Desenvolvimento e aplicação de ferramentas bioquímicas

MarCODE arranca em julho

Rastreamento de produtos comerciais marinhos

O MarCODE tem como parceiros científicos o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) e a Docapesca e conta com um financiamento total de €1.257.208,71, sendo cofinanciado pelo Programa Operacional MAR 2020

unsplash - Jakub Dziubak

Seis objetivos para cumprir em 36 meses

  • Implementação de marcadores genéticos para confirmação de espécies recolhidas > contrariar a fraude alimentar;
  • Avaliação de parâmetros elementares, isotópicos, bioquímicos e de consórcios microbianos > marcadores eficazes de origem/local de captura;
  • Testar diferentes metodologias de classificação automática baseadas em processos de inteligência artificial > automatizar o processo de rastreabilidade e melhorar os instrumentos de classificação e rotulagem;
  • Criar cartas nutricionais > promoção de produtos com elevado valor nutricional; • Produzir ferramenta online de consulta pública > consulta de todos os dados relativos a um determinado produto;
  • Produzir informação de suporte para futuras medidas de aconselhamento por parte das entidades competentes (valor ecológico, stocks das populações, dados nutritivos, elementares e bioquímicos) > processo de captura e produção mais sustentável do ponto de vista ecológico e económico;
  • Produzir informação de suporte para futuras medidas de aconselhamento por parte das entidades competentes (valor ecológico, stocks das populações, dados nutritivos, elementares e bioquímicos) > processo de captura e produção mais sustentável do ponto de vista ecológico e económico.

O projeto MarCODE visa desenvolver uma ferramenta multidisciplinar para potenciar o rastreio e a rotulagem ecológica de espécies marinhas de interesse comercial, segundo comunicado de imprensa emitido pela Faculdade. O estudo iniciado este mês de julho deverá terminar daqui a três anos.

Bernardo Duarte, um dos investigadores entrevistados pela rubrica O que faço aqui?, é o coordenador desta investigação realizada na Ciências ULisboa, nomeadamente nos Centro de Ciências do Mar e Ambiente (MARE), Instituto de Biossistemas e Ciências Integrativas (BioISI) e LASIGE, apoiados pela infraestrutura analítica do Laboratório de Biomonitorização e Ecotoxicologia (BIOTOX). A equipa interdisciplinar integra ainda Vanessa Fonseca, investigadora corresponsável, bem como investigadores das áreas da Biologia e da Informática, nomeadamente Isabel Caçador, Anabela Silva, Ana Rita Matos, Ricardo Melo, Ricardo Dias, Rogério Tenreiro, Ana Tenreiro, Andreia Figueiredo, Maria José Costa, Patrick Reis-Santos, Susanne Tanner, Rui Rosa, Pedro Mariano, Sara Silva e a Cátia Pesquita.

O MarCODE tem como parceiros científicos o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) e a Docapesca e conta com um financiamento total de €1.257.208,71, sendo cofinanciado pelo Programa Operacional MAR 2020 no âmbito do Fundo Europeu dos Assuntos Marítimos e das Pescas.

“Esta ferramenta pretende identificar as espécies marinhas e as zonas de captura/produção de origem, contribuindo para a respetiva valorização ecológica e económica, estimulando o desenvolvimento de programas de certificação.”
Bernardo Duarte

logotipo
Logotipo do projeto

 

ACI Ciências ULisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt

Para Duarte Flor, presidente da associação académica e aluno do 12.º ano em Ciências, é importante que os candidatos ao ensino superior visitem as instalações de uma faculdade.

Desenho de uma figura masculina

“Existe um espaço onde o sentimento de pertença a uma escola pode ser reavivado", afirma Miguel Ramos.

Aluna junto a uma das colunas do átrio do C6

A mostra pictórica da atividade científica da FCUL é inaugurada a 13 de março. Conheça as razões pelas quais deve visitar a exposição.

O que são líquidos iónicos? Num dos primeiros programas do ano, o Com Ciência entrevistou o professor e investigador da FCUL, Carlos Nieto de Castro sobre esta classe de solventes.

Desenho de uma figura masculina

A data de lançamento do livro ainda não é pública, mas o evento deverá ocorrer brevemente, na Faculdade de Belas-Artes da UL.

Ontem evocou-se o Dia das Doenças Raras. A fibrose quística é um desses males incomuns. A investigação científica é importante em todos os setores, mas ganha especial sentido em áreas como esta.

Cerca de 20 professores de Ciências da Natureza e Ciências Naturais de nove concelhos portugueses participam na atividade promovida pelo MNHNC-UL a decorrer até abril.

Imagem de um folheto promocional

A FCUL volta a marcar presença no evento, juntamente com outras unidades orgânicas da UL.

Fotografia com pontos de interrogação

Alunos finalistas aconselham Engenharia da Energia e do Ambiente. Testemunhos de Guilherme Gaspar e Ricardo Leandro.

Fotografia de mesa com cinco pessoas sentadas, na Reitoria da UL

A rede pretende formalizar colégios doutorais em áreas transversais. Opinião de Maria Amélia Martins-Loução.

Fotografia de pessoas sentadas num dos anfiteatros da FCUL

A iniciativa acontece a 17 de março e é organizada pelos Departamentos de Física e de Informática.

Fotografia de Dois voluntários, sentados junto a uma banca no átrio do C5

Em fevereiro estão abertas inscrições para a admissão de novos voluntários.

A FCUL participa em "Programa de Estudos Avançados" com mais quatro instituições universitárias portuguesas e brasileiras.

Vale a pena recordar a iniciativa do Gabinete de Mobilidade, Estágios e Inserção Profissional da FCUL.

Fotografia de alunos a andarem, junto ao C8

A primeira edição do curso realiza-se já em 2012.

Outra forma de fazer turismo.

Artigo de investigadores do CeGUL e docentes do GeoFCUL no Top 25.Artigo de investigadores do CeGUL e docentes do GeoFCUL no Top 25

O Encontro decorreu em Junho no GeoFCUL.

Páginas