Astronomia

Ângelo Secchi. S.J. (1818-1878) - contributo para o nascimento da Astrofísica

O que são as estrelas e os planetas? Para dar resposta ao problema foram introduzidos os novos ramos de conhecimento da Astrofísica e das Ciências Planetárias. Ângelo Secchi (1818-1878), Jesuíta e astrónomo, cujo bicentenário do nascimento se recorda em 2018, desenvolveu a primeira classificação espectral das estrelas, a qual permitiu, pela primeira vez, avaliar as propriedades físicas e químicas das suas atmosferas. Eis a razão por que o chamaram um dos fundadores da Astrofísica.

Mais perto do inatingível

Por José Afonso (IA - Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço / Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa).

A Astronomia atravessa hoje uma época de ouro de novas descobertas. Mas a revolução tecnológica que se aproxima promete trazer ainda mais revelações. Novas Terras, buracos negros, o nascimento da primeira luz do Universo e talvez mesmo a descoberta de outras formas de vida - tudo parece estar já no horizonte…

XXV Astrofesta

Entre os dias 17 e 19 de agosto, em coorganização com o Museu Nacional de História Natural e da Ciência da ULisboa, o Centro Ciência Viva de Constância acolhe a 25.ª edição da Astrofesta.

Os cidadãos são assim convidados a aprender mais sobre astronomia e astrofísica através de palestras, oficinas e observações do sol, da lua, dos planetas e especialmente de “objetos do céu profundo” como enxames estelares, nebulosas e galáxias.

Um Universo nada trivial

Por João Lin Yun (IA - Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço / Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa).

Em Ciência, são frequentes as ideias erradas que se tornaram crenças populares quase generalizadas. O tamanho da Lua varia ao longo de uma noite? Faz mais calor no Verão porque a Terra está mais próxima do Sol?

Para além de Marte

Por Nuno Santos (IA/Faculdade de Ciências da Universidade do Porto) e Ricardo Louro (ITQB-NOVA).


Depois de Marte, que outros lugares no Sistema Solar poderemos tentar habitar?  Testar a capacidade humana de viver fora do seu lugar de origem e explorar novas fronteiras são talvez as principais razões para irmos ainda mais longe.

Sobreviver em Marte

Por Pedro Machado (IA/Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa) e Isabel Abreu (ITQB-NOVA).

Será Marte capaz de suportar a vida de seres humanos? Assim que uma tripulação aterre na superfície de Marte, a sua resistência será posta à prova pelas duras condições do planeta vermelho. Cultivar alimentos, manter o estado de saúde física e mental, e até respirar, serão tarefas dificultadas por um ambiente frio, com ar rarefeito e sem água líquida. 

Ir para Marte

Por Rui Agostinho (IA/Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa) e Pedro Fevereiro (DBV/Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa e ITQB-NOVA).

Deixar a Terra e viajar até Marte irá comportar inúmeros desafios tecnológicos e fisiológicos, entre outros. O que é indispensável para a viagem? E como poderemos regressar a casa, ao planeta Terra?

Moderação a cargo da jornalista Teresa Firmino (Público).

Vida em Marte

Por Zita Martins (IST) e Adriano Henriques (ITQB-NOVA).


As razões para enviar missões tripuladas a Marte e os desafios que elas colocam serão tema para um ciclo de conversas com investigadores, coproduzido pelo Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço, o Instituto de Tecnologia Química e Biológica António Xavier e o Centro Cultural de Belém.

Topics in Optics for Space & Ground Based Astronomical Instruments

The SPOF 2018 Summer School on “Topics in Optics for Space & Ground Based Astronomical Instruments” will happen in 10 and 11 of September 2018 at the Physics Department of the Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa.

During two days, participants will attend lectures/seminars given by leading university professors and astrophysics and space industry specialists concerning the main challenges and developments in optical design of astronomical instruments for both space and ground segments.

Páginas