Opinião

Aquela voz que diz: “Devias…”

#COVID19 #EuFicoEmCasa

Embora aquela voz que diz: “Devias…” possa surgir com naturalidade, não deve dominar os nossos dias

Unsplash - Emily Morter
Andreia Santos
Andreia Santos
Fonte ACI Ciências ULisboa

São vários os relatos de pessoas que ao longo destes dias, descrevem uma sensação de peso, tensão, agitação interna e dúvida, como se estivesse sempre lá a pergunta: "Estarei a fazer o melhor possível?"; "Se calhar devia…". Estes diálogos internos que se manifestam numa sensação de urgência, insuficiência e falta de controlo são reflexo de um sentimento de culpa.

As dúvidas sobre se se está a fazer o melhor possível têm palco em diversos contextos, as mais comuns são: “Faço o melhor possível por forma a proteger-me a mim e aos outros?”; “Produzo o trabalho que deveria; ocupo o tempo da melhor forma?”; "Consigo conciliar como seria desejável o foco no trabalho e na família?".

Estas dúvidas são tão comuns como naturais. A adaptação a uma realidade de saúde pública que impõe o confinamento a casa e a criação de novas rotinas e métodos de trabalho/ estudo não é fácil.

Embora aquela voz que diz: “Devias…” possa surgir com naturalidade, não deve dominar os nossos dias.

Dicas que podem ajudar...

  • Estabelece objetivos diários onde constam as tarefas urgentes, mas também as que são importantes para ti.  Isto ajuda a aumentar a sensação de controlo e concretização;
  • Aceita que a realidade que estamos a viver é de facto diferente e mais desafiante, por isso há coisas que não vão funcionar necessariamente como antes;
  • Escuta o corpo, geralmente estes dúvidas causam tensão corporal, que é preciso cuidar, por exemplo com exercícios de relaxamento;
  • Não alimentes o ciclo de pensamentos de autocrítica e punição, focando a atenção no essencial e no que é verdadeiramente útil.
Andreia Santos, Gabinete de Apoio Psicopedagógico da Área de Mobilidade e Apoio ao Aluno de Ciências ULisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt
Socializar por aí