos que ao longo do processo recolhessem dados importantes sobre o trabalho desenvolvido. Tal como num projeto de investigação científica, os participantes identificaram o problema, as técnicas e materiais utilizados, os resultados obtidos e as respetivas conclusões. Depois dos dias passados nos laboratórios e departamentos, foi a vez de trabalhar os conteúdos reunidos. O último dia da iniciativa foi, por isso, dedicado à preparação e produção de uma comunicação oral do trabalho científico desenvolvido nos dias anteriores. Numa primeira fase, os alunos adquiriram competências na preparação de conteúdos digitais e técnicas de comunicação oral.

Para Manuel Valença, pertencente à organização do evento, esta sessão foi importante pois, “dada a preponderância que a ciência e a tecnologia assumem na nossa vida, a comunicação de ciência, seja entre pares na comunidade científica ou no contacto com a sociedade, é um tema de importância crescente. No programa ‘Ser Cientista’, através de um pequeno workshop, foi nossa intenção transmitir aos alunos do ensino secundário esta mesma noção e apresentar algumas técnicas de comunicação oral".

Participantes
O último dia da iniciativa foi dedicado à preparação e produção de uma comunicação oral do trabalho científico desenvolvido
Fonte GCIC

Por fim, os estudantes apresentaram o seu trabalho para todos os participantes do programa, num ambiente similar a um congresso científico.

Participante
Comunicar ciência foi outro dos assuntos abordados na iniciativa
Fonte GCIC

Para saber mais sobre a iniciativa, visite o Facebook e o portal de Ciências.

Raquel Salgueira Póvoas, Gabinete de Comunicação, Imagem e Cultura
info.ciencias@fc.ul.pt

O DM está na Futurália

Para Duarte Flor, presidente da associação académica e aluno do 12.º ano em Ciências, é importante que os candidatos ao ensino superior visitem as instalações de uma faculdade.

Desenho de uma figura masculina

“Existe um espaço onde o sentimento de pertença a uma escola pode ser reavivado", afirma Miguel Ramos.

Aluna junto a uma das colunas do átrio do C6

A mostra pictórica da atividade científica da FCUL é inaugurada a 13 de março. Conheça as razões pelas quais deve visitar a exposição.

O que são líquidos iónicos? Num dos primeiros programas do ano, o Com Ciência entrevistou o professor e investigador da FCUL, Carlos Nieto de Castro sobre esta classe de solventes.

Desenho de uma figura masculina

A data de lançamento do livro ainda não é pública, mas o evento deverá ocorrer brevemente, na Faculdade de Belas-Artes da UL.

Ontem evocou-se o Dia das Doenças Raras. A fibrose quística é um desses males incomuns. A investigação científica é importante em todos os setores, mas ganha especial sentido em áreas como esta.

Cerca de 20 professores de Ciências da Natureza e Ciências Naturais de nove concelhos portugueses participam na atividade promovida pelo MNHNC-UL a decorrer até abril.

Imagem de um folheto promocional

A FCUL volta a marcar presença no evento, juntamente com outras unidades orgânicas da UL.

Fotografia com pontos de interrogação

Alunos finalistas aconselham Engenharia da Energia e do Ambiente. Testemunhos de Guilherme Gaspar e Ricardo Leandro.

Fotografia de mesa com cinco pessoas sentadas, na Reitoria da UL

A rede pretende formalizar colégios doutorais em áreas transversais. Opinião de Maria Amélia Martins-Loução.

Fotografia de pessoas sentadas num dos anfiteatros da FCUL

A iniciativa acontece a 17 de março e é organizada pelos Departamentos de Física e de Informática.

Fotografia de Dois voluntários, sentados junto a uma banca no átrio do C5

Em fevereiro estão abertas inscrições para a admissão de novos voluntários.

A FCUL participa em "Programa de Estudos Avançados" com mais quatro instituições universitárias portuguesas e brasileiras.

Vale a pena recordar a iniciativa do Gabinete de Mobilidade, Estágios e Inserção Profissional da FCUL.

Fotografia de alunos a andarem, junto ao C8

A primeira edição do curso realiza-se já em 2012.

Outra forma de fazer turismo.

Artigo de investigadores do CeGUL e docentes do GeoFCUL no Top 25.Artigo de investigadores do CeGUL e docentes do GeoFCUL no Top 25

O Encontro decorreu em Junho no GeoFCUL.

Pages