Opinião

O fim ou o princípio?!

#adaptaçãoànormalidade #COVID19 #EuFicoEmCasa

O que define normalidade não é a estagnação, mas a adaptação à mudança

unsplash - Japheth Mast
Bruna Francisco
Bruna Francisco
Fonte Ciências ULisboa

Durante estas semanas deparámo-nos com a imprevisibilidade e diminuta perceção de controlo, algo que pode ter conduzido ao despertar de sentimentos de impotência e vulnerabilidade. Desta forma, uma dúvida que pode pairar na nossa cabeça é se tudo voltará à normalidade.

E afinal o que é a normalidade? Algo estático e permanente ou algo que se vai ajustando às circunstâncias?

Segundo a primeira possibilidade, a normalidade é vista como algo que uma vez perdida dificilmente será recuperável. Talvez uma visão mais catastrófica e pessimista sobre o mundo, derivada da incerteza. Seremos capazes de lidar com o que está para vir? Por outro lado, não nos esquecemos da capacidade de adaptação do ser humano. A própria situação em que vivemos tem demonstrado a capacidade de ajuste aos diferentes desafios que fomos enfrentando.

A normalidade que agora vivemos não é a mesma antes da situação da pandemia, mas não deixa de ser uma realidade e também uma forma de “normalidade” à qual é importante mobilizar os nossos recursos para fazer face à mesma. Estes recursos podem ser diversos (exemplos: capacidade de resolução de problemas, tomada de decisão, regulação emocional…).

No restabelecimento do contacto com o mundo alguns receios e ansiedades poderão estar presentes, a recuperação fisiológica e emocional é um processo, e como tal, leva o seu tempo. É importante lembrar-nos que podemos (re)criar a nossa normalidade.

O que define normalidade não é a estagnação, mas a adaptação à mudança. Se pensarmos sobre experiências passadas e presentes, certamente, conseguimos encontrar pequenos exemplos nos quais a nossa adaptação definiu uma nova normalidade.

Temos uma sugestão…

Experimenta fazer uma reflexão sobre aquilo que era a tua vida, exatamente, há um ano atrás. Que alterações foram decorrendo e conduziram à normalidade que vivias antes do confinamento. Pensa nos recursos que te permitiram chegar até esse ponto e de que forma os poderás utilizar neste momento.

Bruna Francisco, Gabinete de Apoio Psicopedagógico da Área de Mobilidade e Apoio ao Aluno de Ciências ULisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt