Fóssil da mais antiga cenoura encontrada na ilha da Madeira

Levada Wanderungen, Madeira

O fóssil identificado é de uma espécie endémica da ilha da Madeira, o aipo-da-serra (Melanoselinum decipiens), que atualmente é encontrado em clareiras da floresta laurissilva húmida

Wikimedia Commons bit.ly/2S2n6Hw

Carlos A. Góis-Marques é o primeiro autor de um outro estudo que corroborou as observações históricas dos primeiros cronistas, que afirmavam a grande abundância de Ginjeira brava (Prunus azorica), uma árvore atualmente extremamente rara nos Açores. O trabalho de campo efetuado em 2016 por Carlos Góis-Marques e José Madeira, na ilha do Faial, permitiu a recolha de vários troncos carbonizados em depósitos de uma grande erupção ocorrida há cerca de 1200 anos e que deu origem à atual caldeira do Faial. O estudo da anatomia destes troncos carbonizados, através de microscopia ótica e microscopia eletrónica de varrimento, permitiu a identificação de sete espécies de árvores e arbustos que atualmente existem nos Açores. Entre os fósseis encontrados verificou-se uma abundância de troncos carbonizados de Ginjeira brava (Prunus azorica). Esta descoberta corrobora as observações históricas dos primeiros cronistas, que afirmavam a grande abundância desta árvore nos Açores, tendo sido referida inúmeras vezes pelos textos do séc. XVI de Gaspar Frutuoso (1590) e de Valentim Fernandes (1508). Este trabalho será publicado no jornal cientifico “Review of Palaeobotany and Palynology”, na edição do próximo mês de fevereiro e foi alvo de destaque pelo JM Madeira, dnoticias.pt e Rádio Calheta em dezembro passado. "Oceanic Island forests buried by Holocene (Meghalayan) explosive eruptions: palaeobiodiversity in pre-anthropic volcanic charcoal from Faial Island (Azores, Portugal) and its palaeoecological implications" publicado online pela Science Diret, em novembro passado, é assinado também por Juan Manuel Rubiales, Lea de Nascimento, Miguel Menezes de Sequeira, José Maria Fernández-Palacios e José Madeira.

Um estudo de frutos fósseis revela a presença de plantas de cenoura selvagem com caules e folhas gigantes há 1,3 milhões de anos na ilha da Madeira. Trata-se do fóssil mais antigo de cenoura descrito a nível mundial e a primeira vez que se descreve um fóssil de planta com evolução para gigantismo insular.

O estudo intitulado “Tracing insular woodiness in giant Daucus (s.l.) fruit fóssil from the Early Pleistocene of Madeira Island (Portugal)”, da autoria de Carlos A. Góis-Marques, Lea de Nascimento, José María Fernández-Palacios, José Madeira e Miguel Menezes de Sequeira, publicado online pela Wiley Online Library a 14 de janeiro, será um dos destaques do prestigiado jornal científico “TAXON” editado pela International Association for Plant Taxonomy. Carlos A. Góis-Marques é aluno de doutoramento em Geologia na Ciências ULisboa, sob orientação dos professores José Madeira, Miguel Menezes de Sequeira e José M. Fernández-Palácios. O doutoramento é financiado pela ARDITI - Agência Regional para o Desenvolvimento da Investigação, Tecnologia e Inovação. Esta publicação resulta dos trabalhos de investigação de Carlos A. Góis-Marques realizados no laboratório do Grupo de Botânica da Madeira da Faculdade de Ciências da Vida da Universidade da Madeira e no polo da Ciências ULisboa do Instituto Dom Luiz.

O fóssil identificado é de uma espécie endémica da ilha da Madeira, o aipo-da-serra (Melanoselinum decipiens), que atualmente é encontrado em clareiras da floresta laurissilva húmida. Apesar do nome comum ser aipo, hoje sabe-se, através de estudos moleculares, que se trata de uma cenoura (género Daucus) que evoluiu para um hábito lenhoso insular, tornando-se numa cenoura gigante.

Este fenómeno de gigantismo em plantas de ilhas oceânicas é comum a nível mundial e deve-se a processos evolutivos e ecológicos. Charles Darwin, no seu livro “The origin of Species” de 1859 (pp. 392), foi o primeiro a propor a evolução destas plantas arbustivas a partir de antepassados herbáceos. Os antepassados destas plantas, ao chegarem às ilhas, ficaram livres da obrigatoriedade de cumprir o seu ciclo de vida anual, tornando-se progressivamente em plantas perenes com crescimento lenhoso. Isto deve-se a vários fatores tais como o clima ameno das ilhas, a ausência de herbívoros, e a competição pela luz solar. Contudo, até ao momento, não se conhecia nenhum fóssil de uma planta com gigantismo insular que fornecesse pistas sobre quando é que os seus antepassados chegaram e evoluíram em contexto insular. Os fósseis de frutos agora descritos, são morfologicamente idênticos aos de Melanoselinum decipiens (ou Daucus decipiens), e sugerem que esta planta já teria evoluído para um porte arbustivo há 1.3 milhões de anos. Isto implica igualmente a chegada de uma cenoura selvagem (do género Daucus) à ilha da Madeira antes dessa data. Trata-se, portanto, da primeira prova de hábito lenhoso insular encontrado no registo fóssil. Outro facto curioso, é que os fósseis de plantas da família das cenouras (Apiaceae) são raros, sendo que os fósseis agora descritos correspondem ao registo mais antigo de cenouras a nível mundial.

Em janeiro de 2019, Ciências ULisboa publicou uma entrevista com Carlos A. Góis-Marques sobre um estudo de fósseis que revelou a extinção de uma árvore da família do chá que se encontrava presente há 1,3 milhões de anos na ilha da Madeira, desenvolvido no âmbito do seu doutoramento. O trabalho realizado ainda por Ria L. Mitchell, Lea de Nascimento, José María Fernández-Palacios, José Madeira e Miguel Menezes de Sequeira foi um dos destaques do volume de 15 de fevereiro de 2019 do jornal científico “Quaternary Science Reviews” e foi divulgado pelo jornal Público, Wilder e RTP Madeira.


Melanoselinum decipiens em floração; Silhueta indicando o porte arbustivo que esta pode atingir;  Fruto atual de Melanoselinum decipiens; Dois fósseis de fruto de Melanoselinum decipiens com 1.3 milhões de anos
Fonte Carlos A. Góis-Marques e Miguel Menezes de Sequeira

Departamento de Geologia com ACI Ciências ULisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt
Entrevista a Carlos A. Góis-Marques

Em 18 anos, o Programa de Estímulo à Investigação premiou 34 jovens investigadores e 19 instituições da Universidade de Lisboa. Na última edição, dos oito premiados, três são jovens cientistas da FCUL. As candidaturas à próxima edição decorrem até 21 de setembro.

Cartaz do Seminário

No dia dia 16 de Julho, pelas 11H00, na sala 6.4.30, realizar-se-á um Seminário organizado pelo Centro de Investigação Operacional com o título 'Lagrangian-Based Branch-and-Bound for Two-Echelon Uncapacitated Facility Location with Single Assignment Cons

Os resultados das experiências ATLAS e CMS divulgados recentemente pelo CERN, também foram apresentados publicamente na FCUL, numa sessão organizada pela professora do Departamento de Física Amélia Maio, a responsável pela participação portuguesa na experiência ATLAS.

Apresentações dos Projectos de Física dia 19 de Julho, às 10h, na sala 8.2.17:

O que faz o profissional que passa os seus dias no laboratório? E quem se dedica a resolver equações ou a estudar animais e plantas? Cinquenta alunos da associação EPIS descobriram as respostas a estas e a outras questões.

Servidor da FCUL

O projeto de reestruturação do Centro de Dados da FCUL, iniciado em junho, deverá estar concluído no próximo mês de setembro.

Duas pessoas fazem uma experiência no laboratório

A Faculdade de Ciências abre as portas dos seus laboratórios a 50 jovens, vindos de diferentes pontos do País, para mais uma edição da “Rota das Vocações de Futuro” da EPIS.

Apesar de ser uma das áreas mais recentes da FCUL, atualmente é uma vertente da ciência portuguesa em franca expansão.

“Um trabalho que reflita sobre o passado de uma instituição, ou o passado da ciência em Lisboa ou em Portugal, é sempre algo de muito importante para repensarmos o nosso trajeto”. A afirmação feita pela historiadora das ciências, Ana Simões, a propósito de um dos muitos projetos em curso é reveladora da importância, que a preservação do património científico tem na sua vida.

Kostas Gavroglu e Ana Simões assinam o primeiro livro “Neither Physics nor Chemistry: A History of Quantum Chemistry” sobre a emergência da disciplina Química Quântica, o pretexto ideal para conversar com a autora portuguesa.

O Grupo Azevedos oferece estágio profissional remunerado a recém licenciado na área da Estatística ou Matemática. Os interessados devem enviar a candidatura para

A edição deste ano d´O Botânico, uma revista propriedade da Associação Íbero-Macaronésica de Jardins Botânicos já se encontra online.

O Centro de Informática migrou todo o sítio antigo para o novo Portal da FCUL.

O Centro de Informática colocou em produção, durante a ultima semana de Maio, um equipamento de rede central na arquitectura de comunicações da FCUL.

Na Licenciatura em Matemática (LM) da FCUL, o leque de opções do 3º ano da LM foi alargado e passou a incluir as seguintes disciplinas, que estarão já disponíveis no ano lectivo de 2012/13:

 

 

Em exibição no:

MUSEU NACIONAL DE HISTÓRIA NATURAL E DA CIÊNCIA

1 de Junho de 2012 a 28 de Abril de 2013

 

 

Os cadernos e as comissões eleitorais estão publicitados no portal da FCUL, assim como o Despacho D/101/2012, que integra o calendário de eleições.

A eleição do Presidente do Departamento de Física  terá lugar de 3 a 5 de Julho de 2012

Comissão Eleitoral

Informações úteis:

Constituição da Comissão Eleitoral

A festa dos finalistas de Geologia juntou familiares, amigos, colegas e professores.

Conforme o despacho D/101/2012,  as eleições para a Presidência do Departamento de Informática, irão decorrer entre 3 e 5 de Julho de 2012 na secretaria do departamento.

 

Estão abertas as inscrições para o ‘Mestrado em Matemática para Professores’ (1ª fase de candidaturas até dia 15 de Junho)

 

No âmbito do nº 3 do artigo 9º do Regulamento Eleitoral, e de acordo com o calendário de eleições para Presidentes dos Departamentos, já se encontra disponível o 

Páginas