Brasileiros convidados a escolher Portugal

Rosto de Fernando Ramos
Cedida por Fernando Ramos

No dia 6 de março o “Público” noticiava: “Brasileiros convidados a não escolher Portugal”. Nessa notícia, dizia-se que “o Governo brasileiro terá convidado quase dez mil estudantes que se candidataram a frequentar o ensino superior em Portugal a mudar de destino”, dando o Governo de Dilma Roussef como justificação a “menor qualidade das universidades e institutos politécnicos que acolhem estes alunos do Brasil quando comparada com instituições do seu país de origem”. A “recomendação” baseava-se num estudo da SCImago onde se avalia o ensino superior em Portugal, Espanha e América Latina, fornecendo um ranking de cerca de 1400 instituições.

Fiquei surpreendido com a notícia e, ao passar os olhos pelo relatório, questionei-me: quão credível será um ranking que coloca a Universidade de Stanford em 20.º, a Universidade de Cambridge em 30.º e o MIT em 46.º? E que, simultaneamente, coloca à frente destas instituições (respeitáveis, mas de qualidade não comparável) como a Universidade de Zhejiang ou a de São Paulo?

Um olhar mais atento permite concluir que o problema não está no ranking, mas na leitura errada que o Governo brasileiro faz do mesmo. O erro parece resultar de uma análise acrítica feita do documento. A ordenação do ranking é feita com base numa variável (“output”) que mede a quantidade de trabalho científico produzido por cada instituição. Mas, como sabe quem faz investigação, o importante não é publicar em quantidade. O importante é fazer trabalho de alto nível e de elevado impacto, na forma como contribui para a sociedade e de como avança o conhecimento na sua área, que consiga ser publicado em revistas de topo. É que publicar numa "Science" ou numa "Nature" é radicalmente diferente de publicar na maior parte das 19700 revistas consideradas neste estudo. Uma variável deste tipo não traduz estes aspetos essenciais.

Mas, como é habitual neste tipo de estudos, o relatório apresenta um conjunto de variáveis que medem de facto a qualidade das instituições. Por exemplo, a variável “impacto normalizado”, que mede o impacto científico (medido em número de citações) de uma instituição quando comparado com a média mundial. Ou o “rácio de publicações de elevada qualidade”, que mede a percentagem de publicações de uma dada instituição publicadas em revistas de topo.

Uma análise do relatório considerando estas variáveis mostra o cenário oposto ao traçado pelo Governo brasileiro. As instituições portuguesas estão claramente acima das suas congéneres brasileiras quando se considera qualquer dessas variáveis. Um exemplo: das 77 instituições ibero-americanas com “impacto normalizado” igual ou superior a 1 (as que têm média igual ou superior à média mundial), 18 são portuguesas (em 21). No Brasil, apenas uma está dentro destes valores, apesar do maior número de instituições brasileiras (75). Analisando quaisquer das outras variáveis deste tipo chega-se exatamente à mesma conclusão. Em suma, e de acordo com este relatório, a maioria das instituições de ensino superior em Portugal têm qualidade superior às do Brasil, contrariando de forma que não deixa dúvidas a “recomendação” do Governo brasileiro.

A propagação destas conclusões erradas pode ter consequências muito negativas para o nosso país. Em primeiro lugar, pela imagem que deixa das nossas instituições universitárias. Depois, porque pode resultar num indesejado decréscimo do número de alunos brasileiros que decidem vir estudar para Portugal. Considero por isso essencial que o Governo português tome uma atitude junto do Governo brasileiro, de forma que este clarifique o assunto junto dos seus estudantes, assim se repondo a verdade relativamente à qualidade do ensino superior português.

A História une Portugal e o Brasil. São muito fortes os laços que temos com o nosso “país irmão”. É por isso meu desejo — que acredito partilhar com a maioria dos portugueses — que as universidades brasileiras continuem a aumentar os seus índices de qualidade — o que aliás tem vindo a acontecer — de forma que o trabalho científico produzido tenha um impacto cada vez mais positivo na sociedade e na economia do Brasil. Gostaria que continuássemos a fazer parte desse esforço, recebendo e formando muitos alunos brasileiros nas nossas instituições. A análise enviesada do relatório da SCImago não vai nesse sentido, mas acredito ainda se ir a tempo de corrigir o lapso.

Fernando Ramos, professor do Departamento de Informática da FCUL

O DM está na Futurália

Para Duarte Flor, presidente da associação académica e aluno do 12.º ano em Ciências, é importante que os candidatos ao ensino superior visitem as instalações de uma faculdade.

Desenho de uma figura masculina

“Existe um espaço onde o sentimento de pertença a uma escola pode ser reavivado", afirma Miguel Ramos.

Aluna junto a uma das colunas do átrio do C6

A mostra pictórica da atividade científica da FCUL é inaugurada a 13 de março. Conheça as razões pelas quais deve visitar a exposição.

O que são líquidos iónicos? Num dos primeiros programas do ano, o Com Ciência entrevistou o professor e investigador da FCUL, Carlos Nieto de Castro sobre esta classe de solventes.

Desenho de uma figura masculina

A data de lançamento do livro ainda não é pública, mas o evento deverá ocorrer brevemente, na Faculdade de Belas-Artes da UL.

Ontem evocou-se o Dia das Doenças Raras. A fibrose quística é um desses males incomuns. A investigação científica é importante em todos os setores, mas ganha especial sentido em áreas como esta.

Cerca de 20 professores de Ciências da Natureza e Ciências Naturais de nove concelhos portugueses participam na atividade promovida pelo MNHNC-UL a decorrer até abril.

Imagem de um folheto promocional

A FCUL volta a marcar presença no evento, juntamente com outras unidades orgânicas da UL.

Fotografia com pontos de interrogação

Alunos finalistas aconselham Engenharia da Energia e do Ambiente. Testemunhos de Guilherme Gaspar e Ricardo Leandro.

Fotografia de mesa com cinco pessoas sentadas, na Reitoria da UL

A rede pretende formalizar colégios doutorais em áreas transversais. Opinião de Maria Amélia Martins-Loução.

Fotografia de pessoas sentadas num dos anfiteatros da FCUL

A iniciativa acontece a 17 de março e é organizada pelos Departamentos de Física e de Informática.

Fotografia de Dois voluntários, sentados junto a uma banca no átrio do C5

Em fevereiro estão abertas inscrições para a admissão de novos voluntários.

A FCUL participa em "Programa de Estudos Avançados" com mais quatro instituições universitárias portuguesas e brasileiras.

Vale a pena recordar a iniciativa do Gabinete de Mobilidade, Estágios e Inserção Profissional da FCUL.

Fotografia de alunos a andarem, junto ao C8

A primeira edição do curso realiza-se já em 2012.

Outra forma de fazer turismo.

Artigo de investigadores do CeGUL e docentes do GeoFCUL no Top 25.Artigo de investigadores do CeGUL e docentes do GeoFCUL no Top 25

O Encontro decorreu em Junho no GeoFCUL.

Páginas