Prémio Científico ULisboa/CGD 2019: Cláudio M. Gomes

“A promoção e reconhecimento da qualidade da investigação científica tem um impacto muito positivo dentro e fora da própria Universidade”

Rede de formação avançada na área da biotecnologia e biomedicina de amilóides pode estar para breve

Agregação amilóide na doença de Alzheimer e mecanismos neuronais de proteção

Agregação amilóide na doença de Alzheimer e mecanismos neuronais de proteção

Imagem cedida por CMG

“Esta menção honrosa representa um importante reconhecimento da qualidade da investigação realizada no laboratório que coordeno no BioISI/FCUL. Estamos há cinco anos na ULisboa e tratando-se de um prémio que valoriza o impacto e a produção científica de qualidade especificamente em publicações com afiliação pela ULisboa, este reconhecimento tem um significado muito especial para mim e para a minha equipa, por valorizar o que aqui fizemos neste período.”
Cláudio M. Gomes

Cláudio M. Gomes
Caption

“Estou muito grato por este reconhecimento que nos impele a fazer mais e melhor”, conta Cláudio M. Gomes, professor do Departamento de Química e Bioquímica e investigador do BioISI - Instituto de Biossistemas e Ciências Integrativas, onde é vice-coordenador da linha temática Biomedicina, a propósito da menção honrosa que recebeu no âmbito dos Prémios Científicos Universidade de Lisboa (ULisboa)/Caixa Geral de Depósitos (CGD) 2019.

Para Cláudio M. Gomes os prémios científicos e as menções honrosas são iniciativas que reforçam a centralidade da investigação científica na Universidade e por isso são muito importantes numa instituição de ensino e de ciência como a ULisboa. “A promoção e reconhecimento da qualidade da investigação científica tem um impacto muito positivo dentro e fora da própria Universidade, também sobre os nossos alunos, pelo que estes investimentos têm rapidamente um retorno muito ampliado”, refere.

Cláudio M. Gomes é doutorado em Bioquímica e coordena o laboratório de investigação Protein Misfolding and Amyloids in Biomedicine, onde investiga aspetos da bioquímica estrutural de proteínas, doenças do enrolamento proteico e bioquímica da neurodegeneração.

Cláudio M. Gomes publicou 118 artigos científicos em revistas internacionais com +3500 citações e detém um índice h de 34 (Scopus). É membro do Conselho Pedagógico e leciona na licenciatura e no mestrado em Bioquímica, coordenando este último desde 2018.

O laboratório de Cláudio M. Gomes investiga de que forma as alterações bioquímicas e estruturais em proteínas se relacionam com doenças humanas, como a doença de Alzheimer. Nestas patologias ocorre uma alteração no processo de enrolamento tridimensional, que resulta na formação de proteínas disfuncionais ou em agregados. É o que acontece na doença de Alzheimer, em que a formação, no cérebro, de agregados amilóide formados pelas proteínas Tau e amilóide beta resulta em neurodegeneração. “Estas são duas das proteínas que estudamos, e, nos últimos cinco anos publicamos descobertas importantes relacionadas sobre a forma como estes processos de agregação amilóide são regulados ao nível bioquímico e molecular. A mais significativa terá sido a identificação de um novo mecanismo de proteção mediado por proteínas da resposta inflamatória, que atuam na sinapse onde se acumulam agregados proteicos, e que verificamos atrasarem a agregação amilóide e diminuírem a sua neurotoxicidade. Esta descoberta teve impacto na comunidade científica e até nos média, e constituiu um avanço importante para a compreensão da complexidade molecular e bioquímica da Doença de Alzheimer”, explica Cláudio M. Gomes.

Equipa de Cláudio M. Gomes
Cláudio M. Gomes e a sua equipa
Imagem cedida pro CMG

A equipa de Cláudio M. Gomes investiga a formação vários tipos de amilóide e o modo de atuação das proteínas inibidoras, em modelos celulares, como ponto de partida para testes em animais modelo de Alzheimer; também estão a testar anticorpos desenvolvidos anteriormente, e que atuam sobre as proteínas reguladoras e sobre o processo de agregação. “Queremos compreender os mecanismos moleculares destes processos, dado que este conhecimento é vital para desenvolver terapias que possam evitar a agregação e mitigar a doença”, conta Cláudio M. Gomes acrescentando que estão muito empenhados em gerar avanços significativos nesta área. “É para mim um privilégio estar a coordenar os esforços de um consórcio internacional composto pelos maiores especialistas em amilóides e com a participação de empresas farmacêuticas globais, no sentido de obtermos financiamento europeu que nos permita, a médio prazo, estabelecer uma rede de formação avançada na área da biotecnologia e biomedicina de amilóides”, conclui.

“É para mim um privilégio estar a coordenar os esforços de um consórcio internacional composto pelos maiores especialistas em amilóides e com a participação de empresas farmacêuticas globais, no sentido de obtermos financiamento europeu que nos permita, a médio prazo, estabelecer uma rede de formação avançada na área da biotecnologia e biomedicina de amilóides.”
Cláudio M. Gomes

Ana Subtil Simões, Área Comunicação e Imagem Ciências ULisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt