Proteína S100B

Entrevista a Joana S. Cristóvão

Joana S. Cristóvão e Cláudio M. Gomes

Cláudio M. Gomes é o orientador de Joana S. Cristóvão

RD
Javier Martinez
Javier Martinez regressou a Madrid
Fonte CMG

Javier Martinez regressou a Madrid onde está a concluir um MBA em Industria Farmacêutica e Biotecnologia. Hugo M. Botelho foi aluno de Bioquímica em Ciências e participou na fase preliminar do estudo durante a parte final do seu doutoramento, sob a supervisão de Cláudio M. Gomes. Atualmente é investigador doutorado no BioISI. Rodrigo David, aluno de licenciatura e de mestrado em Bioquímica em Ciências, é atualmente bolseiro de investigação no laboratório de Cláudio M. Gomes.

O artigo “The neuronal S100B protein is a calcium-tuned suppressor of amyloid-β aggregation”, publicado na Science Advances a 30 de junho, tem como primeira autora Joana S. Cristóvão, que está a terminar o doutoramento em Bioquímica em Ciências.

Cláudio M. Gomes, professor do Departamento de Química e Bioquímica e coordenador do FCUL Protein Folding and Misfolding Laboratory do Instituto de Biossistemas e Ciências Integrativas (BioISI), é o seu orientador.

Joana S. Cristóvão estuda uma das mais abundantes proteínas do cérebro - a proteína S100B – com funções regulatórias associadas à resposta inflamatória, apresentando níveis elevados em pessoas com a doença de Alzheimer.

Além de Joana S. Cristóvão e Cláudio M. Gomes, também assinam o artigo Vanessa K. Morris, Isabel Cardoso, Sónia S. Leal, Javier Martínez, Hugo M. Botelho, Christoph Göbl, Rodrigo David, Katrin Kierdorf, Mobina Alemi, Tobias Madl, Günter Fritz e Bernd Reif.

O estudo realizado por investigadores associados ao Departamento de Química e Bioquímica de Ciências, BioISI, Universidade do Porto, a instituições alemãs e a uma austríaca tem suscitado o interesse da comunicação social nacional e estrangeira.

Nesta entrevista fica a conhecer a jovem investigadora e os próximos passos da investigação.

Animação de Vanessa K. Morris mostra S100B com ligação à beta-amiloide (vermelho)

 “No cérebro de doentes de Alzheimer estão presentes agregados extracelulares da proteína beta-amiloide que são tóxicos e que provocam a morte dos neurónios, as células do cérebro. Os meus estudos verificaram que a proteína S100B tem um novo papel na doença, devido à sua interação com a proteína beta-amiloide. Devido a esta interação, há um atraso no processo de formação de agregados de beta-amiloide levando a uma redução na morte de neurónios.”
Joana S. Cristóvão

Joana S. Cristóvão
"O próximo passo da investigação é perceber se outras proteínas da mesma família da S100B têm papel semelhante e se existem moléculas que amplificam o efeito supressor da S100B na agregação da proteína beta-amiloide", conta Joana S. Cristóvão
Fonte CMG

Quais têm sido as alegrias e dificuldades encontradas nesta atividade?

Joana S. Cristóvão (JSC) - Um dos aspetos que quero destacar é a importância do meu grupo, tanto ao nível do ambiente como da dinâmica nele incutida. Tenho a oportunidade de trabalhar num grupo em que me sinto feliz e com gosto naquilo que faço, e ao mesmo tempo sou estimulada a progredir e enfrentar novos desafios. Isto é retratado pela participação em diversas conferências de âmbito nacional e internacional, assim como a realização de períodos de trabalho em laboratórios internacionais de colaboradores nossos, o que me permite consolidar a minha investigação. O trabalho pode ser por vezes frustrante quando não temos os resultados que procuramos. No entanto, o que torna tão gratificante este trabalho, é quando conseguimos superar as adversidades e atingir objetivos aos quais nos predispomos.

Que conselhos deixa aos colegas que neste momento se preparam para iniciar um doutoramento em Ciências?

JSC - O meu conselho é que vejam o panorama geral do trabalho que vão desenvolver e delineiem os objetivos que pretendem atingir. Isto não é impeditivo de que os mesmos não possam ser alterados ou aperfeiçoados, no entanto é importante definir a base daquilo que vai ser o seu projeto. Os resultados menos bons que possam surgir deverão ser encarados como uma forma de aprendizagem uma vez que na Ciência, todos os resultados nos dão algum tipo de informação, mesmo não sendo a que estávamos diretamente à procura.

Quem é a Joana S. Cristóvão?

JSC - A Joana é uma jovem investigadora determinada em marcar a diferença no meio científico. O esforço e empenho que tenho na minha vida é transversal à vida profissional e ajuda-me a enfrentar todos os obstáculos que surgem ao longo do percurso. Este artigo é o culminar do trabalho que produzi com este grupo, da oportunidade que tive de fazer o doutoramento nesta área, e mais um passo rumo ao conhecimento dos mecanismos da doença e desenvolvimento de novas terapêuticas.

Que planos tem para o presente e futuro?

JSC - Pretendo focar-me nesta fase final do meu doutoramento, escrever a tese que agrega todo o trabalho que produzi ao longo destes quatro anos, e preparar-me para os novos desafios que terei de enfrentar no futuro.

Como foi redigir o artigo agora publicado?

JSC - Como em tudo, o mais difícil é começar, no entanto tudo começa antes da escrita propriamente dita. Temos de conciliar a análise dos resultados e discutir a melhor forma de os expor, de modo a no fim, ter um artigo que seja cientificamente relevante e claro na mensagem que pretendemos transmitir. E que nos deixe orgulhosos e motivados para continuar a dar a nossa contribuição nesta área que está em contínua progressão.

Como foi colaborar com este grupo?

JSC - Este grupo de coautores é constituído por pessoas com diferentes talentos e áreas de especialização permitindo o desenvolvimento de um trabalho sólido. Esta solidez é refletida pelo conhecimento teórico que cada elemento tem e também pela possibilidade de utilizar múltiplas técnicas, recursos e know-how.

Quais são os próximos passos no âmbito desta investigação?

JSC - O próximo passo da investigação é perceber se outras proteínas da mesma família da S100B têm papel semelhante e se existem moléculas que amplificam o efeito supressor da S100B na agregação da proteína beta-amiloide.

Ana Subtil Simões, Área de Comunicação e Imagem de Ciências
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt
Entrevista a Cláudio M. Gomes
Edifício C2

A primeira reunião do projeto PROSEU “PROSumers for the Energy Union: mainstreaming active participation of citizens in the energy transition”, financiado pelo Horizonte 2020 e com a duração de três anos, realiza-se no campus de Ciências, nos dias 22 e 23 de março.

Carrinho

Dez empresas discutem os últimos avanços no sector da mobilidade sustentável.

Sala de aulas

Parece razoável inferir que queremos ter estudantes que saibam como aprender e que conheçam como descobrir a informação que precisam a partir de uma variedade de fontes.

Papel ardido

Saí da FCUL ao fim da tarde rumo ao meu fim de semana. Para trás ficou um edifício imponente a fervilhar de vida, e ao mesmo tempo já a minha casa! A casa que nos ampara, nos ensina e, a mim, permitia uma entrada num mundo tão fortemente diferente do vivido por mim noutro lugar.

Pessoas na Politécnica recuperam objetos no rescaldo do incêndio

Ainda durante o rescaldo do incêndio iniciaram-se as operações de salvamento e recuperação do que ainda fosse possível salvar e recuperar.

Imagem abstrata

Dez países juntam-se para o estudo do património dos materiais plásticos.

Edifício da Escola Politécnica

Politénica (FCUL)... escrever e ou pensar sobre “ELA”, hoje, ainda me emociona...

Pormenor de uma palmeira

Agora era diferente. No fim da Ferreira Borges surgia sempre a mesma dúvida que me tolhia o passo: onde são as aulas hoje? E eu, traído pela minha própria desorganização, fazia todos os dias o mesmo esforço para encontrar uma qualquer lógica que me ajudasse a decidir para onde ir naquele dia. Politécnica? 24 de Julho? É claro que ter um horário comigo ajudaria...

Rosto de Marta Antunes

O que fazem e o que pensam alguns membros da comunidade de Ciências? O Dictum et factum de março é com Marta Antunes, técnico superior do Departamento de Geologia de Ciências.

Bombeiro apaga fogo

Era madrugada e o edifício da Faculdade de Ciências de Lisboa, na rua da Escola Politécnica, ardia. Dezoito de março, seriam duas horas da madrugada. Um salto da cama, um vestir rápido e uma fuga apressada ao encontro das labaredas.

Escola Politécnica

Passaram 40 anos do incêndio da “outra” Faculdade. São já poucos os que vivenciaram, alguns os que ficaram marcados. Para os mais novos, o “fogo na Politécnica” é apenas uma história que ouviram contar.

Mar

Qual o impacto das poeiras provenientes do Sahara na produtividade marinha do Oceano Atlântico tropical, particularmente nos coccolitóforos (fitoplâncton calcário)? Esta é a principal questão que irá marcar o trabalho de Catarina Guerreiro, investigadora do MARE.

pilhas de compostagem

O compostor da FCUL foi inaugurado há pouco mais de um ano, em 27 de novembro de 2016, numa parceria entre a HortaFCUL, o Gabinete de Segurança, Saúde e Sustentabilidade da FCUL e o cE3c - Centro de Ecologia, Evolução e Alterações Ambientais.

Gabriella Gilli

Gabriella Gilli, investigadora do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço, pretende usar um novo modelo teórico tridimensional, análogo ao que é usado para descrever a atmosfera de Vénus, para antecipar as futuras observações de exoplanetas quentes de tipo terrestre.

Vladimir Konotop

Nesta fotolegenda destacamos uma passagem da entrevista com o físico Vladimir Konotop e que pode ser ouvida no canal YouTube e na área multimédia deste site.

Bernadette Bensaude-Vincent

A ULisboa atribui a 2 de março o título de doutor honoris causa a Bernadette Bensaude-Vincent, por proposta da Faculdade de Ciências, homenageando uma personalidade de grande relevo cientifico com relações estreitas com o contexto científico português, demonstrando publicamente quanto lhe deve e quanto se sente honrada por lhe poder conceder este titulo.

Biblioteca com alunos

A entrada na faculdade é muito mais do que a transição para uma nova etapa académica, é o início de uma aventura no próprio desenvolvimento, onde se passa de jovem a adulto. Esta fase acarreta desafios para o próprio e nas relações com os outros, ficando este jovem adulto entre o medo e o desejo de crescer com tarefas académicas, sociais, pessoais e vocacionais para fazer face, simultaneamente.

Campus de Ciências

Dois investigadores do cE3c – Centro de Ecologia, Evolução e Alterações Ambientais receberam bolsas europeias Marie Sklodowska-Curie para desenvolver investigação nos próximos dois anos.

Concorrentes

A semifinal aconteceu a 17 de fevereiro, a final nacional a 12 de abril e a final internacional entre 5 e 10 de junho. Em Ciências foram apurados quatro finalistas, estudantes da ULisboa nos cursos de Física, Biologia, Engenharia Química e Matemática Aplicada e Computação.

Carlos Mateus Romariz Monteiro

Faleceu a 9 de fevereiro de 2018, com 97 anos, Carlos Mateus Romariz Monteiro.

Pessoa sentada junto a uma mesa

Passamos, quer no trabalho como em momentos de lazer, longos períodos sentados. Estar sentado é um descanso! Mas, será mesmo assim?

O que fazem e o que pensam alguns membros da comunidade de Ciências? O Dictum et factum de fevereiro de 2018 é com João Martins, técnico superior do Departamento de Física de Ciências.

A cooperação (e colaboração) científica apoia-se sempre em ensinar e aprender (dar e receber), num registo de amizade e humildade, de motivação e de empolgamento. A paridade é fundamental, tal como o “foco e simplicidade”, a relevância e a utilidade (Steve Jobs).

João Carlos Marques, professor da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra é o novo diretor do MARE, sucedendo no cargo Henrique Cabral, professor do Departamento de Biologia Animal de Ciências.

A iniciativa possibilita aos estudantes a recolha de informação sobre diversas áreas do saber das 18 escolas da Universidade de Lisboa.

Páginas