Seminário

Autenticidade do mel produzido por Apis mellifera L. no Parque Nacional da Gorongosa

Transmissão através de Videoconferência
Imagem ilustrativa do evento (apicultura), acompanhada de várias informações (título, data e hora do evento; orador; logótipos das entidades organizadoras)

Por Adija Wilssone (cE3c, Ciências ULisboa).

Participação mediante registo prévio (o link da sessão será enviado aos participantes registados no dia do seminário).


A produção do mel em zonas rurais é tida como uma fonte alternativa de renda muito importante, especialmente em comunidades próximas a áreas de conservação, onde há uma abundância e diversidade de plantas para a produção de mel de qualidade. Entretanto, o benefício que advém dessa atividade pode ser prejudicado em situações onde se verifica a adulteração do mel, pois, este perde o seu valor no mercado, o que resulta consequentemente na perda da renda das comunidades locais e maior pressão sobre os recursos naturais. Para evitar estes problemas, e de modo a valorizar o mel produzido ao redor do Parque Nacional da Gorongosa, foi realizada pela primeira vez um estudo, com o objetivo de avaliar as características botânicas do mel, com vista a determinar as espécies de plantas mais visitadas por abelhas na produção do mel mediante análise polínica e aferir o potencial para a produção de méis mono florais; também constituiu objetivo deste trabalho, analisar a composição isotópica dos méis a fim de aferir a possibilidade da distinção dos mesmos. A pesquisa deve ser considerada como um estudo preliminar para uma possível distinção e autenticidade do mel da Gorongosa. As amostras de flores e méis usadas para as análises, foram colhidas nas comunidades onde se desenvolve o programa de apicultura do Parque, ou seja, nos distritos de Cheringoma e Gorongosa. As amostras de flores foram usadas para preparar lâminas de referência, que serviriam mais tarde para comparar com os grãos de pólen encontrados no mel. As amostras foram preparadas seguindo o método de acetolise para as análises qualitativas do mel. A análise da composição isotópica de 13C e 15N foi feita por métodos de espetrometria de massa de razão isotópica (IRMS). A análise polínica indicou uma grande diversidade polínica no mel, com predominância das espécies que compõem a família Fabaceae. Também foi observado um grande potencial para produção de méis mono florais, tendo sido registados 12 méis mono florais no universo de 24 amostras. A análise da composição isotópica dos méis da Gorongosa, mostrou valores enriquecidos no azoto 15 nos méis do CEC devido á elevada presença de plantas fixadoras do azoto e solos férteis; a mesma também apontou para o enriquecimento do carbono 13 dos méis da Serra da Gorongosa como fruto do stress hídrico causado pelo abate de árvores para abertura de campos agrícolas. No geral todos méis tiveram valores da composição isotópica de carbono (δ13C) muito empobrecidos (à volta de -23,5 ‰), indicando a pureza dos mesmos. A composição isotópica mostrou a possibilidade de diferenciar os méis da Serra da Gorongosa e do CEC. Tratando-se de um estudo preliminar, os resultados desta pesquisa foram encorajadores, ao revelaram a possibilidade da autenticação e denominação de origem do mel da Gorongosa com base nos critérios da origem botânica, geográfica e composição isotópica. Entretanto para isso foi recomendada a realização de mais estudos que incluísse uma maior amostragem.

Minibiografia de Adija Wilssone:

Adija é uma jovem Moçambicana, formada em wildlife management no Instituto técnico médio, licenciada em ecoturismo e wildlife management, mestre em biologia de conservação e doutoranda em ciências da sustentabilidade na Universidade de Lisboa.  Adija estuda a conservação da natureza há 10 anos, e nos últimos três anos esteve a estudar a apicultura como estratégia para a proteção dos ecossistemas e melhoria da qualidade de vida das comunidades residentes ao redor do Parque Nacional da Gorongosa. No ano passado foi bolseira de investigação da bolsa António Coutinho da Fundação Calouste Gulbenkian.

14h00
cE3c - Centro de Ecologia, Evolução e Alterações Ambientais
Título do programa, sobre mosaico de fotografias de jovens cientistas

As candidaturas encontram-se encerradas. Obrigada aos quase 80 candidatos/as!

Logótipo do EVM 2024

Por Pedro Duarte (DM Ciências ULisboa, CMAFcIO).

Seminário do Centro de Matemática, Aplicações Fundamentais e Investigação Operacional, por Baptiste Claustre (aluno ENS Lyon, estagiário CMAFcIO).

Fotografia de ilha

Seminários Doutorais no âmbito da disciplina de Projeto de Investigação (Doutoramento em Ciências do Mar).

Logótipo do EVM 2024

Por Maria Manuel Torres (DM Ciências ULisboa e CMAFcIO).

Titulo e data do evento, com imagem de ponte sobre o tejo

Um evento organizado no âmbito da Ação COST EURO-MIC, de cujo Comitê de Gestão Elisabete Silva, líder do Bioactive and Multifunctional Materials Lab do BioISI, faz parte.

Logótipo do EVM 2024

Por: Jorge Buescu (DM Ciências ULisboa e CMAFcIO).

Logótipo do EVM 2024

Por Jean-Baptiste Casteras (DM Ciências ULisboa e CMAFcIO).

Chegou a hora: os participantes do Programa Ser Cientista vão apresentar os projetos que desenvolveram ao longo de uma semana, acompanhados por docentes e investigadores de CIÊNCIAS. E todos podem assistir!

Imagem do evento

Extended enrolement date until July 12th.

Logótipo do evento, sobre um fundo branco

Um evento de reunião da comunidade nacional nas diversas vertentes da informática, com a ambição de ser o fórum de eleição para a divulgação, discussão e reconhecimento de trabalhos científicos.

Are you ready for this year's edition?

Imagem do evento - título, local e data do evento

Investigação Ecológica ao Serviço da Conservação

A leading venue for presenting and discussing the latest research, industrial practice and innovations in dependable and secure computing.