Entrevista com Elisabete Malafaia

“Sejam persistentes”

Descoberto em Portugal um dos dinossáurios carcarodontossáurios mais antigo

Sequência de vértebras caudais do exemplar de dinossáurio terópode

Sequência de vértebras caudais do exemplar de dinossáurio terópode durante os trabalhos de escavação em 2003 na jazida de Cambelas

Reconstituição da disposição dos ossos fossilizados do pé direito do exemplar de dinossáurio terópode da jazida paleontológica de Cambelas
Reconstituição da disposição dos ossos fossilizados do pé direito do exemplar de dinossáurio terópode da jazida paleontológica de Cambelas
Fonte Journal of Paleontology

A paleontóloga Elisabete Malafaia, investigadora do Instituto Dom Luiz (IDL) de Ciências ULisboa e da Faculdade de Ciências da Universidade Nacional de Educação à Distância de Madrid (UNED), em Espanha, é a primeira autora do artigo publicado recentemente na edição online da prestigiada revista internacional Journal of Paleontology e que apresenta os resultados do estudo referente ao conjunto de fósseis do dinossáurio terópode, descoberto em rochas datadas do final do Jurássico, na região de Torres Vedras.

De acordo com o comunicado de imprensa emitido esta quinta-feira, o conjunto de fósseis do dinossáurio carnívoro indica a presença de carcarodontossáurios no Jurássico Superior de Portugal há 145 milhões de anos. Os membros deste grupo são no final do Cretácico, mais de 50 milhões de anos depois, os superpredadores dos continentes do sul.

A investigação decorreu, na sua maior parte, durante o doutoramento de Elisabete Malafaia, que após o mestrado em Geologia, ingressou em 2013 no doutoramento em Geologia, especializando-se em Paleontologia e Estratigrafia, em Ciências ULisboa, em novembro do ano passado. A Fundação para a Ciência e a Tecnologia financiou a investigação, que contou com a colaboração de uma equipa internacional de paleontólogos do IDL Ciências ULisboa e do Grupo de Biologia Evolutiva da UNED.

O exemplar descoberto nas arribas da Praia de Cambelas, da freguesia de São Pedro da Cadeira, em Torres Vedras, em 2002 e escavado nesse ano e no ano seguinte, está depositado na coleção paleontológica da Sociedade de História Natural e representa um dos registos mais recentes destes dinossáurios no Jurássico Superior de Portugal.

Os resultados desta investigação permitem conhecer melhor a evolução inicial deste grupo de dinossáurios terópodes e são uma importante evidência para entender a sua dispersão durante o Jurássico Superior na Laurásia.

Na entrevista a seguir apresentada, Elisabete Malafaia deixa alguns conselhos a quem quer seguir uma carreira nesta área, que sempre a fascinou.

Elisabete Malafaia
Elisabete Malafaia
Fonte IDL Ciências ULisboa

Como foi trabalhar com este grupo?

Elisabete Malafaia (EM) - Colaboro com este grupo de investigadores há vários anos em diferentes estudos sobre o registo fóssil de Portugal. Tem sido uma colaboração muito benéfica e gratificante.

Quais são os próximos passos da equipa?

EM - Continuamos com o estudo de diferentes registos fósseis de vertebrados, sobretudo em Portugal e Espanha.

O exemplar vai estar exposto ao público?

EM - O exemplar integrou uma exposição que esteve patente no Museu Municipal Leonel Trindade, em Torres Vedras em 2013/2014 e no Museu Nacional de História Natural e da Ciência da Universidade de Lisboa em 2016/2017. Atualmente os fósseis deste exemplar estão depositados na coleção da Sociedade de História Natural, mas poderão vir a integrar uma futura exposição.

Porque é que escolheu esta área de investigação?

EM - Escolhi esta área porque desde sempre tenho um fascínio por dinossáurios. Queria compreender como eram estes animais e os ambientes em que viviam, como é que interagiam com outros organismos e como foi a sua evolução. 

Que conselhos deixa aos jovens que queiram enveredar por este ramo da Geologia?

EM - Atualmente a perspetiva de trabalho em Paleontologia não é muito animadora. É uma área com uma grande precariedade profissional (como acontece, infelizmente, a outros ramos de ciências) mas apesar disso é muito compensador. O conselho que deixaria aos jovens que pensam enveredar por trabalhar em Paleontologia é que sejam persistentes e que comecem a pensar na carreira profissional que querem seguir logo desde os primeiros anos de faculdade porque como é uma área muito competitiva o curriculum vai ser determinante.


Aspeto dos trabalhos durante uma das fases de escavação, em 2003, na jazida paleontológica de Cambelas

Scripta manent.
O que se escreve, fica, permanece.

Ana Subtil Simões, Área de Comunicação e Imagem de Ciências ULisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt
Branca Edmée Marques, cientista alumna de CIÊNCIAS

Branca Edmée Marques, alumna de CIÊNCIAS, será homenageada no dia 20 de junho pelos Museus da Universidade de Lisboa

Vanessa Fonseca, Catarina Frazão Santos, Rita Cardoso, Cláudio Gomes, Ana Duarte Rodrigues e Paulo J. Costa posam com os prémios para uma foto numas escadas

A faculdade conseguiu obter o segundo lugar entre as Escolas da Universidade de Lisboa mais galardoadas.

Margarida Fortes, docente do Departamento de Biologia Vegetal de CIÊNCIAS dá uma aula em frente a um quadro com uma projeção imagética

Margarida Fortes, professora de CIÊNCIAS, visitou a Escola Secundária de Carcavelos para dar uma aula acerca da edição genética.

Um grupo de membros de Instituições do Ensino Superior, onde se inclui CIÊNCIAS, está reunido em frente a um jardim, em visita à Siemens

 A iniciativa teve como objetivo aproximar a academia do tecido empresarial.

Nuno Gonçalves alcança o segundo lugar na competição 3MT ULisboa.

Nuno Gonçalves foi distinguido com o segundo lugar, na final da competição ‘Três Minutos de Tese – 3MT ULisboa’, que se realizou esta quint

Inês Ventura

Inês Ventura, a desenvolver o seu doutoramento no Centro de Ciências do Mar e do Ambiente (MARE) e no Instituto de Biossistemas e Ciências Integrativas (

Universidade de Lisboa

A Universidade de Lisboa alcança a 260ª posição no QS World University Rankings (SUR) 2025, tornando-se na universidade portuguesa mais bem classificada neste ranking.

Signatários do acordo

Dia 5 de junho foi assinado o acordo para a construção do espectrógrafo ANDES (ArmazoNes high Dispersion Echelle Spectrograph – Espectrógrafo Echelle de alta dispersão do Armazones), entre o Observatório Europeu do Sul (

 Luís Carriço, Diretor de CIÊNCIAS, e David Gonçalves, Dean do Instituto da Ciência e do Ambiente da Universidade de São José (USJ) assinam acordo sentados a uma mesa

CIÊNCIAS assinou no dia 5 de junho um acordo de cooperação com o Instituto da Ciência e do Ambiente da Universidade de São José (USJ)

Equipa do projeto 'Ciências em Harmonia'

Esta terça-feira, 28 de maio, o projeto ‘Ciências em Harmonia’ assinalou o seu primeiro ano de atividades: um marco comemorado com um convívio informal com a comunidade, que

António Branco

António Branco, docente do Departamento de Informática de CIÊNCIAS, foi um dos oradores convidados da conferência que

Sabemos que no futuro um sismo de magnitude significativa voltará a atingir Lisboa. Não sabemos é quando. E se o pudéssemos prever? E se existisse uma probabilidade forte de ser já em 2027?

Ana Santos, finalista 3MT ULisboa

Ao longo dos próximos dias, daremos a conhecer os quatro finalistas de CIÊNCIAS que irão participar na final da competição

Painel e sessão de Perguntas & Respostas | Estreia de documentário

Perto de 120 pessoas assistiram este sábado, 25 de maio, à estreia do documentário ‘O que se esconde na luz? A ciência da missão espacial Euclid’, produzido pelo Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (IA).

Investigadores do Instituto Dom Luiz, de CIÊNCIAS, instalaram um sismómetro na Escola Básica Professor Delfim Santos, que se encontra a menos de um quilómetro do Estádio da Luz, em Lisboa, onde vão ter lugar os concertos.

Banner Bênção de Finalistas & Queima das Fitas 2024

Este fim de semana a Alameda da Universidade de Lisboa vai voltar a encher-se de finalistas de CIÊNCIAS e de tantas outras faculdades e universidades. A cerimónia de Bênção de Finalistas decorre amanhã dia 25 de maio, a partir das 11h30.

 

3MT ULisboa 2024

Quatro dos doze finalistas da competição ‘Três Minutos de Tese – Universidade de Lisboa’ são de CIÊNCIAS.

Pinguins-de-adélia

Num artigo agora publicado na Science, investigadores de instituições de renome a nível mundial propõem uma estratégia para envolver todas as partes interessadas na governança do Oceano Antártico através de um processo de ordenamento do espaço marinho (OEM) inteligente do ponto de vista climático.

Impressão artística da missão Euclides no espaço.

A 25 de maio (sábado), às 21h00, vamos ver e compreender as novas imagens de entre as maiores alguma vez feitas do Universo, no Grande Auditório de CIÊNCIAS (Edifício C3). A entrada é livre.

Redes Doutorais Marie Curie Projeto PROMOTE

CIÊNCIAS vai participar numa das propostas vencedoras do concurso 2023 das Redes Doutorais de Ações Marie Skłodowska-Curie (MSCA DN).

Foto de entrega de prémio aos vencedores

No âmbito do projeto Invasives e como atividade inserida na

Páginas