Opinião

+Biodiversidade@CIÊNCIAS

Mobilizar a comunidade para a promoção da sustentabilidade no campus

Campus Ciências

A conservação da biodiversidade é uma prioridade do país e do mundo e deve ser assumida por todos

Imagem cedida pelos autores
 Patricia Tiago e Sergio Chozas
 Patrícia Tiago e Sergio Chozas
Imagens cedidas pelos autores

Brudtland, em 1987, definiu sustentabilidade como a “motivação ética e moral que visa garantir a satisfação das necessidades humanas atuais sem comprometer a satisfação das necessidades futuras”.

Para atingi-la é necessário ter em conta a componente social, a económica e a ambiental.

A componente social está ligada à distribuição equilibrada dos recursos naturais entre as gerações presentes e as futuras e a económica à capacidade de produção, distribuição e utilização equitativa das riquezas produzidas pelo homem.

A componente ambiental é a que está mais diretamente ligada com o presente projeto e associa-se à conservação e proteção do ambiente natural.

A biodiversidade, i.e. a variedade e variabilidade da vida na Terra, é um elemento fundamental desta componente, sendo um pilar que sustenta tanto os ecossistemas como os seus serviços e, consequentemente, o bem-estar humano. A biodiversidade está atualmente sob grande pressão e são muitas as espécies que se extinguem a uma velocidade sem precedentes, ao mesmo tempo que espécies invasoras ocupam cada vez mais novos habitats.

O Painel Intergovernamental sobre Biodiversidade e Serviços dos Ecossistema identificou no seu último relatório uma perda da biodiversidade global sem precedentes tornando a monitorização da biodiversidade uma obrigação crescente de todos os países. Sendo o ser humano responsável pelo desaparecimento de muitas destas espécies, devido à crescente urbanização, à prática intensiva da agricultura, à destruição das florestas, à proliferação de espécies invasoras ou à poluição, torna-se imprescindível monitorizar o estado da biodiversidade a nível global. De facto, a conservação da natureza e da biodiversidade, assumem-se como uma prioridade mundial, tal como se encontra já refletido em diversos documentos estratégicos internacionais.

A conservação da biodiversidade é uma prioridade do país e do mundo e deve ser assumida por todos. São apresentados diversos motivos para a sua proteção, relacionados com razões de várias naturezas: éticas - o ser humano tem o dever moral de proteger outras formas de vida, como espécie dominante no Planeta; estéticas - as pessoas apreciam a natureza e gostam de ver animais e plantas no seu estado selvagem; económicas - a diminuição de espécies pode prejudicar atividades fulcrais na nossa economia quer a nível atual, quer a nível de uma futura utilização; funcionais - a redução da biodiversidade leva a perdas incalculáveis no funcionamento dos ecossistemas, tais como a regulação do clima; a purificação do ar; a proteção dos solos e das bacias hidrográficas contra a erosão; o controlo de pragas, entre tantos outros.

Várias fotograficas
 Patricia Tiago e Sergio Chozas pretendem aplicar o conceito de sustentabilidade nos espaços verdes da Ciências ULisboa e caracterizar e monitorizar a sua biodiversidade ao longo do tempo, envolvendo tanto a comunidade da Faculdade como os cidadãos que vivem e trabalham na área
Imagens cedidas pelos autores

Até 2030, 60% da população mundial viverá em áreas urbanas. Esta urbanização é tanto um desafio quanto uma oportunidade para gerir os serviços dos ecossistemas globalmente. As cidades podem apresentar uma importante riqueza em biodiversidade e manter o funcionamento de ecossistemas urbanos pode melhorar significativamente a saúde e o bem-estar humanos. Os serviços dos ecossistemas urbanos e a biodiversidade podem ajudar a contribuir para a mitigação e adaptação às mudanças climáticas e devem ser integrados com as políticas e planeamento urbano. As cidades oferecem, igualmente, oportunidades únicas para aprender e educar sobre um futuro resiliente e sustentável e têm, em si, um enorme potencial para gerar inovações e ferramentas de governança, podendo assumir um papel de liderança no desenvolvimento sustentável. Dentro do espaço urbano, as denominadas estruturas verdes assumem hoje em dia uma importância fundamental na qualidade de vida das populações, e surgem como uma necessidade para o equilíbrio ecológico sustentável do meio urbano. Estes espaços incluem todas as áreas “plantáveis” da cidade como parques e jardins urbanos, ruas arborizadas, sebes, cemitérios, zonas agrícolas e florestas residuais, entre outras.

É essencial que os cidadãos tenham consciência da importância da biodiversidade urbana e do seu valor. É neste sentido que surgiram os projetos “FCUL+Verde” e “BioComunidade: juntos descobrimos a biodiversidade em Ciências”, agora unidos sob o nome “+Biodiversidade@CIÊNCIAS: Mobilizar a comunidade de CIÊNCIAS para a promoção da sustentabilidade no Campus”.

A equipa deste projeto é muito abrangente, englobando vários departamentos da Faculdade, investigadores, docentes, funcionários e alunos. Esperamos desta forma trazer para o projeto diferentes visões do campus e dos serviços que a biodiversidade nos proporciona. Ao mesmo tempo, serão estabelecidas novas ligações entre a comunidade de Ciências, a comunidade envolvente e o meio ambiente, esperando contribuir, com este projeto para processos mais participativos e democráticos.

Estes projetos surgiram como resposta ao desafio lançado pela Faculdade na forma da primeira edição do Concurso de Ideias para a Sustentabilidade. Este concurso “visa identificar e promover iniciativas de membros de Ciências que possam contribuir para a sustentabilidade, nas suas várias vertentes, no campus e na sua interação com a cidade de Lisboa”. Neste contexto, e com a fusão de ambos projetos, propomos aplicar o conceito de sustentabilidade nos espaços verdes da Ciências ULisboa e caracterizar e monitorizar a sua biodiversidade ao longo do tempo, envolvendo tanto a comunidade de Ciências como os cidadãos que vivem e trabalham na área. Para tal pretendemos recorrer a levantamentos clássicos da biodiversidade (florística e faunística),a sofisticados equipamentos de monitorização e à ciência cidadã. A ciência cidadã é o envolvimento dos cidadãos nos processos científicos, permitindo-lhes adquirir conhecimentos em diferentes áreas e um maior desenvolvimento do sentido de análise e sentido crítico. O envolvimento destes não profissionais na investigação científica e na monitorização ambiental tornou-se também uma nova abordagem científica. Esta componente será dinamizada na plataforma BioDiversity4All – www.biodiversity4all.org, através da qual, todos, comunidade de Ciências e quem viva ou trabalhe perto, poderão contribuir com registos de espécies, aumentando o conhecimento sobre a diversidade do campus, sobre os seus valores naturais e serviços de ecossistema, avaliando as tendências face a um cenário de alterações climáticas. O BioDiversity4All é uma plataforma online e de acesso livre, em que qualquer cidadão pode contribuir com observações de animais, plantas, cogumelos ou qualquer outro ser vivo. A base de dados segue o conceito da Web 2.0 e está acessível a todos os cidadãos, incluindo, por exemplo, cientistas, público escolar ou gestores, que podem fazer download de dados de biodiversidade de acordo com os seus interesses ou para dar resposta a um problema em concreto. A plataforma online tem atualmente mais de 388 781 registos, referentes a mais de 11 900 espécies, tem cerca de 8 000 utilizadores registados, 5 600 validadores e mais de 8 700 seguidores no Facebook. Pretendemos ainda proceder à avaliação de alguns dos serviços de ecossistema fornecidos pela biodiversidade no campus, (e.g. stock de carbono) por forma a definir estratégias de gestão, incluindo revegetação, sementeiras, etc., para melhorar os espaços verdes do campus e os serviços de ecossistema que possam prestar.

 

Patrícia Tiago e Sergio Chozas, vencedores da 1.ª edição do Concurso de Ideias para a Sustentabilidade
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt
património + educação = identidade

A Geometria na Politécnica, no âmbito das comemorações do Dia Internacional dos Monumentos e Sítios.

 

Carlos Rafael Borges Mendes

O interesse pelas ciências e tecnologias surgiu ainda no liceu, tendo optado por prosseguir os estudos na área da Biologia, em parte por influência de duas professoras dessa disciplina.

Visitas guiadas à  Exposição Formas & Fórmulas

13 de abril 11h30-13h00

11 de maio 11h30-13h00

Diálogos com Formas & Fórmulas

11 de abril 18h

No próxima quinta-feira, 11 de Abril, a FCUL e em particular, o Departamento de Informática, vão ser "invadidos" pelos alunos do secundário. Para visitar o DI-FCUL já temos cerca de 200  alunos inscritos.

Maqueta do Campus Sustentável da UL

As expetativas da equipa da Universidade Verde só podiam ser elevadas: as verbas alcançadas no âmbito desta iniciativa serão usadas para implementar medidas de eficiência energética, já identificadas nas auditorias realizadas.

Trial para todos os membros da b-on

 

“No stand da FCUL descobrimos áreas que não sabíamos sequer que existiam e que agora vamos querer pesquisar, já valeu a pena ter vindo. Vamos ter mais informação e hipóteses para ponderar!”, declarou um grupo de alunos da Escola Salesiana de Manique a visitar a banca da FCUL na Futurália.

Rosto de Fernando Ramos

“A maioria das instituições de ensino superior em Portugal têm qualidade superior às do Brasil, contrariando de forma que não deixa dúvidas a 'recomendação' do Governo brasileiro”, escreve Fernando Ramos num artigo publicado no jornal "Público" no passado dia 26 de março.

O artigo intitulado "PAMPA in the wild: a real-life evaluation of a lightweight ad-hoc broadcasting family" da autoria de Christopher Winstanley, Ra

O Departamento de Informática marcou presença na última edição da Futurália. A Futurália, a Feira de Ofertas Educativas e Formativas para estudantes, realizou-se de 13 a 16 de Março, na Feira Internacional de Lisboa (FIL)

“Luís Mendes Victor dedicou uma carreira de mais de 40 anos à investigação nas diversas áreas da Geofísica. Professor Catedrático da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa desde 1991, ensinou Geofísica, Sismologia, Prospeção Geofísica, Hidrologia e Física dos Recursos Naturais”, refere o colega e amigo, Jorge Miguel Miranda.
 

Atualmente, a nova rubrica disponibiliza entrevistas realizadas a participantes e colaboradores da última edição do Dia Aberto e a dois investigadores que trabalham na área da surdez genética.

Rosto de Teresa Alpuim

Pode-se dizer, sem risco de exagero, que a Estatística é a mais social das ciências exatas.

Programa M23

Atualmente 47 alunos estudam na FCUL através do programa Maiores de 23 anos. A FCUL conversou com uma dessas alunas, Ana Jardim, de 35 anos, aluna do 2.º ano de Engenharia Informática.

FCUL esclareceu possíveis candidatos ao programa M23 no Open Day pelo Núcleo de Formação ao Longo da Vida

“Tenho interesse em prosseguir os estudos académicos por vários motivos, entre eles o pessoal, sei que posso dar muito mais não só para mim como também para a sociedade e também porque poderei melhorar a minha condição de trabalho”, afirma Elísio Gomes, de 31 anos e visitante do Dia Aberto a Maiores de 23 da UL.

Antenas do ALMA

O primeiro de uma série de vodcasts de divulgação científica do CAAUL dedicados aos maiores tópicos da atualidade em Astronomia apresenta o ALMA.

Rosto de Luísa Maria Abrantes

“A professora Luísa Maria Abrantes será sempre recordada pela sua enorme dedicação e empenho durante os 40 anos de serviço a esta casa”, refere o seu colega e amigo Jorge P. Correia.

A FCUL volta a marcar presença na Futurália, na FIL, no Parque das Nações, juntamente com outras unidades orgânicas da UL, entre 13 e 16 de março.

“Foi o professor Henrique Leitão que me alertou para o facto de a questão do real impacto de Pedro Nunes na náutica do seu tempo estar por resolver.

Bruno Almeida

“Foi o professor Henrique Leitão que me alertou para o facto de a questão do real impacto de Pedro Nunes na náutica do seu tempo estar por resolver. A tese e o prémio foram passos saborosos de um caminho longo mas que tem todo o potencial de ser gratificante e divertido”, reforça Bruno Almeida, vencedor do Prémio Cultura 2012 atribuído pela Sociedade de Geografia de Lisboa.

Imagem gráfica de pessoas a saltar

A reportagem multimédia sobre o Dia Aberto em Ciências inclui testemunhos de candidatos ao ensino superior, alunos e professores da FCUL, colaboradores desta iniciativa.

Prémio SAHFC 2012 - Marta Macedo

Prémio SAHFC

  A Comissão Executiva da Secção Autónoma de História e Filosofia das Ciências (SAHFC) atribui a anualmente o Prémio SAHFC.

Páginas