Cirac

Primeiro mapa de risco de cheias do País

Pedro Garret, Investigador de Ciências
cedida por PG

Baixa de Lisboa, baixa de Algés, baixa e zona sul da cidade de Coimbra e zona ribeirinha do rio Douro - Porto e Gaia -, são as áreas urbanas mais vulneráveis a cheias no País.

A conclusão é apresentada no projeto “Cartas de Inundações e de Risco em Cenários de Alterações Climáticas (Cirac)”, pedido pela Associação Portuguesa de Seguradores e desenvolvido em parceria com Ciências. Neste projeto participam dez profissionais da Universidade de Lisboa: oito deles pertencentes a Ciências, um ao Instituto Superior Técnico e um ao Instituto de Geografia e Ordenamento do Território.

“Identificar e mapear zonas vulneráveis a inundações, por forma a sensibilizar para a adoção de medidas de adaptação e de mitigação para minimizar os efeitos adversos das alterações climatéricas” e “prevenir o agravamento das suas consequências para a população e para a economia” são os objetivos do estudo desenvolvido ao longo de três anos e que cruza dados sobre a precipitação, as cheias e a localização dos edifícios.

Devido às suas características, Portugal está “muito exposto ao risco de cheias e inundações”, quem o diz é Pedro Garret, coordenador do estudo. O investigador do centro SIM de Ciências explica ainda que a tendência do número de dias de precipitação acumulada de 24 horas é superior a 50mm no norte e irá aumentar até 2100, assim como irá aumentar a frequência e intensidade de cheias de origem marítima, devido à subida do nível médio do mar provocada pelas alterações climáticas.

“Atualmente existe consenso científico de que as alterações climáticas, provocadas pela intensificação do efeito de estufa causada por atividades humanas, se vão agravar ao longo do século XXI pelo que urge adotar medidas de adaptação capazes de minimizar os efeitos adversos das alterações climáticas e evitar consequências catastróficas para as populações e as economias. [Este estudo] será do maior interesse não apenas para o setor segurador como para a sociedade portuguesa”, reforça Miguel Guimarães, membro da Associação Portuguesa de Seguradores.


Fonte: cedida por PG
Legenda: Vulnerabilidade nacional a inundações

As áreas de alta e muito alta vulnerabilidade a inundações cobrem cerca de 2% do território continental e são, na maioria, áreas urbanas com alta densidade populacional.
No total, pelo menos 3601 edifícios estão expostos a inundações, nas zonas de Coimbra (128 edifícios), no troço do Douro (1080 edifícios), na bacia da baixa de Lisboa (1001 edifícios) e na baixa de Algés (242 edifícios).

Sobre a importância deste estudo para a população portuguesa, Pedro Garret denota: “conhecer os diferentes tipos de riscos a que estamos sujeitos é imperativo pois têm consequências diretas no nosso estilo de vida”. Foi por esta razão que no decorrer do projeto foram envolvidas entidades como a Proteção Civil, a Agência Portuguesa do Ambiente, seguradoras e governos locais, “para que em conjunto suportem o processo de decisão e planeamento com base nos resultados [alcançados] ”.

O estudo teve por base uma equipa multidisciplinar. Ao longo do projeto foram desenvolvidos trabalhos de investigação na área da modelação hidrodinâmica, modelação e regionalização de extremos climáticos e mapeamento de vulnerabilidade e risco de inundações.

“O projeto CIRAC elevou a fasquia do conhecimento no que diz respeito à cartografia de risco e vulnerabilidade. Neste contexto, foi a primeira vez que este tipo de cartografia foi realizada em Portugal tendo em conta a sua escala e nível de detalhe. Adicionalmente, muito poucos são os estudos internacionais que incluíram na sua análise de risco o impacto das alterações climáticas de uma forma quantitativa”, acrescentou o investigador de Ciências.

A informação com possíveis cenários climáticos até ao final do século está disponível para consulta de autarquias, responsáveis por licenciamentos de obras, proprietários que queiram construir e autoridades de proteção civil em http://cirac.apseguradores.pt/.

Raquel Salgueira Póvoas, Gabinete de Comunicação, Imagem e Cultura
info.ciencias@fc.ul.pt
Cientista Ana Russo Regressa à Escola

A cientista Ana Russo, investigadora do Instituto Dom Luiz (IDL), visitou duas escolas básicas do concelho de Sintra no dia 23 de abril para rea

Branca Edmée Marques, cientista alumna de CIÊNCIAS

Branca Edmée Marques, alumna de CIÊNCIAS, será homenageada no dia 20 de junho pelos Museus da Universidade de Lisboa

Margarida Fortes, docente do Departamento de Biologia Vegetal de CIÊNCIAS dá uma aula em frente a um quadro com uma projeção imagética

Margarida Fortes, professora de CIÊNCIAS, visitou a Escola Secundária de Carcavelos para dar uma aula acerca da edição genética.

Um grupo de membros de Instituições do Ensino Superior, onde se inclui CIÊNCIAS, está reunido em frente a um jardim, em visita à Siemens

 A iniciativa teve como objetivo aproximar a academia do tecido empresarial.

Nuno Gonçalves alcança o segundo lugar na competição 3MT ULisboa.

Nuno Gonçalves foi distinguido com o segundo lugar, na final da competição ‘Três Minutos de Tese – 3MT ULisboa’, que se realizou esta quint

Inês Ventura

Inês Ventura, a desenvolver o seu doutoramento no Centro de Ciências do Mar e do Ambiente (MARE) e no Instituto de Biossistemas e Ciências Integrativas (

Universidade de Lisboa

A Universidade de Lisboa alcança a 260ª posição no QS World University Rankings (SUR) 2025, tornando-se na universidade portuguesa mais bem classificada neste ranking.

Signatários do acordo

Dia 5 de junho foi assinado o acordo para a construção do espectrógrafo ANDES (ArmazoNes high Dispersion Echelle Spectrograph – Espectrógrafo Echelle de alta dispersão do Armazones), entre o Observatório Europeu do Sul (

 Luís Carriço, Diretor de CIÊNCIAS, e David Gonçalves, Dean do Instituto da Ciência e do Ambiente da Universidade de São José (USJ) assinam acordo sentados a uma mesa

CIÊNCIAS assinou no dia 5 de junho um acordo de cooperação com o Instituto da Ciência e do Ambiente da Universidade de São José (USJ), com vista à cooperação científica em várias áreas de interesse comum.

Equipa do projeto 'Ciências em Harmonia'

Esta terça-feira, 28 de maio, o projeto ‘Ciências em Harmonia’ assinalou o seu primeiro ano de atividades: um marco comemorado com um convívio informal com a comunidade, que

António Branco

António Branco, docente do Departamento de Informática de CIÊNCIAS, foi um dos oradores convidados da conferência que

Sabemos que no futuro um sismo de magnitude significativa voltará a atingir Lisboa. Não sabemos é quando. E se o pudéssemos prever? E se existisse uma probabilidade forte de ser já em 2027?

Ana Santos, finalista 3MT ULisboa

Ao longo dos próximos dias, daremos a conhecer os quatro finalistas de CIÊNCIAS que irão participar na final da competição

Painel e sessão de Perguntas & Respostas | Estreia de documentário

Perto de 120 pessoas assistiram este sábado, 25 de maio, à estreia do documentário ‘O que se esconde na luz? A ciência da missão espacial Euclid’, produzido pelo Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (IA).

Investigadores do Instituto Dom Luiz, de CIÊNCIAS, instalaram um sismómetro na Escola Básica Professor Delfim Santos, que se encontra a menos de um quilómetro do Estádio da Luz, em Lisboa, onde vão ter lugar os concertos.

Banner Bênção de Finalistas & Queima das Fitas 2024

Este fim de semana a Alameda da Universidade de Lisboa vai voltar a encher-se de finalistas de CIÊNCIAS e de tantas outras faculdades e universidades. A cerimónia de Bênção de Finalistas decorre amanhã dia 25 de maio, a partir das 11h30.

 

3MT ULisboa 2024

Quatro dos doze finalistas da competição ‘Três Minutos de Tese – Universidade de Lisboa’ são de CIÊNCIAS.

Pinguins-de-adélia

Num artigo agora publicado na Science, investigadores de instituições de renome a nível mundial propõem uma estratégia para envolver todas as partes interessadas na governança do Oceano Antártico através de um processo de ordenamento do espaço marinho (OEM) inteligente do ponto de vista climático.

Impressão artística da missão Euclides no espaço.

A 25 de maio (sábado), às 21h00, vamos ver e compreender as novas imagens de entre as maiores alguma vez feitas do Universo, no Grande Auditório de CIÊNCIAS (Edifício C3). A entrada é livre.

Redes Doutorais Marie Curie Projeto PROMOTE

CIÊNCIAS vai participar numa das propostas vencedoras do concurso 2023 das Redes Doutorais de Ações Marie Skłodowska-Curie (MSCA DN).

Pages