Alumnus Ciências ULisboa e investigador pós-doutorado do CQE ULisboa

Ricardo Simões: primeiro cientista português a vencer Prémio Franzosini

Estudo da solubilidade da simvastatina relevante no tratamento de doenças relacionadas com elevados níveis de colesterol

Ricardo Simões no laboratório

Ricardo Simões é o primeiro cientista português a receber o Prémio Franzosini

ACI Ciências ULisboa

O CQE ULisboa tem 11 grupos de investigação, que funcionam no Instituto Superior Técnico (IST) e na Ciências ULisboa. O MET CQE ULisboa é coordenado por Eduardo Filipe, professor do IST ULisboa e cocoordenado por Filomena Martins, professora do DQB Ciências ULisboa. O grupo conta já com mais de mil publicações.

Ricardo Simões, de 37 anos, antigo aluno da Ciências ULisboa e investigador pós-doutorado do grupo Molecular and Engineering Thermodynamics (MET) do Centro de Química Estrutural (CQE) da ULisboa, é um dos vencedores do Prémio Franzosini 2020, e o primeiro cientista português a receber este galardão internacional.

Manuel Minas da Piedade, professor do DQB Ciências ULisboa e investigador do MET CQE ULisboa, no polo da Faculdade, foi quem propôs a candidatura de Ricardo Simões ao prémio, na qualidade de patrocinador.

Johan Jacquemin, professor e investigador na Faculté des Sciences et Techniques, Université de Tours, em França, foi também distinguido com o mesmo prémio, que, por força da situação pandémica, só foi possível entregar este ano. A candidatura do cientista foi proposta por Magdalena Bendová, do Institute of Chemical Process Fundamentals, Czech Academy of Sciences, na República Checa.

Os prémios foram atribuídos pelo Subcommittee on Solubility and Equilibrium Data (SSED) da International Union of Pure and Applied Chemistry (IUPAC) durante o “19th International Symposium on Solubility Phenomena and Related Equilibrium Processes – ISSP19”, uma conferência virtual, organizada pelo Los Alamos National Laboratory, entre 12 e 16 de julho passado. O próximo simpósio - ISSP20 - deverá acontecer em setembro de 2022, no Instituto Politécnico de Bragança.

Ricardo Simões completou o doutoramento em Química, com especialização em Química Física. Manuel Minas da Piedade foi o seu orientador. Durante o curso desenvolveu interesse pela área da cristalização e do polimorfismo.

Ricardo Simões completou o doutoramento em Química, com especialização em Química Física, em 2013, na Ciências ULisboa, orientado pelo professor Manuel Minas da Piedade. Foi durante este curso que desenvolveu interesse pela área da cristalização e do polimorfismo, domínio no qual tem desenvolvido vários estudos.

O cientista integra o MET CQE ULisboa, polo da Faculdade desde 2017, e os seus interesses científicos focam-se no estudo da relação entre estrutura molecular e propriedades, no contexto da engenharia de cristais, com foco no fenómeno de polimorfismo em compostos orgânicos. Ao longo da sua carreira já publicou 13 artigos em revistas científicas internacionais, 14 comunicações em posters e seis comunicações orais.

diploma do Prémio Franzosini
O Prémio Franzosini é atribuído pelo SSED
Imagem cedida por RS DQB Ciências ULisboa

O prémio que lhe foi atribuído está relacionado com o estudo da cristalização e solubilidade da simvastatina, um fármaco pertencente ao grupo das estatinas. O estudo centra-se na análise do processo de transformação de uma molécula num cristal, sendo que para uma mesma molécula, podem ser criados diferentes sólidos, com diferentes estruturas cristalinas.

O jovem investigador explica que ganhar este prémio deverá permitir-lhe um papel mais ativo nas discussões internacionais sobre solubilidade e a oportunidade de participar nas futuras atividades do subcomité da IUPAC, com a submissão de mais projetos nesta área.

Quanto ao que simboliza para si o prémio, comenta: “é sempre bom ter este tipo de reconhecimento, significa que o trabalho é bom e que está a ir numa direção vantajosa.”

Calorimetria diferencial de varrimento

Uma das metodologias utilizadas por Ricardo Simões, no âmbito da sua investigação, é a calorimetria diferencial de varrimento, ou por outras palavas differential scanning calorimetry (DSC). Esta técnica permite determinar a temperatura e entalpia de transições de fase, como é o caso das fusões ou das cristalizações, nos compostos em estudo.

Para Ricardo Simões é este o trabalho que mais lhe interessa – perceber que estruturas podem ser obtidas, de que forma, e quais as suas propriedades e aplicações. Apesar da cristalização ser um processo que já vem desde a antiguidade, o método é ainda muito desconhecido, razão pela qual optou por trabalhar este tema.

Os estudos sobre solubilidade têm aplicações nas diferentes indústrias, tais como a alimentar, a dos explosivos, ou a farmacêutica (estudo das dosagens). Na sua opinião, o trabalho que desenvolve com a simvastatina é muito relevante, por exemplo, no tratamento de doenças relacionadas com elevados níveis de colesterol, e já permitiu resolver as discrepâncias encontradas nos dados de solubilidade presentes na literatura sobre este composto.

Futuramente, Ricardo Simões prevê expandir os seus interesses científicos para outras estatinas, fazendo uma avaliação das solubilidades que já existem, de modo a poder melhorar as formulações farmacêuticas e os métodos de produção.

Da cristalização às propriedades do chocolate

A sua investigação tem contado com a colaboração de Carlos Bernardes, investigador do DQB Ciências ULisboa e do MET CQE ULisboa, polo da Faculdade, na área dos estudos computacionais, assim como com a participação de outros colegas investigadores do referido grupo.

differential scanning calorimeter
O DSC é um dos instrumentos utilizados na investigação
Fonte ACI Ciências ULisboa

A este propósito, é de referir ainda que Ricardo Simões participa no Crystals and Their Skeletons – Uma Exposição Online, realizada no âmbito do projeto mol2cryst – das moléculas aos cristais, dinamizado por Carlos Bernardes e que visa a compreensão a nível molecular das fases iniciais da cristalização. Curiosamente, ou não, em 2016 também trabalhou como investigador pós-doutorado no Laboratoire de Chimie des Polymères, da Université Libre de Bruxelles, na Bélgica. Aí estudou a cristalização de compostos orgânicos em filmes finos.

Como divulgador e comunicador de ciência, Ricardo Simões participou no “Ser cientista” nas edições de 2014, 2017 e 2018, com o projeto “A Química e os Segredos de um Chocolate Perfeito”, que se focava na exploração do impacto do polimorfismo nas características do chocolate.

Projeto de Dados de Solubilidade com 104 volumes

O Prémio Franzosini foi instituído em 1988 em memória de Paolo Franzosini, professor de Físico-Química da Universidade de Pavia, em Itália, um entusiasta do Projeto de Dados de Solubilidade, que faleceu repentinamente a 24 de janeiro de 1985, tendo deixado quase concluído o volume 33 da série de dados de solubilidade.

O galardão já foi entregue a 24 cientistas. O objetivo desta iniciativa permanece igual: procurar reconhecer o contributo promissor de jovens cientistas na área da solubilidade e equilíbrio homogéneo, nomeadamente para o referido projeto, que já conta com 104 volumes.

Marta Tavares com Ana Subtil Simões, Área de Comunicação e Imagem Ciências ULisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt
Vela

Ricardo Leandro é o vencedor da Competição Europeia. O estudante da FCUL apresentou a melhor ideia: um coletor solar térmico de baixo custo, acoplável a um módulo fotovoltaico.

A palestra "O Princípio do Tempo" proferida por Pedro Gil Ferreira é uma das iniciativas do “VII Encontro Ibérico de Cosmologia”, que decorre em abril nas instalações da FCUL.

Jovem usa microscópio

A FCUL estimula a abertura permanente à sociedade civil, promovendo acontecimentos que visam a disseminação de conhecimentos e a interligação com diferentes agentes sociais.

Os vários objectivos do DEGGE: Tudo o que nos define, e tudo o que apoiamos

O ENEI'12 vai realizar-se na FCUL.

ESTRUTURA E GESTÃO DO DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA ANIMAL (DBA)

Apresentação do Departamento

Paleontólogos do MNHN da UL e do GeoFCUL em foco na revista TVmais.

A FCUL participa em "Programa de Estudos Avançados" com mais quatro instituições universitárias portuguesas e brasileiras.

O DQB e a FCUL acolheram, mais uma vez, a realização de provas semifinais das Olimpíadas de Química Júnior 2012 no sábado, 14 de abril de 2012.

Pessoas estudam numa mesa na biblioteca

“Acho que qualquer aluno consegue ser bom, se tiver uma boa disciplina de trabalho e objetivos concretos”. Quem o diz é Gonçalo Faria da Silva, estudante do 3.º ano de Biologia.

No penúltimo dia de março realiza-se a quinta e última sessão do workshop destinado a preparar os estudantes para a obtenção do 1.º emprego.

 

Alunos da FCUL

A Schlumberger realiza uma sessão de recrutamento em Ciências. As grandes empresas procuram os melhores profissionais. A FCUL apoia a inserção profissional dos seus diplomados.
 

O evento é uma organização conjunta da Norton/Symantec e do mestrado em Segurança Informática do DI-FCUL.

O DM está na Futurália

Para Duarte Flor, presidente da associação académica e aluno do 12.º ano em Ciências, é importante que os candidatos ao ensino superior visitem as instalações de uma faculdade.

Desenho de uma figura masculina

“Existe um espaço onde o sentimento de pertença a uma escola pode ser reavivado", afirma Miguel Ramos.

Aluna junto a uma das colunas do átrio do C6

A mostra pictórica da atividade científica da FCUL é inaugurada a 13 de março. Conheça as razões pelas quais deve visitar a exposição.

O que são líquidos iónicos? Num dos primeiros programas do ano, o Com Ciência entrevistou o professor e investigador da FCUL, Carlos Nieto de Castro sobre esta classe de solventes.

Desenho de uma figura masculina

A data de lançamento do livro ainda não é pública, mas o evento deverá ocorrer brevemente, na Faculdade de Belas-Artes da UL.

Ontem evocou-se o Dia das Doenças Raras. A fibrose quística é um desses males incomuns. A investigação científica é importante em todos os setores, mas ganha especial sentido em áreas como esta.

Cerca de 20 professores de Ciências da Natureza e Ciências Naturais de nove concelhos portugueses participam na atividade promovida pelo MNHNC-UL a decorrer até abril.

Imagem de um folheto promocional

A FCUL volta a marcar presença no evento, juntamente com outras unidades orgânicas da UL.

Fotografia com pontos de interrogação

Alunos finalistas aconselham Engenharia da Energia e do Ambiente. Testemunhos de Guilherme Gaspar e Ricardo Leandro.

Fotografia de mesa com cinco pessoas sentadas, na Reitoria da UL

A rede pretende formalizar colégios doutorais em áreas transversais. Opinião de Maria Amélia Martins-Loução.

Páginas