Investigadores de Ciências publicam na Science

António Amorim
GCIC

“Oxidation products of biogenic emissions contribute to nucleation of atmospheric particles”, assim se denomina o artigo, publicado em maio na prestigiada revista científica Science e que reúne 55 cientistas, entre eles, António Amorim, Filipe Duarte Santos e António Tomé, professores da Faculdade de Ciências da ULisboa e no último caso da Universidade da Beira Interior, e investigadores do Laboratório SIM, uma unidade de investigação de Ciências.

No trabalho que deu origem ao artigo agora publicado, António Amorim explica que foi demonstrado que alguns vapores orgânicos, de origem natural (florestas), altamente oxidados, presentes na baixa atmosfera em concentrações muito baixas, contribuem decisivamente para o crescimento de aglomerados e até núcleos de condensação tendo, por isso, uma importância decisiva nos momentos iniciais de criação das nuvens.
Céu e serra
Fonte: GCIC
Legenda: A equipa da Cloud continua a estudar os efeitos da nucleação atmosférica na distribuição global de aerossóis e de nuvens, e o efeito que os raios cósmicos exercem nos aerossóis, nuvens e clima

Esta foi a primeira vez que se obteve em laboratório “taxas de crescimento dos aerossóis, compatíveis com as observadas na atmosfera para concentrações ínfimas, mas realistas dos vários compostos envolvidos”. Para o professor e presidente do Departamento de Física de Ciências, o estudo contribui decisivamente para a compreensão dos mecanismos de formação de aerossóis, que condicionam a formação de nuvens e, através delas, o clima terrestre. Os aerossóis atmosféricos desempenham um papel importante no clima, uma vez que refletem a luz solar e produzem gotículas de nuvem.

Os autores deste artigo publicaram dois trabalhos anteriores na revista Nature e esperam que a publicação na Science desperte interesse semelhante na comunidade científica, como aconteceu com os dois trabalhos anteriores. Estas três publicações representam um avanço significativo na construção do conhecimento neste domínio.

“Estes estudos estabelecem uma ponte importante entre a interação da ciência com a sociedade e a compreensão de fenómenos como a interação terra-espaço e de radiação, bem como o desenvolvimento de instrumentação e de ferramentas de computação científica avançadas, onde a equipa portuguesa tem uma posição liderante”, conclui António Amorim.

A equipa que assina este artigo publicado na Science participa na experiência Cloud - Cosmics Leaving OUtdoor Droplets, sediada no CERN. Futuramente, pretendem continuar a estudar os efeitos da nucleação atmosférica na distribuição global de aerossóis e de nuvens, e o efeito que os raios cósmicos exercem nos aerossóis, nuvens e clima.

Fonte: Cedida por AA
Legenda: O artigo publicado na Science explica como funciona o mecanismo de “cola” adicional dos aglomerados de ácido sulfúrico

O processo

As emissões das florestas podem ter um papel fundamental nos momentos iniciais da formação das nuvens. Os aglomerados de ácido sulfúrico tornam-se mais estáveis, resistem mais à evaporação, e dessa forma podem crescer até à nucleação, quando incorporam alguns vapores orgânicos altamente oxidados de origem biológica, que estão presentes na baixa atmosfera em concentrações muito baixas. A inclusão dos óxidos orgânicos na estabilização dos aglomerados, num modelo global de formação de aerossóis, melhorou consideravelmente os resultados obtidos, sendo mesmo capaz de reconstituir as variações sazonais.

O ácido sulfúrico é um ingrediente essencial na formação de núcleos de condensação, mas não é a única molécula no processo, as moléculas de ácido sulfúrico precisam de uma “cola” adicional para manterem o aglomerado. O papel importante do ácido sulfúrico nos processos de nucleação deve-se ao baixo valor da pressão de vapor, que implica uma grande “relutância” em se evaporar. O artigo publicado na Science explica como funciona o mecanismo de “cola” adicional dos aglomerados de ácido sulfúrico.

Cloud
Fonte: Cloud
Legenda: A equipa portuguesa continua a introduzir novas funcionalidades nos sistemas de aquisição e armazenamento de dados da Cloud

Sobre a experiência Cloud

A Cloud reúne cientistas oriundos de organismos de Portugal (ULisboa e Universidade da Beira Interior), Finlândia, Alemanha, Rússia, Suíça, Reino Unido e dos Estados Unidos da América. A equipa portuguesa concebeu, implementou e continua a introduzir, frequentemente, novas funcionalidades nos sistemas de aquisição e armazenamento de dados.

A Cloud utiliza mais de uma dezena de instrumentos para medições de diversas quantidades associadas a aerossóis, a sua integração num sistema coerente e interligado de medições representa um desafio para a equipa portuguesa. A equipa portuguesa teve ainda uma participação muito ativa no desenvolvimento do sistema de iluminação de ultra violeta (UV), por fibras óticas, permitindo, não apenas um ambiente livre de contaminação por fontes espúrias de aerossóis, como acontece usualmente com esquemas tradicionais de iluminação de UV, mas também um melhor controlo da temperatura da câmara.

Raquel Salgueira Póvoas com Ana Subtil Simões, Gabinete de Comunicação Imagem e Cultura
info.ciencias@fc.ul.pt
Logotipo da rubrica radar Tec Labs

Décima nona rubrica Radar Tec Labs, dedicada às atividades do Centro de Inovação da Faculdade.

Seringas

Ensaio da autoria dos professores Manuel Carmo Gomes e Carlos Antunes.

uvas com a doença oídio

Estudo liderado por Ana Margarida Fortes, professora do DBV Ciências ULisboa e coordenadora de um dos grupos do BioISI Ciências ULisboa, está entre os cinco melhores artigos da Journal of Experimental Botany, uma prestigiada revista de investigação em plantas.

Maria Helena Carvalho de Sousa Andrade e Silva, professora aposentada da Ciências ULisboa, faleceu aos 94 anos, no passado dia 31 de outubro. A Faculdade apresenta sentidas condolências aos seus familiares, amigos e colegas.

Estrutura 3D da proteína S100B

Uma equipa internacional liderada pelo cientista Cláudio M. Gomes, professor do DQB Ciências ULisboa e coordenador do laboratório PMAB do BioISI, descobriu uma nova função para uma proteína do cérebro, que atrasa a formação de depósitos proteicos causadores de demências como a doença de Alzheimer. Guilherme Moreira, estudante de doutoramento em Bioquímica na Ciências ULisboa, orientado por Cláudio M. Gomes, é o primeiro autor do estudo.

 

Flores, livro e ampulheta

"Apesar de tudo, outubro foi um rico mês e novembro promete ser igual (...) O dia de amanhã, ainda que não esteja garantido, é uma série ininterrupta e eterna de instantes e é nosso". Mais uma rubrica em jeito de editorial, da autoria de Ana Subtil Simões, editora da Newsletter de Ciências.

Cérebro

"Para cada uma destas operações interessa estudar como nos vamos conduzir, e em que direção vamos prosseguir, logo quais são os princípios das coisas especulativas e os da imaginação",  in No Campus com Helder Coelho.

crianças numa visita ao laboratório

Ciências ULisboa recebeu, no passado dia 6 de outubro, 47 alunos do 4º ano, da Escola Básica Mestre Querubim Lapa, no âmbito do programa Escola Ciência Viva do Pavilhão do Conhecimento. A visita realizou-se no âmbito da atividade “Encontro com o cientista” e teve como anfitrião o professor do Departamento de Física, Rui Agostinho.

Campus da Faculdade

A Faculdade dá a conhecer uma vez mais a melhor ciência que se faz nesta centenária instituição. O Dia da Investigação da Ciências ULisboa realiza-se a 27 de outubro, no grande auditório, sito no edifício C3 e conta com uma sessão especial dedicada às Alterações Climáticas, área de investigação onde Ciências ULisboa é líder.

Luis Carriço, diretor da Ciências ULisboa e Maria de Jesus Fernandes, bastonária da Ordem dos Biólogos, assinaram no passado mês de setembro um protocolo de colaboração que visa a conceção, criação e desenvolvimento de cursos de especialização nas áreas de especialidade da Ordem, nomeadamente: Ambiente, Biotecnologia, Educação e Saúde.

Folha em destaque

Vanessa Mata, Miguel Baptista e Tiago Morais são os vencedores da edição 2021 do Prémio de Doutoramento em Ecologia - Fundação Amadeu Dias, organizado pela Sociedade Portuguesa de Ecologia (Speco). A entrega dos galardões deve ocorrer no próximo mês de dezembro, durante o 20º Encontro Nacional de Ecologia, na Escola Superior Agrária do Instituto Politécnico de Viana do Castelo, em Ponte de Lima.

codigo html

“OS Diversity for Intrusion Tolerance: Myth or Reality?”, com coautoria de três investigadores da Ciências ULisboa, é um dos artigos distinguidos com o prémio Test-of-Time, atribuído em junho de 2021 pela DSN.

Logotipo da iniciativa - banner promocional

Entre 12 e 17 de outubro de 2021 realiza-se a primeira edição do FIC.A - Festival Internacional de Ciência, no Palácio e Jardins do Marquês de Pombal, em Oeiras. Ciências ULisboa está representada neste evento com dezenas de atividades.

logotipo das comemorações do centenário da licenciatura em engenharia geográfica/geoespacial

Este ano assinala-se o centenário da criação da licenciatura em Engenharia Geográfica/Geoespacial. Para comemorar a efeméride realiza-se a 22 de outubro de 2021, pelas 15h00, no grande auditório da Ciências ULisboa, uma Sessão Solene Comemorativa, organizada pela Faculdade em parceria com a Ordem dos Engenheiros.

Lagoa nos Açores

Um estudo multidisciplinar, da autoria de vários cientistas europeus e norte-americanos, reconstrói as condições em que os Açores foram habitados pela primeira vez e o impacto da presença humana nos ecossistemas.

mapas e dispositivos moveis

"A informação geográfica contextualiza um povo, uma comunidade ou um indivíduo no espaço que o envolve", escreve Cristina Catita, professora do DEGGE Ciências ULisboa, por ocasião das comemorações do centenário do curso de Engenharia Geográfica/Geoespacial.

banda desenhada

“O jogo das alterações climáticas” é o novo livro da autoria de Bruno Pinto (argumento), Quico Nogueira (desenho) e Nuno Duarte (cor). O lançamento do livro vai ter lugar na Ciências ULisboa, já no próximo dia 7 de outubro.

Logotipo Radar

Décima oitava rubrica Radar Tec Labs, dedicada às atividades do Centro de Inovação da Faculdade. A empresa em destaque é a Sowé.

"É mais uma vez com uma enorme alegria que constatamos que Ciências ULisboa foi reconhecida como faculdade de excelência, sendo escolhida por mais de nove centenas de alunos na 1.ª fase do Concurso Nacional de Acesso (CNA) ao ensino superior", escreve Pedro Almeida, subdiretor da Faculdade.

trevo

Todos os dias são bons para serendipidades. Todos os dias também são bons para ocasiões previstas e que produzem factos.

Clara Grilo

Clara Grilo é bióloga e tem desenvolvido estudos sobre o impacto das estradas na fauna silvestre, nomeadamente na abundância relativa, comportamento, mortalidade por atropelamento e risco de extinção em aves e mamíferos. É investigadora no CESAM Ciências ULisboa, mas também é uma alumna da Faculdade. Fique a par de como foi estudar nesta faculdade e o que a levou a ir para o estrangeiro.

Um lince Ibérico sub-adulto

Mais de 120 espécies de mamíferos terrestres são particularmente vulneráveis à mortalidade por atropelamento e várias populações podem extinguir-se em 50 anos se persistirem os níveis de atropelamentos observados. A declaração é de Clara Grilo, investigadora do CESAM Ciências ULisboa, que lidera a investigação e que resultou na publicação de um artigo na prestigiada revista científica Global Ecology and Biogeography.

A missão Sentinel marca uma nova era na observação da Terra com o Copernicus

"A deteção remota veio revolucionar a forma de observação da Terra (...) desde as câmaras acopladas a aviões (...) aos mais variados sensores a bordo dos diversos satélites que orbitam a Terra, estes equipamentos têm permitido a aquisição sistemática de grandes volumes de imagens da superfície terrestre, possibilitando a sua monitorização a um nível global, regional e local de modo a uma gestão mais sustentável", escreve Ana Cristina Navarro Ferreira, professora do DEGGE Ciências ULisboa, por ocasião das comemorações do centenário do curso de Engenharia Geográfica/Geoespacial.

Estrutura molecular do óxido aniónico [Mo7O24]<sup>6-</sup>, cuja dissolução apresenta propriedades oncocidas

Investigação conjunta entre o BioISI Ciências ULisboa, a CIC NanoGUNE e a Universidade de Glasgow permite um avanço no conhecimento sobre quimioterapias com óxidos de molibdénio e realça as nuances pelas quais os sucessivos equilíbrios de pH controlam a ação oncocida aparente do {Mo7}.

Cratera inativa em Cabo Verde

António Morais Romão Serralheiro, professor catedrático jubilado da Ciências ULisboas, faleceu no passado dia 25 de agosto. A Faculdade apresenta as sinceras e sentidas condolências aos seus familiares, amigos e colegas. Leia a homenagem de um dos seus antigos alunos, atualmente professor e investigador da Faculdade, José Madeira.

Páginas