Alisu: A Algoteca da Universidade de Lisboa

Emiliania huxleyi
Ana Amorim

A Algoteca é uma infraestrutura científica que alberga uma coleção de microalgas em cultura: espécies de fitoplâncton marinho, algumas espécies de água doce e estuarinas que colonizam as zonas entre marés (microfitobentos).

O acrónimo Alisu – coleção de Algas da Universidade de Lisboa (UL) - reflete a sua ligação à coleção botânica da Universidade, internacionalmente referenciada como LISU, onde se inclui o herbário e banco de sementes, sediados no Museu Nacional de História Natural e da Ciência. Pela sua especificidade e requisitos de manutenção, esta coleção foi iniciada e mantida na Faculdade de Ciências da UL pelo grupo de botânica marinha do Centro de Oceanografia (CO) e localiza-se atualmente no C2, piso cinco.

Iniciada há 16 anos, a Algoteca é uma coleção única, por incluir maioritariamente espécies de algas marinhas e estuarinas da costa portuguesa, sendo por isso um verdadeiro repositório de património genético nacional.

“As espécies foram todas recolhidas por nós, representa a diversidade presente nas nossas costas e é fruto do esforço de uma equipa dedicada”, explica a responsável pela Algoteca, Ana Amorim, professora auxiliar do Departamento de Biologia Vegetal e investigadora do CO-FCUL.
Algoteca UL
Fonte: Ana Amorim
Legenda: Cultura de algas em crescimento

A coleção centra-se em espécies que podem afetar negativamente o ecossistema marinho, a exploração de recursos e o próprio Homem (HABs, sigla internacionalmente usada para referir harmful algae), ou de particular relevância ecológica. Uma das espécies, o coccolitóforo Emiliania huxleyi, responsável por um dos blooms algais mais conhecidos em todo o mundo, “é atualmente um dos modelos mais usados para melhor se compreender o funcionamento e papel regulador do oceano no ciclo do carbono”, afirma a investigadora. A compreensão deste mecanismo regulador só tem sido possível estudando a espécie em cultura.

Muitas espécies são mantidas em cultura pelo seu interesse didático e científico. Outras, encontram-se ainda em fase de estudo. A coleção estará inscrita no nó português do Global Biodiversity Information Facility (GBIF) onde se encontra registada a biodiversidade nacional.

Sem financiamento próprio, dependente de projetos de investigação nacionais e europeus, esta infraestrutura científica é um reduto de valor para a UL. Permite e potencia o desenvolvimento de parcerias transversais intra e inter universidades, nacionais e estrangeiras, disponibiliza material didático de qualidade e oferece condições para manutenção de estirpes pertencentes a outras instituições.

Maria Amélia Martins-Loução, Departamento de Biologia Vegetal da FCUL

Apresentação do Departamento

Paleontólogos do MNHN da UL e do GeoFCUL em foco na revista TVmais.

A FCUL participa em "Programa de Estudos Avançados" com mais quatro instituições universitárias portuguesas e brasileiras.

O DQB e a FCUL acolheram, mais uma vez, a realização de provas semifinais das Olimpíadas de Química Júnior 2012 no sábado, 14 de abril de 2012.

Pessoas estudam numa mesa na biblioteca

“Acho que qualquer aluno consegue ser bom, se tiver uma boa disciplina de trabalho e objetivos concretos”. Quem o diz é Gonçalo Faria da Silva, estudante do 3.º ano de Biologia.

No penúltimo dia de março realiza-se a quinta e última sessão do workshop destinado a preparar os estudantes para a obtenção do 1.º emprego.

 

Alunos da FCUL

A Schlumberger realiza uma sessão de recrutamento em Ciências. As grandes empresas procuram os melhores profissionais. A FCUL apoia a inserção profissional dos seus diplomados.
 

O evento é uma organização conjunta da Norton/Symantec e do mestrado em Segurança Informática do DI-FCUL.

O DM está na Futurália

Para Duarte Flor, presidente da associação académica e aluno do 12.º ano em Ciências, é importante que os candidatos ao ensino superior visitem as instalações de uma faculdade.

Desenho de uma figura masculina

“Existe um espaço onde o sentimento de pertença a uma escola pode ser reavivado", afirma Miguel Ramos.

Aluna junto a uma das colunas do átrio do C6

A mostra pictórica da atividade científica da FCUL é inaugurada a 13 de março. Conheça as razões pelas quais deve visitar a exposição.

O que são líquidos iónicos? Num dos primeiros programas do ano, o Com Ciência entrevistou o professor e investigador da FCUL, Carlos Nieto de Castro sobre esta classe de solventes.

Desenho de uma figura masculina

A data de lançamento do livro ainda não é pública, mas o evento deverá ocorrer brevemente, na Faculdade de Belas-Artes da UL.

Ontem evocou-se o Dia das Doenças Raras. A fibrose quística é um desses males incomuns. A investigação científica é importante em todos os setores, mas ganha especial sentido em áreas como esta.

Cerca de 20 professores de Ciências da Natureza e Ciências Naturais de nove concelhos portugueses participam na atividade promovida pelo MNHNC-UL a decorrer até abril.

Imagem de um folheto promocional

A FCUL volta a marcar presença no evento, juntamente com outras unidades orgânicas da UL.

Fotografia com pontos de interrogação

Alunos finalistas aconselham Engenharia da Energia e do Ambiente. Testemunhos de Guilherme Gaspar e Ricardo Leandro.

Fotografia de mesa com cinco pessoas sentadas, na Reitoria da UL

A rede pretende formalizar colégios doutorais em áreas transversais. Opinião de Maria Amélia Martins-Loução.

Fotografia de pessoas sentadas num dos anfiteatros da FCUL

A iniciativa acontece a 17 de março e é organizada pelos Departamentos de Física e de Informática.

Fotografia de Dois voluntários, sentados junto a uma banca no átrio do C5

Em fevereiro estão abertas inscrições para a admissão de novos voluntários.

A FCUL participa em "Programa de Estudos Avançados" com mais quatro instituições universitárias portuguesas e brasileiras.

Vale a pena recordar a iniciativa do Gabinete de Mobilidade, Estágios e Inserção Profissional da FCUL.

Fotografia de alunos a andarem, junto ao C8

A primeira edição do curso realiza-se já em 2012.

Outra forma de fazer turismo.

Pages