Membros do CFTC publicam no European Physical Journal B

Fluxo de energia bancária
Cedida por Pedro Gonçalves Lind

João Pires da Cruz, estudante de doutoramento em Física na FCUL e um dos sócios fundadores da empresa Closer e Pedro Gonçalves Lind, investigador do Centro de Física Teórica e Computacional da FCUL, são os autores do artigo “The Dynamics of Financial Stability in Complex Networks”, publicado recentemente no European Physical Journal B e destacado internacionalmente pela Springer e pela EurekAlert!.
Em entrevista, Pedro Gonçalves Lind apresenta as principais conclusões deste trabalho, resultado de uma parceria entre os mundos académico e empresarial.

FCUL - Gostaria de pedir que apresentasse abreviadamente o estudo “The Dynamics of Financial Stability in Complex Networks”.

Pedro Gonçalves Lind (PGL) - O sistema bancário no seu todo é regulado por um organismo multinacional chamado Comité de Basileia para a Estabilidade Bancária que reúne os bancos centrais das principais economias do mundo. Este organismo emitiu em 1988 aquilo que se convencionou chamar de Acordo de Basileia I. Este acordo impunha que os bancos, quando emprestam dinheiro, o fizessem com uma fração do seu próprio dinheiro - o capital - essa fração foi estabelecida de forma genérica em 8%. Na verdade, varia em função do risco do cliente, mas a regra geral é esta. O objetivo do comité era garantir que o total dos empréstimos fosse "seguro" por esta quantidade de dinheiro próprio e, na ocorrência de uma falência, o sistema como um todo fosse capaz de suportar o impacto dessa falência, defendendo assim os credores do sistema, os depositantes. Com a crise de 2008, aumentou a pressão política sobre o Comité para que as restrições sobre o capital dos bancos fossem intensificadas e, em consequência disso, o Comité em 2011 aumentou os requisitos de composição do capital aumentando, na prática, o dinheiro necessário para operar um banco.

Neste racional está subjacente uma organização social e económica em que todos os agentes têm igual importância. Se pensarmos do ponto de vista físico seria como se fosse um gás de moléculas todas iguais em equilíbrio. A verdade é que a economia não é um sistema deste tipo, pelo contrário, nos nossos trabalhos anteriores e de outros autores, já tinha sido mostrado que a economia se comporta como um sistema crítico com "partículas" completamente diferentes e não como um gás. Com esta evidência, modelámos um sistema interbancário numa economia como um sistema crítico para mostrar que aumentar os requisitos de capital tem consequências muito diferentes daquelas que são intuitivamente esperadas num sistema em equilíbrio. O nosso estudo mostra que para que o aumento de capital surtisse o efeito desejado, o nível de negócio dos bancos - e consequentemente a economia como um todo – diminuísse, esta diminuição refletir-se-ia na prática com os bancos a despedirem os seus funcionários, com pessoas a deixar de comprar casas e carros, empresas a fechar, etc.. Admitindo que a economia (e os bancos) procuram impedir a redução do seu negócio - um pressuposto, aliás, verificado com os posteriores aumentos de capital que se verificaram nos bancos portugueses e espanhóis recentemente por imposição da troika - a probabilidade de termos crises de grande dimensão não se reduz. Pode até, pelo contrário, aumentar e favorecer o aparecimento daquilo a que se convencionou chamar de bancos "too big to fall".

FCUL - O artigo publicado no European Physical Journal B também deriva da parceria que tem existido entre o Centro de Física Teórica Computacional e a empresa de consultoria Closer? Como é que tem corrido esta relação universidade-empresa e quais os principais benefícios deste tipo de parceria para ambas as partes?

PGL - Sim, este é um novo trabalho resultante da parceria entre a empresa Closer e o CFTC. Esta parceria desenvolveu-se pelo facto de um dos sócios principais da empresa ter escolhido a Universidade de Lisboa como ambiente académico e o CFTC como o ambiente científico para o seu doutoramento em Física. Por ter estado na linha da frente da crise bancária de 2008 enquanto consultor a quem os clientes questionavam os eventos da altura, este virou-se novamente para a sua formação de base - a Física - para procurar as explicações que a Economia não conseguia revelar. A parceria com o CFTC surge assim naturalmente, juntando quem tem que desenvolver soluções para os problemas atuais do mundo financeiro com quem melhor lida com as questões da Física Estatística e Não-Linear. Os benefícios para ambos resultam no desenvolvimento científico que decorre da parceria, para a empresa no crescimento futuro da sua oferta e para o CFTC/Universidade de Lisboa pelo impacto que tem na captação de alunos e na sua inserção no meio empresarial. Como se pode imaginar, o impacto global deste tipo de estudo projeta o "produto" das duas instituições muito para lá do que são as fronteiras do país e ambas esperam retirar desta parceria um reposicionamento a nível internacional no futuro mais próximo.

FCUL - Porque é que decidiram trabalhar esta temática?

PGL - O tema dos bancos surgiu como uma particularização de um estudo mais alargado que estamos a fazer sobre a economia em geral e surgiu da notícia a meio de 2011 de que o Comité de Basileia iria reforçar as exigências de capital. Sendo o sistema bancário um subsistema do sistema económico geral, essa notícia pareceu-nos ir exatamente no caminho oposto do que era pretendido. Mais, estando Portugal sob um programa de ajuda externo onde a capitalização dos bancos é um tema de importância substantiva, o princípio de que aumentar o capital dos bancos favorece a estabilidade bancária, para além de estar errado, penaliza países como o nosso de forma ainda mais gravosa. Daí termos investido o nosso esforço para contribuir para um maior conhecimento neste tema.

FCUL - Quais são as principais conclusões que apresentam no referido artigo?

PGL - Em termos práticos, a principal conclusão é que aumentar os requisitos mínimos de capital em nada favorece a estabilidade do sistema bancário.

FCUL - Como é que os vossos pares têm estado a reagir a esta publicação?

PGL - Ainda é muito cedo para estar a avaliar reações. Algumas reações anteriores à publicação com base em "pre-prints" têm sido bastante positivas, particularmente por fugir àquilo que seria intuitivo para os economistas e, curiosamente, as reações mais positivas vieram de um blog de um especialista/autor/diretor de risco americano que escreveu um post sobre o nosso trabalho ("Systemic Risk Control Meets Adaptive Behavior").

FCUL - Quais são os temas que pretendem abordar futuramente aplicando os modelos e teorias da física?

PGL - O nosso trabalho vai focar-se na economia (não na Economia!) e nas relações humanas do tipo económico, não só porque é essa a natureza da parceria, como pelo facto de ser um terreno que ainda tem muito por (re)descobrir. E esperamos que com ele possamos continuar a estreitar a proximidade entre as empresas e o mundo académico, abrindo portas a novos alunos motivados nestes tópicos que continuarão a ser de grande interesse quer para a produção empresarial no nosso país quer para a investigação na UL.

“Ainda não chegámos à lua mas já tirámos os pés do chão”
Investir em conhecimento tem sido a opção da Closer, uma empresa sediada em Portugal que presta serviços de consultoria em Sistemas de Informação e cuja missão passa por “desafiar a complexidade”, ambicionando tornar-se uma referência internacional nos mercados em que atua. Esta empresa fundada em 2006 tem acolhido estudantes pós-graduados que aí desenvolvem as suas teses, como foi o caso, por exemplo, de Pedro Teixeira, estudante do mestrado em Engenharia Física na FCUL e de Catarina Andreia Rodrigo Vaz e Margarida Mirador Fernandes, ambas alunas do mestrado em Matemática e Aplicações no Instituto Superior Técnico.

Ana Subtil Simões, Gabinete de Comunicação, Imagem e Cultura da FCUL
info.ciencias@fc.ul.pt
Primeiro plenário do IPBES

Grupo liderado por Henrique Miguel Pereira, investigador do Centro de Biologia Ambiental da FCUL, submete à apreciação da comunidade científica o desenvolvimento de um sistema de monitorização da biodiversidade baseado num conjunto de variáveis essenciais.

Rosto de Maria Antónia Amaral Turkman

“Ao longo dos últimos dois séculos a Estatística foi indispensável em confirmar muitas das maiores descobertas científicas e inovações da humanidade, tais como a partícula bosão de Higgs e a Revolução Verde na agricultura”, declaram Daniel Paulino, presidente da Sociedade Portuguesa de Estatística e Maria Antónia Amaral Turkman, coordenadora do CEAUL.

Dois artigos -- contando com docentes e investigadores do GeoFCUL no seu elenco de autores -- assinalados no “TOP 25 Hottest Papers” de Abril-Junho de 2011 da revista Journal of South American Earth Studies (Sciencedirect / Elsevier).

Rosto de Henrique Leitão

Henrique Leitão foi eleito membro efetivo da Académie International d'Histoire des Sciences, pela relevância da sua carreira e produção intelectual. Para o historiador das ciências foi uma “honra enorme” receber a distinção, “a maior ambição de qualquer estudioso ou cientista”.

Proposal for a REGULATION OF THE EUROPEAN PARLIAMENT AND OF THE COUNCIL.

Laying down the rules for the participation and dissemination in 'Horizon 2020 – the Framework Programme for Research and Innovation (2014-2020).

EUA represents over 850 universities and university associations across 47 European countries. Its highly diverse membership covers the full spectrum of universities participating in European research programmes.

Vai realizar-se de 18 a 20 de Março de 2013, em honra do Professor Ross Leadbetter, o "Symposium on Recent Advances in Extreme Value Theory ".

Face de Maria Amélia Martins-Loução

O Flora-On sistematiza informação fotográfica, geográfica, morfológica e ecológica de todas as espécies de plantas vasculares autóctones ou naturalizadas listadas para a flora de Portugal. Atualmente, através deste portal acede a 164 famílias, 836 géneros e 2991 espécies.

Cortejo académico na Aula Magna

A cerimónia de abertura do ano letivo de 2012/2013 marca uma nova etapa do ensino superior público.
Exegi monumentum aere perennius - Ergui um monumento mais duradouro que o bronze.
Da nova Universidade de Lisboa vê-se o mundo...

Crianças dos 5 aos 9 anos descobrem as Ciências na FCUL

A FCUL abriu as portas do conhecimento aos alunos do Colégio Infantes de Portugal, de Palmela. Durante uma manhã, os laboratórios de Biologia e de Química e Bioquímica foram explorados por cerca de 20 crianças com idades compreendidas entre os 5 e os 9 anos.

Encontra-se aberto concurso externo para o Banco de Portugal - Departamento de Supervisão Prudencial, com vista ao preenchimento de vagas de Técnico Superior para a área de supervisão

“A inovação é tipo ‘ovo de Colombo’, depois de se saber, parece fácil. Só que ‘saber’ significa um longo caminho de amadurecimento do conhecimento”, declara Maria Filomena Camões, docente do Departamento de Química e Bioquímica da FCUL, a propósito da atribuição da Bolsa Europeia de Excelência de Investigação.

A. M. Galopim de Carvalho num dos geoparques

O pioneiro da Geoconservação em Portugal sente-se agradado pelo reconhecimento dos mais de 20 anos de serviço em prol da preservação e salvaguarda dos geoparques, considerando o tributo um importante incentivo para a defesa territorial, para a promoção da geodiversidade e para o desenvolvimento sustentável baseado no património geológico.

Isaac Carrêlo e Rita Almeida, alunos do curso de Engenharia e Energia do Ambiente e Eva Barrocas, do curso de Biologia, viajaram até Cabo Verde para fazer parte da equipa Turtle Foundation. Durante um mês de experiências intensas, protegeram tartarugas e levaram os ensinamentos apreendidos na FCUL até à comunidade local.

Mapa

O Memorando de Entendimento celebrado com Portugal estabelece oito áreas programáticas para a respetiva alocação de verbas para 2009/2014. A abertura de concursos para Portugal deve acontecer ainda este ano.

Palestra por Jennifer de Jonge

Centro de Biotecnologia Vegetal/IBB

Evolução Tecnológica e o Cadastro Territorial Multifinalitário no Brasil

VicenTuna anima Sessão de Boas-vindas

Receber os novos alunos numa sessão de boas-vindas é uma das tradições da FCUL. Agora, o espírito da cerimónia pode ser conhecido pela voz dos profissionais e alunos que fizeram parte da última sessão, através de uma reportagem multimédia presente na página do YouTube da Faculdade, bem como na pasta de vídeos do Facebook.

Pormenor de obra de arte

Atualmente, o antigo aluno da FCUL é post-doc na Universidade Federal do Rio Grande - Fundação Universidade do Rio Grande, no Brasil, sendo responsável por projetos na área da Biologia Antártica – Biologia Polar.

Páginas