Amostras são processadas analiticamente nos polos do MARE e BioISI da Ciências ULisboa

Projeto MarCODE recolhe mais de 1000 amostras de pescado e marisco

Barcos de pesca em Almograve, Portugal

“Várias espécies são capturadas em locais onde a captura se encontra interdita ou utilizando artes de pesca ilegais, sendo o pescado muitas vezes processado a bordo e declarado como tendo origens geográficas diferentes da rotulada", conta Bernardo Duarte

Unsplash - Marília Castelli

O MarCODE tem como parceiros científicos o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) e a Docapesca e conta com um financiamento total de €1.257.208,71, sendo cofinanciado pelo Programa Operacional MAR 2020 no âmbito do Fundo Europeu dos Assuntos Marítimos e das Pescas.

No âmbito do projeto MarCODE já foram recolhidas mais de 1000 amostras de pescado e marisco - robalo, dourada, raia-lenga, pescada, carapau, polvo, cavala, ouriço e percebes. A amostragem decorreu nas lotas nacionais da DOCAPESCA, nomeadamente em Matosinhos, Peniche, Sesimbra, Sines e Olhão, as principais lotas do país bem como os mercados com maior relevância em termos de volume de desembarques nacionais. As amostras encontram-se a ser processadas analiticamente nos laboratórios do Centro de Ciências do Mar e Ambiente (MARE) e do Instituto de Biossistemas e Ciências Integrativas (BioISI), nos polos da Faculdade.

“Resultados preliminares já desenvolvidos para algumas espécies (por exemplo, o robalo) demonstram que as marcas bioquímicas propostas (como por exemplo o perfil de ácidos gordos do pescado) apresentam uma elevada capacidade de resolução em discriminar organismos capturados em diferentes zonas, nomeadamente uma elevada resolução até a uma escala bastante reduzida, sendo possível discriminar os locais de captura destes indivíduos usando estas técnicas em diferentes zonas, como por exemplo o estuário do Tejo”, conta Bernardo Duarte, investigador do MARE Ciências ULisboa e coordenador do projeto, lançado em julho passado.

Segundo o investigador estima-se que um em cada três restaurantes da Europa venda pescado incorretamente identificado, sendo que na maioria das situações é fornecido ao consumidor uma espécie diferente da que se encontra descrita nas ementas. “A venda de ‘gato por lebre’, ou seja, de espécies de baixo valor comercial no lugar de espécies mais caras, é a fraude mais recorrentemente detetada. Uma das fraudes mais comuns em Portugal de acordo com a ASAE trata-se da venda de paloco por bacalhau ou de pota por polvo”, adianta Bernardo Duarte.

Portugal é um dos maiores consumidores mundiais de peixe per capita, sendo particularmente afetado pela possibilidade de fraudes nesta área. A pesca ilegal, não declarada e não regulamentada tem impactos económicos, ecológicos e de saúde pública.

“Várias espécies são capturadas em locais onde a captura se encontra interdita ou utilizando artes de pesca ilegais, sendo o pescado muitas vezes processado a bordo e declarado como tendo origens geográficas diferentes da rotulada. O impacto estimado desta prática ronda os 26-50 biliões de dólares. Adicionalmente a captura de espécies em zonas de captura proibida levanta problemas económicos ameaçando os stocks de pescado nessas mesmas zonas. Estas capturas são depois vendidas a preços de mercado mais elevados, com rotulagem geográfica adulterada. Ao terem como origem zonas de captura interdita, estes espécimes apresentam por vezes valores de contaminantes, toxinas ou de parasitas superiores aos admitidos como sendo legalmente seguros para consumo humano, apresentando por isso um risco acrescido”, conclui Bernardo Duarte.

Scripta manent. O que se escreve, fica, permanece.
Artigo no Guardian alerta para fraude alimentar de alimentos de origem marinha.

Ana Subtil Simões, Área Comunicação e Imagem Ciências ULisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt
MarCODE arranca em julho

O DM está na Futurália

Para Duarte Flor, presidente da associação académica e aluno do 12.º ano em Ciências, é importante que os candidatos ao ensino superior visitem as instalações de uma faculdade.

Desenho de uma figura masculina

“Existe um espaço onde o sentimento de pertença a uma escola pode ser reavivado", afirma Miguel Ramos.

Aluna junto a uma das colunas do átrio do C6

A mostra pictórica da atividade científica da FCUL é inaugurada a 13 de março. Conheça as razões pelas quais deve visitar a exposição.

O que são líquidos iónicos? Num dos primeiros programas do ano, o Com Ciência entrevistou o professor e investigador da FCUL, Carlos Nieto de Castro sobre esta classe de solventes.

Desenho de uma figura masculina

A data de lançamento do livro ainda não é pública, mas o evento deverá ocorrer brevemente, na Faculdade de Belas-Artes da UL.

Ontem evocou-se o Dia das Doenças Raras. A fibrose quística é um desses males incomuns. A investigação científica é importante em todos os setores, mas ganha especial sentido em áreas como esta.

Cerca de 20 professores de Ciências da Natureza e Ciências Naturais de nove concelhos portugueses participam na atividade promovida pelo MNHNC-UL a decorrer até abril.

Imagem de um folheto promocional

A FCUL volta a marcar presença no evento, juntamente com outras unidades orgânicas da UL.

Fotografia com pontos de interrogação

Alunos finalistas aconselham Engenharia da Energia e do Ambiente. Testemunhos de Guilherme Gaspar e Ricardo Leandro.

Fotografia de mesa com cinco pessoas sentadas, na Reitoria da UL

A rede pretende formalizar colégios doutorais em áreas transversais. Opinião de Maria Amélia Martins-Loução.

Fotografia de pessoas sentadas num dos anfiteatros da FCUL

A iniciativa acontece a 17 de março e é organizada pelos Departamentos de Física e de Informática.

Fotografia de Dois voluntários, sentados junto a uma banca no átrio do C5

Em fevereiro estão abertas inscrições para a admissão de novos voluntários.

A FCUL participa em "Programa de Estudos Avançados" com mais quatro instituições universitárias portuguesas e brasileiras.

Vale a pena recordar a iniciativa do Gabinete de Mobilidade, Estágios e Inserção Profissional da FCUL.

Fotografia de alunos a andarem, junto ao C8

A primeira edição do curso realiza-se já em 2012.

Outra forma de fazer turismo.

Artigo de investigadores do CeGUL e docentes do GeoFCUL no Top 25.Artigo de investigadores do CeGUL e docentes do GeoFCUL no Top 25

O Encontro decorreu em Junho no GeoFCUL.

Páginas