Entrevista com José Madeira

Tsunamis e ilhas oceânicas: um risco subestimado”

José Madeira
GCIC Ciências ULisboa

Tsunamis e ilhas oceânicas: um risco subestimado” é o tema da palestra de entrada livre, proferida por José Madeira a 14 de outubro, pelas 17h30, no edifício C6, sala 6.2.53.

O professor do Departamento de Geologia de Ciências ULisboa e investigador do Instituto Dom Luiz é um dos autores do artigo  “Hazard potential of volcanic flank collapses raised by new megatsunami evidence”, publicado recentemente na Science Advances e cujos resultados serão apresentados neste evento. Os outros autores são Ricardo S. Ramalho, Gisela Winckler, George R. Helffrich, Ana Hipólito, Rui Quartau, Katherine Adena e Joerg M. Schaefer.

O artigo mostra que o colapso pré-histórico súbito de uma das mais altas e ativas ilhas oceânicas – a ilha do Fogo em Cabo Verde – produziu um tsunami gigante com consequências catastróficas.

Com esta iniciativa os organizadores da palestra – o Instituto Dom Luiz e a Faculdade de Ciências da ULisboa – esperam contribuir para a divulgação da descoberta, que alerta para o perigo potencial dos colapsos laterais de ilhas vulcânicas e para a necessidade da sociedade melhorar a sua capacidade de resiliência a ameaças deste tipo.

O site da Science Advances tem uma avaliação dos artigos pelo seu impacto nos mass media e redes sociais. Três dias após a sua publicação, era o n.º 2 num total de 37 e estava em 14.º num total de 166.

Na curta entrevista que se segue José Madeira conta como correu este trabalho.

A principal contribuição de José Madeira foi a descoberta dos depósitos de tsunami e a sua associação ao colapso da ilha do Fogo. Todos os autores participaram na escrita do artigo, que foi liderada por Ricardo Ramalho, antigo aluno do Departamento de Geologia de Ciências ULisboa, tal como Ana Hipólito e Rui Quartau.

Ricardo Ramalho em cima de um dos mega-blocos de lava transportados pelo tsunami para o interior do planalto a partir da cornija da arriba litoral
Fonte: JM
Legenda: 
Ricardo Ramalho em cima de um dos mega blocos de lava transportados pelo tsunami

Ciências ULisboa - Como é que surgiu a hipótese de trabalharem em conjunto neste estudo?

José Madeira (JM) - Os depósitos de tsunami foram inicialmente encontrados e identificados por mim e pelo Ricardo independentemente. O Ricardo encontrou o campo de mega blocos no norte de Santiago, no âmbito dos trabalhos de campo para a sua tese de doutoramento. Eu encontrei os depósitos conglomeráticos de tsunami (primeiro numa outra ilha, depois em Santiago), no âmbito de um projeto de investigação em Cabo Verde.

Numa das ocasiões em que o Ricardo passou por Lisboa mostrei-lhe fotos dos depósitos de tsunami e a minha ideia sobre a origem do evento, e isso chamou-lhe a atenção para o campo de blocos que ele tinha observado, que lhe tinha chamado a atenção, mas cujo significado não lhe tinha ocorrido.

Nesse momento percebemos a dimensão do evento e uma das tarefas necessárias para publicar esses dados seria a sua datação. Na altura, o Ricardo tinha ganho uma bolsa Marie Curie, através da Universidade de Bristol (onde se tinha doutorado), com estada de dois anos no Lamont-Doherty Earth Observatory da Universidade de Columbia, para aprender métodos de datação e utilizar os respetivos equipamentos.

Nesse projeto a datação da implantação dos megablocos seria possível através de uma das técnicas que ele iria utilizar (datação por exposição cosmogénica).

A Gisela Winkler é a responsável pelo laboratório de datação por exposição cosmogénica e foi sob orientação do Joerg e da Gisela que o Ricardo efetuou as datações. O George Helffrich foi o orientador de doutoramento do Ricardo e colaborou na modelação da onda. A Catherine Adena (colega do Ricardo, em Bristol) e a Ana Rita Hipólito (minha doutoranda) participaram no trabalho de campo com o Ricardo. O Rui Quartau é um colega com quem trabalhamos há algum tempo e que criou os modelos digitais de terreno e efetuou a análise espacial dos blocos.

Ciências ULisboa - Como é que acha que vai ser recebido pelos pares?

JM – O estudo que agora foi publicado foi já apresentado em algumas reuniões científicas internacionais e foi recebido com bastante entusiamo pelos colegas uma vez que as evidências são concludentes. Com efeito, há muito tempo que se debatia o modo como se processavam os grandes colapsos do flanco dos edifícios vulcânicos insular. A questão fundamental era se esses colapsos podiam ocorrer de uma vez só e instantaneamente, envolvendo toda a massa rochosa em falta, ou se correspondiam sempre a sucessivos eventos de menores dimensões. Evidentemente, o potencial para gerar tsunamis aumenta com o volume da massa rochosa deslocada.

O que o nosso estudo demonstra é que a dimensão do tsunami cujos vestígios encontramos implica a mobilização rápida e a entrada no mar de um enorme volume rochoso. Consequentemente, confirma-se o potencial para a geração de tsunamis gigantescos em consequência do colapso de ilhas vulcânicas, tal como sugeriam algumas modelações de tsunamis gerados por colapsos.

Ciências ULisboa - Após a publicação nesta revista, o que se segue?

JM - Estamos de momento a estudar depósitos do mesmo evento em outras ilhas de Cabo Verde para compreender de que modo se processa a atenuação das ondas e os efeitos da interferência topográfica das ilhas na propagação do tsunami. Outro aspeto que está a ser desenvolvido é a modelação numérica deste evento constrangida pelos dados de campo.

Ana Subtil Simões, Gabinete de Comunicação, Imagem e Cultura de Ciências Ulisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt

Já é possível solicitar a criação de Unidades Curriculares na plataforma Moodle para o ano letivo 2012/2013.

Os pedidos podem ser realizados no Portal da FCUL, após inicio de sessão.

O Centro de Informática terminou, no passado dia 12 de Julho, a migração de um equipamento central na rede da FCUL.

A excelência de sempre na construção do futuro. Escolhe um dos nossos cursos de Física, Astronomia e Astrofísica, Engenharia Física, ou Engenharia Biomédica e Biofísica. [ + ]

Alunos da FCUL no pátio do C6

O “6th SPJ-OCS” realiza-se pela primeira vez em Portugal. Os organizadores do evento acreditam que “este congresso contribui para dar uma imagem do potencial científico de Portugal” nesta área.

Chieko Asakawa and Hironobu Takagi

17 Julho 2012 - 10h30
Anfiteatro da Fundação da FCUL

Chieko Asakawa and Hironobu Takagi

17 Julho 2012 - 10h30
Anfiteatro da Fundação da FCUL

Pormenor de obra artística

Os promotores do FP7 acreditam que “centenas de instituições científicas de toda a União Europeia irão apresentar propostas” e esperam captar novos participantes, nomeadamente pequenas e médias empresas, incrementando dessa forma a competitividade europeia.

Carlos Miguel Farinha, bioquímico docente do DQB e investigador do BioFIG , foi premiado em junho com o Romain Pauwels Research Award, atribuído pela European Respiratory Society.

 

2ª fase de candidaturas:  15 a 22 de Julho.

O mestrado em Matemática para Professores é uma excelente oportunidade para consolidar,  recordar e aprender muitos temas relacionados com a matemática escolar.

No dia 12 de Julho foram feitas as apresentações de quatro trabalhos feitos no âmbito da disciplina de Projecto em Matemática para o Ensino do Mestrado em Matemática para Professores.

A Universidade de Lisboa e a Fundação Amadeu Dias estão a atribuir bolsas aos alunos de 1º Ciclo de qualquer área do saber, leccionado na Universidade de Lisboa e que já tenham concluído o 1.º ano curricular, ou alunos que frequentem&n

Em 18 anos, o Programa de Estímulo à Investigação premiou 34 jovens investigadores e 19 instituições da Universidade de Lisboa. Na última edição, dos oito premiados, três são jovens cientistas da FCUL. As candidaturas à próxima edição decorrem até 21 de setembro.

Cartaz do Seminário

No dia dia 16 de Julho, pelas 11H00, na sala 6.4.30, realizar-se-á um Seminário organizado pelo Centro de Investigação Operacional com o título 'Lagrangian-Based Branch-and-Bound for Two-Echelon Uncapacitated Facility Location with Single Assignment Cons

Os resultados das experiências ATLAS e CMS divulgados recentemente pelo CERN, também foram apresentados publicamente na FCUL, numa sessão organizada pela professora do Departamento de Física Amélia Maio, a responsável pela participação portuguesa na experiência ATLAS.

Apresentações dos Projectos de Física dia 19 de Julho, às 10h, na sala 8.2.17:

O que faz o profissional que passa os seus dias no laboratório? E quem se dedica a resolver equações ou a estudar animais e plantas? Cinquenta alunos da associação EPIS descobriram as respostas a estas e a outras questões.

Servidor da FCUL

O projeto de reestruturação do Centro de Dados da FCUL, iniciado em junho, deverá estar concluído no próximo mês de setembro.

Duas pessoas fazem uma experiência no laboratório

A Faculdade de Ciências abre as portas dos seus laboratórios a 50 jovens, vindos de diferentes pontos do País, para mais uma edição da “Rota das Vocações de Futuro” da EPIS.

Apesar de ser uma das áreas mais recentes da FCUL, atualmente é uma vertente da ciência portuguesa em franca expansão.

“Um trabalho que reflita sobre o passado de uma instituição, ou o passado da ciência em Lisboa ou em Portugal, é sempre algo de muito importante para repensarmos o nosso trajeto”. A afirmação feita pela historiadora das ciências, Ana Simões, a propósito de um dos muitos projetos em curso é reveladora da importância, que a preservação do património científico tem na sua vida.

Kostas Gavroglu e Ana Simões assinam o primeiro livro “Neither Physics nor Chemistry: A History of Quantum Chemistry” sobre a emergência da disciplina Química Quântica, o pretexto ideal para conversar com a autora portuguesa.

O Grupo Azevedos oferece estágio profissional remunerado a recém licenciado na área da Estatística ou Matemática. Os interessados devem enviar a candidatura para

A edição deste ano d´O Botânico, uma revista propriedade da Associação Íbero-Macaronésica de Jardins Botânicos já se encontra online.

Páginas