Ciências do Mar

Atlantic Meriodional Transect

Estudantes e jovens investigadores embarcam em missões oceanográficas

Andreia Tracana, Giulia Sent e Carolina Sá junto ao Discovery em Ponta Delgada

Imagem cedida por VB

“Vivemos num tempo global, com problemas globais, a atividade de investigação tem de ter forçosamente um carácter internacional. Sobretudo no mar, que não tem fronteiras. A nossa participação nesta missão, para além do treino, terá como fruto papers em conjunto com investigadores de outros países que participam no AMT, redação de projetos a submeter a entidades financiadoras, e por outro lado, mostrar que temos alunos e investigadores bem preparados, capazes de responder a desafios desta ordem, e assim, promover a ciência (e a cultura) portuguesas.”
Vanda Brotas

Carolina Sá, professora do Departamento de Biologia Vegetal (DBV) e investigadora do polo da Faculdade do Centro de Ciências do Mar e Ambiente (MARE), doutorada em Ciências do Mar, juntamente com Andreia Tracana, Giulia Sent respetivamente mestre e estudante do mestrado em Ciências do Mar, também elas investigadoras do MARE Ciências ULisboa, participaram no 29.º cruzeiro Atlantic Meridional Transect (AMT), que atravessou o Atlântico, desde o Reino Unido até Punta Arenas, na América do Sul, a bordo do navio Discovery.

Esta campanha oceanográfica iniciada a 13 de outubro deste ano, terminou no fim de semana passado, a 24 de novembro, no âmbito do programa AMT, criado em 1995 e que consiste na realização de cruzeiros oceanográficos anuais ao longo do Atlântico, tendo em vista a recolha de dados de oceanografia física e química, e comunidades biológicas com ênfase no plâncton.

O AMT visa obter uma série temporal única (1995/2019) de observações in situ e de observação remota da estrutura e propriedades biogeoquímicas dos ecossistemas planctónicos do oceano Atlântico, tendo como meta estudar o ciclo do carbono. Inicialmente o AMT organizava dois cruzeiros por ano. Os dados recolhidos nestas missões oceanográficas permitem estudar eventuais mudanças, durante este período, contribuindo para uma questão cada vez mais presente no dia-a-dia - as alterações climáticas e consequentes alterações nos ecossistemas.

No passado dia 22 de outubro, o navio Discovery aportou em Ponta Delgada, em São Miguel, Açores. O momento ficou registado em fotografia.

O curso em Ciências do Mar pretende com efeito ser interdisciplinar e chamar a atenção dos alunos para problemas/temas concretos que existem na atualidade, nas várias áreas que se incluem as Ciências do Mar, e onde são precisos profissionais qualificados.

A mais valia do curso reside no leque variado de disciplinas, nas diferentes origens dos alunos (em termos de licenciatura e de universidade), potenciando-lhes um networking que lhes será seguramente útil no futuro. Por outro lado, os alunos têm grande contacto com os docentes, participando, sempre que possível, em projetos de investigação a decorrer. É um curso que tem permitido perceber quais os interesses de cada aluno(a), e canalizá-lo(a) para uma tese (no 2.º ano), que corresponda às competências, expetativas e sonhos!

Vanda Brotas

No âmbito da sua tese de mestrado Giulia Sent é orientada por Carolina Sá. Giulia Sent também tem sido bolseira do projeto AquaSado, sob a responsabilidade de Ana Brito, investigadora do DBV e MARE Ciências ULisboa.

“A Giulia é uma pessoa muito interessada e proactiva, que tem ‘crescido’ muito desde que está na nossa equipa; creio que ela se ‘apaixonou’ pela área de observação da Terra pelos satélites, especificamente pela deteção remota da cor do oceano e suas aplicações”, conta a professora do DBV e investigadora do MARE Ciências ULisboa, Vanda Brotas, coordenadora daquele mestrado da Faculdade e do projeto Portwims.

A possibilidade de estudantes ou jovens investigadores embarcarem em missões oceanográficas deve-se ao Portwims, um projeto twinning, do H2020 e que tem como objetivo aumentar o nível da investigação na área de Ciências do Mar. No âmbito deste projeto há ainda outras ações dirigidas a estudantes de mestrado ou doutoramento, tais como summer schools internacionais e estágios nos laboratórios das instituições parceiras do projeto, nomeadamente Plymouth Marine Laboratory (PML), no Reino Unido, e Alfred Wegener Insitute (AWI), na Alemanha.

Vanda Brotas refere a este propósito que uma das questões identificadas no projeto foi a escassa participação de portugueses em cruzeiros internacionais, pelo que para colmatar essa falha, tem havido orçamento para permitir a participação de jovens do MARE Ciências ULisboa em tais cruzeiros como os do AMT. “É uma grande responsabilidade enviar alguém para um cruzeiro de quase seis semanas, com um plano de trabalho exigente, e com a tarefa de produzir dados de grande qualidade. Não é um cruzeiro de ‘férias’ (embora saiba que se divertem bastante) … Por exemplo, a Giulia e a Carolina ficaram encarregues de fazerem medições num ‘sun-photometer’ da NASA, para medir as propriedades óticas dos aerossóis da atmosfera! À Andreia Tracana, que já foi no ano passado, foi-lhe pedido pelo chefe de cruzeiro, que ficasse responsável pelas medições de pH (para o que tinha recebido treino no ano anterior) e que servirão para avaliar a acidificação das várias regiões do Atlântico”, explica.

Ana Subtil Simões, Área de Comunicação e Imagem Ciências ULisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt