Personalidades em Ciências

“Physical Tourist in Lisbon”

Em Portugal há lugar para um turismo de cariz científico. Há cerca de quatro anos, Ana Simões foi convidada a escrever para a rubrica Physical Tourist da revista americana “Physics in Perspective”, uma publicação de História das Ciências dirigida essencialmente aos professores do ensino secundário. O artigo “Physical Tourist in Lisbon” assinado por Ana Simões, juntamente com outras duas colegas, já foi aprovado pelos editores da revista e deverá ser publicado até ao final do ano. Os percursos pedestres sugeridos pelas autoras podem ser realizados em dois dias, tendo como ponto de partida a Estátua do Fernando Pessoa, no Chiado. Caso a candidatura portuguesa à organização do próximo congresso da European Society for the History of Science saia vencedora, quem sabe se em 2014 os congressistas não irão poder efetuar este roteiro!

Um destes dias a professora e investigadora Ana Simões trará às instalações da FCUL um historiador da Química para apresentar a obra “Neither Physics nor Chemistry: A History of Quantum Chemistry”, um livro escrito em colaboração com Kostas Gavroglu, professor de História das Ciências da Universidade de Atenas, na Grécia, desde 1994.

“É mais do que uma ideia”, comenta a docente da Secção Autónoma de História e Filosofia das Ciências da FCUL e coordenadora do Centro Interuniversitário de História das Ciências e da Tecnologia, uma unidade de investigação que tem como instituições de acolhimento a FCUL e a Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa.

Em entrevista, a historiadora das ciências, nascida a 13 de outubro de 1958, dá-nos a conhecer este último trabalho, publicado em outubro passado pelo MIT Press. “Neither Physics nor Chemistry: A History of Quantum Chemistry” não existe nas livrarias portuguesas, mas pode ser encomendado pela Amazon. O livro, redigido em cerca de dois anos, reflete o trabalho desenvolvido pelos investigadores nos últimos 18 anos. Ana Simões diz que se trata de “um livro que não é propriamente muito fácil de ler porque estamos a tratar de uma disciplina que é complexa, que usa muito o formalismo matemático da mecânica quântica. Escrevemos o livro praticamente sem equações. A temática é relativamente circunscrita e técnica”. Outro “megaprojeto” de Ana Simões com Kostas Gavroglu consiste na escrita de um livro dedicado às relações entre a Química e a Matemática, procurando perceber qual foi o papel que a Matemática e a matematização tiveram na Química.

A antiga aluna de Física, professora na Faculdade de Ciências desde 1982, dedica muito do seu tempo à História da Ciência em Portugal. No final do verão espera finalizar, juntamente com outros quatro colegas, um livro sobre a história da Faculdade de Ciências, desde a sua criação até à Democracia. Para além desta obra, Ana Simões também participou recentemente noutro  livro sobre a história da UL,  consagrado à universidade contemporânea, séculos XIX e XX e que, em conjunto com outro sobre a universidade medieval, deverão ser apresentados publicamente num futuro muito próximo.

A história da FCUL é singular, mas pouco conhecida, por isso, projetos como estes assumem particular importância. Para Ana Simões, “um trabalho que reflita sobre o passado de uma instituição, ou o passado da ciência em Lisboa ou em Portugal, é sempre algo de muito importante para repensarmos o nosso trajeto e até é, do meu ponto de vista, importante para percebermos o momento presente, projetarmos o futuro e percebermos que há muitas questões que vão reaparecendo”, como por exemplo, as coligações e conflitos entre faculdades, um tema tão na ordem do dia e igualmente presente na génese da Faculdade de Ciências.

A preservação e divulgação do património científico português tem grande importância na vida da antiga aluna da licenciatura de Física da FCUL, mais tarde estudante de doutoramento em História, com especialização em História e Filosofia das Ciências, na Universidade de Maryland em College Park, nos EUA. Inclusivamente, Ana Simões, bem como outros colegas, têm escrito alguns papers usando os arquivos dos Museu Nacional de História Natural e da Ciência e do Observatório Astronómico de Lisboa. O espólio patrimonial destas instituições é, de facto, uma mais-valia para a História das Ciências em Portugal. Recentemente, o reitor da UL, António Sampaio da Nóvoa, recebeu o título de membro honorário da Universeum – European Academic Heritage Network, uma rede reconhecida pelo Conselho Europeu e que procura valorizar o património científico, museológico, monumental, botânico e arquivístico das universidades europeias.

Com mais de 90 publicações no currículo, a professora da FCUL coordenou juntamente com o colega Henrique Leitão a coleção História e Filosofia das Ciências, publicada pela Porto Editora e entretanto encerrada. Esta coleção integra 14 volumes de traduções de livros importantes para a História das Ciências, como é o caso de “Galileu, Cortesão”, de Mario Biagioli, traduzido por Ana Sampaio e que recebeu a esse propósito uma menção honrosa na 15.ª edição do Prémio de Tradução Científica e Técnica em Língua Portuguesa.

Outro volume incluído nesta prestigiada coleção é a obra “Cidadão do Mundo. Uma Biografia Científica do Abade Correia da Serra”. A obra escrita por Ana Simões, Maria Paula Diogo e Ana Carneiro sobre o naturalista e um dos fundadores da Academia das Ciências foi traduzida recentemente para Inglês, pela Universidade de Califórnia, Berkeley, uma opção que teve em consideração as relações entre o cientista português e os primeiros presidentes americanos. O encerramento da coleção História e Filosofia das Ciências foi determinado pelo limitado número de vendas. Ana Simões acredita que existe público para estes livros e que as editoras devem continuar a investir neste tipo de edições, apostando fortemente na divulgação das obras. “Estes livros não tinham grande saída porque eu acho que eles não tinham grande visibilidade”, conclui. Segundo a direção editorial da Porto Editora, “a decisão de não dar continuidade à coleção demorou algum tempo e foi difícil de tomar”. A empresa fundada em 1944 explica que enfrentou dificuldades em rentabilizar a coleção devido, sobretudo, à pequena dimensão do mercado português e aos elevados investimentos a que este tipo de publicações obriga. Para a direção editorial daquela sociedade por quotas: “estes aspetos foram sendo agravados pelo recurso frequente a fotocópias e à facilidade com que os alunos portugueses leem textos em língua estrangeira, preferindo nalguns casos as edições originais às traduções, mesmo que muito cuidadas e de grande qualidade, como é o caso das da coleção História e Filosofia das Ciências”.

Ana Subtil Simões, Gabinete de Comunicação, Imagem e Cultura da FCUL
info.ciencias@fc.ul.pt

A FCUL participa em "Programa de Estudos Avançados" com mais quatro instituições universitárias portuguesas e brasileiras.

O DQB e a FCUL acolheram, mais uma vez, a realização de provas semifinais das Olimpíadas de Química Júnior 2012 no sábado, 14 de abril de 2012.

Pessoas estudam numa mesa na biblioteca

“Acho que qualquer aluno consegue ser bom, se tiver uma boa disciplina de trabalho e objetivos concretos”. Quem o diz é Gonçalo Faria da Silva, estudante do 3.º ano de Biologia.

No penúltimo dia de março realiza-se a quinta e última sessão do workshop destinado a preparar os estudantes para a obtenção do 1.º emprego.

 

Alunos da FCUL

A Schlumberger realiza uma sessão de recrutamento em Ciências. As grandes empresas procuram os melhores profissionais. A FCUL apoia a inserção profissional dos seus diplomados.
 

O evento é uma organização conjunta da Norton/Symantec e do mestrado em Segurança Informática do DI-FCUL.

O DM está na Futurália

Para Duarte Flor, presidente da associação académica e aluno do 12.º ano em Ciências, é importante que os candidatos ao ensino superior visitem as instalações de uma faculdade.

Desenho de uma figura masculina

“Existe um espaço onde o sentimento de pertença a uma escola pode ser reavivado", afirma Miguel Ramos.

Aluna junto a uma das colunas do átrio do C6

A mostra pictórica da atividade científica da FCUL é inaugurada a 13 de março. Conheça as razões pelas quais deve visitar a exposição.

O que são líquidos iónicos? Num dos primeiros programas do ano, o Com Ciência entrevistou o professor e investigador da FCUL, Carlos Nieto de Castro sobre esta classe de solventes.

Desenho de uma figura masculina

A data de lançamento do livro ainda não é pública, mas o evento deverá ocorrer brevemente, na Faculdade de Belas-Artes da UL.

Ontem evocou-se o Dia das Doenças Raras. A fibrose quística é um desses males incomuns. A investigação científica é importante em todos os setores, mas ganha especial sentido em áreas como esta.

Cerca de 20 professores de Ciências da Natureza e Ciências Naturais de nove concelhos portugueses participam na atividade promovida pelo MNHNC-UL a decorrer até abril.

Imagem de um folheto promocional

A FCUL volta a marcar presença no evento, juntamente com outras unidades orgânicas da UL.

Fotografia com pontos de interrogação

Alunos finalistas aconselham Engenharia da Energia e do Ambiente. Testemunhos de Guilherme Gaspar e Ricardo Leandro.

Fotografia de mesa com cinco pessoas sentadas, na Reitoria da UL

A rede pretende formalizar colégios doutorais em áreas transversais. Opinião de Maria Amélia Martins-Loução.

Fotografia de pessoas sentadas num dos anfiteatros da FCUL

A iniciativa acontece a 17 de março e é organizada pelos Departamentos de Física e de Informática.

Fotografia de Dois voluntários, sentados junto a uma banca no átrio do C5

Em fevereiro estão abertas inscrições para a admissão de novos voluntários.

A FCUL participa em "Programa de Estudos Avançados" com mais quatro instituições universitárias portuguesas e brasileiras.

Fotografia de alunos procuram informações junto a uma banca no átrio do C3

Vale a pena recordar a iniciativa do Gabinete de Mobilidade, Estágios e Inserção Profissional da FCUL.

Fotografia de alunos a andarem, junto ao C8

A primeira edição do curso realiza-se já em 2012.

Outra forma de fazer turismo.

Artigo de investigadores do CeGUL e docentes do GeoFCUL no Top 25.Artigo de investigadores do CeGUL e docentes do GeoFCUL no Top 25

O Encontro decorreu em Junho no GeoFCUL.

Páginas