Prémio Pfizer de Investigação Básica 2013

"... valeu a pena!"


Margraida D. Amaral
Fonte Nuno Branco/JAS Pharma 2011

Em entrevista, a cientista portuguesa, coordenadora do projeto vencedor e diretora do programa doutoral BioSys - Biological Systems - Functional and Integrative Genomics, comenta que “quando temos boas condições para trabalhar até produzimos como os melhores…!”.

O estudo agora premiado e que foi publicado em setembro na revista Cell, sob o título "High‐Content siRNA Screen Reveals Global ENaC Regulators and Potential Cystic Fibrosis Therapy Targets", procurou descobrir novos reguladores da ENaC usando uma abordagem inovadora de screening, combinando genética com microscopia automatizada.

Rainer PepperkoK, Karl Kunzelmann e Margarida D. Amaral projetaram a investigação básica e os financiamentos. Joana Almaça, Diana Faria, Marisa Sousa, Inna Ulyiakina, Lalida Sirianant, Luka A. Clarke, José Paulo Martins e Miguel J. Santos realizaram as experiências e geriram os dados. Por sua vez, a interpretação dos dados coube a Joana Almaça, Diana Faria, Marisa Sousa, Inna Ulyiakina, Lalida Sirianant, Luka A. Clarke, Jean-Karim Heriché, Christian Conrad, Wolfgang Huber e Rainer Schreiber. A redação do artigo é da responsabilidade de Joana Almaça, Karl Kunzelmann e Margarida D. Amaral, que contou com a revisão de Rainer Pepperkok, Karl Kunzelmann e Margarida D. Amaral, bem como a aprovação final de todos os membros do projeto. E assim se faz ciência...

FCUL - Em setembro submeteu a candidatura aos Prémios Pfizer, que são entregues desde 1956 e representam um dos mais importantes galardões em Investigação Biomédica em Portugal. O que simboliza para si e para os membros do projeto vencedor o reconhecimento concedido pela Sociedade das Ciências Médicas de Lisboa?

Margarida D. Amaral (MDA) - Este prémio é o reconhecimento em Portugal por um trabalho de alta qualidade e isso para mim significa muito. Os dois principais investigadores que ajudaram a coordenar este estudo - Karl Kunzelmann e Rainer Pepperkok -, ambos alemães, também já foram informados e também ficaram muito agradados. Decidimos que este prémio (por ser dado por uma instituição portuguesa) vai na sua totalidade para a FCUL a fim de ajudar a financiar uma infraestrutura de microscopia semelhante à que usámos na Alemanha para realizar este trabalho.

FCUL - Este projeto vencedor é o resultado do trabalho de uma equipa constituída por 15 pessoas associadas a quatro instituições. Qual é o balanço da investigação que tem vindo a ser realizada por esta equipa?

 

Prémios Pfizer 2013

Os Prémios Pfizer 2013 são entregues a 12 de dezembro, pelas 18h00, na Aula Magna da FMUL. Esta edição distingue ex aequo dois projetos de investigação básica e um de investigação científica, reconhecendo o contributo dos seus investigadores, particularmente dos quatro cientistas que lideram estes trabalhos.

Qualquer dos estudos premiados nesta 57ª edição contribui para os avanços científicos na otimização das terapêuticas biológicas em doenças inflamatórias crónicas e incapacitantes, como é o caso da Artrite Reumatóide; no tratamento da Sepsis; e no combate à Fibrose Quística.

A iniciativa resulta de uma parceria entre os Laboratórios Pfizer e a Sociedade de Ciências Médicas de Lisboa, que visa a dinamização da investigação em Ciências da Saúde em Portugal. De acordo com o comunicado de imprensa divulgado pelos organizadores do acontecimento, na edição deste ano, foram apresentados 65 trabalhos para avaliação do júri, correspondendo 31 candidaturas à área da investigação básica e 34 à área da investigação clínica. Desde que foram instituídos já foram entregues a mais de 550 investigadores, premiando mais de 200 trabalhos.

Prémios de investigação básica Pfizer 2013 – ex aequo
“Global ENaC Regulators and Potential Cystic Fibrosis Therapy Targets” - Margarida D. Amaral, da FCUL
“As antraciclinas iniciam uma resposta protetora na Sépsis grave por ativação de respostas reparadoras do DNA” - Luís Ferreira Moita e Nuno Figueiredo, do IMM-FMUL

Prémio de investigação clínica Pfizer 2013
“An Evidence-Based Approach to Optimize Therapeutic Decisions Involving Biological Drugs” - Sandra Garcês, do IGC

MDA - De facto foi um trabalho de equipe que resultou dum projeto financiado pela União Europeia – TargetScreen2 -, que eu coordenei. O balanço, como se vê, tem sido altamente positivo e demonstra que quando temos boas condições para trabalhar até produzimos como os melhores…!

FCUL - A 12 de setembro publicaram na revista Cell online o artigo “High-Content siRNA Screen Reveals Global ENaC Regulators and Potential Cystic Fibrosis Therapy Targets”. Têm recebido muitos comentários dos vossos pares?

MDA - Sim, tenho recebido muitas mensagens de parabéns por parte de vários colegas, ex alunos, etc. curiosamente, espalhados por esse mundo fora, com muitos dos quais não contactava há anos.

FCUL - Descobriram 739 genes que quando inibidos diminuem a atividade da ENaC. Os testes realizados em culturas de células de pulmão de pacientes com Fibrose Quística, mostram que a DGK-iota é um promissor alvo terapêutico. Quais são as próximas etapas do vosso trabalho?

MDA - Segue-se a descoberta de compostos químicos que inibam a DGKiota, à semelhança dos que usámos no estudo, mas que eram apenas reagentes de laboratório que não podem ser usados na clinica. Há já uma empresa inglesa (que também fazia parte do consórcio do TargetScreen 2) que está a avançar nesse sentido, com a nossa ajuda.

FCUL - A Fibrose Quística é a doença genética fatal mais frequente na União Europeia. Desde sempre que o seu percurso está ligado a esta doença. Qual é a sua missão enquanto cientista?

MDA - Estou muito empenhada em encontrar soluções terapêuticas que verdadeiramente ajudem a tratar esta doença na sua “raiz”, ou seja, que vão ao nível molecular e que por isso façam a diferença na qualidade e na esperança de vida dos pacientes com Fibrose Quística. Se o nosso trabalho ajudar a chegar a esse ponto, acho que tudo valeu a pena!

Ana Subtil Simões, Gabinete de Comunicação, Imagem e Cultura da FCUL
info.ciencias@fc.ul.pt
rapariga a rir

"A ideia de que o sentido de humor pode facilitar o ajustamento, a gestão e a regulação emocional parece ter bastante fundamento. Mas, como, onde e como entram os limites do humor nesta questão?", escreve Samuel Silva, psicólogo no GAPsi Ciências ULisboa.

Instalações do Quake

Os cientistas Susana Custódio e Luís Matias escrevem sobre o Centro do Terramoto de Lisboa, que nasceu de uma vontade de contar a fascinante história do sismo de 1755. A Faculdade e o IDL Ciências ULisboa são parceiros do Quake. 

mar

Novo artigo científico publicado na Frontiers in Marine Science alerta para a necessidade de uma visão global para o oceano no acordo internacional atualmente em elaboração no quadro das Nações Unidas. Artigo conta com a participação de dois professores e investigadores da Ciências ULisboa.

imagem ilustrativa do prémio

O Prémio DHFC 2021 foi atribuído a Daniele Molinini, investigador do CFCUL, membro do grupo de investigação Filosofia das Ciências Formais, Metodologia e Epistemologia.

Hugo Duminil-Copin

"Hugo Duminil-Copin é um físico-matemático que trabalha em teoria das probabilidades. Um daqueles que, durante os vinte últimos anos, regressou à fonte histórica de inspiração das matemáticas, a física teórica", escreve Jean-Claude Zambrini, professor do DM Ciências ULisboa, no ensaio dedicado ao matemático galardoado com a medalha Fields.

posters afixados

“Jovens investigadores” é o projeto da EBS Alfredo da Silva, no Barreiro, que permite aos alunos estabelecerem uma relação de proximidade com professores e investigadores do ensino superior, nomeadamente da Ciências ULisboa.

Pessoa a trabalhar na FCULresta

Já existem mais três miniflorestas plantadas na AML e muitas outras estão a germinar. “A FCULresta cumpre assim um outro objetivo, o de inspirar e apoiar a plantação de mais florestas urbanas biodiversas”, escrevem David Avelar, António Alexandre e Diogo Mendes.

June Huh

"O que motiva June Huh é a busca da beleza na Matemática, e a descoberta de ligações entre diferentes áreas desta disciplina", escreve Carlos A. A. Florentino, professor do DM Ciências ULisboa, no ensaio dedicado ao matemático galardoado com a medalha Fields.

Alina Shchepetkina com outra investigadora

A expedição South Atlantic Transect II (IODP 393) zarpou a 11 de junho de 2022 da Cidade do Cabo, na África do Sul, e tem uma duração de 61 dias. A equipa a bordo tem cientistas de várias partes do globo na expectativa de obter respostas para algumas questões apaixonantes e relacionadas com alterações nos ambientes da Terra durante os últimos 61 milhões de anos. Uma dessas cientistas é Alina Shchepetkina, investigadora do Instituto Dom Luiz da Ciências ULisboa.

Membros da direção da Faculdade, Conselho de Escola e Reitor da ULisboa

Luís Carriço, professor do Departamento de Informática e investigador do LASIGE, tomou posse como diretor da Ciências ULisboa, esta quarta-feira, dia 20 de julho, numa cerimónia que juntou vários membros da Faculdade e Universidade, na sala de atos, sita no edifício C6. A boa disposição imperou no ato solene, durante o qual os professores Margarida Santos-Reis, Hugo Miranda, Jorge Relvas, Maria João Gouveia e Pedro Almeida foram indigitados subdiretores da Faculdade.

ímanes moleculares

Nuno A. G. Bandeira, investigador do DQB e do BioISI Ciências ULisboa, escreve sobre um estudo, que constitui um marco na evolução do conhecimento e na busca de melhores materiais para aplicação na spintrónica e computação à escala quântica.

Foto do instrumento NIRPS

O espectrógrafo NIRPS, a sigla inglesa para Near-Infrared high resolution spectrograph, ou espectrógrafo no infravermelho próximo de alta resolução, cujo desenvolvimento e construção contou com a participação do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (IA), observa na banda do infravermelho, no Telescópio ESO de 3,6 metros do Observatório de La Silla, no Chile, complementando assim espectrógrafos como o HARPS e o ESPRESSO. 

fundo marinho

Novo artigo publicado na Nature Ecology and Evolution, por uma equipa de 30 investigadores de todo o mundo, da qual fazem parte dois investigadores portugueses com ligação à Ciências ULisboa, resulta da consulta prévia de cerca de 680 especialistas e outros profissionais ligados ao meio marinho.

Anfiteatro no C8 e paryicipantes do evento

"A Conferência Internacional Hi-Phi teve um sucesso muito para além do expectável e mostrou a vitalidade do diálogo entre a História e a Filosofia das Ciências", escrevem Ana Duarte Rodrigues e João L. Cordovil, coordenadores científicos respetivamente do CIUHCT e do CFCUL, na crónica sobre o importante acontecimento.

3 alunos no labotarório

Dois anos depois de um interregno, “Ser Cientista” está de volta de 25 a 29 de julho e propõe a jovens alunos que experimentem a “vida” de um investigador.

Pedreira

O mestrado em Geologia tem como objetivo formar profissionais com uma formação sólida em áreas chave das Ciências da Terra e que possam responder aos desafios da sociedade do século XXI. Artigo de opinião do Departamento de Geologia a propósito deste novo plano de estudos.

saída de campo da Geologia

A Faculdade tem um novo ciclo de estudos acreditado pela  Agência e Avaliação e Acreditação do Ensino Superior (A3ES), para substituição dos mestrados na área da Geologia com 90 ECTS. O novo mestrado em Geologia tem a duração de dois anos, com 120 ECTS.

Mesa com vários oradores no grande auditório da Faculdade

A sessão de abertura do 30th International Carbohydrate Symposium foi antecipada e presencial, tendo sido gravada em Ciências ULisboa, para ser apresentada internacionalmente a 10 de julho, primeiro dia do simpósio. A cientista Amélia Pilar Rauter, nesta crónica, descreve o que aconteceu nessa sessão, o antes e depois… O simpósio termina a 15 de julho e segundo a presidente da International Carbohydrate Organisation  serão apresentadas as invenções e descobertas mais recentes, muitas delas relevantes para a sociedade.

dois alunos no laboratório

Doze alunos do Clube Ciência Viva da Escola Secundária Padre António Vieira visitaram um dos laboratórios da Faculdade. A visita foi organizada pelo professor Octávio Paulo, orientada por dois alunos da Faculdade.

Imagem do palco do evento com oradores em destaque

“A iniciativa alcançou o sucesso científico desejado, prontamente reconhecido pela maioria dos seus participantes, (...) o que confirma o interesse crescente que os temas dos riscos urbanos têm vindo a suscitar, no seio da comunidade técnica e científica internacional”, escreve Paula Teves-Costa, presidente da Comissão Organizadora da ICUR2022.

evento da ECFS com pormenor para sigla da sociedade

Carlos M. Farinha, professor do Departamento de Química e Bioquímica da Ciências ULisboa e investigador do Grupo de Investigação em Fibrose Quística, incluído no Grupo de Genómica Funcional e Proteostase do BioISI, foi eleito membro do Conselho de Direção da Sociedade Europeia de Fibrose Quística (ECFS sigla em inglês).

Dua jovens observam espécies no campus da Faculdade

"O BioBlitz é uma metodologia para realizar uma avaliação rápida da biodiversidade de um local num determinado período de tempo", escrevem Patrícia Tiago e Sergio Chozas, coordenadores do +Biodiversidade @CIÊNCIAS. Há cerca de um mês dinamizaram um BioBlitz no campus da Faculdade. Leia a crónica dos cientistas sobre o assunto.

Imagem de satélite da erupção do vulcão Hunga Tonga-Hunga Ha'apai

Estudo publicado na Nature e liderado por investigadores do Instituto Dom Luiz da Ciências ULisboa e do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) explica o mecanismo por detrás da geração e propagação do tsunami incomum, ocorrido após a explosão colossal do vulcão Hunga Tonga-Hunga Ha'apai, em Tonga.

Imagens do campus, laboratórios e salas de aula

Entrevista com os professores Cláudio M. Gomes, Margarida Gama Carvalho e Carlos Cordeiro - membros da Comissão de Coordenação do Mestrado em Bioquímica e Biomedicina -, sobre o mestrado em Bioquímica e Biomedicina. Até maio de 2022, cerca de 165 alunos concluíram com sucesso este mestrado, criado em 2009.

Imagens relacionadas com o mestrado em Bioquímica e Biomedicina

"Há importantes mudanças no plano de estudos. Simplificámos o percurso formativo, abolindo áreas de especialidade, mas dando grande liberdade aos alunos para a escolha das optativas que mais lhes interessam e ampla escolha", escrevem Cláudio M. Gomes, Margarida Gama Carvalho e Carlos Cordeiro, membros da Comissão de Coordenação do Mestrado em Bioquímica e Biomedicina.

Páginas