Projeto MARGINS está a estudar o impacto das alterações climáticas em zonas costeiras na Guiné-Bissau

Envolvidos no estudo estão vários investigadores e estudantes da Ciências ULisboa, que partiram em missão no início deste ano

3 homens sentados

Luís Catarino, Pansau na Pancal e Quintino Bancessi em trabalho de campo na região de Mato Farroba

Fotografia cedida por Luís Catarino

MARGINS surgiu com o objetivo de estudar as interações socioecológicas entre comunidades humanas e ambiente na zona costeira da Guiné-Bissau e compreender a inter-relação de arrozais e mangais como parte de uma unidade afetada pelas mudanças climáticas.

arroz e mangal
Mangais são florestas que se desenvolvem nas áreas de transição entre o ambiente terrestre e marinho nas zonas tropicais e subtropicais. Constituem importantes ecossistemas de “carbono azul” uma vez que têm a capacidade de reter grandes quantidades de carbono, atuando também na proteção costeira contra ventos fortes e ciclones, cheias e a subida do nível do mar. Equivalente aos sapais das zonas temperadas, situam-se nas zonas entremarés
Fonte LC

Neste projeto interdisciplinar combinam-se diferentes domínios científicos, estando nele envolvidos docentes da Ciências ULisboa, investigadores do Instituto Dom Luiz (IDL) e do Centro de Ecologia, Evolução a Alterações Ambientais (cE3c) e estudantes da Faculdade.

O projeto é coordenado por Joana Sousa e Rita Campos do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra, sendo que participam no projeto a Associação para a Investigação e Desenvolvimento de Ciências (FCiências.ID), da Ciências ULisboa, o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisa e a Universidade Amílcar Cabral (UAC), na Guiné-Bissau. No trabalho estão também envolvidos investigadores do Instituto Superior de Agronomia (ISA) e do ISCTE-Instituto Universitário de Lisboa.

O objetivo do projeto subdivide-se em três componentes principais que se prendem com a análise (1) das políticas e programas internacionais e estatais que têm atuado no âmbito da gestão de mangais e arrozais; (2) das características tecnológicas, sociais e ecológicas que influenciam o aumento da salinização e os estragos nos diques orizícolas; e (3) das memórias e conhecimento sobre as transformações socioecológicas e tecnológicas nos espaços mangal-arrozal.

Na Guiné-Bissau, o cultivo de arroz de mangal existe em coassociação com florestas de mangal. As duas componentes formam um complexo socioecológico funcional e interativo. Com o intuito de estudar estas regiões da Guiné-Bissau, alguns dos investigadores deslocaram-se em missão ao país no passado mês de janeiro. A cargo dos investigadores da Ciências ULisboa ficou o estudo da vertente bioecológica e geográfica do projeto.

Modelar o terreno

Da Ciências ULisboa participam ainda no projeto, Cristina Cruz, professora e investigadora no cE3c, Ana Paula Rosa, estudante de doutoramento, e Maira da Costa, estudante guineense de mestrado.

Com a ajuda de habitantes locais e alunos da UAC, os professores Luís Catarino, investigador do cE3c, Carlos Antunes, investigador do IDL, e Madalena Matias, estudante de mestrado, deslocaram-se em trabalho de campo para esta missão. Participaram ainda Ana Cabral, investigadora do ISA, e Pedro Rodrigues, piloto de drones.

Carlos Antunes relatou-nos a experiência em Ondame, um dos três locais escolhidos para a realização do estudo, no qual esteve durante uma semana.

Neste local de estudo, foi feita a cobertura com imagens aéreas recolhidas com drone para elaboração de um modelo digital do terreno, com marcas de controlo no solo georreferenciadas com GPS. Foi também instalado um transdutor de pressão para a medição de maré num canal a sul de Ondame, que mediu os ciclos de maré durante sete dias, permitindo modelá-la.

Carlos Antunes explica que estes procedimentos, que envolvem alguma complexidade, tiveram de ser realizados, uma vez que não existe na região informação geográfica atualizada. Não existia uma estrutura de GPS base, pelo que foi necessário instalar uma antena GPS no cimo de num depósito de água, que transmitiu a informação via rádio para o recetor móvel.

O objetivo deste trabalho é projetar a subida do nível médio do mar para o futuro, e antecipar a afetação da zona costeira daqui a 50 a 100 anos. Partindo de modelos globais de projeções estatísticas de cenários climáticos, que fornecem apenas informação sobre a variação eustática, é necessário acrescentar à análise outras componentes locais, como as marés e efeitos de velocidade vertical de cariz geológico, trabalho esse que está agora a ser realizado pelos investigadores.

Os diques são estruturas construídas à mão no próprio terreno, entre o mangal e os campos de arroz, e possuem válvulas com funções distintas:

  • deixar passar o excedente de água das chuvas para o mar, dessalinizando os terrenos;
  • proteger os campos de arroz da água salgada e da invasão da maré;
  • deixar entrar água salgada, depois da cultura do arroz, para controlar os infestantes que prejudicam o seu crescimento.

Com base em imagens de cartografia antiga, é percetível o avanço do mar e do mangal, o que preocupa as populações e põe em causa a produtividade dos arrozais – zonas que em tempos foram áreas de cultivo, são hoje impraticáveis. O avanço do mar leva à rutura dos diques que protegem os arrozais e consequente ao aumento da salinidade dos terrenos, diminuindo assim a capacidade de produção de arroz.

Para além da proteção da invasão da maré, os diques têm também um importante papel na época das chuvas, permitindo drenar a água das chuvas e dessa forma dessalinizar os terrenos. A diminuição da pluviosidade anual é também um fator que influencia a produtividade do cultivo.

Esta análise permitirá identificar que medidas poderão vir ser implementadas no futuro para a manutenção desta atividade económica tão relevante no país.

As questões vão além dos problemas económicos, uma vez que o abandono de terrenos obriga a população a migrar em busca de melhores condições de vida, gerando problemas políticos e socioeconómicos complexos, dada a diversidade social existente no país.

Acompanhado por Bernardo Ié, residente em Ondame, Carlos Antunes conta que percorreu cerca de 25 km por dia, perfazendo um total de 170 km nos trajetos de colocação dos pontos de controlo; consumiu dois a três litros de água por dia, o necessário para evitar a desidratação nas condições de calor intenso da região.

O plano de trabalho era exigente e rigoroso, mas nem sempre foi possível cumpri-lo, o que levou a que algumas tarefas não tivessem corrido como previsto. No entanto, e face à experiência que tem, conta, “temos sempre redundância de equipamentos e métodos, para o caso de alguma coisa correr mal”.

O investigador afirma que é importante fazer o trabalho acompanhado por habitantes locais, que conheçam a zona e as pessoas para uma melhor compreensão dos objetivos e métodos do projeto. Ao fim de pouco tempo, já se sentia à vontade para andar sozinho pois os habitantes já o conheciam e cumprimentavam, reconhecendo desta forma a importância do seu trabalho para o futuro da região.

Carlos Antunes diz que o povo guineense é “muito humilde e hospitaleiro”. “Receberam-nos com uma educação extraordinária, sem qualquer tipo de ressentimento, mesmo as pessoas mais velhas, que certamente viveram o tempo da guerra na Guiné”, afirma.

Na mala levava material escolar, oferecido pela Faculdade, para doar a uma escola guineense. Conta que quando manifestou interesse em dar o material às crianças, a escola preparou um ato “solene” de entrega, no qual os alunos cantaram uma canção que terminava dizendo: “o pouco que ofereces é muito para mim”. O momento foi emocionante, conta.

planta de arroz
O arroz é a base da alimentação na Guiné-Bissau. O seu cultivo é uma das atividades económicas mais importantes do país
Fonte LC

Diz que ficou a gostar muito, não só do país, mas essencialmente das pessoas - “a experiência científica é sem dúvida um grande desafio pois envolve muitas áreas científicas, mas a experiência pessoal foi a mais marcante - vim de coração cheio”.

“A experiência científica é sem dúvida um grande desafio pois envolve muitas áreas científicas, mas a experiência pessoal foi a mais marcante - vim de coração cheio.” Carlos Antunes

 

Estudar os solos e a vegetação

A 28 de janeiro Carlos Antunes, Madalena Matias, Ana Cabral e Pedro Rodrigues regressaram a Portugal, sendo que Luís Catarino permaneceu na Guiné-Bissau, para se deslocar às restantes áreas de estudo. O investigador prosseguiu o trabalho de campo por mais duas semanas nas regiões de Mato Farroba e Susana.

Sempre acompanhado por estudantes da UAC e por Quintino Bancessi, investigador aposentado do Instituto Nacional de Pesquisa Agrícola da Guiné-Bissau e seu amigo de longa data, efetuaram recolha de dados e amostras de solo e vegetação em transectos, com o objetivo de caracterizar o gradiente terra-mar em termos da estrutura e composição da vegetação e características físico-químicas e microbiológicas do solo.

O investigador explica que imagens de deteção remota daquela zona, obtidas ao longo dos anos, permitem identificar diversas alterações do coberto do solo, facto que pode ter origem tanto em causas socio-económicas como climáticas. Nas três zonas estudadas, as condições são distintas - enquanto em Suzana e Ondame, o mangal está a expandir-se, ocupando zonas de arrozal abandonadas, em Mato Farroba a cultura de arroz está em expansão para zonas de mangal derrubado.

A norte, os habitantes vivem muito próximo das zonas costeiras, debatendo-se com a escassez de água doce, sendo uma zona muito afetada pelas alterações climáticas e onde é cada vez mais difícil manter as atividades de pesca e cultivo de arroz.

“Bolanhas” é o termo utilizado localmente para designar os campos de arroz.

Às consequências das alterações climáticas junta-se a escassez de mão de obra jovem, que acentua este problema, principalmente em Ondame. Neste local, constata-se que o “mangal está a comer as bolanhas”, e que a população está a ter muita dificuldade em manter os diques e as plantações de arroz intactos.

A sul, em Mato Farroba, as questões são distintas, uma vez que não há problemas nem de falta de água nem de escassez de mão de obra. Incentivados por políticas económicas locais, as populações têm derrubado mais mangal para expandir os campos de arroz e aumentar a sua capacidade de sustento.

Este é um projeto que envolve o trabalho de vários estudantes das entidades participantes. Para além de estudantes da Ciências ULisboa, três estudantes de licenciatura da UAC, oriundos de cada uma das zonas de estudo, participaram nesta missão: Quinta Iê, em Ondame, Pansau na Pancal, em Mato Farroba e Robalo Djata, em Susana. “Foi ótimo andar com cada um deles porque conhecem o ambiente e o local”, partilha o investigador.

Foi também delineado um inquérito para ser aplicado pelos estudantes à população das áreas de estudo. Dessa experiência surgiu a ideia de cada um deles desenvolver uma monografia de final de licenciatura sobre a cultura do arroz na sua zona, permitindo posteriormente fazer uma comparação entre os três locais de estudo.

 “Este estudo é interessante porque tem uma visão holística e pluridisciplinar desta zona”, diz Luís Catarino. O projeto teve início em janeiro de 2022 e decorrerá até final de 2024. Tem uma nova missão prevista para novembro deste ano.

“Este estudo é interessante porque tem uma visão holística e pluridisciplinar desta zona.” Luís Catarino

equipa em Ondame
Equipa de trabalho em Ondame: Carlos Antunes, Francisco Wambar, Quinta Ié, Madalena Matias e Quintino Bancessi
Fonte LC

Marta Tavares, Gabinete de Jornalismo Ciências ULisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt
Rosto de Patrícia Chaves

Patrícia Chaves, atualmente no 3.º ano de doutoramento em Ciências ULisboa, está entre os 12 finalistas da primeira edição da competição Três Minutos de Tese – 3MT ULisboa. A final tem lugar a 30 de maio, às 18h30, no Museu Nacional de História Natural e da Ciência da ULisboa. Patrícia Chaves está atualmente no 3.º ano do programa de doutoramento Biologia e Ecologia das Alterações Globais.

tejadilho de uma carro com paineis solares

Uma equipa de investigadores do Departamento de Engenharia Geográfica, Geofísica e Energia e do Instituto Dom Luiz, está a recrutar voluntários para uma campanha de ciência cidadã, cujo objetivo é estimar o potencial da mobilidade solar, utilizando os próprios veículos. A campanha decorre no âmbito do projeto “Solar Cars”.

telescópio

Um grupo de cientistas da Ciências ULisboa e da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto, membros do CENTRA - Centro de Astrofísica e Gravitação, participam no desenvolvimento do Mid-infrared ELT Imager and Spectrograph (METIS), um poderoso instrumento que vai equipar o maior telescópio do mundo - o Extremely Large Telescope (ELT) – em construção pelo European Southern Observatory (ESO) em Armazones, Chile.

logotipo simpósio

O simpósio internacional sobre “Os impactos humanos na conetividade funcional dos ecossistemas marinhos” realiza-se entre 22 e 25 de maio, no Cineteatro Municipal João Mota, em Sesimbra. Mais de 100 investigadores, gestores marinhos e políticos de 30 países de todo mundo partilham as últimas descobertas na temática e discutem as políticas de gestão e preservação destes ecossistemas.

Sala de reuniões com várias pessoas sentadas

Volker Mehrmann esteve na Ciências ULisboa, em outubro de 2022, para participar na reunião do Comité Executivo da EMS, que pela primeira vez ocorreu em Portugal. “A comunidade matemática portuguesa orgulha-se de, ao longo das últimas décadas, ter colocado com cada vez maior intensidade e reconhecimento Portugal no mapa da Matemática europeia e mundial”, diz Jorge Buescu, professor do Departamento de Matemática da Ciências ULisboa, vice-presidente da EMS, presente nestas reuniões desde 2018.

imagem com linhas e ligações luminosas

O Centro de Matemática, Aplicações Fundamentais e Investigação Operacional em conjunto com o Centro de Estudos de Gestão do Instituto Superior Técnico tem vindo a organizar a série "Workshop on Combinatorial Optimization". A 4.ª edição do evento terá lugar no próximo dia 8 de maio, em formato online.

3 pessoas a mostrar uma capa da Faculdade com o protocolo dentro

Realizou-se esta quarta-feira, dia 3 de maio, a assinatura da adenda ao acordo de cooperação do “UPskill - Digital Skills and Jobs”, um programa que aposta na requalificação de pessoas desempregadas ou em situação de subemprego, nas várias áreas das TIC. No âmbito deste acordo, a Faculdade irá participar como entidade formadora.

chuteira e uma bola de futebol

Em 2022, 23 alunos da Ciências ULisboa foram distinguidos com medalhas desportivas, em cerca de 50 provas de competições universitárias, nacionais e internacionais, nas modalidades karaté, taekwondo, judo, atletismo e natação, alcançando resultados de excelência.

mamífero toirão

O novo Livro Vermelho dos Mamíferos de Portugal Continental, apresentado esta terça-feira, atualiza o conhecimento sobre as espécies de mamíferos terrestres e marinhos da fauna de Portugal Continental e faz uma revisão dos estatutos de ameaça das espécies.

conjunto de pessoas - foto de grupo dos participantes

Nos dias 11 e 18 de março, realizaram-se no Departamento de Química e Bioquímica as semifinais das Olimpíadas de Química + e Júnior, respetivamente.

menina a escrever num papel com formulas matemáticas

Professores da Ciências ULisboa integraram equipas da Direção Geral de Educação, criadas para definir as aprendizagens essenciais para a Matemática do Ensino Secundário.

4 investigadores

Quatro investigadores do Centro de Ciências do Mar e do Ambiente estiveram embarcados em expedições oceanográficas no Oceano Atlântico e Oceano Austral, com o objetivo de estudar os processos biogeoquímicos do oceano.

foto de grupo com mulheres homenageadas

O quarto volume do livro “Mulheres na Ciência”, editado pela Ciência Viva, conta com retratos de 101 cientistas portuguesas de diferentes gerações e áreas do conhecimento científico, onze delas investigadoras na Ciências ULisboa.

4 pessoas em frente de uma tela de apresentação

No âmbito da UC “Voluntariado Curricular”, realizaram-se no passado dia 19 de janeiro as apresentações dos projetos dos alunos. Esta UC promove a formação e o desenvolvimento pessoal dos estudantes, sensibilizando-os para as temáticas da solidariedade, tolerância, compromisso, justiça e responsabilidade social.

Henrique Leitão e José María Moreno

Henrique Leitão e José María Moreno Madrid, investigadores do Centro Interuniversitário de História das Ciências e da Tecnologia (CIUHCT) ​​​​​​ganham (em ex-aequo) o prémio Almirante Teixeira da Mota pelo seu livro "Desenhando a Porta do Pacífico. Mapas, Cartas e Outras Representações Visuais do Estreito de Magalhães".

instrumento matemático

Está patente na Fundação Caixa Agrícola Costa Azul, em Santiago do Cacém, “O Cálculo de Ontem e de Hoje”, uma exposição didática concebida pelo Departamento de Matemática da Ciências ULisboa e pelo Museu Nacional de História Natural e da Ciência, em parceria com o Centro de Ciência Viva do Lousal.

alimentos

O programa da Antena 1 intitulado “Os desafios da alimentação sustentável”, que contou com a colaboração da ULisboa, Universidade Nova de Lisboa e Universidade do Algarve, foi lançado a 6 de fevereiro. Envolvido neste projeto esteve Bruno Pinto, investigador do Centro de Ciências do Mar e do Ambiente, polo da Ciências ULisboa.

Maria Manuel Torres

Maria Manuel Torres, professora do DM Ciências ULisboa, é a protagonista do quinto vídeo do projeto “Porquês com Ciência” sobre Matemática e Sustentabilidade.

pessoas numa exposição

A iniciativa “Café Ciências” está de regresso, após uma pausa forçada devido à pandemia. As sessões terão lugar às quartas-feiras, pelas 17h30, na Galeria Ciências, promovendo olhares cruzados sobre a exposição “A Porta do Pacífico: Uma viagem cartográfica pelo Estreito de Magalhães”.

Marta Panão no estudio FCCN

Marta Panão, professora do Departamento de Engenharia Geográfica, Geofísica e Energia da Ciências ULisboa, é a protagonista do quarto vídeo do projeto “Porquês com Ciência”, disponível no YouTube da Faculdade. A pergunta “Como pensar a energia nos edifícios do futuro?” está diretamente relacionada com a licenciatura em Engenharia da Energia e Ambiente.

fotografia dos dois premiados

Dois estudantes da Ciências ULisboa receberam, em 2022, Bolsas de Investigação para Doutoramento Maria de Sousa, atribuídas pela Fundação para a Ciência e Tecnologia, em colaboração com a Agência de Investigação Clínica e Inovação Biomédica.

Conceção artística de um buraco negro

Uma equipa internacional, da qual faz parte José Afonso, investigador no Departamento de Física da Faculdade e no Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço, lançou a hipótese de que os buracos negros poderão ter a resposta para a expansão acelerada do Universo.

vários jovens numa foto de grupo

Leonor Gonçalves, estudante do 1º. ano do mestrado em Estatística e Investigação Operacional, fala sobre a sua missão e partilha a experiência enquanto embaixadora das Carreiras na União Europeia (UE), deixando um apelo aos estudantes da Ciências ULisboa com interesse e dúvidas sobre as carreiras da UE, para que entrem em contacto com ela.

mesa com computador, caneca de café e bloco de notas

A Sociedade Portuguesa de Autores atribuiu o Prémio de Jornalismo Cultural deste ano à jornalista Teresa Firmino, editora da secção de Ciência do jornal Público, e membro do Conselho de Escola da Ciências ULisboa.

frente da reitoria da ULisboa

Entrevista a James McAllister, filósofo e professor no Institute for Philosophy, na Universidade de Leiden, na Holanda, que estará a trabalhar na Faculdade durante este ano letivo como investigador visitante.

Páginas